A falta de professores nos QZPs 7 e 10…

Este artigo é um complemento aos números ontem aqui avançados, de forma a tentar perceber a situação caótica de alguns grupos de recrutamento nos QZP’s 7 e 10. Para isso, analisamos o último candidato contratado com horário completo nesse QZP (excluído aqueles que entraram ao abrigo do DL 29/2001), considerando como opositores todos os que estão na lista de não colocados cujo número de ordem seja superior.

De uma forma simples, retiramos das listas de não colocados aqueles que garantidamente não concorreram para o QZP 7  e 10 para horários completos.

E os números dão-nos uma visão mais concreta da falta de professores nestes dois QZP’s:

  • No QZP 7 (Lisboa e Vale do Tejo), há 15 grupos de recrutamento que têm menos de 5% de candidatos, havendo até grupos sem nenhum. Se considerarmos que muitos destes possíveis opositores não concorrem para o 7… então prevê-se uma grande dificuldade nestes AE em preencher todos os horários em falta nas escolas.
  • No QZP 10 (Algarve), são 8 os grupos com menos de 5% de candidatos;
  • Relativamente ao resto do país haverá menos de 6600 candidatos no QZP 7 e 5500 no QZP 10;
  • Os números serão ainda piores se considerássemos os horários incompletos.

Os “paliativos” que se têm usado não são suficientes (alguns aumentam até o problema), uma vez que normalmente representam uma sobrecarga para os restantes professores da escola ou uma abertura para profissionais não docentes que dificilmente contribuirá para uma melhoria da qualidade de ensino.

Esta é uma questão estrutural que poderá ser atenuada se houver um aumento da atratividade da carreira e uma diminuição da precariedade. É urgente criar uma equipa multidisciplinar que analise este problema de frente e se comprometa com soluções justas, claras e duradouras.

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/10/a-falta-de-professores-nos-qzps-7-e-10/

13 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Manuel Queirós on 2 de Outubro de 2020 at 12:32
    • Responder

    Naturalmente o Ministério da Educação dirá que a culpa é da Covide 19 mas o problema, tal como já escrevi anteriormente, é estrutural.
    Neste momento a formação inicial de professores é quase um deserto e, se por hipótese, no próximo ano letitivo as Universidades apostassem em curso de via ensino, só dentro de 5/6 anos temos licenciados com formação própria e o número de docentes que agora se encontram nestas listas não chegará para todas as necessidades durante tanto tempo.

    • Ana on 2 de Outubro de 2020 at 12:55
    • Responder

    É vergonhoso saírem tantos horários completos e anuais na RR1 e na RR2! É inadmissível saírem tantos horários anuais completos, para o centro e norte, na RR3! Tinham medo que alguém efectivasse aí?! Quando os quiserem, já não os têm! E outra, acham normal estarem 5 contratados na mesma escola, todos com horários anuais incompletos, no mesmo grupo?! Todos precários!!! 2 deles têm ambos um horário de 11h! Pois, gastam assim os recursos humanos e depois queixam-se que não há professores…

    • Zaratrusta on 2 de Outubro de 2020 at 14:06
    • Responder

    Atenção. Já alguma vez viu um computador? Se sim, concorra a um dos 184 horários para professor de Informática que se encontram em oferta de escola.
    Nota: Não perca tempo, pois como não existe falta de professores, eles serão rapidamente ocupados.

    • Pedro on 2 de Outubro de 2020 at 15:56
    • Responder

    Pensar que ainda há 5 anos andava o Crato a tentar varrer os professores contratados das listas e andam agora à cata deles. É tão, mas tão bom!…

    • Magda on 2 de Outubro de 2020 at 18:40
    • Responder

    Abrir portas a pessoas não qualificadas…. Como se uma grande fatia dos que estão agarrados à educação tenham alguma qualidade. É só conhecer as escolas para entender o grau de fragilidade científica…. Isto é simples: são precisos, entram na educação e depois levam uma “patine” para disfarçar. Vai continuar a acontecer.

    • Manuel on 2 de Outubro de 2020 at 19:09
    • Responder

    Para que se resolvesse alguma coisa, era necessário que alguém se preocupasse com o assunto. Veem alguém preocupado? O Tiaguinho sempre esteve mais preocupado com outras coisas mais mundanas…

    https://www.jornaldenegocios.pt/economia/politica/detalhe/costa-atribui-subsidio-de-alojamento-ao-ministro-da-educacao

    • SapinhoVerde on 2 de Outubro de 2020 at 21:56
    • Responder

    Depois de estudar nos últimos dias as necessidades, verifica-se que até já há grupos de recrutamento “trocados” por técnicos especializados.
    Sei que alguns professores foram “obrigados” a leccionar para além das 22 horas ( a tal treta de componente de estabelecimento e reduções ao abrigo do 79 da ecd) mas o tiro saiu pela culatra (eh! eh! eh!) porque meteram baixa esses Colegas … (infelizmente para os alunos, mas que sirva de lição a alguns diretores tipo chico esperto)
    Depois, um licenciado (e demais com mestrados e doutoramentos) serem pagos com uns míseros mil e poucos euros … é que uma renda de um T0 nessas zonas leva o ordenado todo …
    Quem sofre é o Zé tuga … que tem os seus filhos sem aulas, e os alunos que mais tarde irão dar por esta falta …
    É preciso uma alteração de fundo, ainda para mais se queremos ser competitivos teremos que formar técnicos a sério, tal como a Comissária Europeia deu o “recado” ao Exmo Dr António Costa.

    • Atento on 2 de Outubro de 2020 at 22:18
    • Responder

    ……
    ………….

    La vem a conversa da falta de professores. Nao digam asneiras, existe isso sim, EXCESSO DE PROFESSORES.

    ………..
    ……………….

    • Pedro Silva on 2 de Outubro de 2020 at 22:27
    • Responder

    Sapinho verde: concordo em tudo o que disse…. Em relação ao ordenado…é impossível viver em Lisboa com salário de um professor em início de carreira. Além disso o professor que lá é colocado continua a ter despesa na sua casa própria no norte onde se encontra a sua família. Duas casas!
    Mil e poucos euros e a cada ano que passa ver o salário mínimo nacional a aproximar-se!!!

    • SapinhoVerde on 3 de Outubro de 2020 at 8:53
    • Responder

    Caro Atento, antes de ter opinião, por favor procure um pouco as “varáveis de sustentação” da sua. Sim existe excesso de professores em alguns grupos de recrutamento, e falta deles noutros, portanto e por favor investigue antes de “opinar”
    Pedro Silva, e com todo o respeito pelos demais trabalhadores, um professor contratado, início de carreira e sem horário completo (sim sei que são só umas horas … horário PARCIAL mas essas mesmas horas obrigam o professor a estar em horário TOTAL na escola – sou CONTRA HORÁRIOS INCOMPLETOS!!!!) ganha menos do que um auxiliar de educação, repito, sem faltar ao respeito a qualquer trabalhador, mas penso que é um insulto ao docente que estiver nessas condições.
    Sempre fui a favor do aumento do SMN mas também deveriam de aumentar todos os outros, e qualquer salário de professor ou outra atividade qualquer, e tomando por exemplo um professor contratado nunca deveria ser inferior ao indice 151 (TE) independentemente de ser completo ou incompleto.

    Depois quero desmistificar que existam professores do quadro com horários INcompletos e a receber totalidade do salário. É que o horário é completado até à carga letiva dos docentes (muitas vezes com cargos do tipo levas uma hora mas trabalhas por três horas = 2 de borla). Sei do que falo, se um docente de quadro foi colocado com 12 horas e são necessárias mais 8 não se lança horário de 8 mas convida-se “à força” …

  1. Temos de ser honestos. Há muitos professores que estão vinculados no QZP7 e 10 e estão a trabalhar no norte, através da mobilidade interna. Estão dentro da lei, sem dúvida. Eu continuo contratado porque não me sujeito a ficar com um vinculo num destes QZP´s. No meu entender o que vai acontecer no próximo concurso é que vão obrigar os professores a lecionar no QZP que estão afetos. (acreditei que um dia isto ía acontecer e por isso continuo a contrato por opção). Vai ser muito complicado para alguns, mas se concorreram para esses QZP´s sabiam que podiam ter que ir para lá.

    • Paulo Anjo Santos on 4 de Outubro de 2020 at 2:45
    • Responder

    Sapinho, não percas tempo com imbecis incapazes de justificar o injustificável, que escrevem nas redes sociais apenas por interesses partidários… ignorar é o melhor mesmo!

    • Atento on 7 de Outubro de 2020 at 13:19
    • Responder

    Este Paulo Anjo Santos é moderador deste blog? Se não for não se meta. Você não é ninguém, apenas um palerma amargo e presunçoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: