Sai Uma Peritagem

Quase metade das novas vagas são para professores de 1º. Ciclo, Educação Especial e Matemática

 

 

 

É nos concelhos de Lisboa e Vale do Tejo, Porto e Alto Minho que mais professores vão passar aos quadros em setembro

 

 

Se é professor do 1.º ciclo, de Educação Especial ou de Matemática, saiba que terá mais hipóteses de conseguir um lugar nos quadros da função pública no concurso extraordinário que deverá arrancar no verão.

O governo anunciou que este ano haverá 3 mil vagas a ocupar no próximo ano letivo. Os peritos já fizeram as contas e quase metade das vagas são para professores destes três grupos disciplinares.

As regras da “vinculação extraordinária” determinam que podem concorrer professores com mais de 12 anos de serviço e cinco contratos anuais e sucessivos nos últimos seis anos.

Tendo em conta as listas de colocação de professores publicadas pela Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE) – trabalhadas pelo blogue especialista em estatísticas de educação “De ArLindo” –, das 3142 vagas disponíveis há 719 lugares que vão ser ocupados por professores do 1º. ciclo. Seguem-se outros 501 de Educação Especial e outros 224 de Matemática do ensino secundário. Só estas três disciplinas reúnem, assim, 1444 vagas (46% do total).

Em contrapartida, há quatro disciplinas (Música, Educação Tecnológica, Alemão e Latim e Grego) que não vão vincular qualquer professor.

Lisboa e Vale do Tejo e Porto e Alto Minho são as regiões onde vão abrir mais vagas.

Além destes 3142 professores que vão passar aos quadros, há outros 377 docentes que também vão passar a efetivos através da chamada “norma-travão”.

Trata-se da regra criada pelo ex-ministro Nuno Crato que impede que todos os docentes com mais de quatro anos e três renovações de contratos anuais, completos e sucessivos no mesmo grupo de recrutamento, mantenham vínculos precários.

Entre estes professores há 195 docentes de Educação Especial. Somam-se 53 professores do 1º ciclo e outros 29 de Espanhol. Lisboa e Vale do Tejo é a zona com mais caso.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/02/sai-uma-peritagem/

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Movimento on 11 de Fevereiro de 2017 at 1:13
    • Responder

    Esta frase, Arlindo: “Além destes 3142 professores que vão passar aos quadros, há outros 377
    docentes que também vão passar a efetivos através da chamada
    “norma-travão”” significa que a norma-travão não tira as vagas abertas para a VE? Pode esclarecer-nos? Fiquei confuso, desta vez. São cerca de 3500 vagas no total?

    • M. on 11 de Fevereiro de 2017 at 7:02
    • Responder

    Esta frase, Arlindo: “Além destes 3142 professores que vão passar aos quadros, há outros 377
    docentes que também vão passar a efetivos através da chamada
    “norma-travão””
    significa que a norma-travão não tira as vagas abertas para a VE? Pode
    esclarecer-nos? Fiquei confuso, desta vez. São cerca de 3500 vagas no
    total?

    • BIS on 11 de Fevereiro de 2017 at 8:47
    • Responder

    Ai! O concurso de VE “deverá arrancar no verão”? Então quando é que “arranca” o interno? Estou a ver isto muito atrasado, ou é só um “feeling”?

    • B on 11 de Fevereiro de 2017 at 9:21
    • Responder

    Estranho é que o número de vagas que vão abrir em QZP para novas efetivações 3500 não corresponde ao número de vagas que as escolas vão abrir para QE. Na minha escola uma das adjuntas, QZP, afirma que não vão abrir vagas de QE no nosso grupo (Ed Especial), apesar e haver horários para: – 4 professores destacados, 1 QZP (ela) e 2 contratos (fora as horas que foram dadas a professores contratados de outros grupos para completar horário por falta de prof de Ed Especial). Claro que se abrirem este número de vagas a pobre pode ter que concorrer com os novos QZP, o que era uma chatice. Não podem ser as escolas a determinar o número de vagas a abrir, deve ser o MEC a verificar quantos horários foram pedidos pela escola e a garantir que a mesma terá o mesmo número de quadros no próximo ano letivo. Não tarda muito os QZP serão mais que os QE e teremos escolas em que os QE serão em muito menor número que os QZP e contratos, algo nunca visto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: