Desconfiado… sobre quem vai ser mobilizado…

Qualquer trabalhador, dos setores público, privado, social ou cooperativo, pode ser “mobilizado” pelas “autoridades públicas competentes” para “apoiar as autoridades e serviços de saúde, nomeadamente na realização de inquéritos epidemiológicos, no rastreio de contactos e no seguimento de pessoas em vigilância ativa”, funções habitualmente a cargo dos serviços de saúde pública.

Ou seja, na prática, serem chamados para fazer o seguimento de pessoas de “alto risco de exposição” por terem estado próximas de um doente com Covid-19, podendo ter contraído a doença.

De entre os professores, não tenho muitas dúvidas sobre quem poderá ser mobilizado, só resta saber quando…

Vejam lá se também sabem e depois digam-me de vossa justiça…

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/11/desconfiado-sobre-quem-vai-ser-mobilizado/

20 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Alecrom on 5 de Novembro de 2020 at 21:36
    • Responder

    Os diretores de turma?

    • Je, moi même on 5 de Novembro de 2020 at 21:44
    • Responder

    Eu não me importo de ser mobilizado!

    • Mobilizados on 5 de Novembro de 2020 at 22:49
    • Responder

    Professores que estão em casa (dos grupos de risco), aposentados, desempregados.

    • Luís Braga on 6 de Novembro de 2020 at 4:15
    • Responder

    Sinceramente não estou preocupado com isso.
    Aos professores não deverão ir porque parece não haver muitos disponíveis. Os mais disponíveis serão os que têm redução de carga lectiva. Acontece que esses, em princípio, são os que se incluem nos grupos de risco. Apesar de, para mim, o A. Costa ainda não ser um trump, por enquanto, e o Tiaguito, perdoem-me a franqueza, um palerma, ainda não chegamos a esse ponto.
    Pior é o que acontece neste momento, na escola secundaria Virgílio Ferreira, em Carnide, onde, segundo me contaram, os professores com redução, estão a ocupar os seus tempos não lectivos, em aulas de substituição!
    Se for verdade, para além de todas as razões e mais alguma, estão a contrariar as orientações de que os trabalhadores devem estar em teletrabalho excepto se tal não for possível. Como não é possível dar aulas presenciais em teletrabalho, apenas e só as aulas deverão ser objecto de permanência do trabalhador no seu local de trabalho. Mais, como já referi, os professores com reduções são, na sua maioria, pessoas de risco.
    Mais triste é o facto de fazerem ressuscitar as patéticas aulas de substituição , de má memória.
    Também, neste caso, fazer os professores deambularem por turmas com alunos de outras turmas que não as suas, isto é, boicotar o sistema de protecção em “bolhas”vai contra tudo o que consta das orientações de combate à propagação do vírus.
    Mas também realmente mau é o facto de o ou a director/a, ter tomado posse, ao que me dizem, em Setembro!
    Triste, muito triste também é o facto de isto estar a acontecer. Isto é, se está a acontecer é porque os professores permitem. Se os professores permitem, desculpem-me mas só pode ser por serem ignorantes, resignados ou parvos!
    Se isto está a acontecer, não há desculpa para os visados. Os professores são funcionários públicos. Ser funcionário público tem a enorme vantagem de a legalidade ainda não estar completamente arredada dos procedimentos em torno das condições e garantias de trabalho. O quase impossível despedimento devia-nos obrigar a sermos intransigentes com eventuais atropelos à legalidade nas relações de trabalho.
    É quase traição aos trabalhadores que não têm oportunidade de exigir o cumprimento dos seus direitos – nomeadamente os do privado, precários e principalmente os a recibo verde – porque a resposta aos seus protestos será invariavelmente a porta da rua.
    Devia ser uma obrigação moral e cívica, quem tem garantias de que, em princípio, não será sujeito a arbitrariedades, como nós professores do ensino público, logo, funcionários públicos.
    Não há que temer os tiranetezinhos que pululam nas direcções de muitas das nossas escolas. Os pequenos ou grandes tiranos são, no fim de contas, apenas e só uns cobardes que se aproveitam da sua posição hierárquica para, essencialmente, sublimarem as suas frustrações.
    E se no fim disto tudo, os senhores meus colegas ainda tiverem medo de enfrentar ordens absurdas ou disparatadas……………………………………..COMPREM UM CÃO!!!!

      • Falcão on 6 de Novembro de 2020 at 11:13
      • Responder

      Como sempre uma intervenção lúcida e absolutamente pertinente!
      Só há diretores tiranos porque os professores e os Conselhos Gerais permitem! Só têm o que merecem portanto!
      O que é triste, lamentável e miserável!
      Grande abraço, caro Luís Braga!

      • Graça Vale on 9 de Novembro de 2020 at 12:43
      • Responder

      Luís Braga, na minha escola tb há AES. Sem elas, como resolver o problema dos ajuntamentos dos alunos sem aulas, dentro ou fora da escola. Estou interessada que o colega me dê as suas sugestões.
      Obrigada

      • Graça Vale on 9 de Novembro de 2020 at 13:06
      • Responder

      Só queria acrescentar que as ditas AES na minha escola, não funcionam nós mesmos moldes como eram dantes com plano de aula, etc.
      Funcionam simplesmente como medida para os alunos ficarem na sala em segurança.
      Como é que as escolas estão a resolver este problema?
      Grata.

    • Alecrom on 6 de Novembro de 2020 at 7:59
    • Responder

    E os colegas estão descontentes?

    Ou aceitam com beatopatriotismo?

    Se estiverem descontentes, falem com o STOP e com o CM.

    • ff210 on 6 de Novembro de 2020 at 8:23
    • Responder

    Sim, muito provavelmente!
    Até faz sentido. Em vez de estarem de baixa, terem direito ao seu vencimento. Acabam por fazer um teletrabalho de “ajuda comunitária”.

    • Desconfiado!!! on 6 de Novembro de 2020 at 9:12
    • Responder

    Provavelmente serão chamados professores com reduções letivas derivadas de coordenação de projectos fantasmas e outros cargos que nada apresentam nas escolas.

    • Dino on 6 de Novembro de 2020 at 10:57
    • Responder

    Sim, eu estou disponível para ajudar a travar as cadeias de contágio….porque não?
    Obrigam- me a estar de baixa porque sou doente de risco e não me dão oportunidade de estar em teletrabalho.
    Talvez esta seja a possibilidade de ganhar o meu ordenado e ser útil à sociedade, em vez de estar em casa a sentir-me uma inútil.

    • Manuel on 6 de Novembro de 2020 at 11:56
    • Responder

    13 mil milhões dados pela União Europeia, a fundo perdido,…
    Se nem um tostão desse dinheiro utilizarem para combater os efeitos da pandemia nas vertentes económica e social, já viram os montantes que poderão ser arrecadados pelos amigalhaços? O estado de emergência vem contribuir para tudo menos para evitar a pandemia, essa já cá está…

    • Fernando, el peligroso de las verdades. A gostar das mocadas do Braga. on 6 de Novembro de 2020 at 12:35
    • Responder

    Muito bem, seu Braga! Mocada boa e grossa.
    Assim é que é. Valente e destemido.

    • lUÍS bRAGA on 6 de Novembro de 2020 at 13:02
    • Responder

    Obrigado pelo apoio!
    Entendamo-nos, somos nós, nós os professores que estão à frente das turmas, que fazemos falta.
    Se as direcções estiverem lá para ajudar, são bem vindas. Aliás só pode ser esse o papel das ditas direcções.
    Se não estão a fim de prestar um serviço à comunidade, podem confinar.
    São os médicos, os enfermeiros, os auxiliares, os professores, os , os, e os, que possibilitam, arriscando a sua própria saúde que haja o mínimo de condições para que a vida da sociedade possa funcionar. O mínimo que podemos exigir é respeito. R. E. S. P. C. T!
    Um a abraço a todos os que se dão ao respeito!

    • Professor on 6 de Novembro de 2020 at 18:15
    • Responder

    Se fosse só a Escola Virgílio Ferreira!

    A ignorância sempre alastra.

    Agrupamentos do Alentejo…

    • Zulmiro on 6 de Novembro de 2020 at 19:50
    • Responder

    António Costa é o maior político desde 1974.
    i) Deixou o PS a estrugir durante o período de defeso posterior à desgraça socratina, enquanto a direita impopularmente pagava à troika a bancarrota criada pelo próprio PS.
    ii) Enterrou politicamente o Seguro, quando o estorgido já estava pronto, chegou ao Largo do Rato como um herói nacional..
    iii) Conseguiu ser nomeado primeiro ministro poucos dias depois de perder as eleições legislativas.
    iv) Anulou completamente a oposição à esquerda e nem viu – nem ele nem ninguém – a da direita.
    v) Anulou completamente os gigantes do sindicalismo, incluindo o docente (Fenprof, FNE e afins).
    vi) Fez com que os professores (que em cerca de 70% são do PS e o BE) esquecessem completamente que o mesmo PS, pelas mãos do maior corrupto de toda a história de Portugal e da sua lacaia sinistra, destruíram para sempre a carreira docente e o respeito social dos professores.
    vii) Acabou finalmente com o problema do desemprego de docentes (basta ver os horários ainda disponíveis a meio do primeiro período) e o dos enfermeiros (já não há em Portugal para contratar).
    viii) Fez das escolas o único lugar seguro e imune à pandemia, sendo os únicos espaços públicos que permitem a concentração de pessoas durante várias horas em espaços fechados e sem circulação de ar.
    ix) Etc, etc, etc.

    • Zulmiro on 6 de Novembro de 2020 at 19:51
    • Responder

    Errata: “estrugido”.

    Perdão.

    • Zulmiro on 6 de Novembro de 2020 at 19:54
    • Responder

    Errata: “estrugido” e não “estorgido”. Perdão.

    • Manuel Queirós on 6 de Novembro de 2020 at 20:28
    • Responder

    Eu estou em casa por ser doente de risco e não me importo nada de ajudar.
    No entanto, como estou de baixa não sei como posso ser mobilizado…. Será que pensaram nisso?

      • ff210 on 6 de Novembro de 2020 at 20:34
      • Responder

      Manuel Queirós,

      Já foi chamado a Junta Médica?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: