adplus-dvertising

GREVE POR TEMPO INDETERMINADO: MUITOS LIKES OU MUITOS GREVISTAS?

 

O estertor da morte cívica docente ou uma grande vitória?

A greve sem limites está aí. É fazer.

A bola está do lado dos professores. Ou marcam golo, ou ficam permanentemente no banco dos encostados e afastados do centro da vida política portuguesa.

Para aqueles que defendiam acaloradamente, em posts e comentários, a greve por tempo indeterminado ela está aí……

Li tantos discursos inflamados contra os sindicatos, que são laxistas e “vendidos” , tantas bravatas de que “até os comemos”, tantos lamentos de que não se fazem greves à sexta feira, tantas ilusões de que o bafo da greve vai levar o telhado ao governo, …. Etc, etc.

Acabaram-se as desculpas. Vai haver um pré-aviso para fazer greve sem limites.

Basta organizar plenários nas escolas e tentar 3 dias (é o que acho que chega para vergar o governo). E simplesmente fazer e esperar que os outros façam também.

Eu vou tentar juntar os delegados sindicais da minha escola e falar sobre isso.
Não avanço com muita fé.

Já não se podem queixar dos sindicatos que não convocam. Um convocou.

A meu ver, com uma ousadia basista que tem a virtude de ter uma fé nos professores, que eu sinto generosa, mas talvez iludida.

Mas antes errar por fé que por desconfiança.

A ironia é que eu fui contra (nos 6000 que votaram, votei por outras coisas mais fáceis, porque acho que a classe não vai aderir).

Votei por outras coisas, porque a classe está morta e só falta passar o atestado de óbito, mas, no dia 9, começo os 3 dias seguidos, que sempre disse que faria, e que acho que são os que, seguidos e firmes, precisamos para vergar o governo.

3 dias para recuperar parte do que perdemos. E, acima de tudo, sermos respeitados como força social que os políticos temam.

Fico à espera para ver.

Num tema como a violência, que é consensual, uma forma de luta que não custa dinheiro, assinar uma petição, após 3 semanas, só 366 assinaram (em 3000 que “gostaram”).

Greve por tempo indeterminado: muitos “likes” ou muitos grevistas?

Luís Sottomaior Braga

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/11/greve-por-tempo-indeterminado-muitos-likes-ou-muitos-grevistas/

38 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Isabel on 24 de Novembro de 2022 at 13:49
    • Responder

    Completamente de acordo. Mas falta juntar aqueles que até fariam a greve se não perdessem as casas onde vivem, como consequência.

      • Atento on 24 de Novembro de 2022 at 13:55
      • Responder

      Como é que não perderam a casa com os cortes do Coelho????
      Desculpas de ratos.

        • professor karamba on 24 de Novembro de 2022 at 16:00
        • Responder

        .
        Continuo a dizer que esta MINORIA de professores é LOUCA.

        Sabem que vão prejudicar os alunos e suas familias e querem Greve por tempo indeterminado.

        Sabem que prejudicam o normal desenvolvimento das atividades de Educação Publica que é um dos Pilares do Estado Social e avançam para estas Aventuras.

        O que vale é que este Sindicato STOP é minoritário e estou certo que a FNE e a FENPROF não alinham em Aventuras.

        Por ultimo quero aqui registar que os Professores estão Muito Bem Pagos e, por isso, não se entende o que pretendem.
        É a propria OCDE a referir que os Professores Portugueses são dos mais bem pagos a nível europeu.

        Por outro lado, a maioria dos docentes anseiam por estabilidade e por colocações no quadro a nível das CIM/Municipios e futuramente teremos concursos a nível das CIM/Municipios. Será inicialmente uma estabilidade por 5 anos que, posteriormente, será prolongada.

        Na generalidade dos Países Europeus as colocações são a nível regional e não a nível central.

        As autarquias através do processo de descentralização são uma mais valia para a Educação Publica e para os professores.

        A maioria dos professores estão com o Ministro Professor Doutor João Costa e com a Municipalização da Educação.

        .

          • salsera on 24 de Novembro de 2022 at 17:28

          “Porque no te callas?”

          • PJ on 24 de Novembro de 2022 at 22:12

          Burgesso

          • Maria Matos on 24 de Novembro de 2022 at 22:38

          Este discurso é de quem desconhece a realidade. É triste…

          • Lenine on 25 de Novembro de 2022 at 9:21

          Propaganda de extrema esquerda!

      • Paulo Anjo Santos on 24 de Novembro de 2022 at 14:30
      • Responder

      Exceto raras exceções, parece-me uma falsa questão, a grande maioria pode realmente fazer greve, não faltam situações de vida em que se perde bem mais que 3 ou 4 dias de vencimento, portanto isso não será desculpa, sobretudo para fazer 3 a 5 dias, os primeiros… se a greve for para a frente, eu farei certamente, no meu caso, felizmente, se forem precisos 3 ou 4 meses de greve, não me custará fazer!

      • Maria on 24 de Novembro de 2022 at 15:06
      • Responder

      E como pagaram as casas quando deixámos de receber o subsídio de Natal e o subsídio de Férias?
      É mais um subsídio e penso que pode chegar uma semana.
      Fé, muita fé. Força.

    • Alexandra Salgado on 24 de Novembro de 2022 at 13:51
    • Responder

    Muitos likes obviamente. É só treta. Somos o nosso pior inimigo. Treta nos corredores, não falta. Na hora H, coitadinhos dos alunos, como se os médicos e enfermeiros que gerem vidas, fizessem o mesmo. Mas nós, que não “matamos” ninguém, somos muito altruístas. É o descrédito total na nossa classe. Já há anos que cheguei à conclusão que estamos muito bem de vida, de carreira, colocados e os salários são top. Sinto que só eu me lixo a dar o dinheiro ao estado. Farta desta classe que realmente nada faz para merecer resposta e respeito, acima de tudo!

      • professor karamba on 24 de Novembro de 2022 at 16:06
      • Responder

      .
      Muito bem Dra. Alexandra Salgado

      A maioria dos professores não alinha em Aventuras.

      A maioria dos professores não alinha em Greves (veja-se a ultima que foi feita pelos Assistentes Operacionais na sua maioria)

      A maioria dos professores sente-se reconhecida e, em termos comparativos, bem paga e reconhecida pela população.

      Há de facto no ensino, como nas outras profissões, pessoas aventureiras e que só pensam em greves. Esta gente tem toda a liberdade para fazer essa opção, mas devem ter consciência do “fiasco” em que se vão meter.

      .

        • salsera on 24 de Novembro de 2022 at 17:30
        • Responder

        Real boot!!

        • Ana Maria on 25 de Novembro de 2022 at 0:09
        • Responder

        Esta praga parece um missionário. Não há cromo maior por aqui. Só que me enjoa as baboseiras que diz de forma repetida como se fosse uma cassete.
        Mas o que ele se incomoda com os professores. Admirável solipede!

        • Profrevoltada on 25 de Novembro de 2022 at 16:03
        • Responder

        Ó prof Karamba, por que é que não se cala? É professor? Não o é com toda a certeza. É só mais um que fala daquilo que não sabe. É só maim um ignorito que vem para aqui achincalhar toda a classe docente. Deve ter algum trauma. Mas olhe isso tem cura.

    • Paulo on 24 de Novembro de 2022 at 13:57
    • Responder

    Boa tarde.

    quando se fala em atestado de óbito, é de facto algo que dá para pensar. Basta por si só, entrar dentro de uma sala de professores e ver a média de idades dos colegas. Mas são estes mesmos colegas, que não vão seguramente fazer greve, porque têm um vencimento impecável e lecionaram, na sua generalidade sempre muito perto do seu local de residência.

    Se por outro lado, nos deslocamos a escolas de primeiro ciclo, veremos que na sua maioria, também não irá fazer greve, pois uma grande percentagem desses professores têm “cursos” do antigo magistério, que as habilitaram para dar aulas. Por outro lado, no primeiro ciclo, também existe um fenómeno de cursos de 4/ 5 aos, de muitos colegas que estão habilitados a dar aulas no primeiro ciclo, com as mais variadas “variantes” de matemática, educação física…. com médias de entrada nesses mesmos cursos, que gostaria que consultassem .

    Pessoalmente, choca-me ter estudado 5 anos numa faculdade pública, para colegas, em 4 / 5 anos, conseguirem dar aulas a dois níveis de ensino.

    Sim, vou aderir à greve, porque desde cedo percebi que queria ser professor. Não, não fui para professor porque não entrei em mais nenhum curso, ou muito menos com habilitações próprias para docência

    Sou contratado, assim continuarei. Mas como tenho orgulho na minha profissão, irei fazer greve, por um, dois, três dias. Porque não fui para as escolas, como última opção, mas sim como primeira.

    Muito poderia ser mudado, que mudem primeiro as médias de acesso a professores. valorize-se quem estudou, quem como eu fiz especialização, um mestrado e não aumentem os cursos de ensino. pelo contrário, aumentem as médias de acesso, dar condições a jovens professores ( como eu gostaria que existisse no meu tempo), mas tenham brio e consciência que esta greve, é fundamentalmente dos contratados e pouco mais.

    saudações a todos

      • professor karamba on 24 de Novembro de 2022 at 16:09
      • Responder

      .
      Com que então!…..Paulinho vais fazer greve??????

      Explica lá as razões que te levam a fazer greve:

      Fazes greve devido ao elevado salário que recebes mensalmente?……é isso????….Vê o ultimo relatório da OCDE e depois conversamos.

      .

        • Paulo on 24 de Novembro de 2022 at 17:14
        • Responder

        Sabe caro colega . O meu nome é Paulo . Prezo imenso quem me respeita, ainda mais quem não o faz .
        Sim farei greve, porque me considero que é urgente reivindicar os direitos , dos professores . Todos eles, mesmo no seu caso.
        Não obstante, como professor de TIC, fico feliz por saber pelo seu IP, que não estamos na mesma escola . Felizmente .
        Não precisamos de profesores como o senhor . Faça um favor a si mesmo , se está descontente com o ensino, ou até mesmo muito agradado, não venha visitar este Blog, que tem tanta utilidade.

        • Paulo Rosa on 25 de Novembro de 2022 at 0:16
        • Responder

        Eu também vou fazer greve, porquê pobre Karamba? OCDE? Viste isso hoje na net foi? Sabes lá tu o que é a OCDE e outras baboseiras que vomitas por aqui a cada minuto. Vives de quê? À pala das contribuições dos professores. Trabalhas muito com a língua, só destilas ódio e és pouco inteligente porque não te encherias. Já viste que todos os professores se estão a c…. para ti? Tu não vês Karamba! Vai combater a solidão para outro lado ou compra um cão.

      • Lino on 24 de Novembro de 2022 at 20:01
      • Responder

      Paulo e com todo o respeito e reflexão que o seu post me levou tempo a ler e a pensar.
      Fiquei confuso quando escreveu que o choca ter estudado 5 anos numa faculdade pública, para colegas em 4/ 5 anos (5=5 certo??) conseguirem dar aulas a dois níveis de ensino.

      1º – Qualquer professor de 2º ciclo pode lecionar ao 1ºciclo, qualquer professor de 3ºciclo pode lecionar ao 2º, 1º ciclo e no caso especifico do 3º ciclo, até ao secundário. Pode sempre concorrer ao nivel de ensino inferior ao que leciona, nunca ao superior, excepto lá está no caso dos professores 3ºciclo/secundário. E essas colocações foram todas elas por falta de docentes nos ciclos anteriores e excesso nos respetivos grupos! Foram e são legais! E são professores que quiseram e querem trabalhar! Da mesma forma que uma direção pode colocar esse professor a lecionar a três ciclo diferentes, e isso digo-lhe eu, que tirei um curso de 4 anos, numa Escola Superior de Educação, que curiosamente, foi a minha primeira e única escolha, pois quando acabei o 12º ano já sabia que queria ser professor e de quê. Não me vai dizer que eu não estudei!! Nem eu, nem todos os outros!!?? Andamos o quê? A gastar dinheiros dos pais???
      2º – Já estive colocado numa escola em que eu ia desde o JI ao 3ºciclo e não foi escolha minha, acredite!
      3º – As greves não se fazem por professores com Mestrados, professores de Universidades, professores de Escolas Superiores de Educação, nem professores do antigo Magistério (era o que havia!), nem por professores de quadro e contratados (curiosamente na ultima greve do genero do STOP, na “minha escola” foram mais os de quadro e “idosos” como eu, do que os contratados “novinhos”, porque alegaram receber pouco e foi respeitado isso). Tenho 49 anos,4º escalão, professor desde 1996, lecionei sempre perto de casa, e faço greves!
      4º – Ultimo: Bom trabalho e bem-haja.

        • esclarecimento on 24 de Novembro de 2022 at 21:32
        • Responder

        Há uma premissa sua que não está correta. Nem todo o professor do 3º ciclo pode lecionar ao 2º ciclo, sendo que quem tirou uma licenciatura pré-bolonha que confere ao 3º ciclo, não confere para o 2º ciclo.

        • Maria on 24 de Novembro de 2022 at 22:55
        • Responder

        Efetivamente, para quem tirou a licenciatura via ensino numa universidade durante 5 anos, só pode lecionar ao nível de ensino em que realizou estágio e existem desigualdades. O curso de 5 anos nunca foi equiparado a mestrado, por exemplo…

          • esclarecimento on 25 de Novembro de 2022 at 1:22

          Exatamente, Maria. Refiro-me a todos esses cursos das Universidades Públicas, de 5 anos, com estágio incorporado, que apenas confere habilitação para um grupo de recrutamento, do 3º ciclo e onde se estuda bem mais do que os cursos das variantes.

    • Carlos Moreira on 24 de Novembro de 2022 at 14:46
    • Responder

    É uma classe que tem quantos sindicatos?!( 12, 20!) Está tudo dito! Não servem para nada. Tem os seus tachozinhos e a maioria à espera da reforma. Onde está o sindicato de que este blog também faz parte?
    Eu votei greve às avaliações! Tem que ser uma coisa em grande, sem pena dos alunos. Ter pena é de nós professores! Mas como li “Somos o nosso pior inimigo.”.
    Irei fazer greve!

    • Carla on 24 de Novembro de 2022 at 15:05
    • Responder

    Agora não faz sentido criticar quem faz o quê, é tempo de união e de agir com firmeza. Precisamos de resgatar os que ainda não se aperceberam do caos e quem sabe até ajudar aqueles a quem o custo da greve possa ser incomportável. Juntos somos mais fortes.

    • Maria on 24 de Novembro de 2022 at 15:18
    • Responder

    Assinar petições não dá em nada. Tantas que assinei, noutros tempos, sem se verem resultados. Quanto à greve por tempo indeterminado, não é coisa que eu possa fazer. Quem pode, ou tem boa situação económica ou é sustentado. Não é o meu caso, não foi a opção que eu escolhi. E os que branaram por ela, duvido que a façam: pode ser daquelas aleivosias que os contestatários de bancada gostam de dizer, para se sentirem importantes.

      • SemMais on 24 de Novembro de 2022 at 16:07
      • Responder

      Parasita.

      • professor karamba on 24 de Novembro de 2022 at 16:24
      • Responder

      .
      Retirei esta afirmação do seu comentário:
      “E os que branaram por ela, duvido que a façam: pode ser daquelas aleivosias que os contestatários de bancada gostam de dizer, para se sentirem importantes.”

      Muito Bem Senhora Professora Maria. Muito Bem…….esta gente é LOUCA.

      Os professores não gostam de Aventuras e como referi estão Muito Bem Remunerados a nível da OCDE.

      Assim é que é falar……
      .

    • salsera on 24 de Novembro de 2022 at 17:46
    • Responder

    Real boot!!

    • Maria Pinto on 24 de Novembro de 2022 at 18:30
    • Responder

    As Direções vão fazer greve??? Teria muito impacto com toda a certeza.

      • greve on 24 de Novembro de 2022 at 19:21
      • Responder

      Há sempre colegas da Direção que fazem greve, assim como, os que não fazem. Nisso é igual, aos restantes colegas.

      • AA on 25 de Novembro de 2022 at 10:19
      • Responder

      Os comissários políticos a fazerem greve!?
      Ah!Ah! Ah!
      Se fizessem não seriam comissários políticos!
      Nota: já estão a negociar o aumento dos suplementos! Fala-se que poderá chegar a 1500€!

    • Anti-Karamba on 25 de Novembro de 2022 at 0:34
    • Responder

    Uma evidência que a greve começa a provocar comichão é o facto do defensor mor do regime, intitulado de “Karamba”, já ter aparecido e comentado várias vezes este post. É sinal de que o caminho é mesmo este, pois este senhor vem cá apenas para denegrir os professores que ambicionam recuperar algum do estatuto que se perdeu desde a famigerada MLR.
    Duvido que este “artista” alguma vez tenha lecionado!
    Por isso, há que procurar alimentar esta ideia: porque não esta greve?

    • Maria Clara Guerreiro de Matos on 25 de Novembro de 2022 at 0:45
    • Responder

    Eis a classe dos docentes no seu melhor!!!
    Profs que não fazem greve, porque perdem 3 dias de ordenado (desculpando-se com os “coitados dos alunos, que ficam sem as aprendizagens” – para as quais se estão marimbando”, profs que não fazem greve porque os mais velhos não fazem, profs que não fazem greve porque estão a beneficiar apenas os que “ainda não são profs. – estão no início da carreira”, usw;usw;usw!!!
    É o costume!!!

    • Eu on 25 de Novembro de 2022 at 0:59
    • Responder

    Nenhuma greve desta natureza poderá ter sucesso sem todos os sindicatos, muito menos sem a adesão da FENPROF e da FNE. Para além disso é necessário uma preparação dentro das escolas… E espero estar enganado…

    • Draco on 25 de Novembro de 2022 at 10:05
    • Responder

    Caro professor karamba, não sei se tem conhecimento mas a propaganda russa anda a contratar pessoas com a sua especialidade. Faça um favor ao país, vá trabalhar para a russia.
    Obrigado.

    • maior on 25 de Novembro de 2022 at 16:28
    • Responder

    Fiquei a pensar nisto!
    Uma filha (com boa média de acesso) de um casal de professores “colegas”, cá da “escolinha”, entrou em primeira opção num curso via ensino.
    Importante – um dos “colegas” é subdiretor.
    E eu é que sou o maior?!

    • Pedro Norte on 25 de Novembro de 2022 at 20:45
    • Responder

    Vamos lá à greve!
    1-Fiz a do dia 02, a do dia 18 e estou pronto para fazer greve por tempo indeterminado;
    2-Sou contratado ;
    3-Já me roubaram imenso tempo de serviço e dinheiro com a historinha das TEIPS; ao que parece vamos voltar a esses tempos (ou piores);
    4- Como professor contratado a fazer 100km/dia para trabalhar, obviamente que o dinheiro da greve me faz falta mas, nem que faça um mês de greve, segundo os meus Cálculos de merceeiro, é muito menos dinheiro do que posso vir a perder com as novas regras destes iluminados.
    I

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: