Afinal não são 447, mas 68 surtos nas escolas

Governo corrige número de surtos nas escolas de 477 para 68

Os 477 surtos de infeção pelo novo coronavírus que o secretário de Estado e Adjunto da Saúde disse estarem ativos nas escolas são afinal referentes ao total do país, esclareceu o Governo, corrigindo o número para 68.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/11/afinal-nao-sao-447-mas-68-surtos-nas-escolas/

15 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Atento on 20 de Novembro de 2020 at 21:55
    • Responder

    ——
    ————-

    BESTAS pseudo-xuxalistas e CRIMINOSAS.

    As escolas sao antros de Contaminação.

    Fechar as Escolas o mais rapidamente possivel devia ser o designio dos pseudo-sindicatos.

    ———-
    ————-,,,

      • Fernando. El peligroso de las verdades. Olha o antigo Pintassilgo! on 21 de Novembro de 2020 at 17:21
      • Responder

      Muito bem, senhor Atento, ou melhor senhor antigo Pintassilgo!

    • Roberto Paulo on 20 de Novembro de 2020 at 23:24
    • Responder

    “Vaissaver” e não é nenhum.

    • Torrão on 21 de Novembro de 2020 at 0:30
    • Responder

    Trata-se de uma dissimulação tão descarada e vergonhosa que não vale a pena alongar-me em comentários. Mas cito o dito senhor, quando refere que não se refere às férias dos alunos:

    «Desconhecemos e é uma incerteza muito grade aquilo que é a evolução do próprio processo pandémico, mas para já não equacionamos essa hipótese»

    Claro, será preciso mais crianças adoecerem, mais do que as percentagens reveladas no JN, mais assistentes operacionais e professores internados, e alguns nos cuidados intensivos, para se colocar a hipótese.

    Não se tratam de familiares deles, por isso, preocupações para quê? E quando os “especialistas” expressam as opiniões que ouvimos, já se entende o que se pretende e ao que estamos sujeitos: ficarmos doentes e com sequelas para o resto da vida. Resta-nos ter esperança, mas considerando tudo o que temos vivido, ter esperança de que isto não venha a ter consequências devastadoras, exige um esforço hercúleo.

    As escolas seriam seguras se, para começar, não tivéssemos (alunos, assistentes operacionais e professores) os nossos percursos e dia a dia fora delas e para nos deslocarmos para elas e de volta para casa e depois se as medidas de segurança tivessem sido feitas com tempo e preparação adequados (tempo para isso não faltou).

      • Torrão on 21 de Novembro de 2020 at 0:33
      • Responder

      Queria dizer, obviamente: *quando refere às férias antecipadas dos alunos*, e não o disparate que ficou. O adiantado da hora a mais não permite.

    • jose antonio on 21 de Novembro de 2020 at 0:59
    • Responder

    regras tão apertadas nas escolas e depois nos autocarros tudo a granel sem distanciamento, 2 e 3 no mesmo banco encostados, não será admiração os casos de covid aumentarem todos dias. Onde está a fiscalização? aviso do nº de lugares a ocupar nem vê-los. assim vão os transportes escolares.

    • José on 21 de Novembro de 2020 at 1:35
    • Responder

    Que descaramento. O norte, que está bem pior que o resto das regiões todas juntas, só tem 3 surtos, mas LVT tem 50.

    Não sei se querem fazer das pessoas parvas ou se simplesmente os delegados de saúde do norte estão a cumprir escrupulosamente as indicações que tiveram.

    Neste momento sei de casos com 4 ou mais alunos infectados em mais do que uma turma, mas a ideia é abafar tudo ao máximo e agir com a maior normalidade. Fosse numa empresa qualquer e a ordem era para fechar ou obrigar o teletrabalho.

    Os alunos, professores e funcionários são carne para canhão neste momento, mas serão insuficientes para criar imunidade de grupo.

      • vão fazer os outros de parvos on 21 de Novembro de 2020 at 12:43
      • Responder

      Estão a fazer as pessoas parvas, pois só no concelho que trabalho, do norte do país, estão ativos mais do que 3 surtos e, assim sendo, são para lá de mentirosos, pois o norte não é só o concelho onde trabalho.

    • Rosinha on 21 de Novembro de 2020 at 2:08
    • Responder

    2 casos na mesma escola é um surto

      • Ana on 21 de Novembro de 2020 at 15:51
      • Responder

      Há 12.000 escolas em Portugal.
      Só 68 é quem tem covid…pois

      Acorda

    • Maria Silva on 21 de Novembro de 2020 at 9:18
    • Responder

    Aos Sr.s Diretores foi dado alguma autonomia para decidir, no que se refere a este assunto.
    Mas o que acontece é que, anda tudo a camuflar, porque já tiveram o seu prémio, basta ver o que saiu recentemente em relação a à ADD dos diretores…..
    É revoltante!….

    CHEGA …..

      • Carla on 21 de Novembro de 2020 at 10:54
      • Responder

      O diretor da minha escola devido ao elevado número de surtos tentou fecha-la algum tempo e a delegada de saúde não deu autorização.
      Como se explica isto?

    • Alecrom on 21 de Novembro de 2020 at 15:28
    • Responder

    .
    Quando a mediocridade aflora desta forma tão gritante, sem que nada aconteça, fica tudo dito.

    O socialismo é mesmo assim.

    Os líderes podem dizer (e fazer) tudo e o seu contrário.
    A total anuência dos súbditos estará sempre garantida.

    Para o Lacerda e suas hostes, 500 ou 80 surtos nas escolas representam exatamente o mesmo: reflexo das suas excelentes políticas.
    .

    • Ana on 21 de Novembro de 2020 at 15:46
    • Responder

    68 ???só se for unicamente em Lisboa

    • Eu on 22 de Novembro de 2020 at 17:49
    • Responder

    Alguém me consegue explicar o que é “um surto” para a DGS e ME?
    Uma escola que tem vários alunos, professores e funcionários infetados, incluindo uma professora do 1.º ciclo e 90% dos alunos da turma desta professora não é um surto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: