‘Cinema Sem Conflitos’ chegou às escolas Domingos Rebelo e Básica e Integrada de Rabo de Peixe pela mão de Ivan Gouveia e com apoio de 10 mil euros

‘Cinema Sem Conflitos’ chegou às escolas Domingos Rebelo e Básica e Integrada de Rabo de Peixe pela mão de Ivan Gouveia e com apoio de 10 mil euros

Foi em 2015 que Ivan Gouveia veio de Évora para os Açores com o intuito de dar aulas. Tendo já percorrido as ilhas Terceira, Flores e São Miguel, este professor tem aplicado na Região, a par com o seu colega Ricardo Silva, o projecto Cinema Sem Conflitos. Este é um projecto online que nasceu em Évora, que se pode conhecer através do endereço http://cinemasemconflitos.pt/, e que conta com dois consultores pedagógicos, José Rodrigues e Vítor Silva, e uma psicóloga clínica, Andreia Ribeira.
Nesta iniciativa digital muitas problemáticas são apresentadas através de vídeo, tais como “agressão física, agressão verbal, dificuldades na comunicação interpessoal, problemas de convivência em comunidade, bullying e cyberbulling, racismo e xenofobia, violência e crime, entre muitas outras”, conforme descreve o responsável Ivan Gouveia. Este professor tem uma licenciatura em Design Gráfico e Industrial e um mestrado em Ensino de Artes Visuais.
Com naturalidade moçambicana, este professor contratado encontra-se de momento a leccionar na Escola Básica e Integrada das Capelas, ministrando a área curricular disciplinar de Educação Visual e tecnológica. Na Escola Profissional da Povoação lecciona a disciplina de Expressão Plástica, tendo já desenvolvido várias formações e conferências.
Note-se que através deste projecto, a Escola Secundária Domingos Rebelo, em Ponta Delgada, e a Escola Básica e Integrada de Rabo de Peixe, na Ribeira Grande, estão já equipadas com material informático para desenvolver esta iniciativa, através de apoios que totalizam o montante de 10.000 €.
Sobre o projecto, Ivan Gouveia garante que no mesmo “o cinema se assume como elo único pela transversalidade que possui. Os filmes certos nos momentos certos podem ser autênticos “espelhos” para as nossas próprias vidas e sugerir-nos caminhos a seguir. Desta forma, o cinema pode passar a ser interpretado como uma poderosa e acessível ferramenta de auxílio a mediação de conflitos e à prevenção das problemáticas mais variadas”, explica.
Sobre o nome desta iniciativa, o professora garante que o mesmo “tenta invocar um sentido cómico e até algo sarcástico, já que praticamente todas as narrativas fílmicas decorrem precisamente em torno de enormes conflitos. Trata-se assim de um nome de fácil memorização e que dá relevo às palavras que são alicerces do próprio projecto: cinema e conflitos”.
Certo é que todos os temas apresentados nestes filmes são actuais e polémicos, além do que “obedecem a um rigor científico onde cada profissional da equipa técnica assume a responsabilidade de comentar os filmes de acordo com a sua formação académica”, explica o professor.
Destacando alguns dos temas que considera mais importantes, o professor relembrou que “o bullying se revela como um dos mais marcantes conflitos do nosso quotidiano, que quando mal resolvido na mente dos e das jovens pode deixar marcas permanentes, e em situações mais extremas poderá conduzir a tentativas de suicídio ou mesmo à morte”, alerta.
Relativamente à parentalidade, Ivan Gouveia afirma que “as famílias dos dias de hoje apresentam novos desafios exigindo que os adolescentes tenham uma maior capacidade de resiliência face as novas dinâmicas familiares, como famílias reconstituídas, monoparentais e homossexuais”.
Outro alerta que o docente faz vai ao encontro do “tópico adolescência, automutilações e suicídio. Confrontamo-nos cada vez mais com casos de adolescentes que se automutilam, canalizando a sua dor emocional para a dor física, o que revela fragilidades ao nível de auto estima, falta de suporte familiar, baixa resistência a frustração”. Por tudo isso, o projecto ‘Cinema Sem Conflitos’ “pretende despertar uma maior consciencialização em toda a comunidade escolar”, salienta.
Tudo começou por cá no mês de Março de 2017, revelando-se o projecto “interessante para os jovens, na medida em que permite a ocupação de tempos livres de uma forma didáctica semi-profissional”. Conflitos em sala de aula, relações interpessoais, bullying, dilemas sociais e adolescência automutilação e suicídio são os temas mais procurados pelos jovens nesta plataforma online.
Sobre as reacções dos jovens a este site, Ivan Gouveia esclarece que as mesmas são positivas, sendo que “os vídeos acabam por ser “espelhos” do seu quotidiano, o que permite que reflitam sobre os seus comportamentos, sentimentos, vícios, atitudes e que haja um espaço de abertura à mudança”.
Por outro lado, “o projecto pretende envolver os encarregados de educação no percurso educativo dos jovens, convidando-os a vir à escola, onde poderão assistir e participar nos vídeos feitos pelos alunos e assim delineando estratégias juntamente com seus educandos, a fim de superarem os desafios do dia-a-dia”.
Tendo em conta que hoje em dia o meio digital é muito propagado, o professor realça que “enquanto os jovens se acostumam com o uso de dispositivos nas suas vidas pessoais, assim como os professores e dirigentes escolares, estes apercebem-se que a tecnologia é essencial para viver, aprender e trabalhar no mundo actual. A validação de experiências de aprendizagem informal também desempenha um papel neste desafio, pois os alunos têm mais oportunidades do que nunca, para perseguir os seus interesses fora da sala de aula. Com efeito, isso poderá vir a ser um dos grandes trunfos que os professores poderão retirar da utilização das tecnologias”, diz.
Os vídeos apresentados neste site não são realizados por esta equipa de trabalho, mas os alunos são desafiados a produzirem através do que aprendem neste espaço online, o que já começou a acontecer. “O espaço tem o seu enfoque na partilha e disseminação dos filmes para utilização em contexto, sendo premissa fundamental que os filmes estejam obrigatoriamente alojados em espaços online dos realizadores, produtores, distribuidores ou outras entidades oficiais, preservando-se assim os seus direitos autorais, até pelo facto de se começar a verificar que muitos filmes, acabado o caminho de submissão a festivais e outros concursos, disponibilizam o filme online, especialmente quando falámos, como é o caso, de curtas-metragens.”
No que diz respeito aos apoios, este projecto conta com um “apoio financeiro da Direcção Regional da Juventude e Fundação Calouste Gulbenkian com material descontinuado atribuído à Escola Secundária Domingos Rebelo. Quanto à divulgação do projecto, contamos com o apoio da Direcção Regional da Educação, Plano Nacional de Cinema, Instituto Açoriano da Cultura, Teatro Micaelense, Cine Clube Ilha Terceira, Universidade de Évora, Universidade Aberta, Blog DeAr Lindo e Blog com regras”, enumera o professor.
Quanto à possibilidade de expansão, Ivan Gouveia explicou-nos que “este projecto já foi dado a conhecer à Direcção Regional da Educação intitulado como “Escola Sem Conflitos”, com o objectivo de ser aplicado e disseminado no arquipélago dos Açores, pelo que neste momento aguardamos um parecer do governo”.
Como toda a rosa também este projecto tem os seus espinhos. “As dificuldades prendem-se com a manutenção do website, nomeadamente domínio e alojamento e toda a burocracia que isso exige. Com a divulgação dos vídeos não só no nosso website, como também nos maiores blogs de educação em Portugal, tais como Blog de ar lindo, e com regras.pt, atingimos 50 000 visualizações mensais. Outra dificuldade está relacionada com o facto de a equipa ser voluntária exigindo tempo e dedicação em prol de um bem maior, que passa por contribuir para um melhor desenvolvimento integral dos adolescentes.”
Outros projectos maiores estão a ser pensados também por esta equipa. “O projecto desenhado para Vila Franca do Campo terá como público-alvo os jovens acompanhados pelo CDIJ Mosaico com idades compreendidas entre os 14 e os 21 anos de idade em situação de risco”, divulga o professor.
Nesse âmbito, “o projecto, através da aprendizagem da arte audiovisual, pretende abrir horizontes para uma disseminação da cultura açoriana, potenciando a futura integração sócio-profissional e ocupando de forma didáctica as crianças e jovens”.
Pelos motivos acima explicados, e além dos apoios já obtidos, o professor disse-nos que formalizaram ainda uma candidatura à Direcção Regional da Cultura, estando a aguardar parecer. “O eventual apoio destina-se à aquisição de equipamento audiovisual para a prossecução das actividades. Estes apoios devem ser aprovados, porque o projecto visa a promoção e reforço das competências pessoais e sociais de grupos vulneráveis, com vista ao sucesso educativo e, por conseguinte, a respectiva e tão desejada integração social”, salienta. Como se não bastasse, a organização considera este projecto “de interesse relevante para a preservação, valorização, promoção e divulgação cultural da Região Autónoma dos Açores”, salienta Ivan Gouveia.
Admitindo a vontade de não querer sair da ilha, o professor confessa também a esperança de que este trabalho desenvolvido sirva de contagem de serviço para a sua carreira.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/cinema-sem-conflitos-chegou-as-escolas-domingos-rebelo-e-basica-e-integrada-de-rabo-de-peixe-pela-mao-de-ivan-gouveia-e-com-apoio-de-10-mil-euros/

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR NOS AÇORES

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR NOS AÇORES

Acompanhando as novas tendências educativas em termos de flexibilidade e inclusão (com os efeitos que se conhecem nas escolas) os Açores têm em discussão um novo currículo.
As consequências são imprevisíveis, ou por outra calculáveis por já termos assistido a filme semelhante.
A proposta legislativa indicia o fim da EVT e consequente separação da EV e da ET no 2.° ciclo e fim do par pedagógico (o que por cá se mantinha), com tudo o que isso implica em termos de abanão no sistema com professores a mudar de grupo e a agarrarem-se a tudo o que podem em todas as latitudes. Pior ainda, é que isso decorre em simultâneo com o possível esmagamento da carga letiva destas áreas com o aparecimento da nova disciplina de TIC.
Um exotismo interessante de analisar é a disciplina de História e Geografia dos Açores.
Pareceres decorrem até 31 de maio, ver aqui:

http://base.alra.pt:82/4DACTION/w_pesquisa_registo/3/2976

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/proposta-de-revisao-curricular-nos-acores/

Qual a diferença entre um espaldar e uma parede?

Nenhuma.

O desfasamento entre o material para a prática de Educação Física, existente na maioria das escolas do 1.º Ciclo, e a realidade de quem elabora uma Prova de Aferição são de tal ordem que, pode muito bem, pôr em risco a integridade física das crianças. Já para não falar da desigualdade em que as provas podem ser realizadas em diferentes escolas, mas isso não deve importar, porque as Provas de Aferição “não contam para a nota”…

 

Um espaldar é igual a uma parede lisa? Durante as provas de aferição pode ser

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/qual-a-diferenca-entre-um-espaldar-e-uma-parede/

Um espaldar é igual a uma parede lisa? Durante as provas de aferição pode ser

Um espaldar é igual a uma parede lisa? Durante as provas de aferição pode ser | Educação | PÚBLICO

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/um-espaldar-e-igual-a-uma-parede-lisa-durante-as-provas-de-afericao-pode-ser/

Concursos de pessoal docente para o ano escolar 2019/2020 – RA Madeira

Encontram-se abertos, a partir do dia 23/04/2019, os concursos de afetação aos quadros de zona pedagógica, mobilidade interna, de contratação inicial e de reserva de recrutamento de pessoal docente, da educação dos ensinos básico e secundário e do pessoal docente especializado em educação e ensino especial na Região Autónoma da Madeira, para o ano escolar de 2019/2020, ao abrigo do Decreto Legislativo Regional n.º 28/2016/M, de 15 de julho, alterado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 9/2018/M, de 29 de junho, estando o respetivo aviso de abertura disponível para consulta no JORAM n.º 67, II série, de 22 de abril de 2019.

A candidatura aos concursos de contratação inicial e de mobilidade interna é precedida de uma inscrição obrigatória, nos seguintes momentos:

  • Contratação inicial entre 23 e 30 de abril de 2019;
  • Mobilidade interna entre 29 a 31 de maio de 2019.
Os candidatos que tenham lecionado ou que se encontrem a exercer funções docentes em estabelecimentos de educação, ensino ou instituições de educação especial da rede pública da Região Autónoma da Madeira, entre 01/09/2018 e a data da abertura do concurso, estão dispensados de efetuar a inscrição.
A inscrição realiza-se mediante o preenchimento e entrega dos formulários a seguir enunciados:
Formulário A – Candidatos ao concurso de contratação inicial com reserva de recrutamento da RAM, sem vínculo aos estabelecimentos de educação/ensino/instituições de educação especial da RAM (rede pública e privada);
Formulário B – Candidatos ao concurso de contratação inicial – nos termos do n.º 5 do artigo 40.º do Decreto Legislativo Regional n.º 28/2016/M, de 15 de julho, alterado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 9/2018/M, de 29 de junho, indivíduos que no ano letivo anterior àquele a que respeita o concurso tenham adquirido habilitação profissional após a publicação do aviso da abertura do concurso;
Formulário C – Candidatos ao concurso de mobilidade interna nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 36.º do Decreto Legislativo Regional n.º 28/2016/M, de 15 de julho, alterado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 9/2018/M, de 29 de junho, sem vínculo aos estabelecimentos de educação/ensino/instituições de educação especial da RAM.
A candidatura efetua-se após a inscrição obrigatória e realiza-se nos seguintes momentos:
Contratação inicial: 3 a 5 de junho de 2019. 
Mobilidade interna: 6 a 7 de junho de 2019.
Afetação (docentes dos quadros de zona pedagógica): 11 a 13 de junho de 2019.
A candidatura realiza-se em aplicação informática própria, no seguinte endereço eletrónico: https://agir.madeira.gov.pt.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/concursos-de-pessoal-docente-para-o-ano-escolar-2019-2020-ra-madeira/

Divulgação – Aberto concurso Elaboração e implementação de planos de ação de Educação para a Cidadania em contexto escolar

 

No âmbito do projeto “Educação para a Cidadania”, a Fundação Gonçalo da Silveira e o Centro de Investigação para o Desenvolvimento Humano da Universidade Católica Portuguesa – Centro Regional do Porto informam que se encontra aberto Concurso para a apresentação de propostas de consórcios de ONG / agrupamento de escolas para a elaboração e implementação de planos de ação de Educação para a Cidadania em contexto escolar durante os dois próximos anos letivos (2019/2020 e 2020/2021), com início previsto em setembro de 2019 e fim em agosto de 2021.

Podem candidatar-se consórcios constituídos por uma ou mais ONG e um agrupamento de escolas / escola não agrupada. Para além destas, os consórcios poderão associar outras entidades. A participação de uma ONG que atue/trabalhe no território de intervenção da proposta é obrigatória.

Serão apoiados três consórcios de ONG / agrupamento de escolas, sendo o montante disponibilizado para apoiar cada consórcio de 25 000€.

É indispensável a leitura dos Termos de Referência (disponíveis aqui), que contêm toda a informação necessária para a preparação e submissão da candidatura. 

As candidaturas devem ser submetidas até ao final do dia 6 de junho.

O projeto “Educação para a Cidadania” é uma iniciativa do Programa Cidadãos Ativ@s, financiado pelos EEA Grants e gerido em Portugal pela Fundação Calouste Gulbenkian em consórcio com a Fundação Bissaya Barreto.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/divulgacao-aberto-concurso-elaboracao-e-implementacao-de-planos-de-acao-de-educacao-para-a-cidadania-em-contexto-escolar/

Guia Para a Realização das Provas de Aferição 2019

Agora que se aproximam as provas de aferição de 2019 fica aqui o guia para a realização dessas provas.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/guia-para-a-realizacao-das-provas-de-afericao-2019/

Divulgação – Vigília Nacional contra a violência contra os professores

 

Vigília Nacional contra a violência contra os professores

TODOS os professores e os membros de TODAS as comunidades educativas, UNIDOS, devem expressar ao país o seu total repúdio face a todo o tipo de violência:  A escola é para ensinar e aprender não é para sofrer!

No último episódio visível de violência escolar, amplamente público, um professor de 63 anos, na Escola Básica Francisco Torrinha (Porto) foi vítima de um crime público na sala de aula.
Mas este episódio é apenas a “ponta do iceberg”, pois todos nós já estivemos em escolas e/ou conhecemos colegas que foram vítimas, muitos dos quais por medo, vergonha, ou por receio da Direção, ficam calados!
Sentir repúdio não basta para combater uma problemática como esta, é preciso AGIR!

  • Aderir à vigília (determinante):

-Todos os colegas devem inscrever-se na cidade onde participarão (inscrição até dia 25 de abril)!

Basta clicar no LINK do evento / Discussão

-Embora esteja aberta a marcação de vigílias em qualquer localidade, apenas os locais com 100 ou + colegas garantidos serão incluídos no cartaz, a publicar e divulgar, depois de dia 25 de abril (para evitar vigílias pouco participadas e contraproducentes, como todos certamente concordaremos).

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/divulgacao-vigilia-nacional-contra-a-violencia-contra-os-professores/

Os Professores Millennials

Estes são os professores já formados e que cresceram com a revolução tecnológica e que por esse motivo estão mais próximos das gerações atuais de alunos que agora temos nas escolas.

Só é pena que por cá se adie a entrada destes docentes no nosso sistema de ensino por força de uma aposentação cada vez mais tardia dos docentes que se encontram em funções.

O que se ganha em manter no ativo docentes que já fizeram todo o seu percurso profissional perde-se em não apostar na formação destes jovens (cada vez menos em Portugal) para entrar no sistema de ensino e revitalizar as escolas.

Como são os professores Millennials?

 

Os professores Millennials têm grande facilidade de adaptação a novos ambientes e de comunicação com os alunos, mas podem ter tendência para mudar de escola com muita frequência

Os professores Millennials estão habituados a estar digitalmente conectados de forma permanente
  • Os professores Millennials cresceram habituados às tecnologias o que se traduz numa facilidade de adaptação às novidades.
  • A nova geração de professores espera ser valorizada e apoiada no trabalho e sente-se dececionada quando isso não acontece.
  • Se não estão satisfeitos, os Millennials são mais propensos às mudanças laborais.

Muita se fala sobre a Geração Y, também conhecida por Millennials, que representa uma importante fatia do mercado laboral e determina caminhos a seguir na política, consciência social e desenvolvimento científico e tecnológico. Mas qual será o impacto que terão os Millennials ao chegar ao sistema educativo comoprofessores?

Nascidos entre meados dos anos 80 e finais dos 90, a primeira geração de professores Millennials chegou às escolas em 2013. As grandes vantagens destes novos professores estão relacionadas com a facilidade de usar as novas tecnologias, a fácil adaptação a novos ambientes e a forma fluída como comunicam com os alunos.

Quais as principais caraterísticas dos professores Millennials?

1)    Estarem sempre conectados

São a primeira geração que cresceu com a revolução tecnológica impulsionada pela Internet e pelos dispositivos móveis que nos fazem estar ligados a qualquer hora e em qualquer lugar. Por esta razão, os professores Millennials não só estão habituados a estar digitalmente conectados de forma permanente, como nem sequer imaginam a vida de outra forma. A facilidade com que usam as ferramentas tecnológicas pode ser uma vantagem funcional em comparação com as gerações anteriores de docentes, que por vezes apresentam falta de flexibilidade e polivalência.

2)    Tendência para colaborar

A permanente conexão à Internet e o acesso às redes sociais transmitiu a à Geração Y uma consciência de comunidade, e de pertencer à mesma, totalmente diferente da que existia previamente. Não apenas no que se refere à dimensão, mas também à forma de se relacionar. A mudança do paradigma comunicativo produz um enfoque diferente na hora de solucionar problemas e a tendência dos Millennials é consultar os demais antes de tomar decisões ou trabalhar em conjunto compartilhando ideias e responsabilidades.

3)    Rejeitam hierarquias

Outra consequência direta da forma de comunicar a que a Geração Y se habituou traduz-se na ideia de paridade entre os interlocutores, verificando-se um esbatimento das hierarquias seja no contexto social, académico ou profissional. Os Millennials esperam ser escutados e que os seus comentários e sugestões sejam valorizados independentemente da antiguidade ou experiência. Neste ponto particular, as diferenças geracionais podem ocasionalmente provocar conflitos.

4) Resolver problemas de forma heterodoxa e inovadora

O acesso precoce à tecnologia também alterou a forma de pensar, analisar e solucionar problemas. As novas ferramentas habituaram a Geração Y ao imediato e por isso esperam que o tempo dedicado a certos temas seja curto e têm a expetativa que as soluções possam surgir de forma rápida e criativa.

Como se integram os professores Millennials na escola?

A inclusão dos professores Millennials nas escolas de todo o mundo significa, necessariamente, que novos educadores terão como dirigentes docentes de outras gerações. As marcadas diferenças entre eles (apenas 30% dos professores da Geração Y encaram a docência como uma carreira) pode ser motivo de tensão. Na Europa, os dados sobre a mobilidade docente indicam que os professores Millennials mudam de escola com uma taxa de frequência três vezes superior à dos seus antecessores.

Num artigo publicado na Education Update, Kristin Barker, uma jovem diretora norte-americana da Geração X comenta as dificuldades que tem sentido num estabelecimento de ensino com vários professores Millennials.

No primeiro ano como diretora contratou seis professores saídos diretamente da universidade, mas confessa que devido às suas novas responsabilidades acabou por não lhes dar muita atenção. Hoje todos trabalham noutros lugares.

“Os Millennials têm diferentes necessidades e expetativas. Esperam todos encontrar no sistema formação, apoio e os recursos que desejam. Sentem que têm direito a eles e ficam surpreendidos e dececionados quando isso não se concretiza”, explica. A diretora acrescenta que o seu erro foi pensar que a orientação que existia era suficiente. “Não era. Os professores Millennials estão acostumados a um enfoque muito mais colaborativo e a serem valorizados com frequência”, afirma.

Até ao momento ninguém sabe como vai ser o resultado do ensino da responsabilidade dos professores millennials, mas esta uma realidade a que vamos ter acesso nos próximos anos.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/os-professores-millennials/

Será Que Há Coragem Para Fazer As Perguntas Certas Ao Ronaldo Centeno?

A boa leitura nO Meu Quintal.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/04/sera-que-ha-coragem-para-fazer-as-perguntas-certas-ao-ronaldo-centeno/

Load more

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: