Um Processo Muito Mais Rápido!!!

E tenho quase a certeza que quando passarem ao 2º da lista de ordenação vai voltar a acontecer o mesmo. Depois irão chamar o terceiro, o quarto, o quinto e por ai fora.

Além de existirem subcritérios que eu achei que deviam ser eliminados da BCE imediatamente por erro de formulação das questões, pela forma como a aplicação está concebida, também existem muitos subcritérios que não se conseguem provar de forma alguma.

 

E se alguém souber dar uma resposta que seja oficial ao colega que me enviou este mail que o faça.

Mas já agora pergunto. E como a escola sabe as respostas do docente aos subcritérios para fazer prova da denúncia do contrato? E como a escola sabe a ponderação de cada subcritério se a DGAE os alterou? Mesmo os campos da respostas foram alterados e não ficaram conforme a escola pediu.

 

 

Sou de XXXXX e esta segunda feira aceitei uma colocação em BCE em XXXXX. Na terça fui apresentar-me, preenchi todos os documentos mas a diretora pediu-me depois comprovativo das respostas em todos os subcritérios. Mostrei os comprovativos de todos os que podia mas havia 2 em que eu não tinha mesmo como comprovar, muito embora seja verdadeira a resposta que dei.
Por uma questão de justiça no concurso, a diretora afirmou que teria que denunciar o contrato porque eu assim não teria ficado em 1º lugar mas uns lugares mais abaixo uma vez que estamos todos separados por meras decimas A minha questão é, tendo eu aceite a colocação e tendo sido denunciada no período experimental pela escola, pelos motivos referidos, saí da Bolsa de Contratação de Escola? Tenho que fazer alguma coisa para voltar à BCE uma vez que já tinha aceite a colocação? Ou estou definitivamente fora da BCE?
Por favor agradeço o seu esclarecimento porque já estou cansada de ligar para todo o lado mas parece estar tudo “entupido”!!!

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2014/09/um-processo-muito-mais-rapido/

26 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Andreia on 17 de Setembro de 2014 at 12:29
    • Responder

    E como sabemos que não vão pegar aqui e ali para chegar “àquele” candidato??

      • pedro on 17 de Setembro de 2014 at 13:13
      • Responder

      ….tendo tudo aquilo que é necessário para provar aquilo que se afirma. Ou pensava que era só dizer que fez isto e aquilo?

    • Ani on 17 de Setembro de 2014 at 12:35
    • Responder

    Alguém sabe se os colegas que constam da lista dos excluídos na CI podem constar na BCE e ainda aceitar horários? Isto está a acontecer…Se alguém souber diga alguma coisa a respeito do assunto, por favor.

    • Maria Eduarda on 17 de Setembro de 2014 at 12:40
    • Responder

    E talvez o repitam até chegarem a quem querem…

    • Duarte Ribeiro on 17 de Setembro de 2014 at 12:41
    • Responder

    fazer queixa IGEC e ao provedor…tantas serão as queixas que vão ter de fazer alguma coisa…haverá algum candidato que prove tudo???? Duvido…..alias só pelos critérios lançads pela DGAE para as escolas escolherem está provado que isto é tudo uma ilegalidade e estamos entregues à b…vejamos…onde está a igualdade ( que está na constituição) quando as escolas escolhem o critério “ter trabalhado em escolas TEIP” e deixo uma questão …eu porque nunca tive essa oportunidade não serei competente e não terei uma oportunidade de mostrar aquilo que consigo?? e outra coisa, por outro lado nunca trabalharei numa escola dessas …
    a mesma coisa acontece com os cursos profissionais…isto está muito mau… só agora veio ao de cima porque atingiu a todos mas eu já me sinto prejudicado desde 2006/2007.

    • A. N. on 17 de Setembro de 2014 at 12:59
    • Responder

    Quais foram exatamente os subcritérios que não conseguiu provar e que lhe pediram provas XXXX?

    • Rui on 17 de Setembro de 2014 at 13:05
    • Responder

    Já vi que quando eu estiver numa escola, no final do ano terei de pedir várias declrações. Declaração a dizer que tenho vários níveis na turma, declaração a dizer que tenho um aluno com baixa visão, um aluno com surdez, um “preto”, dois alunos com NEE, um com curriculo alternativo, um grupo do projecto fénix, projecto Comenius, projecto Dracarys, experiência TIC, cargos exercidos, envolvimento no jornal escolar e na dança dos arraiolos, na língua Inglesa C4 Europass Ultra Light, dinamização de sessões em meio aquático e aéreo, etc

      • raquel on 17 de Setembro de 2014 at 13:11
      • Responder

      Não fala desses casos quando faz o seu relatório de auto -avaliação? No ato de entrega do relatório peça cópia carimbada.

    • PL on 17 de Setembro de 2014 at 13:09
    • Responder

    Administração Pública

    Artigo 266.o (Princípios fundamentais)

    2. Os órgãos e agentes administrativos estão subordinados à Constituição e à lei e devem actuar, no exercício das suas funções, com respeito pelos princípios da igualdade, da proporcionalidade, da justiça, da imparcialidade e da boa fé.

    http://dre.pt/util/pdfs/files/crp.pdf

    • safilipa on 17 de Setembro de 2014 at 13:19
    • Responder

    Tenho uma questão e por mais que tente ligar para o CAT da dgae o que acontece é isto: atendem o telefone e desligam imediatamente! Bem, a questão é a seguinte: numa das listas da BCE fiquei em 4º lugar e constatei que quem ficou em 1º teve colocação nacional em CI, o 2º e 3º candidato estão em 1º, 2º e 3º lugar noutras listas de outras escolas. Como é que sabemos quem é escolhido? Se o 1º não é colocado chamam logo o 2º ou o horário vai para as ‘ofertas de escola’? E se um é chamado e está com atestado que procedimentos seguem para contratar outro docente? Seguem a ordem das listas da BCE ou lançam novo concurso? Que grande trapalhada esta! Obrigada pela atenção.

    • PL on 17 de Setembro de 2014 at 13:22
    • Responder

    Isto acontece porque as informações prestadas pelos candidatos (subcritérios) NÃO FORAM
    VERIFICADAS POR NINGUÉM, antes do concurso (como acontece no concurso
    nacional CC/RR). Se assim fosse, as escolas/diretores iam constatar que “existem muitos subcritérios que não se conseguem provar de forma alguma”.

    Por isso deve existir uma ÚNICA LISTA DE ORDENAÇÃO NACIONAL, uma vez que estamos a falar de um concurso para Trabalho em Funções Públicas!

    Em suma, ANULAÇÃO da BCE (Bolsa Com Erros). JÁ!

    • pedro on 17 de Setembro de 2014 at 13:24
    • Responder

    A culpa é do MEC e da vergonha ilegal que se tornou a BCE.
    Por tudo isto deve anular-se a BCE.
    Que todos os diretores sejam assim… e que os colegas que não têm a culpa desta trapalhada, possam manter-se a concurso de uma forma justa.

    • pedro on 17 de Setembro de 2014 at 13:25
    • Responder

    Colega, solicitar ajuda aos sindicatos, nunca à FNE. Para estes, anda tudo bem…

    • Maria do Mar on 17 de Setembro de 2014 at 14:03
    • Responder

    Tudo se prova. Se o colega diz que tem as coisas, basta pedir declarações às outras escolas. Elas ficam sempre com um mini-processo do candidato. Portanto tudo se prova. Se não quer provar só tem que denunciar.

    • mariarodrigues34 on 17 de Setembro de 2014 at 14:14
    • Responder

    Tenho um colega que diz surgirem na sua candidatura perguntas às quais ele nunca respondeu

    • ana maria on 17 de Setembro de 2014 at 14:28
    • Responder

    quais são as penalizações da não aceitação nos seguintes concursos: CI/RR; Bolsa de contratação e Contratação escola

    • Pois on 17 de Setembro de 2014 at 14:49
    • Responder

    História mal contada!!! Se não tem provas, não respondia… Simples!

      • Lita on 17 de Setembro de 2014 at 19:45
      • Responder

      Ora essa, se a colega concretizou seja lá o que for, não ia responder? E depois via os outros a passar à frente? A colega tem é que pedir as declarações à escola onde esteve anteriormente.

    • Morais on 17 de Setembro de 2014 at 15:29
    • Responder

    Peço desculpa colega pelo que vou escrever…mas vitima, não é!

    Durante o preenchimento dos subcritérios deparei-me com uma série deles em que, embora tivesse resposta favorável, não podia provar os mesmos. Acabei por, em consciência, optar por dizer que “não” tinha esse critério.

    Se o fez, na minha opinião, fez mal e, por isso mesmo, ao ser agora confrontada com a realidade, deve assumir as suas responsabilidades por ter arriscado.

    Por fim, espero que todos os diretores façam o mesmo em casos idênticos

    Sem mais de momento

    Pela legalidade nos concursos!

      • cocas on 17 de Setembro de 2014 at 16:16
      • Responder

      Discordo em certa parte consigo.
      Tive em várias escolas o cargos de Diretora de turma e no Registo Biográfico, apenas algumas escolas registaram tal cargo. Agora pelos vistos vou ter que andar d escola em escola a pedir a comprovação de tal cargo.

        • Supeprof on 17 de Setembro de 2014 at 16:41
        • Responder

        Acontece-me o mesmo.

      • Maria on 17 de Setembro de 2014 at 17:49
      • Responder

      Fiz o mesmo!

    • hotcake on 17 de Setembro de 2014 at 16:22
    • Responder

    Estive a rever as respostas que dei aos subcritérios e lembrei- me de algo que já tinha reparado na altura , algumas respostas para que tivessem de ser válidas ficaram algo duvidosas, por exemplo, num qualquer pedia o tempo de experiência em projetos como o fénix e outros, ora na resposta de escolha múltipla não era possivel escolher 0 …já tinha 3 ou 4 escolhas pre-definidas….e como este havia outros

    • João on 17 de Setembro de 2014 at 18:12
    • Responder

    João.
    Eu nao sou professor e por isso tenho uma visão menos técnica do v/problema mas em minha opinião a responsabilidade desta trapalhada tb é vossa porque quando os sindicatos marcam greve v/ não fazem, quando o sindicato marca uma protesto v/ nao aparassem e depois nestas situações onde o sindicato tinha uma palavra a dizer nao tem força porque quando vai para a reunião com o ministro está brutalmente enfraquecido. A maior parte de v/ só se lembra de santa barbara quando faz trovões e agora têm o resultado que merecem.
    Todos v/ tratam este problema individualmente e ele efectivamente é comum a todos os professores e extensível de outra forma a outras profissões que dependem de um estado falido. Este governo Além de nao ter valores também é incompetente e eu gostava de ter uma nota de 5€ por cada um de v/ que votou neles.

      • Ana on 17 de Setembro de 2014 at 23:59
      • Responder

      Não se pode dizer que não seja verdade. Na realidade, se fossemos todos mais participativos e interventivos dentro das estruturas sindicais, se fizéssemos greves com adesão de 100% como era comum nos anos 80, se fossemos 100000 nas ruas quando se justifica, isto mudava. O que acontece é que nessa altura havia falta de professores enquanto agora há toda uma geração que é muito menos exigente nas condições de trabalho que lhes são oferecidas. Outro motivo são os cortes salariais… quem é que não fazia greve há vinte anos??? Fazíamos todos. Ainda era uma miúda e fiz greves pelas reformas, pelo artigo 79, por coisas que nunca irei beneficiar. Os colegas efetivos fizeram greve pelo fim dos mini concursos. Por exemplo. Agora todos pensam que um dia de salário a menos é uma tragédia (e para alguns é mesmo) mas transformam este problema num ciclo vicioso. Ao reduzirem a remuneração retiraram capacidade económica de adesão a formas de protesto mais eficazes, ao abster-mo-nos de protestar por razões económicas continuamos a perder salário e direitos. E não se sai disto. A verdade é que muitos falam contra os sindicatos (eu incluída) mas não quero ser delegada sindical na minha escola. Não quero ir às respetivas assembleias embora vá a uma reunião de quando em quando e dê a minha opinião. Ou seja, o sindicado somos todos nós. Se falamos mal deveríamos tentar fazer melhor…. E não é nada disso que fazemos. Fiz as greves todas nos últimos 20 anos. Faltei apenas a uma manifestação em Lisboa. Quer o assunto tivesse que ver comigo ou não. Faltei a uma requisição civil (daquelas ilegais) e mesmo assim sinto que poderia e deveria ter feito muito mais para que não se atingisse este patamar de nojeira e incompetência. Isto bem agarrado na altura do Sócrates ainda se ia a tempo. Agora não sei.

    • António on 17 de Setembro de 2014 at 19:57
    • Responder

    A única maneira é aceder à criação da Bolsa, e abrir 1 a 1 os subcritérios.
    Depois, pedir aos docentes os comprovativos (no meu caso são todos comprováveis) e fazer a conta para calcular a graduação e verifica se isto está correto.

  1. […] abordei o processo moroso que a BCE implica na selecção dos candidatos, vários exemplos saíram na comunicação social sobre a quantidade de ofertas que um único […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: