Sindicatos e Ministério da Educação: “coreografias” bem encenadas?

 

Já se percebeu, há muito tempo, que este Ministério da Educação teima em prosseguir, obstinadamente, com a sua acção errática, até ao precipício final…

 Perante isso, o que têm feito as principais organizações sindicais de professores?

 No geral, e com causas sobejamente conhecidas de todos, assiste-se ao descrédito nessas organizações, bem visível na falta de adesão a grande parte das suas iniciativas, incapazes de fazer prevalecer os interesses dos seus representados, talvez mais empenhadas em cumprir determinadas “agendas partidárias”, dominadas, há já algum tempo, por uma espécie de “pactos de não-agressão” face às políticas educativas da Tutela…

 O que importa é que, na aparência, todos ganhem e que nenhuma das partes pareça ter sido derrotada, sobretudo os Sindicatos, uma vez que a sua sobrevivência parece depender disso…

 Parte integrante da “coreografia” geral parece ser assim: uns fazem de conta que reclamam e que reivindicam, na medida em que não tencionam encetar acções efectivamente consequentes ou de ruptura; os outros fazem de conta que ouvem e que tomam em consideração, naquela atitude tão tipicamente portuguesa, traduzida pela expressão: actuação “para inglês ver”…

 E no final de cada ronda negocial emitem-se inúmeros Comunicados, certamente muito bem intencionados, mas sem qualquer relevância em termos de efeitos práticos… Ou seja, em termos de efeitos práticos, fica sempre tudo na mesma e no final da cada encontro irão todos para casa muito convictos da sensação de “dever cumprido” e de “consciência muito tranquila”… Até à próxima ronda negocial, onde se verificará, por certo, a mesma indulgência e o mesmo marasmo…

 Os principais Sindicatos, agora mais do que nunca, precisam desesperadamente de justificar a própria existência e, nos tempos que correm, parece que as reuniões com o Ministério são a única forma de o conseguir, pois não se vislumbram outras acções dignas dessa denominação…

 Nos últimos tempos, em cada ronda negocial, parece que se vão acrescentando apenas pequenas “nuances” aos assuntos abordados, mas as questões fundamentais ficam inalteradas e por resolver… A perspectiva parece ser esta: “algo deve mudar para que tudo fique na mesma” (Lampedusa).

 A deslealdade institucional, por parte do Ministério da Educação, parece ser uma prática corrente, com a qual alguns Sindicatos parecem já estar habituados a conviver…

 Neste momento, parece até que as negociações sindicais com o Ministério da Educação se alicerçam em “coreografias bem encenadas”, uma espécie de respeitosa paródia, com alguma hipocrisia e muita aparência…

 E tudo isto parece um conjunto variado de “coreografias”, destinadas a vários “pas de deux”, cada um composto pelo Ministério da Educação e um determinado Sindicato, onde, na verdade, se adivinha, pelo menos em alguns casos, a existência de uma significativa complementaridade e até de um certo galanteio e graciosidade…

 Os Sindicatos são imprescindíveis em qualquer regime democrático, mas não podem tornar-se reféns de determinadas “agendas” ou fazer “fretes políticos”, sob pena de perderem a credibilidade e a aceitação que, naturalmente, deveriam suscitar por parte dos seus representados…

O pior que pode acontecer a um Sindicato é deixar de ser visto como legítimo representante de uma classe ou grupo profissional, pelos próprios membros dessa corporação…

 E se isso não for válido para todos os Sindicatos de Educação, pelo menos para alguns, se não é, parece…

 Do lado de fora das reuniões entre Ministério da Educação e Sindicatos, espera-se que, “milagrosamente”, apareça uma solução que resolva os graves problemas que afectam a Classe Docente e que a consiga redimir…

 Mas não… Não aparece nenhum “Salvador”, nem qualquer remédio que permita debelar as afecções…

 O que resta aos professores? Restam eles próprios e isso já não é pouco… Assim eles acreditassem nisso e agissem em conformidade com isso…

 A assumpção e a defesa de uma causa não são compatíveis com a neutralidade nem com a indiferença… Quando alguém acredita numa causa não é legítimo atribuir a terceiros a responsabilidade da respectiva defesa. Tem que ser o próprio, o primeiro a lutar por si e pela sua causa… Só depois fará sentido procurar a participação de terceiros…

 A neutralidade e a indiferença, presentes em tantas escolas, são o que melhor serve ao Ministério da Educação, mas também, e paradoxalmente, a alguns Sindicatos…

 Apenas apresentar queixas recorrentes em relação a uns e a outros até pode aliviar, mas, em si mesmo, não resolve qualquer problema…

 (Acredito nas virtudes do Sindicalismo quando ele é exercido de forma transparente e consequente e quando a sua sua acção não é limitada por dependências partidárias).

 

(Matilde)

 

 

 

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2021/07/sindicatos-e-ministerio-da-educacao-coreografias-bem-encenadas/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Qualquer professor pode referir uma ou outra conquista de direitos graças aos sindicatos. Mas nenhum professor conseguirá referir qualquer conquista de direitos graças às Matides desta vida…

      • professor karamba on 4 de Julho de 2021 at 17:42
      • Responder

      ………….
      ………………………………..

      Qualquer professor pode referir uma ou outra conquista de direitos graças aos sindicatos.

      Que grande Vontade de Rir…..

      Deve-se estar a referir á Carreira (digo, Cagadeira) Unica….onde as Bábás/ex-Amas e professores primários tem a mesma carreira que docentes do ensino secundário…..grande conquista da abrilada….grande golpada……..

      Vai catar piolhos á macacada ou ao teu amigo Mário Nojeira.

      …………
      …………………………….

    • Alecrom on 4 de Julho de 2021 at 13:42
    • Responder

    Ainda haverá quem tenha dúvidas sobre o que são?

    Uma coisa eu sei:
    até o muro cair (de 4 a 37,03 governos geringonços/da esquerda beatopatriótica), continuarão a ser o que são.

    • Falcão on 4 de Julho de 2021 at 23:19
    • Responder

    Querer confundir a importância do sindicalismo com o que são em Portugal os sindicatos, de há muitos anos a esta parte, é simplesmente chamar estúpidos aos professores. O ilusionista J, diz que é fácil referir uma conquista sindical, pois eu digo que é muito mais fácil referir uma derrota sindical. Aliás até digo mais: por cada vitória eu poderia facilmente apontar 10 derrotas! Então nos últimos 15 anos tem sido uma atrás da outra. Só não vê quem não quer! Mas há uma coisa que não muda: limitação de mandatos para os dirigentes sindicais isso é que nem pensar, como convém a quem vive do sindicalismo e não para o sindicalismo!
    J vê lá se acordar para a vida, essa conversa da treta já não convence ninguém, vai enfiar o barrete a outro!!!

    • pedro on 5 de Julho de 2021 at 16:09
    • Responder

    Sindicatos de professores, ou professores que não estavam para dar aulas e foram arranjar um tacho num sindicato? Pois……

    Têm apresentado um resultado muito “poucochinho”, como diria o amigo e quando são criticados empurram a culpa para os associados que, segundo eles, para além de exercerem a docência e pagar as cotas, ainda deviam, no pouco tempo livre que lhes sobra, se dedicar à militância. Grande parte dos problemas podiam e deviam ser resolvidos na justiça, com ações interpostas pelos advogados dos sindicatos, mas o que lhes interessa é manifs e bandeiras hasteadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: