16 de Fevereiro de 2021 archive

Distribuição de equipamento informático aos alunos do 1.º CEB

Pelo panorama que vou vendo dos números entregues a cada Agrupamento a primeira entrega, a disponibilizar em breve, será para metade dos alunos com escalão A. O que não sendo suficiente, já não é mau.

 

Exmo(a). Senhor(a)

Diretor(a) / Presidente da CAP,

Na sequência da informação enviada na passada sexta-feira, dia 12 de fevereiro de 2021, sobre o enquadramento e procedimentos a adotar relativos à receção dos equipamentos distribuídos aos estabelecimentos de ensino, no âmbito do programa Escola Digital, informa-se:

– Esse AE/ENA (Escolas XXXXXX) receberá uma primeira entrega de 43 kits de computadores e de 43 kits de conetividade;

– Esta entrega só estará concluída quando o número de kits de computador e o número de kits de conetividade, efetuado por diferentes fornecedores, for igual;

– Esta entrega destina-se aos alunos do 1.º ciclo do ensino básico, abrangidos pela Ação Social Escolar do Escalão A e, existindo ainda disponibilidade, aos alunos do Escalão B e C, por esta ordem. De entre estes (escalões A, B e C), devem priorizar-se os alunos sem acesso a equipamentos eletrónicos em casa;

– A plataforma “Escola Digital – Registo de Equipamentos” está disponível e será atualizada à medida que as entregas sejam agendadas pelos fornecedores.

Com os melhores cumprimentos,

João Miguel Gonçalves

Diretor-Geral dos Estabelecimentos Escolares

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/02/distribuicao-de-equipamento-informatico-aos-alunos-do-1-o-ceb/

Continuas a lutar por amor à camisola?. Os professores do Reino Unido dão o exemplo

Em Portugal, os professores que lutam pelos direitos e a lei ouviriam o discurso… “Não é a hora”, “Depois vemos”, “e o amor à camisola”… somos todos muito patriotas. Mas a barriga não se enche de patriotismo…

depois de 15 anos a levar pontapés de consecutivos governos, no momento em que podemos negociar por estarmos em posição de vantagem, vêm com a conversa do “este não é o momento”. Os falsos moralismos levaram-nos à situação onde nos encontramos. Se este não é o momento para lutar, qual será? Quando acharem que já não somos essenciais? Será esse o momento certo? Quando estivermos novamente em desvantagem perante um poder autoritário e autista?

Vejam o exemplo dos sindicatos do Reino Unido…

 

Sindicato torpedeia planos para a recuperação da escola depois de insistir que professores devem acordar novos contratos para executar aulas fora de horas ou dar aulas durante as férias de verão

Sindicato Nacional da Educação diz que planos para prolongar prazo exigem novo acordo salarial
Secretário-geral conjunto do sindicato disse ao Telegraph que os planos exigem negociações contratuais
Vem depois de Boris Johnson ter prometido ir ‘para fora’ para ajudar as crianças a recuperarem

Os planos para ajudar os alunos da escola a recuperar de um ano de perturbação do Covid foram postas em causa ontem à noite, depois dos sindicatos de professores terem emitido uma nova exigência salarial.

O maior sindicato de professores britânico, a União Nacional de Educação (NEU), disse que quaisquer planos para prolongar o dia escolar ou prolongar as datas dos termos exigiriam um novo acordo salarial.

Isto depois de Boris Johnson ter prometido sair “sem rodeios” para ajudar as crianças a recuperarem a aprendizagem perdida durante o bloqueio – incluindo a possibilidade de planos para prolongar o ano letivo em Inglaterra.

“Depois há a questão da praticidade – o horário de trabalho dos professores já é muito longo. Isto requer uma conversa com a classe.

A chamada foi apoiada por Geoff Barton, secretário-geral da Associação de Dirigentes Escolares e Universitários. ( os nossos Filinto e Pereira)

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/02/continuas-a-lutar-por-amor-a-camisola-os-professores-do-reino-unido-dao-o-exemplo/

Global Teacher Prize Portugal 2021 – Candidaturas Abertas

O Concurso é dirigido a todos os docentes que exerçam a profissão, desde o pré-escolar ao 12º ano de escolaridade (regular ou outros)

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/02/global-teacher-prize-portugal-2021-candidaturas-abertas/

Escolinha dos últimos…

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/02/escolinha-dos-ultimos/

Açores – Calendarização dos Concursos Interno e Externo de Provimento

 

 

 

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/02/acores-calendarizacao-dos-concursos-interno-e-externo-de-provimento/

O (A)brandão de Rodrigues na educação dos nossos filhos

 

O (A)brandão de Rodrigues na educação dos nossos filhos

Enquanto uns trabalharam e encontraram soluções criativas para se adaptarem a um novo método de ensino, Brandão Rodrigues ficou agarrado às suas certezas marxistas e preferiu apostar na ideologia.

Entrados na segunda semana de aulas à distância e depois de quinze dias inúteis com as crianças em casa entregues a si próprias, confirma-se o pior. O Ministro da Educação, como de resto já nos habituou, preferiu apostar todas as fichas nos amanhãs que cantam e esqueceu-se de tratar da realidade.

Observador

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/02/o-abrandao-de-rodrigues-na-educacao-dos-nossos-filhos/

Precisavam fazer um estudo para tirar essa conclusão?

Não devem andar a ouvir os professores ou há muito não entram numa escola como tal…

Maioria dos professores usa equipamento próprio e suporta despesas acrescidas para conseguir dar aulas

95% dos professores estão a trabalhar em casa com o seu equipamento e a maioria teve de comprar um computador, revela inquérito da Fenprof.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/02/precisavam-fazer-um-estudo-para-tirar-essa-conclusao/

EstudoEmCasa aquém do ano passado

Não poderia ser de outra maneira. A preparação deste período de aulas online foi realizada com base na experiência do ano passado. Enquanto em março e abril do ano passado a escola estava a tentar encontrar soluções para acompanhar os alunos em casa e qualquer ajuda era boa, este ano já não é bem assim. Este ano a organização da escola é muito mais complexa e se ainda há necessidade de “telescola” é porque alguém falhou. Esse alguém não foram os professores.

 

Aulas na TV com audiências aquém das do ano passado

O regresso do ensino à distância fez aumentar as audiências das emissões em direto na RTP Memória das aulas do “Estudo Em Casa”, mas os números estão aquém dos registados no ano letivo passado.

Na semana passada, as aulas de apoio através da televisão para o ensino básico foram vistas por 8300 alunos, dos 4 aos 14 anos, em direto na RTP Memória, que registou 3,4% de share [quota de mercado] junto desse grupo.

Segundo os dados da GfK disponibilizados à Lusa pela RTP, o regresso às aulas e ao ensino a distância, devido ao agravamento da pandemia de covid-19, fez multiplicar por sete a quota de mercado, entre a faixa etária dos 4-14 anos, que passou de 0,5% na última semana das férias antecipadas para 3,4%. Apesar desse aumento, o número fica aquém dos registados em pleno terceiro período no ano letivo passado quando, depois do sucesso inicial, as audiências estabilizaram com uma média de cerca de 11% de share em maio.

O regresso do ensino à distância também coincidiu com uma maior procura dos conteúdos online do “Estudo Em Casa”, a versão moderna da Telescola lançada em abril do ano passado pelo Ministério da Educação e pela RTP como uma ferramenta adicional para os alunos que, nessa altura, estavam há um mês com aulas em casa.

Na semana passada, o site do programa alcançou 1,2 milhões de visualizações, o que representa um crescimento de 77% em relação à semana anterior.

Também aqui se registam números mais tímidos do que no ano letivo passado, mas a diferença não é tão grande: em meados de maio, a página do #EstudoEmCasa tinha registado 1,8 milhões de visualizações. Ainda assim, esta é a terceira área com mais visitas do site da RTP, superada apenas pelo RTP Play e a secção de Notícias.

Na semana passada, o Estudo Em Casa passou a estar também disponível, na televisão, para os alunos do ensino secundário. Os conteúdos para os mais novos foram uma novidade apresentada pelo ministro da Educação no início do ano letivo, mas até agora só estavam disponíveis online. A estreia na televisão, no entanto, não foi um sucesso.

De acordo com os dados disponibilizados pela RTP, o novo canal para estes conteúdos conseguiu o melhor resultado entre os 15 e os 24 anos na sexta-feira, com uma quota de mercado de apenas 0,1%.

Na semana passada, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, reiterou a importância desta iniciativa, afirmando que, além de úteis para o ensino a distância, as aulas do Estudo Em Casa vão ficar disponíveis para o futuro.

“O que fizemos foi criar um conjunto de materiais que ficarão como legado que será utilizado em Portugal no próximo ano letivo e nos anos vindouros, e um pouco por todo o mundo”, disse na altura, durante uma visita ao estúdio onde estão a ser gravadas algumas das aulas.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/02/estudoemcasa-aquem-do-ano-passado/

Load more

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: