E Também Não Há Travão Para Quem Sucessivamente Está em Contrato no EPE?

Sindicato questiona ministério sobre acesso aos concursos pelos professores no estrangeiro

 

 


A Federação Nacional de Educação pede para que se acabe com a injustiça e “menorização” dos professores de EPE. Solicitam igualdade de tratamento por parte do Ministério da Educação.

 

 

A Federação Nacional de Educação (FNE) questionou o Ministério da Educação sobre a prioridade, nas negociações em curso, dos professores em território nacional em relação aos do estrangeiro no acesso a concursos disse, esta terça-feira, o secretário-geral do sindicato.
PUB

“O que acontece é que os professores do Ensino do Português no Estrangeiro (EPE) que não têm escola em Portugal, mas que estão a desempenhar funções de ensino do português tutelado pelo Governo de Portugal, em termos de regras de concurso que estão a ser negociadas com o Ministério da Educação, estão numa prioridade inferior àqueles professores que estão a trabalhar em território nacional”, declarou à Lusa João Dias da Silva.

O ofício a questionar esta prioridade foi enviado na segunda-feira e endereçado ao ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues. Para o sindicalista, “não pode haver uma situação de menorização de pessoas que estão contratadas pelo Estado português para ensinarem português a portugueses no estrangeiro em relação aos que estão em território nacional”.

“Porque a prioridade que consta das propostas do Ministério da Educação é inferior, com menos possibilidades de colocação do que os outros professores que estão em território nacional”, avaliou João Dias da Silva. Segundo o sindicalista “a justificação do Ministério da Educação, na última reunião, é de que estes professores estão tutelados pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, através do instituto Camões”.

A última reunião de negociações entre os sindicatos e o Ministério da Educação sobre temas ligados à educação e aos professores foi no dia 5 de Janeiro.

“Ora, trata-se do mesmo Estado e o facto de haver dois ministérios, de estarem a trabalhar para dois ministérios diferentes, o país é o mesmo e os direitos dos portugueses têm de ser os mesmos, seja qual for o ministério que tutele. Trata-se de uma situação de injustiça e que consideramos que não deve existir”, avaliou. Para Dias da Silva, esta questão da tutela “não pode significar uma diminuição de direitos para estes professores que trabalham no EPE”.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/01/e-tambem-nao-ha-travao-para-quem-sucessivamente-esta-em-contrato-no-epe/

2 comentários

    • Rui Freitas on 11 de Janeiro de 2017 at 12:34
    • Responder

    E como ficam as colocações no iefp ao abrigo dos concursos através da plataforma da dgae? Esses contratos contam?

    • justiça on 12 de Janeiro de 2017 at 11:09
    • Responder

    Al guns destes docentes apenas foram para o EPE com o objetivo de terem um futuro melhor no nosso país, estão a fazer grandes sacrifícios familiares por isso! Já é altura de serem recompensados por todos os sacrifícios que têm feito. Era bom que o Sr. Mário Nogueira se juntasse ao Sr. João Dias da Silva na defesa destes professores de corpo inteiro!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: