12 de Março de 2012 archive

Número de Contratados (Ana Drago vs Nuno Crato)

No Passado dia 6 de Março Nuno Crato esteve presente novamente na Comissão de Educação e Ciência e entre Ana Drago e Nuno Crato assistiu-se também a um debate sobre o número de contratados no ensino público.

Ana Drago por duas vezes refeiru que o número de professores contratados eram de 28000 (0:37 e 3:07) ao que Nuno Crato respondeu que apenas haviam neste momento 15817 (7:00) e pediu a Ana Drago que lhe indicasse onde recolheu esses dados.

 

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=S59edlL0ZGw]

Os dados que Ana Drago usou foram os publicados neste post

Transcrevo o que disse na altura.

Depois de ter identificado 9000 ofertas de escola desde Agosto para os diversos grupos de recrutamento,  desenvolvimento de projectos e técnicos especializados e juntar a este número os 395 contratos para as áreas específicas de dança e música dos conservatórios e  adicionar os 7915 contratos renovados para 2011/2012 mais os 4834 colocados na lista de 31 de Agosto e ainda acrescentar os 1465 colocados na BR1, os 3054 colocados na BR2 e os 1048 colocados na BR3 teremos em exercício de funções nas escolas portuguesas  públicas do continente, no dia 3 de Outubro de 2011, 27711 ”docentes” a contrato.

Não havendo dados oficiais do MEC estes números são os únicos conhecidos e  comprovados pela recolha que foi feita até hoje.

Se porventura Nuno Crato quiser confirmar os números é só seguir os links com todos os dados que estão comprovados.

Deixei de apresentar os números totais de contratados nessa altura por uma única razão: a partir do dia 30 de Setembro era possível que exitissem docentes colocados noutras escolas que tinham terminado contratos de um mês e assim voltarem a ficar colocados e desvirtuarem o número total de contratados.

Para quem precisar de recolher outros dados sobre o número de contratados basta procurar no blog ou ver estes posts: números de ofertas de escola totais até 29 de Fevereiro ou listas da Bolsa de Recrutamento até 28 de Dezembro. (a lista de colocados em todas as bolsas em formato excel é prenda minha, façam bom uso 😀 )

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2012/03/numero-de-contratados-ana-drago-vs-nuno-crato/

Respostas ao Diploma de Concursos – 1

Já me chegaram alguns e-mails a pedir informação sobre a sub-alínea ii) da alínea b) do nº1 do artigo 11 da documento final do diploma de concursos que diz o seguinte:

ii) Aos docentes de carreira, o tempo de serviço é contado desde a última avaliação mínima de Bom obtida no último ciclo em que foi avaliado nos termos do ECD.

O medo tem sido tão grande com este diploma de concursos que qualquer artigo duvidoso que não faça sentido acaba por assustar.

Passemos à interpretação para que não restem dúvidas.

1º A avaliação atualmente é feita por altura da progressão (4 em 4 anos ou 2 em dois no caso do 5º escalão, não vou considerar o período de congelamento)

2ª Os concursos podem ser anuais para mobilidade ou o concurso interno ser numa fase que não coincida com a avaliação de cada um dos docentes.

A referida alínea foi acrescentada no documento final para não suscitar dúvidas que o período que ainda não foi avaliado nos concursos anuais de mobilidade seja contabilizado para efeitos de concurso.
De qualquer forma e tendo em conta que a avaliação não conta para os concursos nos professores do quadro a alínea ii) podia ser dispensada ou então reformulada para o seguinte:

Aos docentes de carreira, o tempo de serviço também é contado desde a última avaliação mínima de Bom obtida no último ciclo em que foi avaliado nos termos do ECD.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2012/03/respostas-ao-diploma-de-concursos-1/

Debate em Torno dos Departamentos Curriculares

No tempo de MLR os Departamentos Curriculares eram obrigatóriamente 4 no Ensino Secundário e acresciam mais dois nos caso dos agrupamentos com 1º ciclo e educação pré-escolar e o número máximo de elementos no Conselho Pedagógico era de 15 a contar com o pessoal não docente, pais e alunos.
Com a proposta em negociação o MEC dá liberdade a cada escola para constituir os departamentos curriculares e o número máximo de elementos do Conselho Pedagógico sobe para 17 sem a presença do pessoal não docente, pais e alunos.

Esta é uma diferença abismal entre modelos de Gestão. Haverá sempre quem por muito boa que seja a proposta nunca venha a concordar com ela e muito menos antes do dia 22.

Com estas alterações é muito provável que as escolas aumentem o número de departamentos curriculares de forma a diminuir o número de docentes que participam em cada um deles e rentabilizar o trabalho de cada departamento.

Sendo eu de um departamento de expressões, vejo como bom que o ensino especial seja enquadrado num departamento próprio que possa englobar também os docentes dos apoios educativos.
É muito provável que as linguas estrangeiras também se separem do Português e da História.
Ainda há pouco tempo foi sugerido em caixa de comentários deste blog a constituição de um departamento de Português Língua Não Materna.

Deixo aqui espaço para dizerem de vossa justiça sobre a possibilidade de separação dos atuais departamentos curriculares e quais os que deveriam existir e com que disciplinas.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2012/03/debate-em-torno-dos-departamentos-curriculares/

Versão 3 e Meio do Diploma de Gestão

Surgiram novidades relativamente à terceira Proposta do Modelo de Autonomia, Gestão e Administração com a entrega de uma nova proposta reformulada.

Se já era bom que o Conselho Pedagógico na sua composição estivessem representados apenas docentes a adenda à 3ª proposta do Modelo de Gestão trouxe outra novidade e acrescenta na composição do Conselho Pedagógico mais dois elementos.

 

Esta é uma boa notícia que aumenta a importância do Conselho Pedagógico na vida da escola. Além desta boa notícia também é possível ver que agora só poderão ser indicados para Coordenadores de Departamento os Docentes que sejam detentores de formação especializada, notícia má para os Adalmiros deste pais que pretendiam ser donos das suas equipas e colocarem que bem entendessem nesse cargo.

Aos poucos se vai construíndo um modelo mais adequado às nossas escolas e se ultrapassa as asneiras do consulado de MLR e “sus muchachos”. Falta ainda que o Diretor seja um mero observador nas reuniões do Conselho Pedagógico, e não falo com desconsideração pelos diretores mas mais para a defesa do cargo que ocupam que hoje em dia pouco tem de funções pedagógicas.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2012/03/versao-3-e-meio-do-diploma-de-gestao/

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: