Não Deixei de Achar Que…

esta prova é um erro crato

 

E infelizmente a persistência no erro continua.

Podia ter dito que “A prova é um erro crato”, mas não disse.

Uma prova no final do 1º ciclo de ensino (licenciatura) ainda podia aferir a qualidade científica do aluno, podendo ser obrigatória a sua aprovação para o futuro professor seguir a sua profissionalização. Esse deveria ser esse o caminho a ser seguido para que a mesma fosse aplicada. E por princípio nada tenho contra a aplicação de uma prova nessa altura e que até deveria ter um peso na nota final de curso.

E por isso é que “Esta prova é um erro crato”.

Que o dia de hoje não traga uma imagem negativa para a classe docente é o que eu desejo. Mas desejo também que “esta prova”, mais cedo ou mais tarde, possa ser colocada no sítio certo do processo de formação de um docente.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2014/07/nao-deixei-de-achar-que/

28 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Ex-Prof_e_futuro_ex_agricultor on 22 de Julho de 2014 at 0:50
    • Responder

    Essa ladainha da imagem negativa sempre foi algo que me custou a engolir. Haverá classe com imagem mais negativa do que a dos políticos?? Pois, e no entanto, tenho de me sujeitar ao que eles deliberam e,se quero reclamar, tenho de o fazer de fato e gravata?. Acordem para a vida !!!! Quando se lida com “terrorismo” não é com falinhas mansas e bons modos que lá se vai, essa parte fica para os sindicatos, alguns…


  1. No final da minha licenciatura em 2002 fiz uma prova final que contou 30% para a nota final de curso. Até posso dizer que foi num curso da Católica. Só depois de fazer esta prova avancei para estágio. A prova era sobre temas gerais e abordados no curso.

    • THIS MORTAL COIL on 22 de Julho de 2014 at 6:49
    • Responder

    Concordo perfeitamente e na totalidade com o Arlindo.


    1. E alguém quer saber a sua opinião? Vá fazer a prova.

        • THIS MORTAL COIL on 22 de Julho de 2014 at 12:09
        • Responder

        Concordo perfeitamente e na totalidade com o Arlindo.

          • Pensador on 22 de Julho de 2014 at 14:25

          Concordo na totalidade uma prova antes de depois da formação e assim faz sentido. Haja coerência!

    • Maria Isabel on 22 de Julho de 2014 at 7:29
    • Responder

    Concordo plenamente com estas sábias palavras. Agradecida Arlindo.

      • Pensador on 22 de Julho de 2014 at 14:36
      • Responder

      Que giiiiro. Pense por si própria.

    • Paulo on 22 de Julho de 2014 at 9:12
    • Responder

    Bom dia.

    A prova é um ERRO CRATO para todos… logo, nunca deveria ter sido assinado acordo que dispensa alguns e não TODOS!


    1. A FNE, ao assinar o acordo, nem que o mesmo dispensasse todos menos um, admitiu a prova.
      Isso é o fundamental que resulta do acordo. A FNE legitimou a prova. Repito: A FNE legitimou a prova.
      A FNE CONCORDOU/ADMITIU que uma licenciatura/mestrado em ensino não confere habilitação para dar aulas.
      Não foi a FNE que dispensou milhares, foi a FNE que a partir desse dia retirou a habilitação profissional a milhares. No presente e no futuro. Salvo se os professores lutarem contra o MEC e contra a FNE.


      1. CONCORDO PLENAMENTE E DIGO MAIS, ESTRANHO O SILÊNCIO DA FNE E DAS UNIVERSIDADES E ESES QUE ESTÃO CALADINHAS QUE NEM UM RATO E É A ELAS QUE O MEC ESTÁ A POR EM CAUSA POIS SÃO ELAS QUE SÃO CERTIFICADAS PELO MEC PARA FORMAR OS PROFESSORES COM ESTÁGIOS INTEGRADOS E MESTRADOS QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL A ESTES COLEGAS.


      2. Subscrevo plenamente JCP e pf. Acrescento que é, de facto, um exercício engraçado tentar perceber onde andou a FNE no dia de hoje. Se dizem que continuam a discordar da PACC (MESMO TENDO CONCORDADO COM A MESMA PARA MILHARES DE PROFESSORES), onde estiveram hoje??? Quanto às Universidades e ESEs, deviam ser colocadas em tribunal por terem enganado os professores aos quais disseram que estavam a certificar/habilitar para a docência.

    • Nãogostodepoliticos on 22 de Julho de 2014 at 9:28
    • Responder

    Não foi um desgoverno PS que criou esta prova? E porque esse mesmo desgoverno não acabou com ela? Agora que estão na oposição já a criticam. É tudo igual.


    1. É verdade foi o governo do Socrates com a Maria de Lurdes mas não a puseram em prática.
      Ficou no ECD que foi assinado pela FNE o que comprometeu a retirada da prova definitivamente do ECD. O Crato aplicou-a agora só a alguns, mas para a próxima serão mais por exemplo: os loiros, depois os morenos, os gordos e a seguir os magros, os bonitos e os feios os solteiros e os casados …


  2. “O exame está marcado para as 10h30. O Ministério autoriza apenas a entrada nas escolas dos professores que vão fazer a prova e de outros funcionários necessários para a execução do exame.”
    São de facto funcionários os que se prestam a vigiar os colegas!

      • São todos iguaus on 22 de Julho de 2014 at 9:47
      • Responder

      Esta desconsideração começou com o anterior governo de esquerda.


      1. De governos, de esquerda e de direita, já estamos habituados a levar nas costelas. Da FNE, também.

        • THIS MORTAL COIL on 22 de Julho de 2014 at 12:13
        • Responder

        Nada se compara com a falta de dignidade de Nuno Crato…Hoje devia pedir a demissão. O pior Ministro da Educação que há memoria.

          • JCP on 22 de Julho de 2014 at 13:39

          Tens razão.
          E a FNE atingiu o pior fantasma sindical de que me recordo. Ao pé de Manuela Teixeira, o PSD João Silva é dos governantes mais perigosos.

          • Forçacrato on 22 de Julho de 2014 at 14:28

          O melhor ministro da educação que há memória.

      • KOMUNISTA on 22 de Julho de 2014 at 12:23
      • Responder

      Pelos vistos vai durar pela tarde dentro.

    • manuela on 22 de Julho de 2014 at 10:44
    • Responder

    Muito bem! Concordo.

    • coasvaf on 22 de Julho de 2014 at 11:08
    • Responder

    Sim Arlindo. Completamente de acordo.

    • KOMUNISTA on 22 de Julho de 2014 at 11:33
    • Responder

    Esta prova deve ser colocada no seu lugar? Mas continuamos a brincar?
    O processo de formação já tem provas, bem mais objetivas que esta brincadeira.

    Não há lugar para provas deste âmbito, escritas, estilo americano, que nem ao nivel de um psicotécnico está.

    A avaliação DEVE SER FEITA EM CONTEXTO DE SALA DE AULA.
    A avaliação DEVE SERVIR PARA MELHORAR O ENSINO.
    A avaliação DEVE ABRANGIDA A TODOS OS DOCENTES.

    • Cristina M. on 22 de Julho de 2014 at 12:36
    • Responder

    Pois Arlindo, não disse, mas perante as circunstancias em que a mesma está a ser aplicada até poderia/deveria ter dito. Assim, é mais confortável e fica-se sempre salvaguardado na opinião que não se assume e que (na verdade) também não tem que assumir! Quando diz: “Uma prova no final do 1º ciclo de ensino (licenciatura) ainda podia aferir a qualidade científica do aluno, podendo ser obrigatória a sua aprovação para o futuro professor seguir a sua profissionalização.” Até posso concordar com isto, contudo, nunca nesta altura do “campeonato”! Com esta prova o ministério só está a assumir que não tem competência para validar os cursos que ele próprio validou! Se acham que é tão importante assim e que muitos docentes não têm competências suficientes para a docência (porque o próprio ministério não é eficaz na avaliação dos cursos que ele próprio homologou) então sim, justifica-se a introdução de uma prova! Mas por favor, digam claramente a todos os candidatos ao ensino superior que quando acabarem os seus cursos ainda têm de realizar uma prova final para lhes conferir o grau de docente! Não é agora, depois do curso tirado e de se ter entrado no ensino! Deveria ainda ter-se em conta que os professores contratados são todos os anos avaliados. Porque é que ainda têm de ser sujeitos a isto? Que direito tem o ministério de fazer um aviso deste teor apenas com 5 dias de antecedência? Então porquê só a alguns? Porquê só aos contratados? Porquê só a quem tem menos de 5 anos? É isto que vai definir a qualidade dos docentes e do ensino???

      • Xindicalisto on 22 de Julho de 2014 at 14:34
      • Responder

      A Cristina tem razão. A haver prova deveria ser primeiro aos sindicalistas que não dão aulas há anos e que recebem o vencimento pago pelo ministério da educação. Como é que um enc. de educação sabe que um desses sindicalistas, quando sair do sindicato antes de se reformar (se isso acontecer) ainda sabe dar aulas? Deveriam ser sujeitos a uma prova.

    • afonso on 22 de Julho de 2014 at 15:03
    • Responder

    A FNE legitimou a PROVA, JCP, completamente de acordo! A troco de quê? Nós sabemos que os interesses onde esta organização sindical (e partidária – sendo certo de que a maioria dos seus sindicalistas são afectos ao(s) partido(s) do governo) se move, entroncam na sobrevivência da própria organização: enquanto federação sindical tem vindo a perder muitos associados mercê dos fretes que tem prodigalizado ao governo… a sua representação é quase nula. Precisa, isso sim, de garantir o status quo (destacamento) dos seus dirigentes sindicais, que há dezenas de ano se mantêm à frente das estruturas dos respetivos sindicatos e que não sabem o que é a realidade do ensino. João Dias da Silva, shame on you!!!

    • Paulo on 22 de Julho de 2014 at 17:02
    • Responder

    E quem 10 contratos ou mais com o MEC, e não tem 5 anos completos porque tem meios horários, ter de se expor a esta humilhação, é demais… já não basta a humilhação de o MEC apenas ter professores em part time…a pagarem para trabalhar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog