+ vale mascarado do que confinado

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/11/vale-mascarado-do-que-confinado/

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • PROFET on 19 de Novembro de 2020 at 21:18
    • Responder

    Isto é para rir? ou para chorar?

    + vale fazer a população de burra, do que admitir a própria burrice.

    • PROFET on 19 de Novembro de 2020 at 21:35
    • Responder

    “Depois do Conselho de Ministro de 7 de novembro, Costa insistiu que 68% dos contágios são em meio familiar. Afinal, esse valor, que sustentou as medidas do estado de emergência, é muito inferior.”

    “Afinal, só 10% dos casos ocorrem comprovadamente nas famílias. Mais de 80% dos casos de Covid em Portugal são de origem desconhecida.”

    PROFET:

    As crianças e adolescentes infetados, na sua grande maioria, por serem assintomáticos, só são testados depois dos seus familiares sintomáticos testarem positivo ao Covid-19.

    CONCLUSÃO DOS RETARDADOS, INCOMPETENTES E NEGLIGENTES DAS ENTIDADES GOVERNAMENTAIS:
    Os familiares é que contagiaram os miúdos!

    CONCLUSÂO DE QUEM TEM UM MÍNIMO DE INTELIGÊNCIA: As crianças e adolescentes foram contagiadas nos antros de contaminação das escolas e locais de acesso (devido à falta óbvia das condições mínimas de segurança dentro das escolas, proximidades imediatas das escolas e transportes públicos), contagiaram os seus familiares, que então são testados e detetados positivos, sendo que as crianças e adolescentes só então são testados e detetados positivos.

    BASE SÓLIDA PARA UMA CONCLUSÃO FIDEDIGNA E INTELIGENTE:

    QUANDO AS ESCOLAS ESTAVAM FECHADAS: O número de infetados e níveis de contágio eram quase insignificantes. Os convívios familiares, supostamente, eram os mesmos, ou até talvez em maior número durante o verão.

    A saber:
    EM 6 MESES E MEIO: (dos 0 aos 9 anos) cerca de 2500 casos; (dos 10 aos 19 anos) cerca de 3300 casos.

    DESDE QUE AS ESCOLAS ABRIRAM: O número de infetados e níveis de contágio cresceu abruptamente e exponencialmente. Os convívios familiares, supostamente, são os mesmos, ou até talvez em menor número do que no verão.

    A saber:
    EM 2 MESES: (dos 0 aos 9 anos) cerca de 8600 casos; (dos 10 aos 19 anos) cerca de 16400 casos.

    CONCLUSÔES FINAIS:

    NESTES ÚLTIMOS 2 MESES HÁ 25000 CASOS (DOS 0 AOS 19 ANOS), FACE A APENAS 5800 QUE SE REGISTARAM NOS 6 MESES E MEIO ANTES DAS ESCOLAS ABRIREM. É QUASE 5 VEZES MAIS, EM APENAS DOIS MESES.

    Dados retirados do Boletim da DGS.

    Observação: Estes dados não contemplam nem professores nem funcionários, nem todas as outras crianças e adolescentes que não foram testados por estarem assintomáticos.

    A mim, não me fazem de burro… e a vocês?

    • PROFET on 19 de Novembro de 2020 at 22:06
    • Responder

    “Os especialistas que apresentaram os seus estudos — e números — na 12.ª reunião do Infarmed, que se realizou nesta quinta-feira, em Lisboa. No final do encontro, ficou a saber-se que o primeiro-ministro pretende retomar estas reuniões quinzenais que juntam peritos, políticos e parceiros sociais e que servem para partilhar informações sobre a evolução da pandemia. Entre 24 de Março e 8 de Julho houve dez sessões, todas no auditório do Infarmed em Lisboa, e depois do Verão houve apenas uma (a 7 de Setembro) no Porto e esta (a 19 de Novembro) em Lisboa.”

    “80%
    Percentagem das novas infecções que têm origem desconhecida. Uma das ideias que saíram da reunião entre políticos e técnicos de saúde aponta para o desconhecimento da causa de contágio em novas infecções. O deputado do PSD Ricardo Baptista Leite afirmou que, nas últimas semanas, “80% das novas infecções decorreram sem se compreender como é que estas pessoas se infectaram”. “Somos um barco à vela a navegar às escuras e sem bússola”, lamentou.”

    “O Governo justificou o recolher obrigatório com a percentagem de pessoas que são infectadas em contexto familiar. No entanto, o rigor dos números apresentados nessa altura saíram beliscados da reunião desta quinta-feira com peritos. “Quando ouvimos que 68% das pessoas se teriam infectado em contexto familiar, hoje percebemos que na verdade é uma percentagem muito mais pequena, porque objectivamente não se sabe. E quando não se sabe, não se conseguem tomar medidas assertivas”, considerou Ricardo Baptista Leite. Isto, porque os 68% referidos há cerca de duas semanas pelo primeiro-ministro dirão respeito ao universo dos casos em que a forma de contágio é conhecida, ou seja, a apenas cerca de 20%. Assim, o contexto familiar é a origem confirmada de apenas cerca de 14% das infecções.”

    PROFET:

    Descobriu-se-lhes a careca!

    E se testassem a comunidade educativa (algo que o PM disse há pouco mais de uma semana… mais uma das suas mentiras) iriam verificar onde está a maior percentagem de infetados e de promotores do contágio.

    Somos mesmo governados por uma cambada de aldrabões. Alguém ainda tem dúvidas acerca disto?

    • carlos on 19 de Novembro de 2020 at 22:40
    • Responder

    #Costa
    + vale mascarado e morto do que vivo e confinado

      • PROFET on 19 de Novembro de 2020 at 23:47
      • Responder

      Sim, Carlos, tem razão… afinal, no meu ver, aquilo não é um sinal de + (mais)… faz mais sentido ser uma cruz representativa de um óbito.

    • Lucas on 19 de Novembro de 2020 at 22:46
    • Responder

    Nova Iorque, Grécia, Áustria fecham escolas.

    na pandemia de 1918 nos EUA ficou provado que o fecho de escolas foi essencial

    agora é … escolas sao seguríssimas

    • PROFET on 19 de Novembro de 2020 at 23:09
    • Responder

    Se fosse num país do 1º mundo, estes aldrabões teriam que se demitir ou serem demitidos… mas, infelizmente, eles próprios conseguiram transformar Portugal num país do 3º mundo: País de intrujice, aldrabice, corrupção… autocracia.

    Eles são bons é a gastar dinheiro em grafismos de logotipos que promovem a intrujice, tal como o deste artigo “EscolaEmSegurança”!… típico das ditaduras e autocracias, para enganar o povo… só falta distribuírem panfletos disto por via aérea.

    • FIlipe on 19 de Novembro de 2020 at 23:47
    • Responder

    Já são 888 escolas … minadas de morte por este Governo , até quando esta propaganda da máscara e a falta de tomates dos Governantes perante os chulos da economia , e a curto prazo também morta , irá escavacar o povo enganado por uma propaganda do lavar as mãos e meter a máscara . A ver se metem também no pénis e na vagina , máscaras desses tecidos , para não engravidarem bem como para se protegerem de vírus e outras doenças transmitíeis . Mas o curioso , é ver as TV´s cheias de alegados infeciologistas e médicos de saúde pública ou até investigadores , não sabendo onde andavam antes ou o historial deles , a propagarem a banha da cobra e a correrem os 100 metros atrás do prejuízo . Um dia acordam com uma ideia , no outro já nem se lembram o que disseram . Até parece o o outro da Cruz Vermelha : ” estamos aqui sentados frente a frente a falar .. você não tem sintomas eu também não … então podemos falar à vontade ” . Só assim se revela Portugal , um bando de oportunistas que crescem apoiados nos Governos e deitando a mão aos sacos azuis . Os bons ? Esses já deixaram Portugal à muito tempo … a troco de salários dignos do trabalho que prestam na humanidade . A sorte do SNS ter aguentado até hoje prova-se com a quantidade abismal de mortos atirados para os crematórios , quase 4000 que já deixaram vaga nas Unidades Cuidados Intensivos , para que outros milhares por lá passem a buscar a Certidão de Óbito .

      • PROFET on 19 de Novembro de 2020 at 23:53
      • Responder

      Sim, Filipe, é verdade… até já começo a pensar que eles querem é que morram mais pessoas para libertar camas nas UCI e poderem dizer que os hospitais não estão em rotura… porque os mortos já não precisam de cuidados.

    • Alecrom on 20 de Novembro de 2020 at 8:24
    • Responder

    .
    Uma grande parte dos 80% nós sabemos bem de onde provêm.

    Tudo isto só é possível devido à mentalidade retrógrada e alienada da esquerda beatopatriótica.

    Mas é marca do nosso país. Marca que nos condena à mediocridade, ao snobismo e à pobreza.
    .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: