As previsíveis consequências do fim dos exames no ensino obrigatório

As previsíveis consequências do fim dos exames no ensino obrigatório

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/as-previsiveis-consequencias-do-fim-dos-exames-no-ensino-obrigatorio/

7 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • HMM on 25 de Janeiro de 2023 at 18:13
    • Responder

    Concordo em absoluto. A retirada dos exames para conclusão do secundário só contribuirá para a inflação das notas internas. Deixa de haver elemento regulador/nivelador. Mais uma pancada no elevador social.

    • professor ES on 25 de Janeiro de 2023 at 18:36
    • Responder

    Obviamente que os professores universitários não querem o fim dos exames!
    Concordo inteiramente com o seu fim total, não apenas a contar na média no secundário – algo que graças à Covid terminou, bem como provas de ingresso.
    Mude-se, por completo, o sistema de ingresso no superior, tal como já o fazem os países ditos civilizados. Afinal que garantias temos que um aluno com 20 valores vão ser bom médico ou bom engenheiro aeroespacial? Nenhuma garantia. Por conseguinte, senhores professores do ensino superior, deixem-nos formar/educar/ensinar os nossos alunos do ensino secundário e façam vocês a seleção dos alunos nas vossas universidades, assim passarão ter elementos reguladores/niveladores, mas com o vosso trabalho e não impondo, como tem sempre acontecido, aos professores do ensino secundário que selecionem os vossos alunos.

    • professor ES on 25 de Janeiro de 2023 at 18:40
    • Responder

    Obviamente que os professores universitários não querem o fim dos exames!
    Concordo inteiramente com o seu fim total, não apenas a contar na média no secundário – algo que graças à Covid terminou, bem como provas de ingresso.
    Mude-se, por completo, o sistema de ingresso no superior, tal como já o fazem os países ditos civilizados. Afinal, que garantias temos que um aluno com 20 valores vai ser bom médico ou bom engenheiro aeroespacial? Nenhuma garantia. Por conseguinte, senhores professores do ensino superior, deixem-nos formar/educar/ensinar os nossos alunos do ensino secundário e façam vocês a seleção dos alunos nas vossas universidades, assim passarão a ter elementos reguladores/niveladores, mas com o vosso trabalho e não impondo, como tem sempre acontecido, aos professores do ensino secundário que selecionem os vossos alunos. É muito fácil ter elementos reguladores/niveladores com o trabalho dos outros!

      • Carlos on 25 de Janeiro de 2023 at 22:20
      • Responder

      Então que sugere? Que todos os alunos se inscrevam no curso de medicina e no de aeroespacial, já que ninguém se inscreve nos cursos via ensino?
      Já assim muitas vezes aparecem no ensino Universitário alunos nem sabem formular uma frase como deve ser em português correto. Sem exames seria cá uma tourada…

        • professor ES on 26 de Janeiro de 2023 at 10:43
        • Responder

        Caro Carlos, tal como os nossos alunos que não leem os enunciados como deve ser, não leu na íntegra o meu post! Se tivesse lido, saberia o que sugiro. Leia outra vez com “olhos de ler”.
        Quanto a exemplos, dou-lhe aquele que melhor conheço – Reino Unido. Aqui as universidades não querem saber das notas do secundário. Fazem elas a seleção dos seus alunos e selecionam sempre os melhores, pois, repito, um aluno de 20 nos exames não é nunca garantia de sucesso, é preciso muito mais do que isso! Aliás, não é por acaso que os nossos alunos, centenas deles, têm ido estudar para o Reino Unido. Tenho alunos com 19 e 20 que não conseguiram entrar, por exemplo, em Oxford ou Cambridge, mas tenho alunos que com 14 ou 16 conseguiram. Porquê? Porque as regras de acesso não dependem dos exames, obviamente. Informe-se sobre o modelo de acesso ao superior naquele país. Mais, são os professores das universidades que selecionam os alunos e não os professores do ensino secundário!

          • Carlos on 26 de Janeiro de 2023 at 13:15

          Estimado amigo, li sim o enunciado que refere o modelo que propõe, que até concordo em parte consigo. Mas não refere os pormenores desse modelo apenas a não existência de exames. Creio que a abolição completa dos exames seria um erro, assim como é um erro o sistema que hoje funciona, em que se dá aos exames um peso surreal. Deveria sim, haver um modelo misto, médias do secundário+exames+a tal seleção pelas universidades. Pois haver apenas esta última, tal como hoje apenas existem os exames, seria completamente redutor e injusto, aliás como o modelo existente o é.

          O que perguntava, era, nesse modelo que advoga, como poderia ser concretamente? Apenas com uma entrevista, com um exame ou inquérito efetuado pelas universidades? Também não me parece justo.

    • Luluzinha! on 25 de Janeiro de 2023 at 21:35
    • Responder

    Concordo, na íntegra, com o artigo de opinião.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: