Escolas encerradas e a tentação do nivelamento por baixo – Rui Medeiros

 

Escolas encerradas e a tentação do nivelamento por baixo

O Governo acabou de proibir todas as aulas não presenciais no ensino básico e secundário. Oficialmente, a medida vigora apenas durante 15 dias, embora quase todos saibam que a suspensão vai durar mais tempo. A proibição de aulas virtuais não vale apenas para o ensino público. O Ministro da Educação avisou: o ensino particular à distância também vai parar; “a interrupção é para todos”.

A decisão não surpreende. Ela está em linha com o preconceito ideológico que nos habituámos a ouvir. Todos assistimos à constante diabolização dos privados na área da saúde. Foi a guerra às PPPs. Hoje, é a alegada falta de colaboração dos hospitais privados no combate à covid-19 e a repetida ameaça da requisição civil. Agora, na educação, a mesma lógica leva a que a proibição de ensino à distância durante a suspensão das aulas presenciais se aplique a todos, públicos e privados.

Todavia, numa ordem constitucional fundada na liberdade, não basta proibir em nome do estado de emergência. Num Estado que reconhece a todos a liberdade de aprender e ensinar e que consagra o direito à criação de escolas privadas, escolas financiadas pelos pais tantas vezes com enorme sacrifício, é proibido proibir sem uma justificação forte, sobretudo porque o ensino à distância não envolve qualquer risco de contaminação.

Não basta, para o efeito, criticar os privados, como faz o ministro da Educação, por estarem sempre a “ziguezaguear para fazer diferente”. É que aquilo que carateriza uma ordem de liberdade é, justamente, a possibilidade de fazer diferente.

Tão-pouco vale argumentar que, afinal, aquilo que o Governo pretende é tão-somente impedir que as aulas à distância substituam as aulas presenciais. A medida aprovada pelo Governo não é essa. A proibição, tal como foi publicitada, é absoluta, interditando qualquer ensino virtual, ponto final.

Restam as razões de igualdade. Desde logo, porque, como o Governo confessa, os prometidos computadores para os alunos mais carenciados não chegaram a tempo e, por isso, enquanto os portáteis estão a caminho, é preciso assegurar a igualdade entre todos os alunos do público e do privado. Ou porque, tendo o Governo recusado teimosamente até há poucos dias um novo fecho das escolas e não se tendo preparado para a terceira vaga, o ensino público não consegue iniciar desde já as aulas virtuais e, por isso, os alunos das escolas privadas, ainda que devidamente apetrechadas para o efeito, não podem ser beneficiados.

Numa sociedade livre, porém, o nivelamento por baixo em nome da igualdade é inaceitável. A criação de igualdade de oportunidades não pode impedir a diferenciação pela positiva construída em liberdade. Construída em liberdade, neste caso, por todos aqueles que, sem qualquer apoio do Estado, apostam na escola privada, suportam os encargos mensais respetivos e preferem as aulas à distância para os seus filhos em vez de umas férias intercalares de inverno impostas pelo Estado.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2021/01/escolas-encerradas-e-a-tentacao-do-nivelamento-por-baixo-rui-medeiros/

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Ana on 25 de Janeiro de 2021 at 10:55
    • Responder

    Só espero que , no próximo ano, também se lembrem dos alunos dos privados quando entregarem os Manuais gratuitamente, ou os PC.

      • Serena on 25 de Janeiro de 2021 at 11:33
      • Responder

      A sorte é que não vão precisar, uma vez que neste momento já estão apetrechados para o E@D ;D

    • Phill on 25 de Janeiro de 2021 at 12:49
    • Responder

    Os privados podem ter aulas online a título de reforço. O que não pode é essas aulas contarem como dias letivos.

    • susana barros on 25 de Janeiro de 2021 at 12:51
    • Responder

    Concordo em absoluto com a sua opinião.

    • Negócios on 25 de Janeiro de 2021 at 12:56
    • Responder

    Curioso que cada pessoa interpreta o acontecimento em função dos seus interesses pessoais ,diria mesmo, neste caso, comerciais.
    Supondo que os alunos sujeitos a exame nacional não deverão ter todos as mesmas oportunidades e condições de trabalho?
    O estado que recebe o dinheiro de todos os contribuintes não deverá zelar e redistribuir por todos os estudantes? Se não houver condições para tal… não deverá permitir que haja desigualdades no acesso ao ES.

    Neste texto, é evidente uma grande preocupação pela perda de receitas das chorudas mensalidades pagas pelos alunos aos colégios. O negócio está mal para todos os comerciantes e empresários ( também do ensino).

    • Zulmiro on 25 de Janeiro de 2021 at 14:14
    • Responder

    É a distopia educativa socialista .

    • Rafaela on 25 de Janeiro de 2021 at 15:13
    • Responder

    Concordo totalmente. Este ministro tem ideologia comunista, não deixa os alunos que felizmente até podem continuar a aprender, prefere que ninguém continue as aprendizagens por culpa dele próprio. É agora está à espera, certamente, que os professores usem os seus computadores e net. Os professores que não vêem o seu ordenado aumentar há muito tempo. Aumentam o ordenado mínimo, e muito bem, mas o nosso não. Qualquer dia já sabem qual vai ser o nosso ordenado. Quem paga computadores danificados no ensino à distância do primeiro confinamento? Conheço colegas a quem isso aconteceu.

    • E@D on 25 de Janeiro de 2021 at 18:38
    • Responder

    Rafaela, há a possibilidade de usarem os pc’s e a net da escola.
    Os gastos da net e outros deveriam ser deduzidos no IRS

      • Rafaela on 25 de Janeiro de 2021 at 19:46
      • Responder

      E@D, isso será possível se só alguns professores forem para a escola,, o que é o mais certo, pois o quadro docente é envelhecido e os docentes têm, com razão, receio da covid. Se todos formos lecionar nos computadores da escola, a Internet aguenta? O governo podia dar um subsídio a cada docente para as despesas com Internet, computador e electricidade. Seria o mais justo, pois valorizava a disponibilidade dos professores usarem os seus recursos para o funcionamento das escolas nestes tempos difíceis.

    • a vaca da Esmeralda da D. Duarte on 25 de Janeiro de 2021 at 22:59
    • Responder

    Não há PC+micro+acesso à net? Trabalha-se na escola. «Ai que não dá para todos»? Não mostres a trombeta nas videoconferências, ou já te esqueceste do RGPD? ou o direito à imagem é só para os alunos? Vais ver como a largura de banda aguenta. «Ai que fui fazer as unhas e o cabelo»? Arranja mais que fazer.

      • Rafaela on 26 de Janeiro de 2021 at 0:25
      • Responder

      Vaca, escolheste bem o teu nick.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: