“Temos pessoas com formação que querem ser professores, mas é preciso mantê-las”

 É para ouvir com atenção para se poder prepara o futuro…

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/02/temos-pessoas-com-formacao-que-querem-ser-professores-mas-e-preciso-mante-las/

10 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Pardal on 25 de Fevereiro de 2020 at 12:11
    • Responder


    “Temos pessoas com formação que querem ser professores, mas é preciso mantê-las”

    Claro que temos MILHARES DE PESSOAS COM FORMAÇÃO PARA A DOCÊNCIA que estão a aguardar uma oportunidade para entrarem no sistema.

    Face a isto, não existe qualquer razão para vir para aqui dizer que à falta de professores. Bem pelo contrário, neste momento em Portugal, temos EXCESSO DE PROFESSORES.

    Mais do que isso, neste momento, temos um elevadíssimo excesso de “educadoras”, “professores primários”, “professores de educação física”…, ou seja, temos excesso de pessoas formadas em cursinhos que são de fácil concretização. Muito deste excesso de mão-de-obra (sem grande nível de especialização) e preparada apenas para o ensino está desempregada ou a trabalhar em actividades administrativas, balconistas, Call centeres, hipermercados…Para estes, a Carreira Docente (na Função Pública) é um Eldorado em termos salariais. Muita desta gente (aquela que não está no desemprego) aufere salários de 650, 700, 750…euros/mensais e aguardam ansiosamente que lhes abram as portas do Ensino.

    Em Cursos Universitários (realizados em Faculdades a sério) mais especializados como Economia, Engenharia, Gestão, Informática…em que o Sector Privado continua a recrutar recursos humanos não existem tantos professores disponíveis para ingressarem na carreira docente. Mesmo neste caso, a situação não inspira preocupação, dado existirem sempre recursos humanos disponíveis para a docência nomeadamente aqueles cujo setor privado dispensa.

      • KT on 25 de Fevereiro de 2020 at 19:35
      • Responder

      Ao ler o seu comentário, não pude deixar de reparar nesta verdadeira “pérola de cultura” que nos deixou e que passo a transcrever: ” Face a isto, não existe qualquer razão para vir para aqui dizer que à falta de professores.” .
      Só por curiosidade, Pardal: em que “cursão ” de “difícil concretização” se formou? Nesse “cursão” não houve uma alminha caridosa que lhe ensinasse a escrever/empregar corretamente o verbo haver?

        • Pardal on 25 de Fevereiro de 2020 at 21:03
        • Responder


        meu caro e bom amigo!

        saiba Vª. Exa. que existem coisas muito mais importantes na vidinha que colocar um “agá” antes de um “áaaaa”…mas sei que existe gente que se resume a corrigir os “agás” antes dos “ássss”…enfim…cada um nasce para o que nasce….Temos pena!…

        Já agora…faça lá um comentário á postagem e deixe-se de tretas….

          • Augusto Silva on 26 de Fevereiro de 2020 at 11:03

          O Pardal tem cara de rabeta!

          • KT on 26 de Fevereiro de 2020 at 18:57

          Prezado Pardal
          Em relação à postagem nada tenho a dizer pois, ao fim e ao cabo, limitam-se a constatar, documentar e chamar a atenção para o óbvio: envelhecimento da classe docente, cada vez menos alunos a fazer o mestrado em educação, desvalorização das carreiras, burocracias intermináveis que levam à exaustão e abandono por parte dos docentes, etc. A isto acrescento – apesar da sua tirada sobre o “EXCESSO DE PROFESSORES” (ahahahahahah) – a quantidade de escolas que estão sem professores, o estado de desespero a que chegou o ME que até já aceita professores de outras áreas disciplinares, com uma simples formação em Excel (ou coisa que o valha), para lecionar TIC, etc.
          Já o seu comentário merece-me reparo, não só pelo conteúdo, mas, também, pelo tom altaneiro que emprega. Não sei qual a sua situação profissional, mas quem o lê fica com aquela sensação de alguém que ou nunca foi professor ou, então, como já está no quadro (por mérito?) se dá ao luxo de fazer troça de quem está em situação de precariedade.
          Também não sei quais as suas habilitações e a sua área disciplinar, mas gostava de saber em que se baseia para falar “em cursinhos de fácil concretização”. O que significa isso ao certo para si?
          Só para finalizar, é capaz de “deixar-se de tretas” e fundamentar, COM DADOS ESTATÍSTICOS, as suas afirmações?

    • José on 25 de Fevereiro de 2020 at 13:15
    • Responder

    Pardal, calado eras um poeta.

      • Pardal on 25 de Fevereiro de 2020 at 14:47
      • Responder


      Colega José

      Será que o seu único comentário sobre o assunto é mandar-me calar?

      Será que não lhe ocorre dizer nada sobre este importante assunto?

      Será que o colega ainda acredita no papai-noel?

      Caro José, fique sabendo que temos um autentico exercito disponível para leccionar na Escola Pública. Entre desempregados, subempregados, contratados (das RR)…temos gente preparada para o ensino que nunca mais acaba e que só esperam que se abra a porta. Mas não!…A porta não vai abrir tão cedo, porque não podemos esbanjar recursos.
      Vão ter mesmo que aguardar, porque a porta vai-se manter fechada, pelo menos a breve prazo.

      Essa miragem da suposta “falta de professores” e/ou “escassez de professores” seria um Oásis para todos aqueles que esperam por umas Horitas (mesmo em horários incompletos) para leccionarem.

      Caro José, se efectivamente é professor pelo menos faça um exercício de escrita e registe o seu comentário sobre tão relevante assunto.

    • José on 25 de Fevereiro de 2020 at 18:02
    • Responder

    Colega José, não me dou ao trabalho de comentar com quem não tem ideia do que diz. Se olhar para a lista do grupo 430 vai ver que tem menos de uma página. Professores de informática escasseiam tanto ou mais do que as notas de 500€. Também não me dou ao trabalho de argumentar com alguém que desvaloriza os “educadores”, “professores de educação física” que considera terem “cursinhos de fácil concretização”. Quem não tem respeito pelos colegas e pela formação dos mesmos … Imagino o respeito que terá pelos alunos.

    • Caça pardais on 25 de Fevereiro de 2020 at 22:03
    • Responder

    Não me digam que estamos perante um ser iluminado que pertence ao lote restrito daqueles que tiram cursos ao domingo. Efetivamente esses são difíceis de tirar, é só para alguns.
    Estes passarinhos davam origem a um novo tratado de ornitologia.

    • Lucília Vilela on 31 de Março de 2020 at 8:43
    • Responder

    Caro Senhor!
    É certo que “há ” muita gente habilitada! Mas, para ser professor? De que disciplina? De português? Já agora, para que saiba (desculpe a minha correcção ortográfica), “há ” escreve-se com h porque tem o sentido ďe “existir”. Noutro contexto (no sentido de tempo ) também se escreve com h.
    Ex. Há muito tempo que se ensina esta regra aos alunos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog