As 709 Vagas da Norma Travão Por Grupo de Recrutamento e QZP

Alguém pediu esta análise que já foi feita no dia 15 de setembro de 2019.

 

As Vagas da Norma Travão 2020 por Grupo de Recrutamento e QZP

 

 

Das 709 vagas que identifiquei para a norma travão 2020 também já consigo identificar onde as mesmas podem ser abertas por grupo de recrutamento e por QZP.

Metade delas voltam a ser abertas no QZP7 (346) e quase não tenho dúvidas que algo virá a ser feito no futuro para que o sistema de entrada no quadro seja alterado, pois o desajuste que existe entre as entradas a lugar de quadro no sul do país comparativamente com o número de entradas no norte não poderá ser sempre assim.

A única solução para se permitir um equilíbrio seria obrigar no futuro o docente a concorrer no primeiro ano de vínculo apenas ao QZP onde obteve vaga, permitindo assim esse equilíbrio de colocações entre QZP, com a possibilidade de mais colocações a norte e com eventuais ingressos no quadro também a norte do país.

Atenção que neste quadro só constam as colocações em contratos de duração anual e completos até à RR2 entre os anos letivos 2017/2018 e 2019/2020. Já expliquei que quem obteve colocações em horários temporários e completos nos anos 2017/2018 e 2018/2019 e se transformaram em 365 dias podem vir a entrar nesta lista se este ano obtiveram um contrato anual e completo.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/02/as-709-vagas-da-norma-travao-por-grupo-de-recrutamento-e-qzp/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • nepper on 27 de Fevereiro de 2020 at 0:44
    • Responder

    “A única solução para se permitir um equilíbrio seria obrigar no futuro o docente a concorrer no primeiro ano de vínculo apenas ao QZP onde obteve vaga,”

    Em 2006, quando entrei em QZP era quase isso que acontecia., na verdade tinha de ficar no QZP até haver novo concurso, por isso mesmo fiquei 3 anos em Setúbal.

      • Eu on 27 de Fevereiro de 2020 at 15:36
      • Responder

      Mas nessa altura a “mina de ouro” dos DCE ainda não tinha sido descoberta, agora (quase) todos que vinculam no sul e são do norte metem e conseguem DCE. Se ninguém travar isso, essa decisão irá melhorar ou piorar esta situação?

    • maria on 27 de Fevereiro de 2020 at 10:25
    • Responder

    Como sempre acontece, mercê de circunstâncias acidentalmente mais favoráveis, a Educação Especial fica com o maior “quinhão” . São mais 70 lugares a juntar aos cerca de 6000 – seis mil – já exstentes ! O custo é brutal ; a relevância do papel desempenhado é mais que duvidoso ( não por culpa dos próprios, bem entendido. Missão destes profissionais, oriundos dos mais diversos grupos de recrutamentos , com a vocação que se adivinha :

    a) Se forem pontuais, permanecem 2 horas – semanalmente – nos jardins de infância e escolas do 1º ciclo, fazendo (se fizerem!! ) o que a educadora e o professor podem e devem fazer ( com a preparação específica que só estes têm) .
    b) No 2º ciclo e seguintes, “acompanham” (reparem no termo) uma criança NEE às aulas de Matemática e Português. Missão: fazer com que a criatura não “chateie” os outros, já que nada aprende.
    c) Produzem (reproduzem) umas intragáveis e inúteis papeladas, que qualquer um pode fazer .

    Repito: nada tenho contra estas pessoas. Mas o quadro é este ! Quanto aos milhões derretidos, ” é só fazer as contas” , como diria o outro.

    • Injustiça continua on 27 de Fevereiro de 2020 at 16:00
    • Responder

    Mais um concurso injusto a favorecer as ultrapassagens, provavelmente mais gente vinda do privado com graduações altas que entra para o QZP que pretende e depois passa à frente no próximo interno. Quem já está vinculado onde conseguiu há uns anos atrás continua lá a ver os outros a entrar para onde também pretendia mudar sem possibilidade de ser opositor a estas vagas! É a mesma trapalhada de sempre!

    • HAFS on 28 de Fevereiro de 2020 at 15:22
    • Responder

    Para um docente que reúne as condições para entrar este ano para o quadro pela norma travão, qual a solução para isso não acontecer? Deduzo que só existam duas opções!
    Primeira: a escola não submeter o nome do docente que reúne as condições.
    Segunda: o docente não realizar o concurso deste ano.
    No caso da segunda hipótese existe alguma penalização? Pode na mesma o docente concorrer às ofertas de escola?

    Agradecia feedback…obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog