Não Tenho na Escola Nenhum Papel para as Medidas Universais

Este artigo vem no seguimento do texto “ficcional” da Diana Souza que é uma realidade na esmagadora maioria das escolas. O preenchimento de papeis, muitas vezes inúteis, acontece numa escalada galopante de ano para ano e hoje em dia os conselhos de turma são praticamente passados a preencher documentos e papeis que dificilmente terão alguma aplicação prática.

Sabendo eu disso e estando as escolas obrigadas a transcrever para ata as medidas universais aplicadas aos alunos procedi à construção de uma aplicação informática, que para além de facilitar a introdução destas medidas em função das dificuldades os alunos constrói de forma automática o texto para a ata, sem falhas ou erros.

Para além disso permite que as medidas a qualquer momento sejam avaliadas ou as dificuldades superadas pelo professor de forma individual e validadas depois num próximo conselho de turma com o registo em ata.

Assim, posso dizer que não existe uma única folha de papel na minha escola para os conselhos de turma para dar resposta ao artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 54/2018 e torna-se muito mais eficaz avaliar em grande escala a as medidas aplicadas aos alunos.

E este foi o manual enviado a todos os professores para apoio ao preenchimento da aplicação.

A aplicação tem sido construída com o apoio do João Carlos Fonseca que também aqui no blogue me tem apoiado nestas aplicações.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2019/12/nao-tenho-na-escola-nenhum-papel-para-as-medidas-universais/

8 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Maria Armandino Vilas on 18 de Dezembro de 2019 at 18:37
    • Responder

    marmandino@gmail.com

    • Dina Soares on 18 de Dezembro de 2019 at 19:07
    • Responder

    Parabéns… que poupança de tempo e de papel!!!
    também quero…
    Dina

    • Carlos on 18 de Dezembro de 2019 at 19:21
    • Responder

    Não há hipotese de partilhar a aplicação?

    • Ana Costa on 18 de Dezembro de 2019 at 20:12
    • Responder

    Arlindo, com todo o respeito pelo seu trabalho, e embora reconheça a vantagem na poupança de papel, o relato da colega Diana Souza continua a ser um caricatura do que realmente se passa nas escola quer as cruzinhas sejam feitas em suporte de papel, quer em suporte digital. A grande questão – e é isso que deve ser reforçado e denunciado – é que andamos a fingir que apoiamos os alunos com NEE (a sigla mudou mas um aluno com necessidades educativos especiais será sempre um aluno com necessidades educativas especiais) fazendo documentos de cruzinhas e apresentando medidas que, na verdade, têm muito pouco impacto na vida dos alunos. Os alunos não mudaram porque a legislação alterou, mas eu vi alunos com PEI a transitar para as medidas universais e a perder o apoio do professor de ensino especial em sala de aula, a perder o direito à turma reduzida, a perder o direito a exames a nível de escola, a perder direitos, enfim. O que eu vi foi tentar poupar em recursos humanos na transição da legislação – o que dantes exigia um professor de educação especial, passou a ser responsabilidade dos professores da turma. A educação especial não melhora só porque inventamos documentos cujo objetivo é provar a aplicação da legislação, confusa e omissa, por mera adaptação à nova nomenclatura (em vigor até ao próximo governo). E, na verdade, tirando as questões ambientais, é-me indiferente pactuar com este faz-de-conta assinando papéis ou colocando cruzinhas numa plataforma toda XPTO.

    • Henrique on 18 de Dezembro de 2019 at 20:14
    • Responder

    Se pudesse partilhar a aplicação antes das reuniões é que era Obra!!

    • Luís on 18 de Dezembro de 2019 at 23:11
    • Responder

    Seria importante passar a responsabilidade de fazer o papel das medidas universais para o aluno uma vez que 50% do sucesso depende do aluno.
    Uma espécie de plano tutorial em que o diretor de turma passa a ser tutor pelo menos uma vez por período.

    Neste cenário real em algumas poucas escolas:
    Temos o papel para registo?sim
    Quem é o responsável? Primeiro o aluno, depois o ee e o dt é o facilitador.

    Temos que fazer diferente porque não podemos continuar com toda a responsabilidade da melhoria.

    Quanto à ata…. Então e o simplex educação?
    Agora não podemos ficar pelos memorandos?

    • David Ferreira on 19 de Dezembro de 2019 at 10:30
    • Responder

    Não percebi a ideia de partilhar o manual e não partilhar a aplicação!
    A ideia deste blogue não também é ajudar os professores simplificando as suas tarefas?
    Obrigado

    • Luis Jacinto on 19 de Dezembro de 2019 at 10:59
    • Responder

    Bom dia!
    Desculpem a minha ignorância mas, onde é que está escrito que as atas têm que conter as medidas implementadas por aluno?!
    Não bastará o registo em papel ou numa aplicação (o Inovar já o faz) das medidas implementadas e ficar registado em ata apenas que os alunos a, b e c possuem medidas e remeter para a aplicação o documento onde estes isso registado ? Onde está o simples das atas anunciado pelo DAGE a 12 de julho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: