Enormes Erros da BCE

Há professores que tiveram de fazer opções por uma escola entre várias colocações em simultâneo. há algum tempo sugeri que antes de aceitarem a colocação questionassem a escola sobre os subcritérios que preencheram. Muitos é isso que têm feito, mas outros não se dão a esse trabalho e fazem a opção que acham mais acertada porque consideram ter respondido corretamente a todos os subcritérios.

Acontece que algumas escolas têm entendimentos diferentes sobre as respostas aos subcritérios e tal como também disse, se questionarem três escolas sobre o mesmo subcritério podem facilmente obter respostas diferentes de escola para escola.

E por essa razão existem escolas a anular as colocações por não comprovação de dados quando tais respostas são comprovadas, mas por entendimento dessa escola esse comprovativo não é válido. Se fosse numa outra escola já seria.

E por causa disto estes docentes que agora estão a ver a colocação anulada perderam a oportunidade de aceitar uma outra colocação simultânea, saíram da Reserva de Recrutamento e já muito dificilmente poderão obter novo horário com as mesmas condições daquele em que aceitaram e viram a colocação anulada.

A BCE foi politicamente mal idealizada e tecnicamente mal elaborada.

Não há volta a dar aos erros sucessivos que estão a acontecer e qualquer ideia em tentar melhorar este sistema é cair no mesmo erro.

Por cada erro que se pretenda corrigir outros erros irão acontecer. A BCE simplesmente não funciona nem nunca funcionará.

 

E o mínimo que se exigia para remediar este problema era integrar na Reserva de Recrutamento todos os docentes que vissem a sua colocação anulada por não comprovação de dados.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2014/10/enormes-erros-da-bce/

24 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Luísa Novo on 22 de Outubro de 2014 at 14:20
    • Responder

    A BCE, apesar de ter passado para as mãos dos directores, continua igual – devagar, devarinho, parada!!!! Haja paciência.

      • Amaro100 on 22 de Outubro de 2014 at 15:41
      • Responder

      Essa é que uma grande verdade…

    • cat on 22 de Outubro de 2014 at 14:39
    • Responder

    Na BCE 1, os colegas que não comprovaram os dados voltaram à RR. Esta norma deixou de ser seguida a meio do concurso!

    • professora on 22 de Outubro de 2014 at 14:42
    • Responder

    concordo!

    • amy on 22 de Outubro de 2014 at 14:44
    • Responder

    “viram” em vez de virão, sff.

    • pedro on 22 de Outubro de 2014 at 15:13
    • Responder

    Erros e trapalhadas a todo o momento… a BCE é absurda e mal pensada… nunca foi sequer simulada!

    • Hernani Costa on 22 de Outubro de 2014 at 16:12
    • Responder

    Lá por Coruche anulam tudo até chegar quem querem…

      • MTF on 22 de Outubro de 2014 at 17:57
      • Responder

      Tem razão, conheço essa escola, foi das que se esqueceu de enviar os horários, só lá querem os amiguinhos e amiguinhas, quando viram o chão a fugir-lhes fingiram que se esqueceram de enviar os horários. Moro em Santarém, é lá perto e já lhes conheço as manhas!!!

        • Sapinho Verde on 22 de Outubro de 2014 at 19:34
        • Responder

        Para esses diretores Corruptos é que a autonomia nunca deveria de existir!

      • maria on 24 de Outubro de 2014 at 23:12
      • Responder

      Vergonha. A única solução é Lista Graduação e termina a brincadeira

    • caditonuno on 22 de Outubro de 2014 at 16:20
    • Responder

    Fui selecionado para uma escola, aceitei e fiz 600kms de carro, muitas e muitasa horas de viagem por nacional e autoestrada, IC e regional. Chegado à escola, não queriam aceitar um dos cargos porque não era cargo, o que vale é que foi passado pelo presidente e eu tinha cargos suficientes para colmatar a “falha”. Outro dos critérios pelos vistos e segundo palavras da direção foi mal escolhido, pois deveria ser para outra etapa escolar, pelo que contaram o que eu trazia referente a esse critério e que, por sinal, correspondia ao pedido. Um foi culpa indiretamente minha, outro do agrupamento. Eram quase 10 critérios e cada um foi visto quase minuciosamente.

    • Margarida on 22 de Outubro de 2014 at 16:50
    • Responder

    Uma vez que isto está tudo mal e está… Que tal os diretores de agrupamento esquecerem a comprovação dos subcritérios e aceitar o professor que foi por eles selecionado? Quem está a pagar com tudo isto são as crianças… e nós que continuamos em casa… Esta BCE já nasceu torta e nada a vai endireitar… Dêem-nos trabalho para fazermos aquilo que melhor sabemos fazer…

      • cor on 22 de Outubro de 2014 at 20:26
      • Responder

      Discordo. E quem mentiu deliberadamente assim sairia beneficiado.

        • AC on 23 de Outubro de 2014 at 14:49
        • Responder

        Realmente, já agora os mentirosos ficavam felizes. A comprovação dos critérios deve ser rigorosa, contudo as escolas devem aceitar que determinados critérios eram susceptíveis de várias interpretações e não devem excluir os candidatos por diferentes interpretações, deve haver alguma margem de manobra e excluir apenas aquelas mentiras claras e que eram fáceis de comprovar.

    • sandra on 22 de Outubro de 2014 at 17:09
    • Responder

    Arlindo, o que podemos nós fazer?
    A intenção (porque acredito que tudo isto foi intencional) é esta mesmo! Demonstrar que o concurso não funciona e que é melhor os diretores escolherem (sim! ESCOLHER!) quem quiserem. O ue é que podemos fazer pela lista graduada nacional única???
    Estou muito preocupada com tudo isto…

    • AV on 22 de Outubro de 2014 at 17:24
    • Responder

    Arlindo sou professora profissionalizada com 8 anos de serviço e vou começar a dar AEC. Na escola disseram que vão-me pagar de acordo com o índice 126. Está correto?

    • pumba on 22 de Outubro de 2014 at 18:16
    • Responder

    “E o mínimo que se exigia para remediar este problema era
    integrar na Reserva de Recrutamento todos os docentes que vissem a sua
    colocação anulada por não comprovação de dados.”

    Arlindo:
    considerando esta afirmação, pergunto – então qual será o mínimo exigível para quem, como eu, foi induzido em erro com a definição de horário anual e que agora ao iniciar o seu 13º ano de serviço leva com um contrato todo catita de 30 dias?

      • xxx on 22 de Outubro de 2014 at 21:36
      • Responder

      Mas afinal em que é que ficamos? Fartam-se de dizer mal da lista graduada porque é só o tempo de serviço e a nota academica e agora querem voltar???????????
      Mas então os critérios que valorizam mestrados, formações, cargos e projetos já são maus????
      Pois não há maneira de entenderem que os subcriterios e a sua validação são a fotografia de alguém????? Gostavam era que fosse a vossa fotografia! Isso sim!!! Para passarem à frente dos que estão mesmo à frente por terem mais graduação profissional.
      Aprendam.. quem nasce mouro não arranja padrinhos… A não ser que sejam uma moçoila talentosa com muitos talentos ou… subcritérios….

        • pumba on 23 de Outubro de 2014 at 8:38
        • Responder

        Triple x:
        Sem querer estar a alongar-me muito, penso que não terá lido com a devida atenção o que escrevi! Ou então fui eu que não referi, por lapso, que fiqueio no dito horário em rr2, ou seja lista nacional – a qual eu defendo diga-se (nunca leu nenhum comentário meu a defender outra forma forma de colocação). Portanto, não fui bafejado por critérios à minha medida nem pouco mais ou menos – a única coisa que às vezes me fazem por medida são os casacos. Até lhe dou o exemplo mais caricato que me aconteceu – nesta última Bolsa de Critérios Estúpidos ou de Cunha de Escola, como preferir, surgiram duas novas escolas no meu distrito, para as quais concorri. Numa delas sirvo de referência à graduação, isto é, sou o candidato mais graduado com 20, mas… com os ditos critérios passo para 10º e fico a apanhar bonés!!!!!! Compreende!!! Por isso, o que me interessa é a lista nacional para onde vou voltar!!! O que tentei demonstrar é a minha revolta por ter sido enganado pelas palavras da tutela, pois se tivesse colocado apenas anuais já teria ficado em completo anual na segunda cidade mais próximo da minha! Penso que agora não terá ficado com dúvidas em relação à minha posição. abraço

          • AC on 23 de Outubro de 2014 at 14:54

          Não estou a ver onde é que a tutela fez declarações que levassem os prof ao engano. Eu só coloquei anuais. Se a colega se enganou e colocou temporários ( e estava lá claro a referência a temporários) a culpa é da colega.

          • pumba on 23 de Outubro de 2014 at 16:56

          Pelo que descreve ainda bem que vive na ignorância, pois assim concorreu de uma forma que se revela vantajosa. Não tenho disposição para ir à procura de links, mas se quiser fazê-lo verá que na minha situação há inúmeros professores pela razão que apresento. Aqui mesmo no blogue lembro-me do Arlindo fazer referência às ditas declarações e alertar os colegas para o facto. Noutro blogue, por exemplo – profsaoinfinito, surgiu um post intitulado “O que é afinal horário anual” ou coisa do género exatamente pelo mesmo que apresento, no profs lusos idem. Portanto, facilmente compreenderá aquilo que digo e assim escusa de dizer que me enganei, pois fi-lo conscientemente de acordo com as regras descritas. Agora, não tive foi a a sua presciência para antever que as mesmas iriam mudar à posteriori.
          PS: Agradeço a sua simpatia e a amabilidade com que escreve!

          • AC on 24 de Outubro de 2014 at 21:30

          Você é que não entende o que lê e eu que concorri bem, que entendi claramente a legislação é que vivo na ignorância. Ignorante és tu.

    • cor on 22 de Outubro de 2014 at 20:29
    • Responder

    Discordo. Não comprova os dados não deve voltar a RR nenhuma. Não tivesse respondido favoravelmente a algo que não consegue comprovar.

    • maria on 24 de Outubro de 2014 at 23:11
    • Responder

    é o caos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: