adplus-dvertising

19 de Outubro de 2014 archive

Já Não Bastava o Esperança

Ter-se esquecido em Agosto da BCE para agora andar a pedir os Currículos aos docentes dando-lhes um prazo de 24 horas para esse envio.

E quem não tiver enviado o currículo passa para o candidato seguinte?

Isto já me Faz lembrar o MEC que tudo exige aos outros mas depois ele próprio não cumpre com as suas exigências.

 

Horarios_BCE_EsP_Escola_14_15_1 Horarios_BCE_EsP_Escola_14_15_2 Horarios_BCE_EsP_Escola_14_15_3

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2014/10/ja-nao-bastava-o-esperanca/

Alguma Coisa Virá Porque…

O SIGRHE encontra-se em manutenção.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2014/10/alguma-coisa-vira-porque/

Conselho Para Amanhã

Tenham o telemóvel carregado.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2014/10/conselho-para-amanha/

Carta de Uma Mãe ao Presidente da República

Exmo. Sr. Presidente da República,
Venho, por este meio, comunicar-lhe a minha indignação relativamente ao que está a acontecer à Educação, particularmente, o que se está a passar com a classe docente.
Eu não sou professora. Sou xxx, doutorada e com uma vasta lista de publicações internacionais de relevo na minha área. Não sou mãe e, apesar de ter xxx anos, infelizmente não me imagino a sê-lo em breve se continuar a viver em Portugal.
Sou filha de uma professora de xxx anos. Tenho vivido com amargura os últimos anos, tal como toda a minha família. Somos uma família trabalhadora, culta e dedicada às nossas carreiras profissionais. A minha mãe teve o “azar” de ser professora contratada ou, como o atual ministro da educação Nuno Crato refere “candidata à contratação”. Ou seja, uma pessoa que estudou e trabalhou arduamente toda a vida, “saltou” de escola em escola, lecionou diversas disciplinas em diversos pontos do país, tem xxx anos, 20 anos de serviço é, agora, apenas “candidata”.
A minha mãe tem mestrado, especialização, diversas formações realizadas ao longo dos anos a muito custo e permanece uma mera “candidata”.
Os professores contratados com mais tempo de serviço como a minha mãe, em vez de verem a terceira idade a aproximar-se com algum conforto e rejúbilo, estão a ser castigados e não percebem porquê, se o que sempre fizeram foi trabalhar, cada vez mais, com uma esperança que agora já nao existe. Foi substituída pelo desespero e desânimo e uma visão de horror do seu futuro.
O Sr. Presidente, como Chefe de Estado, deve estar atento à violação dos direitos humanos que está a ser feita aos cidadãos que são professores e às suas famílias.
Para além de não estar a ser cumprida a legislação relativamente aos professores contratados (mais de 3 anos de contratos sucessivos, sem vinculação), os seus direitos como seres humanos estão a ser violados: estes professores não vivem com a mínima dignidade e as suas famílias também não.
Sr. Presidente, repare que  nos países em desenvolvimento está-se a lutar pela Educação, repare na motivação de Malala Yousafzai. E repare que no nosso país estão a destruir a Educação. Como serão os portugueses de amanhã se desinvestir-mos na Educação?
A Educação pública é um bem precioso que Portugal tem. Não a destrua com a descentralização.
Peço-lhe que atente no que se está a passar realmente na Educação. Dê uma oportunidade aos professores de existirem com dignidade e aos alunos de poderem crescer com dignidade, como eu cresci, na década de 90, que agora me parece um Mundo maravilhoso que não é o país em que vivo.
Subscrevo-me com a mais elevada consideração,
xxxx

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2014/10/carta-de-uma-mae-ao-presidente-da-republica/

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: