adplus-dvertising

Arquivos

Reuniões negociais ME/Sindicatos a 18 e 20 de janeiro

 

O Ministério da Educação convocou os sindicatos do setor para uma nova reunião negocial sobre a revisão do regime de recrutamento e mobilidade para os dias 18 e 20 de janeiro.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/reunioes-negociais-me-sindicatos-a-18-e-20-de-janeiro/

Um Diretor que fala assim, não é gago…

Para ouvir e ver como se explica a escola de hoje e os seus problemas… clicar na imagem. Vale a pena…

 

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/um-diretor-que-fala-assim-nao-e-gago/

Turnos do Acampamento

Face à ausência de respostas, FENPROF acampará junto ao Ministério da Educação, de 10 a 13 de janeiro, em vigília de protesto e luta

 

 

A FENPROF considerou 10 de janeiro como prazo para o Ministro da Educação abandonar as intenções, manifestadas em documentos entregues aos sindicatos, para revisão do regime de concursos e também para calendarizar processos negociais relativos a outras matérias, como a carreira, combate à precariedade, aposentação, horários de trabalho ou mobilidade por doença.

Não se prevendo que, até amanhã, aquelas solicitações mereçam resposta, a FENPROF e os Sindicatos de Professores que a integram, como anunciaram, irão acampar junto ao Ministério da Educação, aí permanecendo de 10 a13 de janeiro, como forma de protesto e luta, mas também demonstração de disponibilidade para a negociação,  esperando que também seja essa a vontade dos responsáveis ministeriais. Concluído este período, a partir de dia 16, segunda-feira, iniciar-se-á uma greve que, distrito a distrito, correrá todo o território continental. Esta sequência de greves distritais terminará com a Manifestação Nacional marcada para 11 de fevereiro, em defesa da profissão de Professor.

Entretanto, para o dia em que for marcada nova reunião no ME, será convocada uma grande Concentração/Manifestação de Professores e Educadores, prevendo-se que a mesma possa acontecer na terceira semana de janeiro, de acordo com declarações de responsáveis do ministério.

Este acampamento de protesto pela falta de soluções para os problemas que afetam e desvalorizam a profissão docente decorrerá de acordo com a seguinte organização:

 

10 de janeiro:

– 16:00 horas: Início do acampamento, com declarações à comunicação social sobre os seus objetivos; neste primeiro dia será o Secretário-Geral Adjunto da FENPROF José Feliciano Costa a permanecer até ao dia seguinte com outros dirigentes, delegados e ativistas do SPGL.

 

11 de janeiro:

– 16:00 horas: Mudança de turno; neste segundo dia, será o Secretário-Geral Adjunto da FENPROF Francisco Gonçalves a permanecer até ao dia seguinte com outros dirigentes, delegados e ativistas do SPN.

 

12 de janeiro:

– 16:00 horas: Mudança de turno; neste terceiro dia, será o Secretário-Geral da FENPROF, Mário Nogueira, a permanecer até ao dia seguinte com outros dirigentes, delegados e ativistas de SPRC e SPZS.

 

13 de janeiro:

– 16:00 horas: Levantamento do acampamento, com declaração à comunicação social sobre as ações seguintes: greve por distritos, a partir de dia 16, e Manifestação Nacional em defesa da Profissão de Professor, em 11 de fevereiro.

Ao longo do período de permanência no local, decorrerão atividades que serão divulgadas oportunamente pelos Sindicatos que ali permanecerão.

 

Lisboa, 9 de janeiro de 2023

O Secretariado Nacional da FENPROF

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/turnos-do-acampamento/

Nada Irá Mudar Até Lá

Mário Nogueira irá acampar a partir de amanhã em frente ao Ministério da Educação e os autocarros para dia 14 continuam marcados.

 

Ministério da Educação convoca sindicatos para reunião em 18 e 20 de janeiro

 

 

É a terceira ronda de um processo negocial que se iniciou em setembro.

O Ministério da Educação convocou os sindicatos do setor para uma nova reunião negocial sobre a revisão do regime de recrutamento e mobilidade para os dias 18 e 20 de janeiro.

É a terceira ronda de um processo negocial que se iniciou em setembro, e cuja última reunião foi em 8 de novembro, sendo que o ministro da Educação já tinha remetido para o mês de janeiro novo encontro, justificando que, até lá, o Governo iria fazer o levantamento das necessidades do sistema educativo para desenhar propostas concretas.

Apesar de não terem criticado, na altura, o adiamento, várias estruturas sindicais têm pressionado a tutela para agendar a terceira reunião, acusando o Ministério da Educação de ter suspendido a negociação.

Em comunicado, o Ministério refere que será também “analisada uma proposta de calendário negocial sobre outras matérias”.

A abertura de outros processos negociais é uma das reivindicações das oito estruturas sindicais, incluindo a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), que organizaram um acampamento de quatro dias, a partir de terça-feira, à frente do Ministério da Educação, em Lisboa.

Contactado pela Lusa após o anúncio das novas reuniões negociais, o secretário-geral da Fenprof explicou que as ações de luta vão, para já, manter-se como previstas, porque “a convocação de uma reunião, por si só, não altera nada”.

Os sindicatos definiram o dia 10 de janeiro, terça-feira, como o prazo para a tutela recuar em algumas das propostas que apresentou no âmbito da negociação da revisão do modelo de recrutamento e mobilidade, e iniciar novos processos negociais sobre outros temas.

Além desse acampamento, convocaram também uma greve por distritos, entre os dias 16 de janeiro e 08 de fevereiro e uma manifestação em Lisboa no dia 11 de fevereiro.

Entretanto, decorre, desde 9 de dezembro, uma greve por tempo indeterminado convocada pelo Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP), que já entregou pré-avisos de greve para todo o mês de janeiro. No sábado, realiza uma marcha nacional em Lisboa, entre o Marquês de Pombal e o Terreiro do Paço.

O Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) também iniciou na semana passada uma greve parcial ao primeiro tempo de aulas, que se vai prolongar até fevereiro.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/nada-ira-mudar-ate-la/

Pela TV

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/pela-tv/

Posição da Federação de Pais da Póvoa de Varzim

…que compreende e defende a posição do pessoal docente  que luta em defesa da escola pública.

Se tivéssemos um governo preocupado com as preocupações dos pais  já teríamos visto  abertura para alguma negociação sobre as reinvindicações dos professores.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/posicao-da-federacao-de-pais-da-povoa-de-varzim/

Terá Havido Hoje Colocações por MPD

Devem ser escassas pois as contingências já devem ter sido esgotadas.

 

Mobilidade por motivo de doença (art.º 9.º)

 

Exmo.(a) Sr.(a) Diretor(a)/Presidente da CAP,

Tendo sido hoje divulgados os resultados no âmbito do procedimento de Mobilidade de docentes por motivo de Doença 2022/2023, regulado pelo art.º 9.º do Decreto-Lei n.º 41/2022, de 17 de junho, informa-se V. Exa. que poderá consultar os dados relativos aos docentes que saíram ou foram colocados no AE/ENA que V. Ex.ª dirige através desta forma de mobilidade, na plataforma SIGRHE – Situação Profissional > Movimentação de docentes.

Com os melhores cumprimentos,

A Subdiretora-Geral da Administração Escolar

Joana Gião

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/tera-havido-hoje-colocacoes-por-mpd/

Chegou a hora de os Professores dizerem: Basta! – Alexandre Parafita

Estou, incondicionalmente, solidário com os Professores e com a greve que iniciaram. Ando há anos a escrever sobre os seus dramas (em especial em artigos no JN).

Desde que uma Ministra de tão nefasta memória, nomeada por Sócrates, poisou na cadeira da Educação, nunca mais os professores tiveram sossego.

A desautorização, o desrespeito, a humilhação, nas escolas e na sociedade, o congelamento de carreiras, as estranhas regras de mobilidade, a terrível burocracia a recair sobre os professores (que os obriga a trabalhar pela noite e madrugada fora…), as turmas e horários sobrecarregados, a violência impune nas escolas, os novos e enigmáticos modelos de recrutamento… vêm tornando o exercício da profissão de professor numa verdadeira tortura.

Se este Ministro não tem capacidade de se sentar à mesa com quem representa os professores e de atender ao seu desencanto e revolta… então que siga o caminho do seu ex-colega Pedro Nuno (esse deu conta a tempo que estava mais…)

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/chegou-a-hora-de-os-professores-dizerem-basta-alexandre-parafita/

Hoje

Escola Comandante Conceição e Silva (Agrupamento de escolas António Gedeão em Almada)

AE Santiago do Cacém

Agrupamento de escolas Alexandre Herculano

 

Águas Santas em luta…pela escola pública…

Agrupamento de escolas General Humberto Delgado, Loures

Agrupamento de Escolas Abel Salazar, Matosinhos, escolas todas (cinco) encerradas.

Várias escolas de Albufeira poente

Agrupamento de Escolas Júlio Dinis – Grijó

Agrupamento de Escolas de Padrão da Légua

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/hoje-6/

A Escola: Um lugar que já não é como era. – André Rodrigues

A Escola: Um lugar que já não é como era. 

Como estudante, e participante diário na escola acho que, a escola portuguesa precisa de Inovar, conteúdos programáticos adaptados à geração, de modo que demonstremos mais interesse sobre a escola.

Falar mais sobre a atualidade no mundo, falar mais sobre educação financeira e como este mundo está a evoluir com as criptomoedas, mais projetos que envolvam alunos, como o Ubuntu: precisamos de mais felicidade.

Na minha opinião precisamos de um verdadeiro ‘upgrade’ na escola portuguesa, como referia Tânia Gaspar: a necessidade de a escola “se atualizar e conseguir acompanhar os jovens no seu modo de contacto com o conhecimento”.

E a necessidade deste ‘upgrade’ não vem de agora, já deveria ter sido feito há muito tempo e deve acompanhar as necessidades de uma geração, e não estamos a fazê-lo, mas um dia vai ter que ser feito — mais cedo ou mais tarde.

A escola é cada vez mais vista como uma espécie de prisão, e temos que mudar esse paradigma, e se o mudarmos, acredito que este estudo terá outros resultados (claramente satisfatórios).

Esta falta de inovação não é culpa dos professores, dos alunos, do pessoal não docente, dos pais ou dos diretores, é culpa de um “sistema predefinido” que não muda à anos, não evoluiu, não se adaptou às novas gerações, aos novos pensamentos.

E é por isto tudo que falta motivação às pessoas que frequentam diariamente aquele espaço, e como disse Pedro Chagas Freitas: “Falta felicidade às escolas.”

Alunos, professores e pessoal não docente, desmotivados daquilo que devia ser a motivação deles, desmotivados do local onde passam a maior parte do dia, crianças e jovens cada vez mais tristes, isto reflete o dia-a-dia do espaço escolar.

E com isto surgem questões: “Será que algum dia vamos conseguir inovar?”; “Será que teremos uma mudança significativa” — tudo incógnitas.

🔗 Ler em artigo: https://www.mais-sobre-educacao.uno/2023/01/a-escola-um-lugar-que-ja-nao-e-como-era.html

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2023/01/a-escola-um-lugar-que-ja-nao-e-como-era-andre-rodrigues/

Leia mais

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: