Horário semanal #EstudoEmCasa na RTP

 

Juntamente com a grelha oficial, o Ministério da Educação enviou também uma nota através de qual informa que “durante o 3º período letivo, a RTP Memória cede emissão a conteúdos pedagógicos temáticos, lecionados por professores, para alunos do ensino básico. #EstudoEmCasa é o nome do espaço que vai ocupar a grelha das 09h às 17h50, com conteúdos organizados para diferentes anos letivos, uma ferramenta importante para complementar o trabalho dos professores com os seus alunos. Estes conteúdos pedagógicos temáticos contemplam matérias que fazem parte das aprendizagens essenciais do 1º ao 9º ano, agrupados por: 1º e 2º anos, 3º e 4º anos, 5º e 6º anos, 7º e 8º anos e 9º ano, abrangendo matérias de uma ou mais disciplinas do currículo, as quais servirão de complemento ao trabalho dos professores com os seus alunos”.

“Com a emissão do #EstudoEmCasa, através do sinal da RTP Memória, é alcançada a generalidade dos alunos, atendendo a que o canal emite na TDT, mas também na televisão por cabo e por satélite, ficando ainda disponíveis nas plataformas digitais da RTP e da Direção-Geral da Educação (DGE), com todas as emissões e respetivos conteúdos disponíveis. Assim, nos primeiros dias do 3º período letivo, professores e alunos terão oportunidade de ficar a conhecer em detalhe o que irá comportar ‘a escola na televisão’, considerando o material a seguir para as escolas. Na segunda-feira, dia 20 de abrilarrancam as emissões do #EstudoEmCasa, que decorrerão até ao final do ano letivo, de segunda a sexta-feira”, acrescenta-se na nota à comunicação social.

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/04/horario-semanal-estudoemcasa-na-rtp/

42 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Lurdes on 10 de Abril de 2020 at 14:35
    • Responder

    onde estao as aulas de informatica?

      • Edu6969 on 12 de Abril de 2020 at 1:19
      • Responder

      E as AEC ? Infelizmente todos os professores das AEC que estão a recibos verdes foram dispensados pelas entidades promotoras até ao fim do ano letivo, uma situação trágica para estes colegas que já estão numa situação super precária, já para não falar da contagem do tempo de serviço que parou em março para estes profissionais. Quanto à situação dos colegas que estão a contrato tanto nos municípios como nos agrupamentos, não faço ideia da situação deles. Estarão em teletrabalho?

    • lurdes on 10 de Abril de 2020 at 14:36
    • Responder

    aaa já sei, informatica é so para jogar

    e depois queixam-se

    • Ana Neves on 10 de Abril de 2020 at 14:36
    • Responder

    Que vergonha!
    E as disciplinas de Educação Musical, Educação Visual e Educação Tecnológica?
    São disciplinas de segunda?
    As artes neste país de facto não são respeitadas e são postas sempre em segundo plano quando tudo devia delas partir!

      • maria on 10 de Abril de 2020 at 16:04
      • Responder

      E a aulas de cidadania? Também ninguém fala nisso?
      Vão ver : no final da crise aparecerão todos descidadanados e depois será o bom e o bonito.

        • fazer de conta on 10 de Abril de 2020 at 17:39
        • Responder

        Cidadania juntaram a Estudo do Meio ou a Geografia consoante o nível de ensino.

      • fernandasobralinho on 10 de Abril de 2020 at 17:00
      • Responder

      Pois parece que sim, infelizmente. O país voltou ao tempo do estado novo, basta saber ler e fazer contas…

      • fazer de conta on 10 de Abril de 2020 at 17:37
      • Responder

      Chamaram-lhe Educação Artística. Como em outras disciplinas juntaram as disciplinas e vão fazer uma mistela…

      • Edu6969 on 12 de Abril de 2020 at 1:17
      • Responder

      E as AEC ? Infelizmente todos os professores das AEC que estão a recibos verdes foram dispensados pelas entidades promotoras até ao fim do ano letivo, uma situação trágica para estes colegas que já estão numa situação super precária, já para não falar da contagem do tempo de serviço que parou em março para estes profissionais. Quanto à situação dos colegas que estão a contrato tanto nos municípios como nos agrupamentos, não faço ideia da situação deles. Estarão em teletrabalho?

    • Álea Marília Cordeiro Fernandes on 10 de Abril de 2020 at 14:41
    • Responder

    Ana Neves, é o costume! Há dois blocos de 30 minutos de Educação Artística para todos. Ou seja, todas as áreas de expressões artísticas, do 1º ao 6º ano! Magnífico. É mesmo de quem tem nenhuma noção… Muito triste.

    1. E ter o 7.º e 8.º todo junto também é pura doidice!!!

        • Hugo Santos on 10 de Abril de 2020 at 19:36
        • Responder

        Quantos canais seriam necessários para colocar todas as disciplinas de todos os anos?

          • Ana on 10 de Abril de 2020 at 20:49

          Ia até aos canais de TV cine ahahahahah

    • Matilde on 10 de Abril de 2020 at 15:26
    • Responder

    Falta FILOSOFIA do 10ºANO.Esta disciplina e outras do 10 ano também deveriam estar incluídas na telescola.

      • fazer de conta on 10 de Abril de 2020 at 17:38
      • Responder

      A tele-escola é só para o ensino básico e, Filosofia é do ensino secundário.

    • António Silva on 10 de Abril de 2020 at 15:27
    • Responder

    A quem interessa EVT é afins. Vamos ser sérios

      • Maria on 10 de Abril de 2020 at 17:33
      • Responder

      Por isso e outras opiniões dessas é que os alunos , só um exemplo; medem a partir do início da régua e não o 0 .
      Atenção, estou a falar do mais básico.
      Não se constroem Torres de Pisa por todo mundo, mesmo andando tudo tão torto!!!

  1. Quando acabam as atividades letivas até ao 10.º ano?
    Será também dia 26 de junho?

      • fazer de conta on 10 de Abril de 2020 at 17:40
      • Responder

      Para todos os anos, o 3.º período termina a 26 de junho.

    • Matilde on 10 de Abril de 2020 at 15:34
    • Responder

    NM não sei.mas acho que sim.Não faz sentido mas….
    Aliás isto é tudo uma palhaçada mal engendrada.
    Vão ver:pouco depois de começarem as aulas,as críticas feitas pelos pais,vão ser constantes.
    A par do coronavírus,a televisão vai transmitir críticas e mais críticas da opinião pública.
    Para não variar, os professores mais uma vez, vão ser o bode expiatório .

      • Ricardo Rodrigues on 10 de Abril de 2020 at 16:06
      • Responder

      Na televisão não se vê critica nenhuma a nada…… parece uma diatura!

        • ..... on 10 de Abril de 2020 at 20:53
        • Responder

        Támos a pagar o imposto de áudio visual para alguma coisa ou pensa que isto da RTP ceder canal é a borlix, depois disto tudo é ver o imposto a subir …….

    • Ana Neves on 10 de Abril de 2020 at 16:14
    • Responder

    Pois é muito triste que as áreas das expressões não interesse a quem comanda! Um país sem artes, não é país…

    • Voz ao Divino on 10 de Abril de 2020 at 17:47
    • Responder

    Não à EMRC por que? Ninguem põe Deus no sentro das suas vidas. Não admira que a humanidade em desespero se agarre a falsos idolos que destroem a querença global.
    Tenhão vergonha!

      • Luluzinha on 10 de Abril de 2020 at 18:15
      • Responder

      Ai, que “língua” é esta?

        • profinfo on 10 de Abril de 2020 at 23:48
        • Responder

        É aramaico “koine”…

    • Não há Pachorra on 10 de Abril de 2020 at 17:53
    • Responder

    Encontram defeitos em tudo. Para as disciplinas que não estão contempladas, podem os respetivos professores pôr mãos à obra ? Ou será pedir muito? Pensam que os restantes, só porque veem as suas áreas na TV vão ficar no bem bom?
    Que pessoas mesquinhas. Que falta de união e sentido de solidariedade. Se é através de plataformas ou zoom skype etc, não está bem. Se é por TV também não. O que querem afinal? Muito têm feito eles em tão pouco tempo. Estamos numa situação completamente atípica. E mais não digo. Eu, quanto a mim, tiro- lhes o chapéu e agradeço ter o meu ordenado de docente ao dia 23. E ainda poupo em gasolina, portagens e tempo. Tenho dito!

      • Hugo Santos on 10 de Abril de 2020 at 18:04
      • Responder

      Parabéns pelo comentário. É isso mesmo.

      • Filipa on 10 de Abril de 2020 at 19:25
      • Responder

      Concordo com o colega. Infelizmente muitos colegas nunca estão bem sempre criticam tudo no entanto nunca fazem nada para melhorar o que está errado. Numa situação de emergência é evidente que planear e executar uma espécie de “telescola” em poucos dias nunca seria fácil . Os colegas devem lembrar que a responsabilidade primeira é de cada docente /escola proporcionar elementos através plataformas e outos métodos ensino à distância e “telescola ” é sempre um complemento para os alunos sem meio de acesso a computador /internet.

      • Ana Neves on 10 de Abril de 2020 at 19:54
      • Responder

      Colega “Não há pachorra” quando fiz o meu comentário só quero referir que as disciplinas deviam estar todas em pé de igualdade. Não tenho medo de trabalhar, pois é para isso que me pagam, tenho criado os meus próprios materiais e não preciso desse complemento para nada! Isto tudo é para inglês ver! E já agora, eu identifico-me mas o colega está escondido atrás de um nome fictício…

        • Não há Pachorra on 10 de Abril de 2020 at 23:17
        • Responder

        Colega ” Ana Neves”, quando comentei não estava a dirigir-se me especificamente a si. Quanto à identificação, também poderia ter usado Maria Orvalho ou Manuel Bonito. Teria feito alguma diferença? Pergunta retórica. Leve as coisas com calma. Os seus alunos desenham, dançam, pulam ou fazem ginástica agora no confinamento. Não precisam de aulas na TV para isso.

      • Sem nome on 11 de Abril de 2020 at 1:24
      • Responder

      Não há pachorra, obrigada!Tem toda a razão! Muito triste a forma como a maioria da classe pensa e sente este momento dramático. Vê-se pelos comentários completamente egoístas, narcisistas e principalmente obtusos, que por aqui abundam, quais as suas motivações! Sinto vergonha!

    • Hugo Santos on 10 de Abril de 2020 at 18:03
    • Responder

    Há pessoas que só sabem criticar. Os professores, então, são “pros” nisso…

      • Manel on 11 de Abril de 2020 at 10:55
      • Responder

      Estará, também a criticar?

    • Luluzinha on 10 de Abril de 2020 at 18:19
    • Responder

    Meu Deus, que horário tão mal concebido! Colocarem alemão aos últimos tempos da tarde. Mas, por outro lado, compreende-se: depois do Crasso só é necessário fazer contas!

    • RTP menor on 10 de Abril de 2020 at 19:37
    • Responder

    E a carpintaria ,a olaria, a culinária ,a limpeza a seco, a engomadoria, a pintura a seco,a fresco e a óleo … enfim. Tantas disciplinas que fazem falta e não são repercutidas nos horários dos alunos.

      • ...... on 10 de Abril de 2020 at 21:00
      • Responder

      Buahhhh já estão a aprender em casa com a mãe ou avó ou com ambos os pais….. É desta que se volta um pouco aos anos 60 ,70 ,80 em que rapariga para um futuro precisava de saber diferenciar um ovo dum nabo ahahahahahah e olha lá às tantas nem o alfabeto era obrigatório saber mas o ovo do nabo era…….

    • profinfo on 10 de Abril de 2020 at 23:53
    • Responder

    Na minha humilde opinião, não se está a levar em conta um aspeto essencial nesya problemnática toda: onde é que a dona de casa vai passar a ver a telenovela? No táblete?

    • Teresa Carriço on 11 de Abril de 2020 at 0:43
    • Responder

    Em tempo de recolhimento a insegurança apodere-se de nós, quantos sentimos nos ombros o peso da Educação, que ao alongo de décadas se arrasta diariamente na nossa atividade profissional, e que de repente parece querer fugir, deixando para trás sem explicações o risco de a podermos perder…
    Ficará para a história contar mais tarde, como tudo rapidamente se adaptou e se transformou, sem uma única explicação aos professores, que tanto contribuíram para a educação dos seus alunos nos momentos tão preciosos, como o de lançar a semente… e num rompante deixou de ser possível acompanhar o seu crescimento e regá-la, para que um dia pudesse brotar…
    Falo dos professores, esses que acreditam na transformação e que ao longo do tempo deram tempo, corpo e cor ao saber, ao compreender e à criatividade.
    Longe vão os tempos em que as Artes foram consideradas menores e de repente se tornavam maiores. Tempos em que os líderes investiam na formação de professores em Educação Estética e Artística, para dizer às Escolas que as aprendizagens tinham de ser transversais e que os alunos aprendiam melhor através da Arte.
    Sinto-me profundamente indignada, provavelmente por saber que raramente existe na constituição das equipas dos dirigentes da Escolas pessoas com formação estética e artística, escapando sistematicamente o reconhecimento da necessidade de educar para a sensibilidade criativa, uma vez que não evidenciam o quão importante esta formação é para os alunos. A não ser, quando estes líderes pediam sistematicamente aos professores de “EV” para “decorarem as suas escolas” ou projetarem a sua imagem para o exterior através de eventos ou projetos.
    Hoje sinto-me ainda mais indignada, quando mapeando agenda televisiva, “estudoemcasa” constatei a desvalorização de algumas disciplinas do currículo, como a disciplina de Educação Artística que é a única dirigida a nove anos de escolaridade. Será isto um sinal da limitação da criatividade confinada a um currículo lecionado da mesma maneira para três níveis de ensino? Ou será isto um sinal da crise económica que se avizinha e um convite camuflado ao desemprego de mais uma classe profissional que nunca deixou de lutar pela cultura desta civilização.
    Sim, aos professores de Artes tudo lhes era pedido, articulações com todas as disciplinas…todos os que viveram esta profissão sabem do que estou a falar. Inclusão de todos os alunos nas aulas de expressão artística, mesmo que estes não soubessem falar, escrever, ler ou contar…mas tinham que saber desenhar!
    Numa época em que os alunos estão desprovidos de um dos maior bens da humanidade, a socialização, e que através do ato criativo é possível estabelecer essa aproximação com o mundo que o rodeia, a “Educação Artística”, mais uma vez surge desvalorizada, situada num lugar onde todos se incluem, dos “0-100”, para talvez ser a televisão a fazer aquilo que os professores não conseguem fazer na Escola, fazer com que os alunos estudem e aprendam a ser e querer crescer num mundo melhor?
    Hoje celebra-se o tempo de Páscoa que se associa ao renascimento e à capacidade de renovação de cada ser humano. Por isso, neste tempo de recolhimento acredito que muitos professores como eu, tudo farão, mesmo dentro da sua própria casa, para não deixar perder o que lhes permite aproximar dos seus alunos, para os ajudar a trabalhar com as suas capacidades e proporcionar o desenvolvimento da sua sensibilidade criativa, com mais tempos adequados à sua idade e ao seu currículo escolar!

    • Maria on 11 de Abril de 2020 at 10:58
    • Responder

    Tem toda a razão! É de lamentar profundamente que disciplinas como Educação Visual e TIC, que estão na base de toda esta operação audiovisual e tecnológica a decorrer e na base da criação de grande parte dos conteúdos Multimédia e Webdesign utilizados nesta fase tão complicada para todos nós, não estejam contempladas neste projeto #EstudoEmCasa da RTP/Ministério da Educação.
    É triste que algumas disciplinas continuem a ser consideradas, pelo Ministério da Educação, como menores e que os alunos que não têm acesso à internet fiquem sem acesso a conteúdos relacionados com estas disciplinas.

    • Maria Cardoso on 11 de Abril de 2020 at 13:49
    • Responder

    “É de lamentar profundamente que disciplinas como Educação Visual e TIC, que estão na base de toda esta operação audiovisual e tecnológica a decorrer e na base da criação de grande parte dos conteúdos Multimédia e Webdesign utilizados nesta fase tão complicada para todos nós, não estejam contempladas neste projeto #EstudoEmCasa da RTP/Ministério da Educação”.
    Mas é mesmo isso! Ninguém enxerga o que está debaixo do nariz: quem realiza o visível num Web Site (já que o invisível é realizado pelos informáticos) ? Quem? O Web Designer; quem realiza, por ex, um bom vídeo, o especialista em Multimédia. Quem fez a grelha tão “bonitinha” do “Estudo em casa”? Qual a base da sua formação: ARTES, ARTES, ARTES, senhores… Não se trata de um mero entretenimento. Desde que sou professora de Artes, 3º ciclo e secundário, tenho vindo a lutar contra esta menorização das Artes no currículo, consciente da sua transversalidade e da sua capacidade de abrir as mentes! Mas isso não interessa a quem não quer um povo inteligente! Das duas uma: ou todos já se acham artistas ou, desenganem-se…, as artes continuarão nas mãos de uma elite e dos deuses. E… continuará a existir uma grande empregabilidade na área da imagem, do Design, dos Multimédia… Quando o aluno reconhecer essa lacuna, num curso do secundário ou até na faculdade, será tarde.

    • Edu6969 on 12 de Abril de 2020 at 1:22
    • Responder

    E as AEC ? Infelizmente todos os professores das AEC que estão a recibos verdes foram dispensados pelas entidades promotoras até ao fim do ano letivo, uma situação trágica para estes colegas que já estão numa situação super precária, já para não falar da contagem do tempo de serviço que parou em março para estes profissionais. Quanto à situação dos colegas que estão a contrato tanto nos municípios como nos agrupamentos, não faço ideia da situação deles. Estarão em teletrabalho?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: