Um metro, se possível, por Jorge Pinho

 

Poucas vezes terei dado gargalhada tão sonora. Também sei que os tempos de pandemia não aconselham manifestações de júbilo, até porque estas não se tornam visíveis por trás das máscaras, quando as mesmas não são desprezadas, claro, ao contrário do que vai acontecendo, para estupefação minha, em tantas aparições televisivas de cara lavada e despida, um pouco ao arrepio dos conselhos que recebemos.

Esquecendo que o riso é um ato eminentemente social, rio a bandeiras despregadas, no isolamento que me envolve, receando mesmo perturbar vizinhos, sem saber que bandeira patriótica içar no meu tumulto interior. Conforto-me com a antiga afirmação aristotélica que assume que o homem é o único animal que ri. Talvez assim respondesse a um vizinho mais agreste. Pergunto-me, entretanto, como seriam os risos de Bergson ou Foucault, que sobre o riso se terão debruçado, no meu anseio íntimo de saber se eles poderiam ser medidos a metro. A boca aberta de um quão maior do que a boca distendida do outro? Distraio o potencial leitor com estas linhas enquanto o meu cérebro se atrasa a registar o que os olhos leem: um metro, se possível. Um metro, se possível, entre alunos e entre alunos e professores. Olho para o ecrã do computador e imagino a distância de um metro. Os meus pais, ou Deus, ou os meus pais e Deus por atacado, fizeram-me grandinho, de braços compridos, e um metro dista do botão superior da minha camisa à ponta do meu dedo mais longo, com o braço esticado para o lado.

Descubro-me a suplicar a um vírus que eventualmente me visite na sala de aula: por favor, não passe para o metro de cá! “Mantenha a distância”, já assim diziam as raparigas mais altivas aos rapazes mais afoitos, nos meus tempos de juventude, que até eram limpos de vírus e não deveriam pressupor distâncias. Não sei o que dirá a diretora da DGS ao ministro que tutela a educação, não sei o que acharão eles desta questãozinha irrelevante que se mede a metros, aqui reduzidos à sua singularidade. Nunca uma palavra foi tão agudamente polissémica, penso-o com enlevo. Será, de qualquer modo, uma interrogação em tom tão inexpressivo, que um dirá que sim ao metro e o outro imprimir-lhe-á uma vírgula, se possível.

Um metro já foram dois metros, depois haveria de ser metro e meio, agora um metro será, na certeza de que x centímetros entre alunos nunca seria número fácil de dizer. Imaginemos: Tomás, respeite os 80 centímetros! Laurinha, atenção ao cotovelo, que está cinco centímetros dentro do espaço de 80 centímetros do Marco! Brinco de modo incipiente, lamentando não ter o dom do Ricardo Araújo Pereira e sabendo que a gravidade do assunto é tanta que deveria fazer um “delete” imediato a este texto. Mas também sei que o humor sempre foi bandeira e arma em tempos de desespero. E o modo como se olha para as escolas e para os seus figurantes (alunos, docentes, assistentes operacionais e técnicos, etc.) faz crescer em mim a melancolia de tempos em que havia ponderação e algum respeito – não direi admiração – pelo espaço escolar.

Já encarei a morte de forma mais assustada do que nos tempos que correm. A idade vai trazendo outro tipo de sabedoria, ou, talvez dito de jeito mais certeiro, uma quietude apaziguada. Afinal, já superei largamente a expectativa de vida de há cem anos. Li algures que em 1920 essa expectativa se ficava pelos 35,6 anos e não devo ser muito ambicioso, até por respeito aos meus antepassados e a uma década tão curiosa. Mesmo assim, não gostaria que alguém recordasse, um dia mais tarde, que a incúria de uns promovera a derradeira viagem de outros, jovens ou menos jovens, ou até deste que aqui escreve.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/07/um-metro-se-possivel-por-jorge-pinho/

O ministro do Mar num “barco” vai morar…

Os professores continuam a pagar do seu bolso as despesas de alojamento fora da sua área de residência, já os ministros recebem ajudas de custo. Tal como o Tiago, agora o Ricardo…

Download do documento (PDF, 229KB)

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/07/o-ministro-do-mar-num-barco-vai-morar/

Mais de cem crianças contraíram Covid-19 no mês de junho.

Em setembro com toda a comunidade educativa nas escolas os números não serão estes, serão assustadores.

Por mais que se queira voltar à vida “normal” os receios continuam a ser demasiados. Entende-se que se queira dar uma imagem da normalidade possível neste momento que o país está a passar, mas não se devem criar demasiadas expetativas a médio, longo prazo. Temos que ir avançando com pequenos passos e atuando conforme os cenários que a curto prazo temos pela frente. Neste momento ninguém sabe o que se irá passar daqui a duas semanas é quase impossível prever a semana que vem, quanto mais como a situação estará no dia 14 de setembro. Há que criar cenários e estar à espera do pior para que se o melhor acontecer podermos dizer que estávamos preparados.

Preparem o cenário A, B, C, D, E… creio que todos vão ser necessários no ano letivo que se vai aproximando com expetativas muito altas para tanta incerteza.

“Ainda é cedo” para dizer que será

seguro regressar a aulas presenciais

A decisão sobre se é ou não seguro para os alunos regressar ao ensino presencial tem de ser tomada mais perto do início do ano letivo, defende a infeciologista Maria João Brito.

As pessoas vão começar a ir de férias, julho e agosto são meses em que as pessoas saem de Lisboa, portanto vamos ver o que vai acontecer.”

Isto depois de a Organização Mundial de Saúde ter recomendado que não se reabram as escolas enquanto não estiver controlado o contágio do novo coronavírus na comunidade.

O arranque do próximo ano letivo tem data início marcada para entre os dias 14 e 17 de setembro, com três modalidades de aulas previstas: presenciais, mistas e não-presenciais, sendo que o “regime preferencial” é o primeiro, anunciou no início do mês o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Entre crianças surgiram mais de cem novos casos de Covid-19 no mês de junho, uma consequência “esperada” do desconfinamento”, defende a infecciologia.

Aumento dos casos de infeções entre crianças era expectável, considera Maria João Brito

Embora não registem habitualmente sintomas graves da doença, Maria João Brito lembra que as crianças são contagiadas pelos adultos passam a fazer parte das cadeias de transmissão da Covid-19.

In TSF

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/07/mais-de-cem-criancas-contrairam-covid-19-no-mes-de-junho/

Diretores com “ordem” para constituírem bolsas de recrutamento de AO’s e AT’s

 

Devagarinho lá se vai andando para a frente para que o próximo ano letivo possa decorrer da forma mais normal possível. Esta medida já devia ter anos, mas mais vale tarde do que nunca. Quando a Pandemia acabar não se lembrem de acabar com estas bolsas…

Download do documento (PDF, 165KB)

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/07/diretores-com-ordem-para-constituirem-bolsas-de-recrutamento-de-aos-e-ats/

Declaração de situação de calamidade, contingência e alerta, no âmbito da pandemia da doença COVID-19

 

Download do documento (PDF, 1.55MB)

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/07/declaracao-de-situacao-de-calamidade-contingencia-e-alerta-no-ambito-da-pandemia-da-doenca-covid-19-2/

Mais um exemplo da “Escola Pisca-Pisca” a partir de setembro (28 em quarentena)

Isto vai acontecer em grande escala. A escola pisca-pisca vai ser “Mato”.

28 crianças em isolamento na Figueira da Foz após caso de covid-19 em infantário

Um menino, aluno de um jardim-de-infância da Figueira da Foz, testou esta terça-feira positivo para covid-19, situação que levou ao isolamento de outras 28 crianças e quatro funcionários da instituição.

Em causa está um aluno do pré-escolar do 2.º Jardim-Escola João de Deus da Figueira da Foz, que terá sido infetado em contexto familiar e que já estava em isolamento.

“Vão ficar em isolamento. Se tiverem sintomas, contactam a linha Saúde 24 ou o seu médico de família para determinação dos passos seguintes”, nomeadamente a realização de testes à covid-19, acrescentou.

O que é fundamental é promover o isolamento, é isso que permite quebrar uma eventual cadeia de transmissão”, declarou o delegado de saúde.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/07/mais-um-exemplo-da-escola-pisca-pisca-a-partir-de-setembro-28-em-quarentena/

Contributos para a Educação pós-COVID 19 – CNE

 

A Memória

Consulte aqui

O Conhecimento

Consulte aqui

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/07/contributos-para-a-educacao-pos-covid-19-cne/

Vamos preencher as preferências de forma rápida?

Após a aplicação de ajuda à manifestação de preferências que organiza as preferências por distância, vamos tentar facilitar o preenchimento das mesmas na plataforma da DGAE.

Já que a plataforma “parou no tempo” e não consegue introduzir aperfeiçoamentos simples como a importação das preferências de anos anteriores fica aqui um vídeo a explicar um método bem mais rápido de fazer o preenchimento, principalmente para quem coloca vários códigos ou concorre a vários grupos de recrutamento. Este vídeo explica a configuração inicial, mas depois podem aperfeiçoá-la ao vosso concurso.

Matemática-ON é um canal com vídeos úteis para professores… e com conteúdos de matemática do 2ºciclo para alunos! Subscrevam…

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/07/vamos-preencher-as-preferencias-de-forma-rapida/

Load more

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: