Contributos – Rui Araújo

Contributos – Rui Araújo

 

Covid 19 – Deviam estar a realizar-se testes de rotina a alunos e professores.

O que está a acontecer é um crime (com tentativa de ocultar as provas). O silêncio, a omissão dos responsáveis políticos é só mais um escarro aos professores.

Meia dúzia de ideias sobre isto:
1) Cenário geral.
2) 1º ciclo e jardins de infância.
3) O (não) reconhecimento do risco.
4) Os testes de rotina (não realizados) como prova (ocultada) do crime.
5) O símbolo da desonestidade.
6) Sondagens, só à boca da urna.

1) Cenário geral
Turmas de vinte e muitos alunos em salas demasiado pequenas e sem qualquer mecanismo de renovação de ar (como por exemplo a ventilação mecânica com recuperação de calor). A qualidade do ar é péssima, o que não é novo, mas ganha agora gravidade acrescida. É assim que as aulas têm decorrido, em todos os graus de ensino. A lei permite dentro da escola aquilo que puniria severamente em qualquer outro local.
É óbvio, neste cenário, que os alunos e os profissionais que trabalham nas escolas diretamente com os alunos, estão expostos a um risco muito elevado de contrair a infecção covid 19.

2) 1º ciclo e jardins de infância
Os alunos do 1º ciclo e os professores do 1º ciclo estão expostos a um risco ainda maior.
No 1º ciclo, o professor está obrigado a cumprir a sua função num ambiente de desigualdade de direitos. O direito do aluno de não usar máscara representa um não direito (de proteção) para o professor. Um professor do 1º ciclo pode estar cinco horas com vinte e seis alunos (todos sem máscara, alguns a espirrar e a tossir; sei do que falo). E não coloco em causa o direito do aluno de não usar máscara (não tenho conhecimentos científicos para avaliar essa medida). O que não aceito é que o risco profissional do professor não seja reconhecido.

3) O (não) reconhecimento do risco
O trabalho de todos os professores (sobretudo daqueles cujos alunos não estão obrigados ao uso de máscara) acarreta neste momento um grande risco. No entanto até agora ninguém reconheceu isso, muito menos foram referidos quaisquer mecanismos de compensação.
Dois exemplos (entre muitos) de profissões cuja função é fundamental nas sociedades e às quais está inerente risco: os médicos dentistas e os polícias recebidos a tiro na cova da moura.
Os primeiros viram-se obrigados a alterar o preço das consultas, o que é justíssimo. Os segundos recebem um subsídio de risco, ainda que insuficiente face ao perigo a que estão sujeitos. São apenas dois exemplos de profissões às quais está inerente um risco, reconhecido, e compensado de alguma forma.

São dois casos (entre muitos) onde os direitos de cidadãos (de saúde e de segurança, nos exemplos dados acima) implicam um risco maior para quem garante no terreno esse direito do cidadão.
Já quando o direito do cidadão é a educação, o profissional pode estar exposto a 26 alunos sem máscara, alguns a espirrar e a tossir (sei do que falo e posso provar), sem que seja reconhecido qualquer risco acrescido para o profissional que assegura esse direito.

4) Os testes de rotina (não realizados) como prova (ocultada) do crime
Em todas as escolas, sobretudo do 1º ciclo, o mínimo seria a realização de testes frequentes a alunos, professores e funcionários não docentes. Não se sabe já que os alunos, os professores e os funcionários podem ser portadores assintomáticos? Se advierem sequelas futuras àqueles
que estiveram mais expostos, não será a ausência de prova que ilibará os carrascos políticos.
Os mesmos que tudo estão a fazer para ocultar as provas deste crime.

5) O símbolo da desonestidade
O rapazinho cientista seria capaz de dirigir a orquestra sinfónica de Berlim. Havia de pensar «os gajos tocam na mesma; só tenho de abanar os braços». Essa pessoa é só um símbolo da desonestidade e mediocridade que grassa entre a classe política.
Estudar bioquímica e considerar que as salas de aula são ambientes onde um vírus perde toda a capacidade de propagar-se é natural em quem estudou bioquímica e concorda que 70% de 4 é o mesmo que 70% de 10.

6) Sondagens, só à boca da urna
Por que não considerar que os resultados dos testes nos dão dados estatísticos? De incidência e prevalência do vírus na população. Ou seja, em 100 testes, se 80 estiverem negativos e 20 positivos, poderíamos dizer que 20% da população estaria positivo. Claro que talvez isto não se faça desta maneira; talvez os 100 testados tivessem muito mais «probabilidade de estar positivos».
Então por que não testar amostras em pessoas sem maior «probabilidade de estar positivos»?
Sem sintomas e sem contactos conhecidos com casos, sobretudo nas escolas e nos jardins de infância?
Infelizmente as orientações para a realização de testes a elementos da comunidade escolar têm ido até agora no sentido exactamente oposto. É caso para dizer que sondagens, só à boca da urna.

Rui Araújo

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/10/contributos-rui-araujo/

14 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Prof Possível (aka Maria Indignada) on 31 de Outubro de 2020 at 12:04
    • Responder

    Uma hedionda realidade com que nos deparámos e constámos ao fim da primeira semana do arranque do ano letivo.
    Mas volto a salientar, tudo isto foi feito com o apadrinhamento de vários responsáveis de diversos sectores.
    Nunca pensei viver um cenário destes.

    • Alecrom on 31 de Outubro de 2020 at 13:57
    • Responder

    Para quê?
    Para aparecerem mais casos?

    https://www.dn.pt/edicao-do-dia/16-jun-2020/amp/costa-e-temido-relativizam-casos-positivos-sobem-porque-ha-mais-testes-12313119.html

    Que falta de beatopatriotismo de esquerda…

    • Maria on 31 de Outubro de 2020 at 15:11
    • Responder

    De heróis do E&D, os professores voltaram a ser profissionais insignificantes…

    • PROFET on 31 de Outubro de 2020 at 15:28
    • Responder

    É mais do que seguro que, neste momento, cerca de 2% da população portuguesa estará infetada. E estes valores irão crescer ainda mais, de forma exponencial, se não fecharem as escolas. O SNS irá entrar em rutura nas próximas semanas e vamos ter cenários muito parecidos àquele que vimos em Itália no início da pandemia. Porém, nessa altura, ainda não se conhecia o poder de disseminação deste vírus. Mas agora já não há essa desculpa, e esta escumalha que nos governa, estes negligentes e criminosos, terão que se sentar no banco dos réus e pagar bem caro por tudo aquilo que estão a fazer. Mas, infelizmente, isso não trará de volta a vida daqueles que sucumbirem, nem irá repor a saúde das pessoas que irão ficar com mazelas.

    • PROFET on 31 de Outubro de 2020 at 16:04
    • Responder

    Ontem, a Prof Possível escreveu: “… não consigo perceber se eles (o governo) são limitados ou mentirosos, quando afirmam que as escolas não são fontes de contágio significativas.”

    Já me questiono acerca disto desde o início do ano letivo, quando abriram as escolas sem garantirem as mínimas condições de segurança e não cumprindo sequer as indicativas da OMS.

    Bolhas? Quais bolhas? Bolhas têm estes governantes no cérebro! Bolhas de estupidez, mentira, desonestidade e criminalidade!

    Em resposta à Prof Possível: Já há muito tempo que cheguei à conclusão que, Costa, Temido, Tiago e Graça são limitados, retardados, mentirosos e criminosos. Temos esta bolha no governo de Portugal, tão maus ou piores do que Trump e Bolsonaro.

    • PROFET on 31 de Outubro de 2020 at 16:43
    • Responder

    O porquê de eu dizer que Costa é tão mau ou pior do que Trump ou Bolsonaro? Não é sensacionalismo da minha parte, é baseado em factos reais:

    “EUA, o primeiro país a registar 100 mil casos em apenas 24 horas
    Os Estados Unidos da América terão sido o primeiro país a superar o marco de 100 mil casos confirmados de infeção com o novo coronavírus em 24 horas. Pelo menos de acordo com um agregado de dados da agência Reuters, que identificou 100.233 casos confirmados nos vários Estados do país ao longo das 24 horas de esta sexta-feira.”

    Que horror! Um recorde mundial!

    Agora vejamos:

    EUA têm 32 vezes mais população do que Portugal, e assim sendo:

    100 000 casos de infeção num só dia a dividir por 32 = 3 125

    Para Costa ser tão mau como Trump na gestão da pandemia, teríamos que ter 3 125 casos num só dia…

    Ainda ontem tivemos num só dia 4 656 novos casos e hoje 4 007, bem acima do recorde mundial, em termos de %.

    Alguém deseja contrapor o que eu disse acerca de Costa ser tão mau ou pior do que Trump na gestão da pandemia? e que é negligente ao ponto de passar a mensagem de que está tudo controlado?

    • Alecrom on 31 de Outubro de 2020 at 18:31
    • Responder

    Colega Profet,
    isso são números, é matemática, não são sentimentos. As pessoas não são folhas Excel.
    Se o colega ler a imprensa internacional rapidamente encontrará notícia dos milhares de mortos amontoados nos becos da ruas americanas. Como não podia deixar de ser, o sistema de saúde mais atrasado, débil e injusto do planeta colapsou e são aos milhares os americanos empestados que se arrastam pelas ruas em plena agonia e sem qualquer assistência.

    • Alecrom on 31 de Outubro de 2020 at 18:34
    • Responder

    Veja como nós logo em março já tínhamos tudo do melhor à disposição dos portugueses:

    https://www.sns.gov.pt/noticias/2020/03/27/covid-19-hospital-de-campanha-em-lisboa/

    • Alecrom on 31 de Outubro de 2020 at 18:40
    • Responder

    Portanto, acabe lá com as bocas reacionárias 😃.

    • PROFET on 31 de Outubro de 2020 at 23:02
    • Responder

    Bocas reacionárias? Parece que o Alecrom, das duas uma, ou não sabe ler ou tem défice cognitivo. Os números servem de base para se tirarem conclusões e para se salvar vidas. Um governo que promove a proximidade social da maior comunidade existente, a educativa, em locais sem as mínimas condições de segurança e que nem sequer respeitou as recomendações da OMS, é um governo negligente e promotor da doença e da morte. E o Alecrom acha que ter hospitais de campanha é uma boa medida! Está a gozar? Este é um governo negligente e de mentirosos, que não querem admitir que o abrupto crescimento das infeções que se verifica desde o início do ano letivo se deve, precisamente, devido à promoção do regime presencial em tempos de pandemia. Trump’s, Costa’s, Bolsonaro’s e coniventes é tudo areia do mesmo saco. Pelos vistos, não sabe ler, pois eu não defendi Trump, Mas parece que o Alecrom está a defender o Costa. Será que o Alecrom também pertence ao grupo dos coniventes?

    • PROFET on 31 de Outubro de 2020 at 23:11
    • Responder

    Quem salva as vidas são os médicos e os enfermeiros, não é o Costa com hospitais de campanha. O SNS em Portugal já existia antes do Costa… e os médicos e enfermeiros já estão a pifar! Deviam respeitar estes profissionais, assim como os profissionais do ensino, mas o que acontece, é que este governo está-se a c* para estes profissionais e a levá-los até à exaustão, e até mesmo à donça e morte, devido à péssima gestão da pandemia. Esta é que é a verdade.

    • Ainda maria on 31 de Outubro de 2020 at 23:29
    • Responder

    Enquanto o nº de doentes internados e em cuidados intensivos não lançar o pânico na sociedade e provocar revoltas sociais, estes governos pouco se importam com quem morre ou fica irremediavelmente doente.
    Somos descartáveis. O que interessa é que a economia continue viva, para alimentar e engordar os mais ricos e poderosos. O modo como manipulam a opinião pública, com a conivência da comunicação social é criminoso. Os professores não têm ninguém que os defenda, nem sindicatos, nem partidos políticos, nem presidente da república, nem pais. Estamos sozinhos a travar uma luta pela nossa sobrevivência. Que cada um se proteja da melhor maneira possível. Não somos voluntários, nem missionários! Quem puder que meta atestado médico. Devemos pensar em nós e nas nossas famílias.

    • Alecrom on 31 de Outubro de 2020 at 23:35
    • Responder

    Profet,
    não negligencie o poder salvífico de Costa e deste governo:

    https://amp.expresso.pt/politica/2020-10-30-Governo-admite-15-dias-de-confinamento-musculado-em-dezembro-para-salvar-o-Natal

    Pensei que a minha ironia ficaria muito clara. Mas vejo que não.
    Peço que compreendas e desculpes😃.

    • PROFET on 31 de Outubro de 2020 at 23:40
    • Responder

    Ok Alecrom, entendi mal. Na realidade, fiquei perplexo e na dúvida se seria ou não ironia.

    No hard feelings

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: