Isto Sim, É Uma Vinculação

Ou não viesse Jaime Freitas de uma organização sindical com largas preocupações com a vinculação de professores contratados.

 

Boas notícias para 715 professores contratados

 

Secretaria da Educação abre centenas de vagas no próximo ano lectivo para integrar os quadros do sistema regional de ensino

 

 

Os professores contratados pelo sistema regional de ensino vão ter um concurso extraordinário de vinculação para os quadros da Secretaria Regional de Educação e dos Recursos Humanos, medida que vai abranger, já no próximo ano lectivo 2014/2015, 715 dos 1.316 acctuais docentes em regime de contrato a termo resolutivo.

A medida foi anunciada há pouco pelo secretário regional Jaime Freitas, em conferência de imprensa em que esteve acompanhado pelo director regional dos Recursos Humanos e Administração Educativa, Jorge Morgado.

O governante salientou ainda que para os restantes 601 actualmente com contrato e que não serão abrangidos por esta medida, serão recrutados conforme as necessidades, tendo por base que o sistema regional de ensino perdeu 1.500 alunos, o que implica, grosso modo, menos 75 turmas, ou seja menos cerca de 2 professores por turma. Em concreto, embora não de forma definitiva ou concreta, deverão ser menos 150 professores contratados.

Por outro lado, os docentes sob regime de contrato não poderão ficar mais do que cinco anos consecutivos ou 4 renovações nessa situação aflitiva, sendo logo no ano lectivo seguinte aberta vaga para integração dos mesmos nos quadros.

Uma situação que, para muitos casos, dura anos a fio e que é, segundo confessou Jaime Freitas, de uma “injustiça sem paralelo noutras profissões” e geradora de instabilidade a todos os níveis, com reflexos na qualidade do ensino na Madeira. Com esta medida, espera continuar a melhorar a qualidade e os resultados dos alunos.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2014/07/isto-sim-e-uma-vinculacao/

18 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • madalena on 23 de Julho de 2014 at 18:44
    • Responder

    Na Madeira, ao contrário do que pensa quem da Madeira nada percebe, fazem o que podem para proteger os seus contratados. Boas notícias!!

    1. Muitas das vezes ultrapassando colegas, mais graduados, que também lá estão. É uma questão de quem tem maior cunha…

        • madalena on 23 de Julho de 2014 at 18:58
        • Responder

        Estás a referir-te à alteração de cálculo de graduação, do ano passado?

          • Cor on 23 de Julho de 2014 at 19:02

          Não. Estou mesmo a referir-me a reconduções em locais onde não estiveram no ano anterior… e outras coisas mais… Para já nem falar que a lista de ordenação não é cumprida para contratação… e que aparecem sempre umas pessoas de um ano para o outro que foram colocadas, misteriosamente, sem no ano anterior aparecerem nas listas de colocados, ao longo do ano, lá. Depois ainda há as prioridades que são uma profunda de injustiça e estupidez…

    • N. V. B. on 23 de Julho de 2014 at 18:51
    • Responder

    Enquanto candidato ao concurso extraordinário externo dos Açores só tenho a referir que não existem igualdade legal de tratamento dos candidatos continentais graças às prioridades de ordenação. Assim candidatos com mais graduação ficam no fim da lista. Enfim, são um ‘quintal ‘ com outro senhorio.

      • THIS MORTAL COIL on 23 de Julho de 2014 at 19:20
      • Responder

      Tens toda a razão..essa é que é a verdadeira e injusta realidade.

      • Rolando on 23 de Julho de 2014 at 21:18
      • Responder

      Vocês fartam-se de dizer mal do pessoal das ilhas e depois querem concorrer em pé de igualdade dos que cá já trabalham….

      1. quer-se a mesma igualdade que os das ilhas quando concorrem para o continente… graduação e não cunha, no concurso do continente tenho gente à minha frente que vem das ilhas e quando concorro para as ilhas vejo graduações muito inferiores à minha à minha frente que justiça é essa ..

    • Ninguém nasce burro tornamos-.nos burros por opção on 23 de Julho de 2014 at 21:03
    • Responder

    Mas estes pelo menos devem ter ficado 5 anos no sistema público e na Madeira.Podem até nem ser da Madeira e sujeitar-se a estarem lá muitos anos longe de casa.Faz sentido que quem tenha estado mais anos na Madeira ou Açores esteja em primeira prioridade.Pelo menos não é como aqui no Continente que vão vincular tipos com 365 dias de trabalho no público.E muitos contratados que andaram por Portugal de lés a lés ficam sem lugar.Um exemplo para seguir.:1º prioridade candidatos que estiveram sempre no público e 2ª para os que vieram do privado.Se os contratados que sempre estiveram no Público ainda não foram para a Provedoria da Justiça é porque são uns grandes asnos.

    1. A parte gira é que no ano seguinte já podem pedir destacamento por aproximação à residência e passar à frente dos contratados do continente. É mais um externo injusto.

        • Rolando on 23 de Julho de 2014 at 21:20
        • Responder

        Vocês fartam-se de dizer mal do pessoal das ilhas e depois querem concorrer em pé de igualdade dos que cá já trabalham….

    • Filipe on 23 de Julho de 2014 at 21:52
    • Responder

    Queixam-se, mas só se lembram de concorrer para cá quando as coisas aí apertam… Optam por ficar ao pé de casa, mesmo com horarios de treta. Eu já estou há dez anos aqui. Claro q também queria estar aí, mas tive q optar pelo q era melhor para mim e não pelo q era mais confortavel.É ou não é? Agora aguentem.

  1. Adoro a frase: “Em concreto, embora não de forma definitiva ou concreta,…”. Jornalismo no seu melhor!
    Quanto ao número de vagas, gostava de saber onde é que isso está definido, ou é só o secretário a falar de boca cheia?

    • Sofia on 24 de Julho de 2014 at 8:38
    • Responder

    A verdade é só uma, na madeira há uma efectiva preocupação com a estabilidade do corpo docente, quem está na secretaria regional defende os “seus” professores. Aqui lamentam-se porque quem está no ministério não quer saber de nada para além dos seus interesses pessoais.
    Um professor na Madeira nunca se sente desvalorizado.

    1. Sem dúvida! Finalmente alguém se preocupa verdadeiramente com a estabilidade dos professores. Mas não podemos nos esquecer que mais uma vez se dispense um número considerável de colegas docentes… Alguém sabe se este ano este concurso será graduado pelo tempo de serviço?

      1. Acho q é igual ao do ano passado, apenas pelo tempo de serviço e não pela graduação.

          • THZ on 24 de Julho de 2014 at 22:23

          http://madeirense.wix.com/edumadeira

          Neste site explica tudo e dp deve ir atualizando conforme forem saindo os concursos.

    • Contratado Açores on 24 de Julho de 2014 at 13:26
    • Responder

    Há muitos contratados na Madeira e nos Açores que optaram por ficar nas ilhas, mesmo quando tinham hipóteses de ficar a contrato no continente. Há 10 anos atrás, as prioridades regionais incomodavam poucos colegas do continente. Agora, com renovações, autonomias, TEIPs, a situação piorou e, obviamente, já há mais gente preocupada. Pelo continente, a luta deverá ser orientada para acabar com renovações, autonomias, TEIPs, …, e dar preferência a quem tem trabalhado sucessivamente no público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: