Educação: A MANIFESTAÇÃO que desejamos em Portugal

 

Em Portugal a escola parece ser, apenas, preocupação de alguns.

Os professores manifestam-se por melhores condições de trabalho, valorização profissional e pelos problemas específicos de uns que não são de todos, ou seja, não se unem.

Os “Diretores” não entram em Manifs de bandeira e cartaz, dando apenas umas entrevistas onde dão a ideia que não estão muito satisfeitos.

Os pais e encarregados de educação só se manifestam junto a uma ou outra escola por situações específicas desse estabelecimento de ensino/educação.

Já era altura, das ASSOCIAÇÕES REPRESENTANTES DA COMUNIDADE EDUCATIVA PORTUGUESA, se sentarem à mesma mesa e lutarem pelo interesse comum que é o bem de todos. Será que ainda não entenderam que se uma parte está insatisfeita, essa insatisfação terá consequências nas outras partes?

Em França, sempre andaram muito à frente nisto das manifestações…

“Catástrofe” na escola pública traz à rua professores e pais em França

Milhares de professores, assistentes escolares e pais saíram hoje às ruas em França, numa das maiores greves nos últimos 20 anos, para denunciar a “catástrofe” na educação nacional devido à covid-19, mas também falta de pessoal e meios.
“O mito da exemplaridade da escola francesa funciona contra nós, porque nós não somos bem pagos. Nós acreditamos na escola pública, mas o Governo está a destruí-la. Considerar a escola como um sítio que serve só para ocupar as crianças, como acontece desde março de 2020, é uma catástrofe”, denunciou Antonela, diretora de uma escola primária no 20º bairro em Paris, à Lusa.

Esta diretora de escola juntou-se a milhares de pessoas que hoje marcharam nas ruas de Paris para assinalar uma greve que paralisou mais de 30% das escolas públicas em França, incluindo escolas primárias, escolas básicas e liceus.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/01/educacao-a-manifestacao-que-desejamos-em-portugal/

7 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Alecrom on 14 de Janeiro de 2022 at 13:27
    • Responder

    Se também tivéssemos
    um governo de sinal paralelo
    ao do governo de França,
    não tenho dúvidas,
    também tínhamos catástrofe.

    Curiosamente,
    na perspetiva Schäuble,
    a Geringonça
    foi uma benção, lol.

      • Nuno on 14 de Janeiro de 2022 at 23:01
      • Responder

      Ainda me lembro há 20 anos de andar numa escola em que o Diretor, que era nosso colega e dava aulas, convivia conosco no bar e fazia reuniões gerais de urgência em pânico sempre que vinha uma novidade de Lisboa.
      A sua preocupação era contornar as leis a bem da comunidade educativa.
      Era nosso colega, apoiava-nos e era um contestatário.
      Saudades.

    • JB on 14 de Janeiro de 2022 at 17:00
    • Responder

    otelo! otelo! otelo!

    • Nuno on 14 de Janeiro de 2022 at 23:02
    • Responder

    Ainda me lembro há 20 anos de andar numa escola em que o Diretor, que era nosso colega e dava aulas, convivia conosco no bar e fazia reuniões gerais de urgência em pânico sempre que vinha uma novidade de Lisboa.
    A sua preocupação era contornar as leis a bem da comunidade educativa.
    Era nosso colega, apoiava-nos e era um contestatário.
    Saudades.

    • Mirtha on 15 de Janeiro de 2022 at 17:22
    • Responder

    @s descendentes de Viriato se tornaram c@rn@s mans@s!!! Falam, falam, mas não tomam atitudes e ainda colaboram com o sistema!!!

      • Mirtha on 15 de Janeiro de 2022 at 17:34
      • Responder

      Se há professora que não cumpre com o programa e as altas diretrizes do sistema sou EU!!! Faço tão ardilosamente que até hoje ninguém deu por isso… O máximo que tenho ouvido e chamada à atenção, tem sido: -Entro na sala e não sei quem é a professora e quem são @s alun@s; ou: pareces uma criança nos meio deles; ou: professora, você é pior do que nós… Quanto à matéria dada e testes de espanhol tenho dado sempre a volta por cima, não havendo comigo uma única negativa em mais 8 anos a lecionar em Portugal e em Perú era similar. Sou revolucionária por natureza, descendo de valentes índios, mas doces também.

        • cincocincofuro on 15 de Janeiro de 2022 at 20:53
        • Responder

        TEns de vir dar umas aulinhas aos animais dos cursos profissionais, que ficas logo “vacinada”…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: