21 de Setembro de 2020 archive

“Este regresso à escola e aos treinos requer muitas precauções e cuidados.”

 

“Este regresso à escola e aos treinos requer muitas precauções e cuidados.”

Em virtude do regresso das aulas presenciais, o Desporto Escolar produziu um vídeo sobre o início do ano letivo 2020-21 e da retoma da Educação Física e do Desporto Escolar.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/09/este-regresso-a-escola-e-aos-treinos-requer-muitas-precaucoes-e-cuidados/

Máscaras? Medidas de protecção? As escolas fazem o que podem

 

Máscaras? Medidas de protecção? As escolas fazem o que podem

Se há uma semana a preocupação andava ao redor da não obrigatoriedade do uso de máscaras nas escolas do Reino Unido, passada essa mesma semana deparamo-nos com a realidade portuguesa onde, e apesar da obrigatoriedade, as limitações, para não dizer os perigos, estão à vista de todos.

Comecemos pela dimensão das turmas, sempre à volta dos 30 alunos, para não dizer 36 alunos e um professor numa sala de aula cujas janelas serão sempre insuficientes para ventilar tantas almas a respirar no mesmo espaço. E quem diz numa sala de aula também diz num contentor, ou não estivesse a escola em obras há cinco anos, quatro para além do previsto.

O distanciamento físico entre alunos? Não há mesas individuais para todos, os quais não têm outro remédio senão sentarem-se lado a lado nas mesas de sempre mas, atenção, com fita-cola ao meio para separar os espaços de cada um. Acrílicos? Não há dinheiro.

Assim como não há dinheiro para mais funcionários e, por conseguinte, não há capacidade para higienizar as mesas e cadeiras a cada intervalo. E não havendo funcionários nem recursos para substituir os que estão doentes e/ou com filhos doentes em casa, também não há capacidade para limpar as casas de banho duas vezes ao dia sem esquecer, igualmente duas vezes ao dia, todos os corrimãos, maçanetas e interruptores da escola. Quem limpa o que pode quando há tempo é o professor que tem a família à espera em casa e não lhes quer pegar nada.

Voltando ao uso de máscara pelos alunos, está tudo bem até tocar o telemóvel, dentro ou fora da sala de aula, sendo que em qualquer das situações o aluno atende, sem máscara, pois claro, senão não se percebe nada. “Shiu”, diz para a professora de indicador furioso na boca, e como a professora já tem quase 40 anos disto e não está para ameaças sem esquecer o pneu furado e o olho negro ao chegar a casa, mais vale deixar o rapaz ao telefone e delicadamente pedir-lhe que termine a chamada lá fora, ao que ele anui. Ufa.

Lavar as mãos? Se nas escolas já há muito se queixam da falta de papel higiénico, ao fim de uma semana já pouco sobra de álcool gel, encomendar mais só no fim do mês e a lista de espera para entregas é ainda maior. Encomendar já? Já disse, não há dinheiro e a senhora da secretaria está de baixa em casa que o filho tem tosse e só volta, assim esperamos, daqui a duas semanas.

O ensino, não esquecer, é inclusivo, mas o pior é explicar ao miúdo que sofre de autismo profundo a necessidade do uso de máscara, prontamente feita em pedaços, para não dizer pior. E naquela turma há outros três como ele. E ensinar numa turma assim? Já há muito tempo que não se ensina, cabendo ao professor a gestão do espaço de aula, turma a turma, hora a hora e dia a dia até à, há muito ansiada, reforma final. Há quem não chegue lá, mas isto são outras conversas.

Quanto aos intervalos e à hora de almoço numa escola com o limite de 89 turmas, mas este ano com 94, é de todo impossível manter qualquer distanciamento físico nos corredores — e então quando chove ainda menos. Circuitos de sentido único? Estão marcados no chão mas como os alunos são tantos não se vêem e os funcionários já sem voz de tanto gritar.

O espaço do bar mais parece uma sala de concerto dos tempos do antigamente com os miúdos todos ao molho e fé em Deus e na cantina os mais velhos sentam-se à vontade, qual take-away qual quê, não havendo quem se lhes dirija pelas razões supracitadas, ergo o pneu furado e um olho negro. Ao menos os meninos não passam fome. Estes, pelo menos, ou não fosse a escola ainda o lugar onde muitos comem a única refeição do dia.

Máscara? Só têm se lhes dermos e muitos são os professores a desembolsar o dinheiro para que os miúdos possam entrar na escola. A máscara, claro, é a mesma todos os dias.

As aulas de Educação Física? São feitas de acordo com todas as regras, distanciamento de três metros entre os alunos, pequenos grupos de cada vez, higienização dos materiais, tudo. O pior é nos intervalos quando os miúdos estão todos a jogar à bola e lá vai o distanciamento pelo cano abaixo.

Os namorados? Lá os vamos apanhando aos beijos e enrolados atrás do pavilhão A, para não dizer nas casas de banho onde só pode estar um de cada vez e quando não têm máscara ainda é o menos.

Voltando às máscaras, as que são da moda e de marca andam de mão em mão, que é como quem diz de boca em boca, trocadas a bel-prazer entre alunos mais preocupados com selfies, TikTok e Instagram do que outra coisa qualquer. Inclusivamente, já temos influencers com 12 anos que não podem perder tempo com a seca das aulas. Mas isto também são outras conversas e o pior são os pais que lhes deram um telemóvel para as mãos.

O mesmo não podem dizer os alunos asmáticos, para quem o uso de máscara não é apenas um sufoco mas também a causa da asma, bastando às vezes um pouco de pó. A solução é óbvia, não podem andar de máscara. Quanto à restante população escolar, a conversa é a de sempre entre narizes de fora, máscaras no queixo, penduradas na orelha ou a servir de cotoveleira.

Sejamos francos, as escolas fazem o que podem e quanto ao resto é uma questão de tempo. Basta olhar para os portões dos estabelecimentos de ensino ao fim do dia e centenas de alunos amontoados sem máscara nem distanciamento para nos acudir e então nos transportes nem se fala.

A máscara obrigatória é mesmo para inglês ver, é um adereço e eu queria que não fosse assim, mas é, eu queria distribuição gratuita e ilimitada de máscaras, eu queria não ver ninguém a tocar na máscara ou na cara ou no nariz, a comichão, a impressão, o calor, eu queria muita coisa, inclusivamente, e acima de tudo, não queria um vírus, mas a realidade é esta.

A realidade é esta, uma realidade onde estamos todos a fazer de conta e a fazer de conta que vai ficar tudo bem. E enquanto assim for, continuaremos a ir para a escola e a ensinar, na medida do possível, pois claro. Até deixarmos de fazer de conta.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/09/mascaras-medidas-de-proteccao-as-escolas-fazem-o-que-podem/

Santiago do Cacém com 38 professores em quarentena

 

Santiago do Cacém com 38 professores em quarentena

O Município de Santiago do Cacém já tinha adiado o início do ano letivo, que estava previsto para 14 de setembro, e tem agora 38 professores em quarentena.

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/09/santiago-do-cacem-com-38-professores-em-quarentena/

Cinema Sem Conflitos: “In Our Skin”

Título:  “In Our Skin” | Autores: “Rosa Beiroa

In Our Skin é uma celebração dos corpos femininos, destacando o excepcional e o extraordinário que reside nos gestos aparentemente rotineiros de despir-se e criando uma conexão com sentimentos e sensações muitas vezes esquecidos.

Mais videos didáticos sobre Amor e Sexualidade, Bullying, Dilemas Sociais, Drogas, Emoções, Família, Racismo, Relações Interpessoais, Religião e Cultura, Violência em  https://cinemasemconflitos.pt/

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/09/cinema-sem-conflitos-in-our-skin/

Fim da primeira parte: Bolhas 0 x Intervalos 0 -Correntes

 

Fim da primeira parte: Bolhas 0 x Intervalos 0

Se cada turma é uma bolha escolar para enfrentar os tempos difíceis da pandemia, repito o que escrevi em 8 de Julho de 2020: “o ministro da Educação integra os fóruns do futebol e das aulas em Setembro. É natural que com tanta informação já confunda intervalos dos jogos com os escolares. Se não se percebe que diga que os alunos vão caber todos na mesma sala, que não haverá desdobramento de turmas, que a única obrigatoriedade é a máscara a partir do 2º ciclo e que distanciamento não, é ainda mais surpreendente que elimine os intervalos escolares.

Portanto, se é decorrente da pandemia que se insiste na desconcentração dos intervalos e no desdobramento de turmas, é importante que se diga que vai para além do que disse, e desdisse, o ministro. Precise-se: com a aplicação das duas ideias, uma escola com 1000 alunos nunca tem mais do que 250 na escola (e descongestiona muito o seu exterior) e um máximo de 60 (um valor entre 15 e 60) a frequentar cada um dos espaços ou serviços fora das salas de aula; e com a vantagem de se manterem as especificidades fundamentais dos horários já a pensar no pós-covid-19 (não se sabe quando será, obviamente).

Ou seja: as propostas dos desdobramentos (ou turnos) e dos intervalos são sustentadas e evitam os 3 c´s (aproximação física, espaços fechados e aglomeração de pessoas). Repito: “grupos de 10 ou 15 nas turmas para frequência presencial semanal alternada não exige que um professor leccione também à distância, duplicando a sua carga horária e o seu desgaste energético ou contratando outro professor. O professor terá a turma na plataforma, até para antecipar todos os futuros, e lecciona apenas as aulas presenciais onde controlará o processo. A RTP memória é mais um apoio para a semana em casa. É preferível ter metade da carga curricular presencial do que nenhuma; ou dito doutro modo: é preferível aprender menos do que não aprender.”

Como também é óbvio, desconcentrar intervalos não implica que os tempos lectivos não comecem todos ao mesmo tempo. A ideia de desconcentração acentuou-se com as aulas de 90 minutos (1998) para todos os anos de escolaridade e disciplinas (do 5º ao 12º). Aulas com esse tempo nem sempre são aconselhadas com idades e didácticas tão diversas. Ter os intervalos ao critério dos professores, antecipando-os e continuando as aulas depois ou prolongando-os no início das aulas, não significa que alunos e professores não estejam a horas para as aulas seguintes. Basta pensar um bocado. E nada disto altera a forma tradicional de fazer horários; pelo contrário: melhora-a. Este modelo de intervalos descongestiona os serviços da escola, educa para o silêncio nos espaços comuns e pode ser articulado por disciplina, ano ou conjunto de salas. Está documentado com resultados muito positivos e sem ser preciso ir à Finlândia. Pode ser aplicado em qualquer escola e prepara-a para um ambiente mais inovador, autónomo e responsável. Oxigena as bolhas, e protege-as, e elimina o ruído das campainhas. Claro que há alternativas mais complexas que exigem uma adaptação à tipologia de cada escola. De qualquer dos modos, iniciamos a segunda parte da pandemia com um empate a zero entre as bolhas e os intervalos e a temer uma prolongada ineficácia.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/09/fim-da-primeira-parte-bolhas-0-x-intervalos-0-correntes/

AULAS DO 1.º CICLO EM ESCOLA DAS LARANJEIRAS SUSPENSAS “NOS PRÓXIMOS DIAS”

Este vai ser o nosso quotidiano… abre, fecha, suspende, (des)suspende… pelos alunos, pelos professores, pelos AO’s… vai ser um entra e sai como nunca visto.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/09/aulas-do-1-o-ciclo-em-escola-das-laranjeiras-suspensas-nos-proximos-dias/

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog no Facebook