Estado da Educação… Relatório do Conselho Nacional de Educação

Ficam aqui alguns destaques do relatório e o próprio relatório para que ainda tiver a paciência necessária…

 

• Redução do número total de estabelecimentos do ensino público para cerca de metade (12 312 para 6 575)  entre 2005 e 2014. No mesmo período, o ensino privado registou um aumento de 9,4%, com mais 239 estabelecimentos.
• Em 2014, mais de metade (51,7%) dos estabelecimentos públicos de educação e ensino do MEC agregavam mais do que um ciclo de ensino e a maioria tinha menos de 100 alunos.
• Decréscimo de 92% dos estabelecimentos públicos do MEC, do 1º CEB (tipologia EB1), com menos de 21 alunos entre 2005 e 2014. Em 2014 existiam 241 escolas com menos de 21 alunos, a maioria na zona Centro.
• Extinção de 3 755 escolas públicas que ministram o  1º CEB entre 2005 e 2014.
• Redução do número de escolas não agrupadas (menos 81% dos estabelecimentos), de agrupamentos horizontais (residuais em 2014) e de agrupamentos verticais (menos 41%) entre 2005 e 2014.
• Entre 2013 e 2014, as Unidades orgânicas (UO) com 35 ou mais estabelecimentos deixaram de existir e houve uma redução das que tinham dez ou mais. Simultaneamente,  aumentaram as UO com cinco a nove estabelecimentos e com dois a quatro estabelecimentos.
• Das 6 201 escolas existentes em 2014, 15% tinham até 19 alunos, 42% integravam 20 a 99 alunos, 31% agregavam 100 a 499 alunos e 12% albergavam 500 a 2000 ou mais alunos.
• A Área Metropolitana de Lisboa é a que apresenta o maior número de estabelecimentos privados, seguida das regiões Norte e Centro. As regiões autónomas são as que têm menos estabelecimentos privados: 76 nos Açores e 69 na Madeira.
• A maior parte da oferta de ensino privado destina-se à educação pré-escolar e ao ensino básico. A oferta mais reduzida é no ensino secundário.
• A rede de ensino superior está distribuída por 40 instituições de ensino superior público e 91 instituições de ensino superior privado, encontrando-se 66,4% destes estabelecimentos nas regiões Norte e Área Metropolitana de Lisboa.
• No Espaço Europeu de Ensino Superior, dos 48 países, a maioria tem até 100 instituições de ensino superior (públicas e privadas). Portugal, com 124, encontra-se no grupo dos sete países com 101 a 200 instituições de ensino superior.
• Crescimento da oferta de cursos de especialização tecnológica, relativamente aos dois últimos anos, maioritariamente nas áreas das Ciências Empresariais, Informática e Engenharia e Técnicas Afins.
• 478 cursos técnicos superiores profissionais registados com autorização de funcionamento, sendo a maior percentagem (76,6%) proveniente do setor público e das áreas de Ciências Empresariais, Engenharia e Técnicas Afins e de Informática.
• 184 ciclos de estudo propostos por instituições de ensino superior (52% para atribuição do grau de mestre e 34% para o grau de licenciado) não obtiveram acreditação pela A3ES, entre 2012 e 2014.
• Excessiva dispersão de cursos e das suas designações. Do total de 707 denominações diferentes de cursos oferecidos pelas instituições de ensino superior, 519 são oferecidos apenas por uma instituição.
• A área de Tecnologias é a que apresenta maior oferta de cursos de formação inicial (353), no conjunto das instituições públicas e privadas, enquanto Agricultura e Recursos Naturais é a que apresenta menor oferta (48 cursos).

 

Muito ainda há por fazer… os 5 desafios…

  1. Fazer baixar as taxas de retenção e desistência escolar
  2. Responder aos efeitos da queda da natalidade
  3. O rejuvenescimento da classe docente
  4. A definição de currículos em contexto de mudança social e cultural
  5. Ajustar as qualificações à estratégia de desenvolvimento do país

(clicar na imagem para ler relatório)

rel

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/10/estado-da-educacao-relatorio-do-conselho-nacional-de-educacao/

1 comentário

    • Pois on 18 de Outubro de 2015 at 3:18
    • Responder

    Importante: “A rede de ensino superior está distribuída por 40 instituições de ensino superior público e 91 instituições de ensino superior privado”! Parece que é recorde na Europa.

    Por isso tanta gente contra a PACC! Com tanta gente a sair dessas escolas a luta pela sobrevivência na chegada ao mercado de trabalho é desesperante. Mas se calhar foram ludibriados por formações sem futuro e a culpa não é da PACC mas de quem os ludibriou…

    Pensem nisto!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: