Nanismo político e idadismo digital – Santa Castilho

Nanismo político e idadismo digital

1. Todas as epidemias têm períodos mais ou menos longos de novos surtos intermitentes e nenhum país tem, por enquanto, uma solução para a actual pandemia. Mas o futuro ficará mais difícil nos que são governados por políticos que torturam a realidade com o seu nanismo político. Não há muito tempo, o presidente Marcelo exultava com um pindérico orgulho nacional, que nos comparava com espanhóis e italianos. Não lhe ocorreu, na altura, comparar-nos, por exemplo, com o Vietname, com uma população dez vezes maior que a nossa e uma longa fronteira com a China, que não registava, então, um só morto. Agora, António Costa e Santos Silva não entendem porque vale mais para os ingleses o nosso segundo pior rácio europeu de novos casos de covid-19 por 100 mil habitantes que o que foi escrito no Tratado de Windsor, em 1386.

Desde a cena confrangedora, que reuniu no Palácio de Belém nada menos do que o Presidente da República, o presidente da Assembleia da República, o primeiro-ministro, o ministro da Economia e a ministra da Saúde, para anunciarem ao país a realização de meia dúzia de jogos de futebol, que não dava pela existência do ministro da Educação, que também lá esteve. Reapareceu, finalmente, em entrevista ao Expresso. Do que disse e do que consta nas orientações oficiais para a organização do próximo ano lectivo, resulta um caderno de encargos irreal para as escolas e para os professores que, em nome de uma autonomia inexistente mas hipocritamente invocada, acabarão responsabilizados por tudo o que possa correr mal. O que antes era imperativo (dois metros de distanciamento por altura da reabertura das aulas, em Maio, e um metro de distanciamento aquando das primeiras orientações para 2020/21) deu lugar ao “sempre que possível” e ao “preferencialmente”, até chegarmos à seguinte insólita afirmação do ministro:

“Os alunos vão caber todos na mesma sala. Não haverá desdobramento de turmas. A única obrigatoriedade é a máscara a partir do 2º ciclo. O distanciamento não.”

É preciso cara dura para dizer isto, depois de termos sido literalmente massacrados, meses seguidos, com a necessidade de respeitar o distanciamento social, como a medida profiláctica mais eficaz de combate à pandemia.

2. A adesão pouco reflectida a fenómenos da moda acaba sempre alimentando mecanismos de constituição de poderes. Foi assim com as pedagogias salvíficas para o século XXI, começa a ser idêntico com o fluxo de ideias alternativas às aulas presenciais e a obsessão pela escola digital, seja lá o que isso for, que não é, isso sei, o gatilho mágico que resolve os atrasos acumulados dos nossos alunos.
Os professores reorganizaram-se para que, numa situação de excepção, se minorasse o prejuízo dos alunos. Entregaram-se abnegadamente a um desafio que não foi fácil, lhes pediu mais do que o muito que já se lhes pedia, e foi vencido. Apesar disso, têm vindo a ser alvo de várias prosas, que glosam o que apelidam de iliteracia digital dos professores mais velhos, numa onda de idadismo estigmatizante. Entendamo-nos: os professores utilizam, uns mais, outros menos, naturalmente, os meios informáticos, desde que eles se democratizaram. Não precisam, novos ou velhos, de serem peritos em informática para resolver todos os passos processuais de utilização da tecnologia disponível. Não fosse ela desenvolvida para ser utilizada em massa, por isso mesmo ao alcance de utilizadores universais. Outra literacia, não digital, que abunda no seio dos professores portugueses, desiderato difícil de conseguir numa escola de massas e numa sociedade consumista, é a que permite tocar o coração dos alunos, estabelecendo um vínculo afectivo essencial para que a aprendizagem resulte.

3. Nos últimos dias falou-se de rankings, falou-se do que se perdeu no ano em curso e falou-se, sobretudo, de como vai ser o próximo ano. Mas pouco se tem prognosticado sobre as classificações que, provavelmente, certificarão um paradoxo: o ano em que menos se aprendeu terminará com resultados gerais bem acima da média. Porque todos os critérios formais cederão paço ao critério de não penalizar, ainda mais, todos os alunos coercivamente privados da escola e, particularmente, aqueles que, sem equipamentos necessários, ficaram impossibilitados de acompanhar as soluções de recurso.

In “Público” de 8.7.20

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/07/nanismo-politico-e-idadismo-digital-santa-castilho/

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Francesc Ferrer Y Guárdia Um Bocadinho Manco on 8 de Julho de 2020 at 10:11
    • Responder

    Uma mensagem demolidora, pela sua ácida verdade! Para o sr. Ministro de Educação emoldurar. O Prof. Santana Castilho é dos poucos neste país, actualmente, que não ”encarneira”!

    • Roberto Paulo on 8 de Julho de 2020 at 11:21
    • Responder

    Num país decente, o ME teria sido crucificado depois de dinamitar o afastamento dentro da sala de aula.

    Num país de gente amorfa e acrítica e de uma CS vendida e/ou amordaçada, tudo passa de forma leviana.

    • Alecrom on 8 de Julho de 2020 at 11:21
    • Responder

    Os exemplos proliferam um pouco por todo o país. Já não restam dúvidas sobre como vai ser:

    https://www.publico.pt/2020/07/08/sociedade/noticia/covid19-estados-unidos-registam-1000-mortes-60-mil-infectados-dia-1923540

    https://www.regiaodeleiria.pt/2020/07/covid-19-municipio-da-marinha-grande-encerra-atendimentos-presenciais-testa-trabalhadores-e-desinfeta-pacos-do-concelho/

    A pandemia alastra, mas os números oficiais… estão bastante aplanados.

    Já terão resolvido as incongruências relativas aos dados dos concelhos?

    Vamos continuar com uma estatística que acomoda incongruências concelhias?

    • Alexandra Almeida on 8 de Julho de 2020 at 12:30
    • Responder

    Eu gostava de perguntar COMO é que vão caber 26 alunos numa turma com 1 metro de distância, pois os 26 só cabem se ficarem lado a lado na mesma mesa …
    Será que o ministro vai mandar carteiras individuais para as escolas? E mesmo assim… Se não reduzirem para 20 alunos…

      • Alecrom on 8 de Julho de 2020 at 14:36
      • Responder

      O distanciamento físico é talvez a medida preventiva mais eficiente.

      Mas, nas escolas, só se aplica quando for possível.

      A Geringonça.2 assim decidiu:

      “Os alunos vão caber todos na mesma sala. Não haverá desdobramento de turmas. A única obrigatoriedade é a máscara a partir do 2º ciclo. O distanciamento não.”

      Percebido?

  1. Pelos vistos as associações de pais, sindicatos e associação de Diretores de Escolas concordam com o ministro.

    Portanto está tudo bem…

    • Luluzinha! on 8 de Julho de 2020 at 13:32
    • Responder

    Como vai sendo tão raro ler artigos de opinião tão magnificamente elucidados como os deste senhor! Muitos parabéns, uma vez mais!

    1. «Artigos elucidados»? Não será antes, «artigos lúcidos»? O autor elucida o artigo?

      A Luluzinha só pode ser um troll, a ser real gostava muito de a conhecer…

        • Luluzinha! on 9 de Julho de 2020 at 18:45
        • Responder

        Perdeu uma excelente oportunidade de esconder a sua ignorância. Mas, tratando-se de alguém tão limitado, nem me vou dar ao trabalho de justificar.

    • Paulo Pereira on 14 de Julho de 2020 at 1:06
    • Responder

    Pois…

    Para além da surreal afirmação do sr. Brandão, em tirocínio no Ministério da Educação, de que o distanciamento é algo a condescender, pergunto:

    E os professores, como eu e muitos, que não se acomodam ao seu lugar tradicional, sentado na sua secretária, e circula pela sala a dar apoio personalizado aos alunos?

    Como é que será, senhor Brandão?

      • Paulo Pereira on 14 de Julho de 2020 at 1:08
      • Responder

      Errata: “(…), e circulam (…)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: