Quantos Casos Destes Devem Acontecer?

De docentes que viram a resposta ao recurso hierárquico após o concurso 2015/2016, que não reuniam as condições para concorrerem na 1ª prioridade, mas com a resposta ao recurso passaram a ter direito a essa primeira prioridade?

O que aconselhei este colega foi a efectuar a reclamação quando forem publicadas as listas provisórias. E o MEC vai criar uma nova portaria de vagas para estes casos?

Será que existem mais casos idênticos?

 

A DGAE deu-me razão no recurso hierárquico que submeti por causa da não renovação da colocação, como faço para alterar o concurso que fiz e poder concorrer em primeira prioridade à norma-travão?

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/quantos-casos-destes-devem-acontecer/

12 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • sorim on 9 de Abril de 2015 at 21:13
    • Responder

    Olá Arlindo não acredito muito nisto. Pode existir um ou outro caso. A DGAE já sabia das respostas aos recursos e vais ver que batem certo

      • Albino on 9 de Abril de 2015 at 21:38
      • Responder

      Não é bem assim, conheço vários casos de docentes que reclamaram e outros de docentes que reuniam as condições mas as escolas não os indicaram, mas agora validaram a primeira prioridade. Estes casos vão ter que ser corrigidos.

        • sorim on 9 de Abril de 2015 at 22:26
        • Responder

        Vai ver que vai bater certo no fim. Quanto à comunicação da escola pouco ou nada interessa para a norma travão.

    • Maria Silva on 10 de Abril de 2015 at 0:10
    • Responder

    Há muitos casos. Mais do que imaginam


    1. O que não quer dizer que o MEC já não estivesse a contar com eles…

    • Luís Miranda on 10 de Abril de 2015 at 10:04
    • Responder

    Esta norma tem que acabar. É injusta, ilegal e imoral.
    Já agora deixo mais uma vez o desafio ao Arlindo : quantos professores tem 1825 dias ( 5 anos ) de tempo de serviço no ensino público ?

    • Luís Miranda on 10 de Abril de 2015 at 10:41
    • Responder

    Com o andar do tempo só vejo 2 soluções para os nossos casos ( Professores com mais de 5 anos de serviço, impedidos de concorrer por não serem contratos consecutivos e no mesmo grupo ) : solução politica ou decisão judicial. Quanto à primeira, como foi este governo que criou a norma travão, só com um governo de outro partido, podemos ter alguma esperança. Já no tempo do António Guterres esteve prevista um solução. Espero que o PS e António Costa apresentem uma proposta de resolução dos nossos casos. E que os professores votem por uma mudança, pois com o PSD não vamos lá.
    Quanto à decisão judicial, espero que nos seja favorável. Mas como os tribunais são lentos, quantos anos vamos esperar ?
    É pena que os Sindicatos não lutarem pelos nossos direitos. Somos contratados e abandonados. Segundo dados aqui do Arlindo só no 1º período foram contratados 15800 professores. Por isso nós fazemos falta.


  1. Aconteceu-me a mim. Recebi o deferimento do meu recurso hierárquico hoje!

    • QZP110 on 10 de Abril de 2015 at 23:16
    • Responder

    nem deveriam colocar mais ninguém no quadro! Durante mais uns anos deveriam ser contratados apenas os indispensáveis e darem lugar à mudança de grupo e mobilidade dos que cá estão em qzp e qa

      • fdoc on 11 de Abril de 2015 at 10:09
      • Responder

      Eu acho que deveriam ter aplicado o que sugere no ano em que entrou para o quadro, assim “os que lá estavam” sempre teriam maior mobilidade. Não concorda?

      • Luís Miranda on 13 de Abril de 2015 at 8:46
      • Responder

      Os indispensáveis só no 1º período foram 15800 contratados. A escola pública perdeu 40.000 professores nos últimos anos. O ensino nocturno/ adultos .desapareceu. Nas grandes cidades os pais das crianças pagam 400 ou 500 euros por ter os filhos nos infantários privados. A postura da colega é o exemplo da classe : eu estou no quadro ou outros que se lixem.

    • Coitratado on 10 de Abril de 2015 at 23:44
    • Responder

    E o que acontece aqueles que afinal viram os seus recursos deferidos no que respeita â renovação mas em quadros de zona diferentes? Será que o docente tem ou não direito a abrir um lugar de quadro de zona na escola onde devia ter renovado o contrato e não no atual onde foi colocado em contatação inicial?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog