Um Ano sem Testes. Que professor se atreveria a faze-lo?

Remover avaliações sumativas da prática instrutiva pode tornar as aulas mais interessantes, envolventes e sem stress para os alunos.

Um Ano sem Testes

Durante a primeira semana de aulas deste ano, pedi aos meus filhos que escrevessem num cartaz e terminassem a frase, “Espero que nós…” Alguém escreveu “não haver testes”. Nunca gostei de testes. Enquanto estudante, senti que não mostravam o que eu sabia, porque estava nervoso com perguntas com truques ou que interpretaria mal o que me estava a ser pedido. Então decidi, por que não, vamos tentar – um ano sem testes.

Pensei que depois de um ano de quarentena e aprendizagem híbrida, seria uma boa altura para misturar as coisas um pouco mais do que o normal. Quando disse nas minhas aulas que não lhes ia fazer testes este ano, eles legitimamente não acreditaram em mim: “Qual é o problema, Sra. Deinhammer?” Disse-lhes que as minhas expectativas eram que eles tentassem o seu melhor e se concentrassem em aprender em vez de memorizar, embalar ou fazer batota. Eu disse-lhes que queria que eles aprendessem a aprender, como ser curioso, e como questionar.

Tenho muitas formas de analisar a compreensão e o crescimento nos meus alunos — faço avaliações formativas quase todos os dias. Às vezes revejo os dados da avaliação, e às vezes não. Dependendo do que a aula necessita, uso os dados para guiar onde vamos a seguir, ou os alunos apenas usá-los-ão para ver onde estão com o conteúdo. Alguns dias usamos jogos divertidos como Gimkit, Blooket, ou Quizlet, outros dias fazemos várias atividades de despejo cerebral ou fazemos práticas de laboratório falsos, mas nunca por uma nota. Um dos métodos mais fáceis que usei, é apenas um simples questionário do Google Form com quatro a cinco perguntas relacionadas com o verdadeiro objetivo de aprendizagem.

Eles vêem instantaneamente os resultados e “pontuação”, mas eu não o registo. Temos uma discussão imediata como turma e esclarecemos quaisquer equívocos que possam ter. Podem explicar a sua linha de pensamento e como chegaram à resposta a uma pergunta específica. Ter os alunos a explicar o seu raciocínio uns aos outros é uma grande oportunidade para eles ouvirem perspetivas únicas. O que tenho observado até agora é que as crianças realmente experimentam coisas que não são classificadas se não são longas e se recebem feedback imediato. Querem saber qual é a sua posição.

A cada duas semanas, fazemos uma verificação rápida de entendimento (CFU), em qualquer lugar de 10 a 12 perguntas. Isto conta como uma “nota diária”. O CFU é criado na LMS, Schoology da nossa escola, e os alunos têm duas tentativas. A primeira tentativa é estritamente de memória, como um teste de falso. Eles vêem instantaneamente a pontuação quando completam o CFU. Se não estiverem satisfeitos com a nota, podem retomar o CFU imediatamente e usar os seus apontamentos das aulas.

Quando revejo os resultados, tenho os dados que preciso de saber quem precisa de ajuda adicional, mas isso não prejudica a nota geral. Algumas crianças estudam para os CFUs e outras não. A maioria das crianças usa ambas as tentativas, mesmo que a primeira tentativa lhes tenha marcado um 94 ou 95. Analisam criticamente cada pergunta para ver se conseguem descobrir qual delas falharam. Fazem perguntas esclarecedoras e querem discuti-la depois. Os estudantes estão a tirar muito mais disto do que eu esperava inicialmente. No passado, quando um teste era dado, eles faziam-no uma vez e seguiram em frente com as suas vidas, normalmente não pensando mais nele.

Para avaliar os laboratórios de ciências, atribuo um teste pós-laboratório a um grupo. Os alunos submetem as suas próprias respostas à Escola, mas discutem as perguntas em conjunto. Isto levou a algumas das discussões de turma mais enriquecedoras que já vivi como professora. Ouvir crianças defendendo por que sentem que uma resposta é certa ou errada é muito valioso para mim. Adoro ouvi-los tentar convencer o grupo deles, porque estão certos e apoiar o seu pensamento com provas. Também sou capaz de identificar equívocos enquanto ouço a sua opinião.

Peço regularmente feedback aos meus alunos e recebo algumas das minhas melhores ideias do processo. Faço levantamentos reflexivos no final de um período de marcação e depois de grandes projetos, fazendo perguntas como “Do que mais gostou?” “O que aprendeu?” “Como posso melhorar esta aula para os alunos do próximo ano?” No final do primeiro semestre, os meus alunos partilharam os seus pensamentos gerais sobre a aula. Eis alguns dos comentários que recebi:

“Adoro que não tenhamos testes aqui. Adoro não me sentir nervoso e preocupado por estar a perder um detalhe crítico que será pedido num teste mais tarde.”

“Quem me dera que todas as minhas aulas tivessem a política de não teste. Aprendi mais nesta disciplina este ano do que em qualquer disciplina que tive no ano passado. Acho que a liberdade de aprender ao meu ritmo é tão grande.”

“É muito divertido aprender quando não tenho de me preocupar com as boas notas e as más notas. Você é tão paciente, e eu aprecio a atmosfera descontraída desta disciplina.

É muito gratificante saber que os meus alunos não se sentem nervosos na minha aula e que simplesmente remover o fardo dos testes tornou a aprendizagem mais interessante e agradável para eles.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/05/um-ano-sem-testes-que-professor-se-atreveria-a-faze-lo/

21 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Luluzinha! on 22 de Maio de 2022 at 20:32
    • Responder

    Mais uma utopia pseudopedagógica plena de “sucesso” e globalmente exequível. Enfim…

      • Luluzinha! on 22 de Maio de 2022 at 20:34
      • Responder

      E bastante premonitório logo no título: “Faze-lo”??? Oh. meu Deus!

  1. Não passei do título! Tema enjoativo (sempre na base do “coitadinho do aluno que anda stressado)!
    Sem paciência para mariquices destas!

      • Luluzinha! on 22 de Maio de 2022 at 21:15
      • Responder

      Precisamente.

  2. Um ano sem testes, um ano sem conhecimento; um ano sem História; um ano sem COVID, um ano sem morte; um ano sem velhice; um ano sem trabalho; um ano sem obrigações; um ano onde o dinheiro brotasse das árvores. UM ANO DE FAZ DE CONTA! UM ANO!

    • João on 22 de Maio de 2022 at 21:35
    • Responder

    Jogos e brincadeira é o que é preciso. Testes? nem pensar, já basta a exigência de saber ler e escrever!

  3. Este gajo devia um dia ser operado por um cirurgião que nunca tivesse tido um teste na vida .

    1. Concordo com o colega.
      Uma grande utopia. Queria ver se os seus alunos se safavam num exame nacional?

    • Mário Rodrigues on 23 de Maio de 2022 at 0:19
    • Responder

    Dia 1 de Setembro vou-me embora, em grande parte por causa da falta de rigor e de exigência da escola pública.
    Depois digam que a culpa é toda do Ministro!

    Continuará a haver Alemanha, Suíça, Japão, Coreia do Sul , China e colégios americanos para garantirem que o Mundo progride, enquanto outros passarão fome!…

      • Rodrigo Albuquerque on 23 de Maio de 2022 at 11:04
      • Responder

      Da escola pública? Se fosse só da escola pública …

        • Mário Rodrigues on 23 de Maio de 2022 at 18:31
        • Responder

        Experiencialmente, só conheço a pública, que está em inexorável rampa descendeste!…

    • Maria José Ramalho on 23 de Maio de 2022 at 1:53
    • Responder

    A vida é bela e as crianças precisam é de ser felizes. O stress faz mal à pele, que fica enrugada. Apenas falta o segredo para a eternidade… Será que não fazer um único teste ou exame na vida nos traz a eternidade?

    Realmente gostaria que esta colega, no futuro, fosse sujeita a uma cirurgia, daquelas mesmo simples, efetuada por um dos seus alunos. que entrou em medicina e saiu médico, sem nunca ter realizado uma atividade escrita de verificação de conhecimentos. Daquelas mesmo sérias.

  4. Enfim!

    • Célia on 23 de Maio de 2022 at 8:20
    • Responder

    Adorei! Saí do ensino e fiquei a dar explicações porque não me identifico com os processos da escola!

    • Maria Estafada on 23 de Maio de 2022 at 12:28
    • Responder

    Concordo completamente com o autor do texto. Acho que não deveria haver testes nem exames.
    Os alunos apreendeem muito melhor quando não estão sob pressão.

    Eu só faço 3 testes por ano letivo e porque sou obrigada. Não necessito dos testes para saber o que o aluno sabe ou não sabe. A avaliação é continua .

    Acho uma injustiça alunos que durante o ano tem muito boas notas e chegam aos exames, devido aos nervos baixam as notas.

    É a minha opinião.

      • Falcão on 23 de Maio de 2022 at 19:15
      • Responder

      Maria Estafada,
      Achas que não deveria haver testes nem exames mas… “só” faz 3 testes por ano!!! Eheheheheheheheheheheheheheheheheheheheheeh, mais palavras para quê??? É obrigada? Por quem?
      Tenha juízo colega e faça MESMO aquilo em que acredita! Dê o exemplo aos seus alunos, não se comporte como mais um carneiro no rebanho! E não diga que é obrigada, isso é mentira!
      Eu só faço 2 por ano, mas é porque quero! E chega perfeitamente, tenho mais umas largas dezenas de aulas para avaliar os alunos.

    • Pinto on 23 de Maio de 2022 at 13:09
    • Responder

    A vida real é stress é pontos de avaliação, é dificuldades …
    Sem treino á resiliência as pessoas quebram psicologicamente e as sociedades não evoluem.

    Mas tá tudo parvo?

  5. Ainda bem que com os seus alunos resultou.
    Com o tipo de alunos que tenho este ano, infelizmente, nem isso resulta, porque recusam-se a ter o trabalho de analisar os resultados, discuti-los e tirar conclusões.
    Para piorar, não tenho só maus alunos, tenho alunos muito mal educados e desafiadores, que, até hoje, nem sei como ainda não me bateram.

    1. Ao ler os comentários dos defensores do Teste, encontro troça; ofensas; atribuição de culpas pelo fracasso educativo com base em algum edtudo científico por revelar; foco prioritário num erro ortográfico “faze-lo” que prevalece sobre a partilha de uma experiência educativa interessante; rejeição liminar de uma abordagem pedagógica sem valorizar o mais pequeno detalhe, sem qualquer cedência ou reconhecimento de qualquer virtude; .., …
      Estes comentários todos partilham do primado do pensamento único, à semelhança da resposta certa (a contrariu, errada) exigida nos testes que com tanto orgulho e exaltação apregoam.
      Encontro pontos interessantes na experiência partilhada pelo professor, penso que alguma moderação e evolução gradual seria mais prudente (rigidez dos processos culturais associsdos ao ensino-aprendizagem e manifestados na maioria dos comentários aqui publicados) e claro, concretizando a mudança com inteligência e adequando (diferenciação) à especificidade de cada contexto educativo.
      E agora, pode continuar a troça, mais algumas ofensas e deverá existir algum erro ortográfico para fundamentar a continuidade do modelo de ensino e avaliação tradicional, como se a realidade fosse inalterável e sempre ao ritmo do velho slogan “No meu tempo é que era”.

        • contrariu on 29 de Maio de 2022 at 13:26
        • Responder

        contrariu

    • Faze-lo on 29 de Maio de 2022 at 13:24
    • Responder

    É faze-lo é…. Faze-lo tu, o teste…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: