adplus-dvertising

Convocada GREVE por tempo INDETERMINADO

 

Sindicato de professores convoca greve por tempo indeterminado a partir de 9 de dezembro

O Sindicato de Todos os Professores (STOP) convocou uma greve por tempo indeterminado, a partir de 09 de dezembro, em protesto contra as propostas de alteração aos concursos e para exigir respostas a problemas antigos, foi anunciado esta quarta-feira.

Em comunicado, o sindicato, que representa cerca de 1.300 docentes, refere que a “forma de luta inédita” resulta de uma sondagem realizada no blog ArLindo, em que 1.720 pessoas apoiaram a realização de uma greve por tempo indeterminado.

Por muita adesão que esta greve tenha, nunca vai tirar tantas aulas a milhares de alunos como tem acontecido com as políticas deste Ministério da Educação”, disse à agência Lusa o coordenador nacional do STOP, André Pestana.

Entre as principais reivindicações, o STOP aponta “questões fundamentais do passado não resolvidas”, defendendo, desde logo, a contabilização de todo o tempo de serviço, o fim das vagas de acesso aos 5.º e 7.º escalões e a possibilidade de aposentação sem penalização após 36 anos de serviço.

Criticam também as alterações recentes ao regime de mobilidade por doença, as ultrapassagens na progressão da carreira docente e reivindicam soluções para os professores em monodocência e uma avaliação sem quotas.

A greve é igualmente uma resposta às propostas do Ministério da Educação para a revisão do regime de recrutamento e mobilidade do pessoal docente, que está atualmente a ser negociada entre a tutela e os sindicatos do setor.

Na segunda reunião negocial, que decorreu a 8 de novembro, o ministro da Educação, João Costa, propôs aos sindicatos a transformação dos atuais 10 quadros de zona pedagógica em mapas docentes interconcelhios, com correspondência geográfica às 23 comunidades intermunicipais.

Outra das propostas, que mereceu críticas de várias estruturas sindicais, é a criação de conselhos locais de diretores, que decidiriam sobre a alocação às escolas dos docentes integrados em cada mapa interconcelhio.

A greve convocada pelo STOP inicia-se no dia 9 de dezembro, já depois da próxima reunião negocial com o Ministério da Educação sobre os concursos e recrutamento, agendada para terça-feira, e que André Pestana admite que possa ser decisiva para avançar para o protesto.

“Como sempre, nós queremos fazer parte da solução e não do problema”, afirmou o dirigente sindical, reconhecendo a possibilidade de o STOP recuar “se o ministro tiver uma atitude de bom senso e compromisso perante as exigências, que são exigências da classe”.

Desde o início do ano letivo, os professores já estiveram em greve por duas vezes: no dia 02 de novembro, numa paralisação convocada por sete organizações sindicais, e no dia 18 de novembro, no âmbito da greve nacional da função pública.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/11/convocada-greve-por-tempo-indeterminado/

29 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • luta on 23 de Novembro de 2022 at 20:05
    • Responder

    Espero que os outros sindicatos acordem e também se juntem a esta luta, que deve ser de TODOS os docentes.

    • Joana on 23 de Novembro de 2022 at 20:13
    • Responder

    Vamos ver se os sindicatos todos se juntam. Se não for assim está tudo perdido. Tem de haver uma posição de força e não cada um a puxar para um lado

      • Pinto da Costa on 25 de Novembro de 2022 at 1:12
      • Responder

      Têm de se juntar, caso contrário, ficam sem associados.

    • Marco on 23 de Novembro de 2022 at 20:29
    • Responder

    Chegou o momento de mostrarmos a nossa força, obviamente que contamos com o apoio de todos os sindicatos nesta luta que se inicia no dia 9. É a oportunidade de sermos respeitados ou cairmos num fosso sem retorno, neste caso só uma luta firme e sem receios nos dará o que é nosso por direito.

    • on 23 de Novembro de 2022 at 21:16
    • Responder

    Se os outros sindicatos não alinham, alinham alguns dos seus sócios. Falo por mim…e estou mesmo prestes a a deixar de ser sócia e mudar para o STOP…É agora oi nunca…

    • Agraca on 23 de Novembro de 2022 at 21:29
    • Responder

    Finalmente!!! À luta!

      • Duarte on 23 de Novembro de 2022 at 21:34
      • Responder

      Vamos a isso. TODOS!!!!!

        • Alfredo on 24 de Novembro de 2022 at 10:16
        • Responder

        Excelente iniciativa.
        A luta irá continuar


  1. Queria deixar aqui uma resposta a gentinha ao comentário do “professor Karampa” que de professor provavelmente deve ser um zero mas de apoiante das políticas criminosas seguidas na educação, saude, justiça nos últimas décadas deve ser um apoiante a 100%.
    Concordo que os professores são pessoas responsáveis ao contrário dos nossos irresponsáveis governantes e esta greve provavelmente não irá ter qualquer expressão porque a grande maioria dos professores têm salários de miséria e não se podem dar ao luxo de fazer greve pois precisam de todos os euros dos seus magros salários para por comida no prato todos os dias do ano. É por haver em Portugal carradas de gentinha como você que hoje a educação assim como a saúde e justiça estão a entrar em coma. É por causa de pessoas como você que a minha família que era um família que sempre teve professores há mais de 100 anos e na geração dos meus filhos ninguém quis ser professor. É por causa de gentinha como você, que os meus filhos tiveram de emigrar e logo no primeiro salário e primeiro emprego tiveram um salário maior do que a da minha esposa que é professora com 35 anos de carreira, minha filha recebeu 500 euros de ajuda no país aonde vive e trabalha, por via da inflação e com um salário muitíssimo maior que a da minha esposa, a minha esposa recebeu zero euros de apoio e a grande maioria do povo teve direito a uma esmola de 125 euros e 50 euros se forem dependentes . Agora já se nota a falta de professores, de médicos, polícias, de enfermeiros etc etc porque os jovens estão a fugir em massa de Portugal não estão disponíveis para serem escravizados toda a vida. Não tenho nenhuma pena da grande maioria do povo português nem dos paizinhos das crianças pois na hora de votar votam sempre nos mesmos que já pariram 3 bancarrotas, puseram o Portugal na miséria e pariram a maior carga de fiscal desde o rei D.Afonso Henriques com mais de 4 mil impostos e taxas.

      • Excelente on 24 de Novembro de 2022 at 15:59
      • Responder

      Excelente resposta! Parabéns!

      • Irene Coelho on 24 de Novembro de 2022 at 21:52
      • Responder

      Ótima resposta!

    • Mic on 23 de Novembro de 2022 at 23:15
    • Responder

    Vamos a isto! Eu farei quantos dias/semanas/meses forem necessários!

    Já agora, que se lute também pelo respeito pela autoridade docente e contra o facilitismo vergonhoso que grassa no sistema de ensino nacional. Mais depressa um docente é chamado à atenção por um Coordenador / Conselho Pedagógico / Diretor por ser exigente nas suas avaliações do que por dar uma carrada de positivas “chapa 3″…

    • Ana B on 23 de Novembro de 2022 at 23:23
    • Responder

    O professor do contra residente ainda consegue escrever estes textos??? Se está assim tão preocupado com os alunos e as suas famílias, repense melhor o que escreve. É que, com estas políticas educativas vamos mesmo deixar de ter professores! Qualquer dia, nem precisa vir aqui. Esta luta é também um serviço à Nação. Seja português.

    • Já chega! on 23 de Novembro de 2022 at 23:34
    • Responder

    Infelizmente este blog retirou os comentários durante uns tempos e ficamos impedidos de comentar/questionar etc. Agora que foram novamente retomados continuamos a ter que ler comentários provocatórios de um tal Karamba e de uns quantos que lhe dão resposta com linguagem completamente inadequada, pois infelizmente há pessoas que simplesmente não sabem ignorar e que põem lenha na fogueira.

    Assim, sugiro o bloqueio desta gente antes que seja necessário bloquear a totalidade de comentários.


  2. Só gostava de saber para onde irei com 30 anos dar aulas e onde é que eu vou ter 36 anos de carreira, se quando “começar” a ter um horário decente vou estar perto dos 40 anos! (40+36=76anos, ainda darei aulas com 76 anos???, quando comecei a trabalhar aos 16?).

    Relativo ás colocações não concordo que seja entregue a ninguém , deve ser utilizado o mesmo esquema, mas não há NECESSIDADE nenhuma de alguém que é do Porto, ser colocado no Algarve ou Alentejo, ou Covilhã, quando não quer e quando não tem capacidade para se mudar, ou porque as rendas são astronómicas, ou porque não tem horário completo ou porque não tem horário compatível com os seus outros trabalhos.

    Tenho 28 anos e tenho diversos trabalhos associados à minha Profissão, na qual abdicar deles por completo nesta fase da minha vida seria um “desperdício” de luta e de tempo, não faz sentido nenhum eu ser colocada nas escolas fora do Norte do País (Porto e arredores), onde tenho os meus outros trabalhos, só porque não tenho “anos de experiência”. Trabalho no desenvolvimento e formação de crianças e jovens desde o inicio de carreira docente, apenas não é nas escolas, porque não há vagas! E onde a corrupção por cunha tanto nos privados como nas câmaras é alucinante!

    Lamento que a nossa luta seja sempre a mesma.
    Lamento que seja a única profissão onde nunca sabe onde vai trabalhar e se quer se vai trabalhar por mais um ano.
    Lamento que o nosso ensino esteja cada vez mais precário, fraco e desinteressante.
    Lamento que os nossos honorários sejam uma vergonha.

    Quem é que quer começar a lecionar por 1200€ por mês? ou menos porque não tem horários completos?

    Bem, somente um desabafo.

    • Maria Luísa Soares on 24 de Novembro de 2022 at 0:50
    • Responder

    Vamos à luta! 💪

    • Carlos Manuel Moreira on 24 de Novembro de 2022 at 10:36
    • Responder

    Essas reivindicações não chegam! Há muitas outras e mais importantes se calhar!

    • Flor on 24 de Novembro de 2022 at 10:55
    • Responder

    Se o sindicato ao qual pertenço não se juntar mudo de sindicato.
    É uma vergonha sermos tratados assim por este governo.
    Por isso é que os nossos filhos vão embora do país. Os profissionais são reconhecidos lá fora, com respeito. O meu pagaram-lhe viagens, subsídio de deslocação ( 3 000€,) . O primeiro mês esteve na casa da empresa sem custos e ainda o primeiro salário foi pago no início do mês quando iniciou o trabalho., Á chegada um cabaz de compras para a primeira semana. Isto no reino unido. Quem quer ficar cá assim.
    Somos professores terceiro mundo e quem não vê isso não sabe do que fala.

    • Rosa on 24 de Novembro de 2022 at 13:16
    • Responder

    Os professores estivemos sempre a trabalhar em prol dos alunos e famílias!… Também somos pais de alunos, e temos família!… Para nós pais de alunos, nem Ministério, nem os outros pais pensam que temos sentimentos e frustrações quando nos obrigam a largar os nossos filhos e no final do mês não sobra dinheiro para algumas das necessidades que todas as crianças têm!…. Pior ainda, será que os nossos governantes e “famílias” acham correto colocarem em casa muitos dos professores da mobilidade por doença porque é impossível, devido aos problemas de saúde, deslocarem-se para os seus locais de trabalho! Estes professores em anos anteriores, estiveram a trabalhar, não se lamentaram, e deixaram os pais felizes no final do ano letivo devido aos resultados alcançados pelos seus educandos, (os professores estão habituados a fazerem sacrifícios)!…. É correto não contabilizar todo o tempo de serviço e ficarem reféns (sabe Deus por quem), para terem acesso aos 5.º e 7.º escalões. Não são os professores mais habilitados que têm esse acesso direto a esses escalões!… Quem serão?… Muito mais teria para dizer!….
    Pais vamos todos para a rua!…Vivemos em “Democracia”!… É o futuro do nosso “País” que está a ficar fragilizado, em todas as “dimensões”!… Professores felizes, alunos felizes, pais felizes, País em movimento para um futuro melhor!… Somos inteligentes para compreender, que “todas”, as profissões, se iniciam na “escola”!….

    • Diogo A. on 26 de Novembro de 2022 at 2:51
    • Responder

    Os sindicatos continuam com a credibilidade ZERO.
    Defender uma carreira na qual um professor competente pode ganhar 1070€, enquanto que um outro, incompetente, pode auferir 1800€, é vergonhoso.
    Já não chega terem redução e privilégios no horário, escolherem as melhores turmas? Ainda se acham no direito de ganharem quase o dobro de quem anda com a casa às costas a aturar os restos que ninguém quer?
    Isto sem referir a completa prostituição ao facilitismo, passando completos idiotas que não trabalham, nem deixam trabalhar os colegas.
    Ganhem vergonha na cara e tenham respeito por vocês próprios. Defendam a completa reformulação nas carreiras, varram o facilitismo e promovam o mérito. Enquanto não o fizerem, estarão a desonrar a profissão.

    • Pj CORREIA on 26 de Novembro de 2022 at 18:49
    • Responder

    Greve por tempo indeterminado não existe. Acordem.
    Sou professor e sinto me nesta situação por causa da cobardia de quase todos. Greve é sempre para os outros. Tenho dito.

    • M. Raposo on 27 de Novembro de 2022 at 14:14
    • Responder

    Boa,
    Unimos todos os mesmos esforços. Por mim já tinha sido quando andaram a dar pinguinhas no tempo de serviço..2 ou 3 anos atrás.

    SE todos os sindicatos e associações, marcassem em 12 de Setembro, por tempo indeterminado ao arranque do ano lectivo, bastavam 2 dias e o Costa vergava por todo o lado…

    Habitualmente os pais e outros elementos do povo inculto, dizem: Lá têm os professores mais um fim de semana prolongado.

    VAMOS TODOS OS SINDICATOS E ASSOCIAÇÕES, NÃO ENCERRAR O PERÍODO LECTIVO.

    ah e tal, descontam muito, mais de ou 2 dias de paragem, esqueçam, muito menos ganham os Pessoal não docente e eles aguentam, isto é uma questão de ou cedem ou partem..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: