Covid-19: Escolas estão a identificar alunos sem acesso às aulas

Já que referem novamente o meu estudo da semana passada, atualizo-o em baixo com novos dados que representam 90% de respostas de todos os alunos do meu agrupamento. Não me posso esquecer que os 10% em falta poderão não ter qualquer dos recursos perguntados e que podem fazer aumentar os “não” em vez dos “sim“.

Covid-19: Escolas estão a identificar alunos sem acesso às aulas

 

Informação avançada pelo Ministério da Educação.

As escolas estão desde o início da suspensão das atividades letivas presenciais, devido à pandemia covid-19, a identificar os alunos sem acesso à Internet nem computador em casa para acompanhar aulas à distância, anunciou esta sexta-feira o Ministério da Educação.

Sem conseguir ainda adiantar quantos alunos estão nesta situação, a tutela afirma em comunicado que está em processo um levantamento pormenorizado, para o qual conta com o apoio das próprias escolas, do número de estudantes sem acesso às aulas.

Desde a suspensão das atividades letivas presenciais em todos os estabelecimentos de ensino, em 16 de março, os alunos trocaram as salas de aula pelas suas casas e têm prosseguido os estudos à distância, através de conteúdos e plataformas digitais, mas nem todos têm como aceder aos materiais.

Enquanto é feito este levantamento, o Ministério da Educação está também a definir as melhores soluções, com o apoio de operadoras de telecomunicação e empresas de ‘hardware’, e a estabelecer prioridades na disponibilização de meios, tendo em conta a urgência e o grau de vulnerabilidade dos alunos.

Segundo a tutela, a prioridade é “garantir que todos os alunos estejam ligados à escola”, uma vez que as dificuldades de ligação têm implicações na participação dos alunos nas aulas e do seu aproveitamento escolar, mas representam também o isolamento das crianças desde logo mais vulneráveis.

Cerca de 5% das famílias com crianças até aos 15 anos não têm Internet em casa, segundo dados de 2019 do Instituto Nacional de Estatísticas, e um em cada cinco estudantes não tem computador em casa, segundo um estudo realizado na semana passada por Arlindo Ferreira, especialista em Estatísticas da Educação, que foi publicado na terça-feira no blog do Arlindo.

Esta situação em que alguns alunos se encontram impede realizar alguns dos trabalhos pedidos pelos professores durante a suspensão de aulas presenciais determinada pela pandemia de Covid-19, uma realidade que tem sido denunciada por pais, professores e diretores escolares.

Apesar dos problemas já detetados, todos são unânimes em considerar que o ensino à distância é, neste momento, a melhor solução.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/03/covid-19-escolas-estao-a-identificar-alunos-sem-acesso-as-aulas/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • varina on 27 de Março de 2020 at 21:45
    • Responder

    “estudo”? Nem em calão.
    Isso não será mais uma recolha?

      • António Pinto on 27 de Março de 2020 at 22:27
      • Responder

      Falta um iten : os professores não possuem equipamento fornecido pelo M.E. .
      O PC comprado pelos próprios é fundamentalmente para uso escolar.
      Não há dinheiro …. mas pelo menos os computadores comprados pelos professores deviam ter benefício fiscal.


  1. Arlindo, essa amostra nada tem a ver com a realidade de outros agrupamentos…

    No meu agrupamento, metade dos alunos não tem computador em casa e muito menos acesso à Internet. Penso que o meu agrupamento não será o único…

    Cumprimentos e continuação do seu excelente trabalho.

    • P2P on 27 de Março de 2020 at 23:53
    • Responder

    O seguinte exemplo não tem nada de irreal. Alunos que residem no centro de uma localidade no grande Porto podem ter internet por ADSL ou antena com velocidade máxima de 10 MB (muitos momentos a 0,5Mb e por vezes 0); alunos com computadores em casa podem não ter câmara no computador; um agregado com 2 pais professores e 2 filhos estudantes, perante um horário rígido para aulas à distância, podem necessitar de 4 computadores em casa; e sim, nem todos os alunos do 2 ciclo têm telemóvel.

    • Açoriano on 28 de Março de 2020 at 0:52
    • Responder

    Quando souberem que é para receberem computadores, esses 222 passam logo para mais de 444.

    “Se o Zé tem direito e a mãe dele até tem um iPhone, porque é que o meu filho não há-de ter direito?”

    E mais, há um PC em casa, mas se forem 2, 3 ou mais irmãos?

    Mas o problema maior é a Internet. Não estou a ver as operadoras a colocarem-na em todos os buracos.
    Usem a TDT. O quê? também não chega a todo o lado?!

    Por fim, esse “estudo” está mesmo empenado.
    Sabendo que quase toda a cachopada tem net no telemóvel e que o mesmo pode servir de hotspot, porque não a fazem chegar aos PCs, em casa (Exemplo do 9.º ano: 74 PC + 77 zingarelhos e só 85 com net?
    Hum! Devem deixar os zingarelhos cá fora, debaixo do tapete! Assim não têm net em casa.

    Os Costas nem sabem no que se vão meter…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog