28 de Abril de 2020 archive

João Costa: O que vai ser o terceiro período?

Vale a pena ouvir… nem que seja para saber o que criticar.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/04/joao-costa-o-que-vai-ser-o-terceiro-periodo/

Cartoon do Dia – Vamos abrir as creches…

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/04/cartoon-do-dia-vamos-abrir-as-creches/

As escolas e a comunidade não estão preparadas para o regresso em setembro

 

Espera-nos um regresso que nada poderá ter a ver com o passado. Quando voltarmos às escolas não seremos os mesmos que de lá saíram a 13 de março, as crianças também não o serão, com certeza.

Acreditemos ou não, esta crise sanitária vai-se prolongar por um ano ou um ano e meio. Entre se conseguir produzir uma vacina e atingir uma imunidade de grupo aceitável para que o receio se desvaneça, o tempo vai passar. Entretanto, são necessárias soluções a médio longo prazo, não vamos esperar pelo dia 31 de agosto para pensar nisso.

As regras terão que ser bem diferentes daquilo que eram. O medo vai estar presente em todos aqueles que já têm discernimento para entender a totalidade da grave situação que se vive, mas não podemos esperar o mesmo dos mais novos, dos alunos do pré-escolar e do 1.º ciclo. Que soluções? O que esperar? O que fazer? Como atuar?

O pré-escolar apresenta-se como a situação mais delicada. As crianças entre os 3 e os 5/6 anos não têm a noção do perigo. Na escola estão habituados a um contacto próximo da parte dos colegas, das(os) docentes e das assistentes operacionais, até no refeitório o contacto é permanente. Como preparar os adultos (não podemos exigir às crianças que mudem os seus comportamentos do dia para a noite) para continuar o contacto exigido por esta faixa etária sem os por em risco desnecessário?

A solução não é de fácil articulação em virtude dos espaços que temos não estarem preparados minimamente para uma situação destas, mas é por isso que se tem que pensar com tempo. Será viável termos os adultos equipados com equipamento protetor dentro da sala de aula? Sim, é. (as crianças estranharão no início, mas habituar-se-ão)

As escolas vão ter que adequar os espaços para que tal seja possível. Vai ser necessário equipamento disponível, espaço para se equiparem, um espaço de “sujos” e o mais importante, formação adequada e atempada. Para esta ou outra solução, é necessário começar já.

No caso do 1.º ciclo a solução é um pouco mais simples, mas não menos complexa. Os professores e os alunos vão ter que se adaptar ao espaço que temos nas nossas escolas. As nossas salas não permitem, de forma alguma, o distanciamento social aceitável, vamos ter que adaptar os métodos e os tempos de aula. É impensável ter uma centena de crianças dentro de uma escola, ao mesmo tempo, num dia de chuva durante um intervalo. Nem num dia de Sol com espaço exterior se conseguiria controlar tão elevado número de crianças.

O desdobramento das turmas e o tempo na escola vão ser a chave de segurança que as crianças necessitam, que os professores e os pais querem. Dentro da sala de aula o professor só poderá introduzir as matérias, conteúdos, a exercitação dos mesmos terá de continuar a ser realizada à distância. Numa turma de 24 alunos, poderão existir dois períodos distintos, da parte da manhã, onde 12, de cada vez, assistirão presencialmente à aula, ficando a parte da tarde para E@D durante o qual serão acompanhados no seu estudo pelo professor.

Sendo estas ou outras soluções, uma coisa é certa, as medidas de segurança têm que ser seguidas à risca. A higienização dos espaços não chega para sossegar os espíritos. Todos nós necessitamos de formação para que a escola possa reabrir e as crianças de testes serológicos no primeiro dia de aulas.

A forma como estávamos, e estamos habituados a interagir não poderá ser a mesma.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/04/as-escolas-e-a-comunidade-nao-estao-preparadas-para-o-regresso-em-setembro/

Diretores ainda sem saber como vai ser o regresso às aulas

Este governo, primeiro anuncia e depois  regula. Foi assim no apoio às empresas e às famílias, todos os dias com novidades. Vai ser assim nas medidas de desconfinamento e regresso às aulas presenciais que têm e devem ser feitos, mas com regras claras.

Diretores de escolas secundárias ainda sem saber como vai ser o regresso às aulas

Os diretores das escolas secundárias da região de Viseu ainda não sabem como vai decorrer o regresso às aulas presenciais. O Governo equaciona a possibilidade de as escolas poderem reabrir as salas de aula a partir de 18 de maio, depois da pausa provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Em declarações ao Jornal do Centro, o diretor da Escola Secundária Alves Martins (Viseu), Adelino Azevedo Pinto, admite estar preocupado com esta situação.

“Ainda não temos informação. Saiu na imprensa, mas, a nível oficial, não chegou nada. Terá de haver aqui uma adaptação muito grande e queremos saber como. Terá de haver alguém responsável a nível dos ministérios da Educação e da Saúde”, afirma.

LER ARTIGO AQUI

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/04/diretores-ainda-sem-saber-como-vai-ser-o-regresso-as-aulas/

Milhares de professores em condições de recusar regresso às escolas em tempo de pandemia

 

Milhares de professores em condições de recusar regresso às escolas em tempo de pandemia

Directores precisam de respostas do Ministério da Educação para saberem exactamente o que fazer se as aulas presenciais recomeçarem em Maio.

Foto
Aulas serão para os alunos que têm exames nacionais DANIEL ROCHA

Milhares de professores poderão estar afastados à partida da possibilidade de assegurarem aulas presenciais do 11.º e 12.º ano, caso estas sejam retomadas ainda este ano lectivo, conforme o Governo está a prever que aconteça a partir de 18 de Maio.

Este afastamento pode ser motivado tanto devido à idade, como a situações de doença, e é um dos cenários que está a afligir os directores escolares numa altura em que, devido às regras de saúde por causa da pandemia, poderão até precisar de mais professores do que aqueles que estão ao serviço.

LER ARTIGO AQUI

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/04/milhares-de-professores-em-condicoes-de-recusar-regresso-as-escolas-em-tempo-de-pandemia/

SOBRE A REALIZAÇÃO DE EXAMES NACIONAIS NO ANO LETIVO 2019/2020

 

[gview file=”https://www.arlindovsky.net/wp-content/uploads/2020/04/SOBRE-A-REALIZAÇÃO-DE-EXAMES-NACIONAIS-NO-ANO-LETIVO-2019.pdf”]

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/04/sobre-a-realizacao-de-exames-nacionais-no-ano-letivo-2019-2020/

Decisão sobre a reabertura das escolas não é unânime

Emergência. As novas medidas que não são unânimes

O Governo está a preparar o calendário da reabertura de algumas atividades, mas médicos de saúde pública pedem cautela no alívio das restrições. Nas escolas, o facto de haver mais turmas pode exigir a contratação de professores.

As medidas para o começo do regresso à normalidade são anunciadas esta quinta-feira, mas as novidades já vão surgindo a conta-gotas – com aplausos de uns e reticências de outros. Em cima da mesa está a passagem do estado de emergência para o estado de calamidade, que traz consigo algum alívio das medidas restritivas. E, ontem, António Costa adiantou que a intenção do Governo nos próximos dias será a de “fixar o calendário para o que pode abrir a 4 e a 18 de maio e a 1 de junho”. O primeiro-ministro avança, no entanto, com cautela e garantiu que “se as coisas correrem mal” é preciso “dar um passo atrás”. “Todas as semanas iremos avaliando para ver se o passo que demos não foi maior que a perna e se podemos continuar a avançar com confiança e segurança neste processo”, acrescentou António Costa. O primeiro setor a abrir deverá ser o pequeno comércio.

No entanto, os médicos de saúde pública pedem cautela. Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, explicou que é preciso ter em conta que o número de novos casos de infeção nos últimos dias, apesar de não se ter registado um aumento exponencial, não diminui de forma clara. “A situação epidemiológica, apesar de estável, não sofreu uma evolução muito grande desde que foi feita a avaliação que levou ao prolongamento do estado de emergência”, esclareceu ao i Ricardo Mexia.

O médico especialista em saúde pública considera que dificilmente “a situação será descrita de forma substantivamente diferente daquela que tínhamos até à data da avaliação anterior” e que, por isso, “do ponto de vista da saúde pública não é possível reduzir já todas as medidas que foram colocadas”. “Não é tempo de prescindir de medidas e, a haver levantamento do estado de emergência, é importante que seja claro para todos quais são as medidas a ser implementadas em contrapartida porque, para essas maiores atividades passarem a funcionar, vamos ter de encontrar algo que equilibre esse maior funcionamento também”, acrescentou.

Contratação de professores pode ser necessária Marques Mendes, durante o seu habitual comentário na SIC, começou a levantar o pano e avançou algumas das propostas que estão em cima da mesa. Marques Mendes, aliás, parte do princípio de que é necessário “tratar da economia sem descurar a pandemia”.

Um dos setores que têm gerado mais discussão é precisamente o do ensino. Nesta área, segundo foi avançado, “haverá aqui uma preocupação do Ministério da Educação de fazer uma alteração dos horários escolares por forma a desfasá-los dos horários de ponta dos transportes públicos. Por exemplo, começar as aulas não logo de manhã, mas a meio da manhã”.

LER ARTIGO AQUI

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/04/decisao-sobre-a-reabertura-das-escolas-nao-e-unanime/

Com cautela e sem pressas se regressa à escola na Noruega

 

Regresso à escola na Noruega faz-se com “cautela e sem pressa”

De forma consistente, a Noruega é um dos “melhores lugares para se viver”, segundo o índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas, que mede a riqueza, o acesso à educação, ao serviço nacional de saúde e às oportunidades de trabalho. Indicadores que se revelaram essenciais na hora de combater a pandemia do novo coronavírus. E que permitiram ao país reabrir, esta segunda-feira, as escolas aos mais de 250 mil alunos do 1º ciclo (6-10 anos), depois de cinco semanas de aulas online. Isto depois de as autoridades de saúde norueguesas terem permitido que as creches e os jardins de infância abrissem as portas na passada semana.

Foi um regresso à “normalidade”, mas com apertadas regras de higiene, como a lavagem das mãos, e promovendo o distanciamento social. Uma escola em Asker, a oeste de Oslo, limitou as aulas a apenas 15 crianças por professor. “Espaço não nos falta, temos o edifício todo disponível para estes alunos”, explicou o diretor da escola à emissora estatal NRK, uma vez que os estudantes do 2º e 3º ciclos, assim como os professores, ainda se mantém em casa com ensino à distância.

O ministro da Saúde, Bent Høie, apoiado nos dados divulgados pelo Instituto de Saúde Pública, assegurou ao país que deixar as crianças voltar à escola não terá efeito sobre a propagação do vírus, mas não hesitará em “encerrar rapidamente” todos os estabelecimentos de ensino caso a curva epidemiológica se altere. “Se não conseguirmos conter o vírus, vamos apertar as medidas novamente”, disse Høie. “Precisamos de fazer esse trabalho juntos, porque já vimos que é muito fácil perder o controlo da infeção”.

LER O ARTIGO AQUI

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/04/com-cautela-e-sem-pressas-se-regressa-a-escola-na-noruega/

Load more

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog no Facebook