1º Ciclo de 6 anos… 6 anos de secundário…

É uma ideia já com barbas… Há muito que se fala e discute esta possibilidade. Não vou prenunciar sobre o assunto, mas também tenho uma opinião que será alvo de “escrutínio” noutra altura. Este modelo, ou algo parecido, é o que “aqueles países que servem de exemplo quando convém” adotaram há muito. Vamos ver até onde chegamos desta vez…

 

“Inclinamo-nos muito para que, de uma forma faseada, se caminhe no sentido da eliminação do 2.º Ciclo e haver uma escolaridade básica de seis anos, seguida de uma escolaridade secundária de seis anos (6+6)”, disse Dias da Silva

 

“A ideia de repensar os ciclos de ensino foi lançada por nós e sabemos que a FENPROF e a FNE são a favor, agora é preciso discuti-la com todos os intervenientes e alcançar um largo consenso”, disse à Lusa o presidente da ANDAEP, Filinto Lima.

 

(clicar na imagem) in Público

780382

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2016/05/1o-ciclo-de-6-anos-6-anos-de-secundario/

10 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Duarte on 5 de Maio de 2016 at 15:09
    • Responder

    Seis ou quatro anos… o que é necessário é bons professores….

    “Prenunciar refere-se principalmente ao ato de prever alguma coisa que
    ainda não aconteceu. Pronunciar se refere principalmente ao ato de
    expressar oralmente, emitindo opinião ou articulando corretamente a
    fala. Assim, os verbos prenunciar e pronunciar
    existem na língua portuguesa e estão corretos. Porém, os seus
    significados são diferentes e devem ser usados em situações diferentes.

    1. se refere ou refere-se?

        • desiludida2015 on 5 de Maio de 2016 at 23:25
        • Responder

        Os dois estão correctos, mas “se refere” é mais usado no português do Brasil… de qualquer modo em nada altera o significado. … O problema é mesmo o prenunciar …

    • Rouxinol on 5 de Maio de 2016 at 15:20
    • Responder

    Olhó´os passarões dos sindicatos a porem os professores do 2º 3º ciclos e secundário no desemprego.Façam lá uma ideia do porquê

      • Cada cabeça sua sentença on 5 de Maio de 2016 at 16:01
      • Responder

      Não tarda nada os docentes do 1º ciclo asseguram todos os níveis de ensino…já que não se conseguem aposentar…

    • Sempre em mudanças on 5 de Maio de 2016 at 15:59
    • Responder

    Quais as vantagens disto para alunos e profs?
    O que fazer aos docentes do 2º ciclo?? Nem todos têm habilitação para o 1º ciclo e é óbvio que não vão para o secundário… Quanto ao secundário de 6 anos, qual a vantagem para os alunos??? O atual 3º ciclo é diferente do secundário. Quanto aos profs quase todos os grupos tem habilitação para o 3º ciclo e secundário, apenas alguns lecionam só no secundário. Parece-me que a questão coloca-se no 2º ciclo!!!!

  1. É cada erro ortográfico e de sintaxe!
    Por favor, não nos envergonhem…ou darão razão a tantos que criticam a nossa classe.

  2. Adoro borrar a opa, ainda mais se me confronto com génios sentados.
    .
    Também me riscou a visão a adivinhação, mas nunca se sabe se evoluirão, no entanto há que acreditar que os vocacionais possam vir a pagar impostos.

  3. “discuti-la”
    .
    Acredito muito na leitura da Guerra e “Pás”, Picaretas, Piruetas, Afins e Coiso, fico aqui dormente na dúvida se a traição à Língua terá sido do Filinto, da Lusa, da impressora do costume ou de algo que se terá escapado inferiormente…

    • Vasconcelos on 6 de Maio de 2016 at 22:08
    • Responder

    O mais sensato do meu ponto de vista e salutar até, é dividir em blocos de 4 anos, ou seja do 1º ano ao 4º ano, do 5º ao 8º ano e do 9º ao 12º . Porque em regra geral sente-se um grande fosso no desenvolvimento cognitivo dos alunos que se encontram no 9º ano e dos alunos do 8º ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: