Manual de Instruções – Reclamação da Candidatura

MANUAL DE INSTRUÇÕES

Reclamação da Candidatura Eletrónica

 

[gview file=”http://www.arlindovsky.net/wp-content/uploads/2015/04/Manual_Reclamacao_CI_Ext_2015.pdf”]

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2015/04/manual-de-instrucoes-reclamacao-da-candidatura/

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Fafe on 21 de Abril de 2015 at 22:12
    • Responder

    Hum!

    Quer dizer que aquilo tem um livro de reclamações que é lido?

    • gaivota on 21 de Abril de 2015 at 22:47
    • Responder

    pois!

    • João Branco Alves on 21 de Abril de 2015 at 23:42
    • Responder

    Li o manual, mas não consigo entender como devo reclamar de 2 colegas que me ultrapassaram por graduação profissional indevida.(Obtiveram uma 2ª habilitação profissional para o meu grupo após alguns anos a lecionar outro e concorreram como se tivessem essa habilitação profissional desde o início da carreira.)

  1. “Alguns” fingem que só agora é que deram conta das ultrapassagens que a norma travão ia gerar. O grande problema não é apenas a diferença entre o último da 1a prioridade e o primeiro da segunda. O problema é a ultrapassagem de todos os que estão no meio dos dois. O grande problema está nessas centenas de ultrapassados em cada um dos grupos o que dá milhares de ultrapassados, muitos com mais de 10 anos de serviço e a trabalhar nesses anos com grandes sacrificios pessoais. E porquê os sindicatos e os que se dizem representar os professores nada fizeram até agora? Estavam a ver se ninguém dava conta?
    Infelizmente vejo a norma travão como um cavalo de tróia, para pôr nas Escolas e mais importante para pôr nos quadros do MEC “boys e girls” do PS e do PSD. É só verificar de que escolas/ concelhos vem os colegas da 1ª prioridade, sobretudo os últimos candidatos da 1a prioridade. É um exercicio interessante. O comunicado da ANVC é completamente inócuo e serve, juntamente com os comunicados dos sindicados, apenas para cumprir calendário numa pseudo-democracia. Temos liberdade de protestar e de falar, e até de reclamar, mas é só isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: