A ecologia “pandémica” da limpeza do seu espaço…

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/10/a-ecologia-pandemica-da-limpeza-do-seu-espaco/

18 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Ecológico on 4 de Outubro de 2020 at 12:09
    • Responder

    Ai que texto mais bunitinho! O covona rívus 19 tem destas coisas, desperta o melhor que há em nós!

    • Ecológico on 4 de Outubro de 2020 at 12:10
    • Responder

    “Todos juntos conseguimos fazer a diferença” – fiquei sem palavras! Parabéns, irmãs.

    • Isa on 4 de Outubro de 2020 at 12:37
    • Responder

    sou apologista da preservação do ambiente e todas as ideias são bem vindas…mas depois à que saber separar o trigo do joio…gostava de ver esse “paninho” no final do dia?? E a higienização das mãos dessas crianças após as “limpezas”,depois ainda se admiram que surjam movimentos de pais revoltados…vale tudo a pretexto da pandemia 😴

    • Serena on 4 de Outubro de 2020 at 13:06
    • Responder

    Oh, que lindo!!
    E reparem, os primeiros referidos são os alunos, pois… quem havia de ser?, claro que são eles os primeiros a pensar quanto é que o colégio vai poupar com esta solução 😉
    Que queriduchos, sempre a pensar nas “Irmãs”…

    • Filipe on 4 de Outubro de 2020 at 13:51
    • Responder

    … também podem levar um garrafão de água do Luso para tomarem banho após Educação Física ? Para onde vai reverter os euros poupados na EDP no Inverno por terem os sistemas de ar condicionado desligados ?

    • Ecológico on 4 de Outubro de 2020 at 13:54
    • Responder

    Chama-se a isto “consciência ecológica”!
    Ainda vão a tempo de no dia 13 de outubro substituirem o milagre do sol pelo milagre do pano!

    • Ana on 4 de Outubro de 2020 at 16:48
    • Responder

    Só faltou um poema no final…

    • PROFET on 4 de Outubro de 2020 at 18:01
    • Responder

    Não vou abordar o tema do tópico… vou alertar para outro, também muito importante:

    A ESCOLA “pandémica” da limpeza do seu espaço…

    A limpeza e higienização das salas de aula nesta fase pandémica…

    No final da tarde, depois de ter dado a última aula, enquanto ainda arrumo as minhas coisas dentro da sala de aula, eis que chega a funcionária do bloco, já muito cansada e desgastada (e muito mal paga) para limpar a sala. De vassoura numa mão e um paninho e um spray desinfetante na outra, me pergunta? Professor, posso começar a limpar a sala? Respondo-lhe que sim, enquanto me apresso para sair rapidamente daquele espaço possivelmente contaminado… ainda antes de conseguir sair da sala, já vejo a funcionária a varrer o chão, num processo de limpeza igual ao de sempre, levantando milhares de partículas (muitas delas de sars-cov -2) que já se encontravam no seu merecido descanso, em repouso no chão, depois de um longo dia de tentativas de infeção.

    É esta a higienização dos espaços nas escolas em tempos de pandemia, com vassouras a espalhar partículas que se irão alojar em todos os equipamentos das salas de aula. São as chamadas medidas de higienização e descontaminação ao cm das nossas escolas super seguras… salas onde os meninos ficam durante os intervalos a comer (sem máscara), sozinhos (por não existirem funcionárias suficientes para os controlar) e que, antes e depois de comerem nem sequer podem ir aos lavabos desinfetar as mãos, porque nos intervalos estão proibidos de o fazer.

    No dia seguinte, lá vou eu novamente e mais 28 alunos para essa sala… por precaução, cabe-me a mim desinfetar todos os equipamentos onde vou tocar: mesa, cadeira, teclado do pc, rato e comando do projetor. O tempo que levo a desinfetar o meu espaço, mais o tempo para fazer a chamada, mais o tempo para verificar se cada aluno traz os seus materiais (intransmissíveis), mais o tempo que perco devido aos pedidos e autorizações para irem ao wc durante a aula, quando dou por mim, verifico que só dei cerca de 15 minutos dos 45 estipulados.

    Chama-se a isto um ensino de qualidade, de acordo com planos de contingência bem estudados por teóricos que nunca sequer estiveram dentro de uma sala de aula (ou… se estiveram, devem ter Alzheimer).

    No ministério da educação (de propósito, com letra minúscula) sentam-se, nos seus gabinetes, aqueles que denomino de filósofos teóricos com todo o seu conforto, longe do risco de contaminação que criaram dentro das escolas… mas tal como o que se passa com trump, poderá não ser bem assim.

    • PROFET on 4 de Outubro de 2020 at 19:09
    • Responder

    Desde 20 de setembro até dia 04 de outubro:

    Casos de infeção / Covid 19 em Portugal nos últimos 15 dias:

    Indivíduos de 0 aos 9 anos: 647 infetados.

    Indivíduos de 10 a 19 anos: 913 infetados.

    Total, indivíduos de 0 a 19 anos: 1560 infetados

    Ainda só foram reportados 78 casos de casos em escolas pelas entidades oficiais, não é verdade? Dos 1560, retirem os bebés (que devem ser poucos), retirem os que estão em abandono escolar (que devem ser poucos) e retirem os de 19 anos que não estão na escolaridade obrigatória (mas não esquecendo que alguns com 19 frequentam), retirem então os de 0, 1, 2 e 19 anos… aproximadamente 20% (5% em cada uma destas idades) = 312…

    1560 – 312 = 1248 infetados, ou seja, aproximadamente 1250 casos, mais coisa menos coisa, é uma estimativa baseada nos dados oficiais do boletim da DGS, vão verificar, se fazem favor.

    Estimativa bastante credível: NAS ÚLTIMAS 2 SEMANAS, CERCA DE 1250 CASOS DE COVID EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUE FREQUENTAM A ESCOLA, PÚBLICA OU PRIVADA.

    Um “bocadinho” diferente dos casos reportados oficialmente, não é verdade?

    1250

    1560

    • Matilde on 4 de Outubro de 2020 at 19:29
    • Responder

    E a Ecologia a servir para justificar tanta coisa… Ideia brilhante!

    Se a coisa “pega” nas escolas públicas, ainda vamos ver os directores a pedirem a todos que tragam para a escola o seu próprio papel higiénico, o seu próprio gel desinfectante, o seu próprio sabão, o seu próprio detergente, o seu próprio pano de limpeza, a sua própria vassoura, a sua própria pá do lixo, as suas próprias luvas, as suas próprias máscaras, etc, etc, etc, etc, etc…

    E tudo, mas tudo, em nome e defesa da Ecologia, claro está… 🙂

    • PROFET on 4 de Outubro de 2020 at 19:51
    • Responder

    Ah! E peço desculpa por só ter feito uma estimativa dos casos de crianças e adolescentes que frequentam a escola, faltou-me contabilizar os professores e funcionários, que, supostamente, também estavam incluídos nos 78 reportados oficialmente, não é verdade?

    Para além disso, o que é que a comunicação social anda a fazer para desmascarar as mentiras e negligência do governo? Será que sou o único que sei um pouco de matemática e estatística? Isto tudo é deveras vergonhoso!

    Tenho vergonha de ser português… cada vez mais.

    • Prof Possível (aka Maria Indignada) on 4 de Outubro de 2020 at 20:50
    • Responder

    Profet, não, não és o único a saber matemática.

    As mentiras são para o “bem comum e evitar pânico desnecessário”.

    A comunicação social, os partidos da oposição, sindicatos, ordens e demias organizações estão a ser patriotas. Até alguns diretores o estão a ser, lol

    Para essa gente é do interesse nacional que as escolas continuem a funcionar a 100% com todos os alunos e profs até que o SNS entre em colapso.

    Aí os médicos vão começar a queixar-se e vai ser difícil tapar o sol com a peneira, mas até lá, a retórica vai ser essa, a qualquer custo. 😉

    Não me peças qual a racionalidade de tal opção, mas concluo que é o que pretendem.

    • Prof Possível (aka Maria Indignada) on 4 de Outubro de 2020 at 21:06
    • Responder

    Situação semelhante ocorreu na Suécia.

    Não sei se especificamente em relação às estatísticas mas relativamente aos testes.

    Não testavam o pessoal, mesmo quando surgiam grandes surtos nas escolas, para evitar ansiedade acrescida na população escolar e respetivas famílias. Mas a Suécia tem problemas constitucionais para recorrer ao confinamento, por isso, tal não é opção para eles.

    Os Suecos já nem se dão ao luxo de comunicar os casos, lol

    Está tacitamente aceite que morrem os velhos e fracos, e os que levarem com sequelas, azar, é a vida.

    Quem quer entrar numa vaquinha para nos mudarmos para a Austrália ou similar?

    • austrália on 4 de Outubro de 2020 at 21:36
    • Responder

    PROFET e Prof Possível junto-me a vós e por mim, vamos para a Austrália que este país é uma desilusão.

    • PROFET on 4 de Outubro de 2020 at 23:12
    • Responder

    Até que ia para a Austrália e levaria toda a minha família, se pudesse… contudo, duvido que a Austrália, neste momento, aceite pessoas oriundas de países do 3º mundo com governos mentirosos e negligentes, os chamados países de risco.

  1. A Comunicação social está falida e VENDIDA, só sobrevive com o dinheiro dos contribuintes que o governo lhes dá.
    Só fala do Trump e do Bolsonaro, aqui o Costa faz pior, muito pior, manipula os números, a imprensa e mente nos testes e internamentos.
    Ainda “planta” notícias FALSAS na imprensa estrangeira, estes dias num conhecido” jornal francês, espanha com 16 vezes mais mortos que portugal…números absolutos, como se a população, destes países, fosse idêntica!!!!!!
    Isto foi seguramente pago!
    Aqui a nossa imprensa faz o mesmo, bombardeia-nos com os números absolutos do Brasil ou dos eua mas não diz que estes países tem 30 ou 40 vezes a nossa população!!!Vendidos.
    A velha da saúde ainda se dá ao desplante de dizer que é patriótico mentir!!! Infelizmente nem a covid lhe pega!

    • Prof Possível (aka Maria Indignada) on 5 de Outubro de 2020 at 9:16
    • Responder

    País pobre e podre.
    Nem os migrantes querem nada convosco. Evadem daqui à primeira oportunidade.

    • Prof Possível (aka Maria Indignada) on 5 de Outubro de 2020 at 9:22
    • Responder

    “connosco”

    Ainda cá estou, espero daqui a um ano já estar bem longe daqui com a minha prole. Os meus filhos merecem melhor país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: