SIPE apela ao Governo que encerre as escolas durante o confinamento geral


Comunicado

 SIPE apela ao Governo que encerre as escolas

durante o confinamento geral

Perante a iminência de um novo confinamento geral, a partir das 00h00 da próxima quinta-feira, dia 14 de janeiro, o SIPE – Sindicato Independente de Professores e Educadores apela ao Governo que encerre as escolas durante este período, à semelhança do confinamento geral realizado em março e abril do ano passado. O SIPE rejeita por completo a ideia que tem veiculado de que os estabelecimentos de ensino permaneçam abertos com aulas presenciais durante este período, o que considera ser um confinamento geral de “faz-de-conta”.

Perante a evolução da pandemia, compreende-se a necessidade de aplicar um confinamento geral, dado o crescente número de casos de infeções por COVID-19, a fim de mitigar este cenário urgentemente. Porém, o SIPE entende que face aos elevados custos económicos para o País, além do seu impacto social, esta medida tem de ser verdadeiramente eficaz. Deixar as escolas abertas durante o confinamento é negligenciar focos de contágio. Seria, inclusivamente, fundamental perceber como a Covid-19 se tem propagado entre crianças assintomáticas nas nossas escolas. No entanto, mesmo sem a totalidade dos números reportados nos estudos epidemiológicos, é possível verificar que nas escolas há contágios. Desde o início do ano letivo, têm sido reportados vários surtos de Covid-19 e não apenas casos isolados. Estar à espera de controlar esta pandemia confinando apenas os adultos e deixando as crianças e os jovens expostos e, eventualmente, a disseminar a doença, é o mesmo que nos estarmos a esconder deixando os pés de fora, e esperar não sermos encontrados.

O SIPE reconhece que é complicado para muitas famílias ficar em teletrabalho com os filhos em casa, com aulas em regime à distância, e tem plena consciência das assimetrias de recursos tecnológicos que os alunos têm ao seu dispor. No entanto, a situação exige medidas extremas e é possível arranjar formas de minimizar estes problemas. O “Estudo em casa” é um dos recursos para chegar a todos os alunos e reduzir o tempo das aulas síncronas e assíncronas ao mínimo necessário para se manterem ligados à escola e, simultaneamente, conciliar o teletrabalho dos outros elementos de família. Por 15 dias, não há danos irreparáveis nas aprendizagens e o calendário escolar já foi alargado para fazer face aos constrangimentos da pandemia.

O SIPE considera que, em termos de equidade entre os alunos, é preferível ficarem todos confinados em simultâneo do que em momentos diferentes, como tem acontecido desde o início do ano letivo, chegando-se ao cúmulo de ficar um só aluno na sala de aula com o professor, e a restante turma estar em casa, em ensino não presencial. O SIPE ressalva ainda que o fecho das escolas não invalida a colaboração destas instituições no acolhimento dos filhos ou outros dependentes dos trabalhadores dos serviços essenciais, tal como sucedido durante o confinamento geral de março e abril do ano passado.

 

Porto, 11 de janeiro de 2021                                    

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/01/sipe-apela-ao-governo-que-encerre-as-escolas-durante-o-confinamento-geral/

13 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Falar verdade on 11 de Janeiro de 2021 at 16:28
    • Responder

    Totalmente de acordo. Finalmente, um sindicato assertivo.

    • Cristina on 11 de Janeiro de 2021 at 16:36
    • Responder

    Isso é tudo verdade…. Mas o que fazer a alunos do 1° ano que não têm meios tecnológicos? Alguma vez o Estudo em Casa pode colmatar a importância fulcral desta altura da vida escolar?! E os alunos do 2° ano que estão agora a começar a recuperar algumas das aprendizagens?!
    Eu percebo a permissão de fechar as escolas e apoio (eu própria tenho uma turma de 1° ano em que os alunos não usam máscara), mas há muito mais em jogo e não nos podemos esquecer disso. Afinal a função primordial da escola é o direito à educação.

      • SempreAlerta on 11 de Janeiro de 2021 at 20:47
      • Responder

      “mas há muito mais em jogo” … sim, a nossa saúde …

      • António on 11 de Janeiro de 2021 at 22:45
      • Responder

      As aprendizagens podem ser recuperadas, a vida não.

      • Fernando, el peligroso de las verdades. on 12 de Janeiro de 2021 at 0:14
      • Responder

      Era primordial o direito à educação. Mas há muito que deixou de o ser. Pelo menos para os grunhos a escola só serve para comer o almoço e para não estarem em casa s chatear os pais grunhos.

    • farto on 11 de Janeiro de 2021 at 18:34
    • Responder

    Finalmente! A ponderar inscrever-me no SIPE.

    • Rafaela on 11 de Janeiro de 2021 at 18:55
    • Responder

    Este governo é sempre contra os professores. Talvez queira que morram uns quantos. Porque é que não vacinam já professores, educadores e auxiliares? Não se preocupam minimamente com a escola,. Se as escolas são lugares seguros então acho que não é preciso confinar pois praticamente todos os outros lugares o são. Muita gente, quiçá o governo, pensa que os professores não querem trabalhar. Isto é porque quem pensa assim acha que dar aulas é uma tarefa aborrecida e trabalhosa. Significa que se eles fossem professores também não iriam querer trabalhar. Em caso de ensino à distância os professores até têm o trabalho dificultado, pois é preciso produzir mais materiais

    • prof ,mas pouco on 11 de Janeiro de 2021 at 19:59
    • Responder

    Os preguiçosos já estão a salivar com o reforço das interrupções letivas.
    A Economia e os alunos que se danem, pensam aqueles

    • miguel on 11 de Janeiro de 2021 at 20:42
    • Responder

    és um porco

      • Fernando, el peligroso de las verdades. on 12 de Janeiro de 2021 at 0:15
      • Responder

      Um grunho!

    • SempreAlerta on 11 de Janeiro de 2021 at 20:42
    • Responder

    “prof ,mas pouco”? … eu diria que de prof não tens nada!! Ou então tás bem acomodado em algum “tachinho” …
    Família? Saúde? Bem-estar? Vida? Sabes o significado destas palavras?
    Sacudam este “prof” daqui!!!

    • Rosinha on 11 de Janeiro de 2021 at 22:29
    • Responder

    De facto o calendário escolar, este ano letivo já tem mais dias de aulas, não constitui prejuízo nenhum para as aprendizagens o confinamento. Mais: quem esteve o ano passado no ensino à distância com boas plataformas, constatou que os alunos acompanharam bastante bem o ritmo e adquiriram conhecimentos.
    No confinamento de Março os alunos não ficaram sem aulas.
    Encerrar os estabelecimentos escolares, não é encerrar a escola.

    • Atento on 11 de Janeiro de 2021 at 22:30
    • Responder

    ——————–
    ——————————

    Não vale a pena fazer Apelos ás BESTAS pseudo-Socialistas comandadas por António BOSTA.

    É importante tomar posições de força, mas infelizmente a generalidade dos stôres e stôras são uns TóTós para não dizer outra coisa.

    —————–
    ———————————–

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: