Agora Uma Série de 6 e Outra de 12

 … na mesma escola.
Já perceberam que a “tranche” não tem número de candidatos definidos à partida para os Técnicos Especializados, de acordo com algumas opiniões têm de ser chamados todos os candidatos para apresentarem o portfólio e para comparecerem na entrevista. O que no caso de horários que sejam para grupos de recrutamento encobertos pode levar a que a escola fique entupida no processo de seleção de candidatos.

 

Envio este mail para mostrar 2 casos na mesma escola (Agrupamento de Escolas de Mundão – Viseu – é uma escola TEIP).

 

São estes:

Psicólogo:

 

Chamaram 12 candidatos para entrevista.

 

Assistente Social:

 

Aqui apenas chamaram 6 candidatos.

 

Qual será a diferença de critério para um ser 6 e outro 12 candidatos?

 

Eu explico: A psicóloga (MXXXXX) que está em 10º lugar está neste agrupamento há vários anos, por isso digo eu que “disfarçaram” isso convocando 12 candidatos. A assistente social (AXX RXXXX) que lá está desde 2010 está em 2.º na lista, por isso “bastou” convocar apenas 6 candidatos…

 

Achei que era um caso interessante, cada vez mais comum neste país de chicos-espertos

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2013/09/agora-uma-serie-de-6-e-outra-de-12/

17 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • marob on 18 de Setembro de 2013 at 21:02
    • Responder

    Outro exemplo idêntico no agrupamento de escolas de maximinos braga em que chamaram o suficiente para ficarem as mesmas pessoas: psicologa e assistente social…. não respeitando a tranche dos 5 primeiros…
    Aqui:http://www.aemaximinos.net/index.php?option=com_content&view=article&id=722&Itemid=317

    • prof on 18 de Setembro de 2013 at 21:13
    • Responder

    Arlindo, continua com esse excelente trabalho de serviço publico. Bem haja!!

    • Marco on 18 de Setembro de 2013 at 21:23
    • Responder

    E não se pode denunciar estas situações???

    • António on 18 de Setembro de 2013 at 21:32
    • Responder

    Têm que se queixar e denunciar à DGAE e à IGEC.
    Para os técnicos especializados, onde se enquadram ambos os casos, não há tranches de 5, pois não há ordenação pela graduação profissional.
    Nestes casos, TODOS os candidatos admitidos a concurso são convocados para a Entrevista.
    Com a nuance de, este ano, a convocatória ter de ser pela página, pois a DGAE não exporta os contactos. Para sabermos o endereço de email, temos que ir à aplicação, abrir uma a uma as fichas de cada candidato, consultar o contacto. Com centenas de anediados, é impossível.
    Os candidatos têm que defender os seus direitos.

    • marob on 18 de Setembro de 2013 at 21:35
    • Responder

    Não há graduação mas são ordenados pelo nº de anos de tempo serviço que julgo ser a mesma coisa…

      • Joaquim João on 18 de Setembro de 2013 at 22:10
      • Responder

      Não é a mesma coisa marob. “Experiência profissional na área”. Existem formadores com duas ou mais décadas de experiência na área e não constam na dita cuja lista graduada.

    • Azarada on 18 de Setembro de 2013 at 22:15
    • Responder

    É necessário denunciar essas situações. Não tenham medo malta. Denunciem. Todas as situações que já denunciei, tiveram frutos. Coragem malta. Eu também estou atenta e vou denunciar.

    • Joaquim João on 18 de Setembro de 2013 at 22:26
    • Responder

    Estão a fazer uma tremenda confusão e a induzir as pessoas a erro. Consultem a circular. A contratação de escola por norma não recorre à lista graduada e obedece a critérios uniformizados pelo Ministério. 1º Licenciatura e Formação na área, 2º Experiência profissional na área, 3º Perceber com funcionam os cursos que se propõe lecionar, análise do portefólio e finalmente a entrevista. A cada critério corresponde uma pontuação. É assim em todas as escolas e geralmente escolhem quem já está por lá porque tem maior pontuação. A crise obriga-nos a estar atentos mas contra fatos não há argumentos.

    • Democrato on 18 de Setembro de 2013 at 22:30
    • Responder

    Chicos-espertos? Esta gente está a gerir escolas, portanto com responsabilidades acrescidas devido ao exemplo que devem transmitir a alunos mas também perante a comunidade escolar. A impunidade reina neste país a partir das figuras que nos representam como país, está tudo dito; Reina impunidade reino sem futuro.

    • Rita on 18 de Setembro de 2013 at 22:37
    • Responder

    No Agrupamento de Escolas de Santo António no Barreiro éramos mais de 20 (basta consultarem o site estão lá as dezenas de nomes), tudo encafuado numa sala: animadores, assistentes sociais e psicólogos. Pegaram no grupo de psicólogos levaram-nos para outra sala, permanecendo os assistentes sociais e animadores no mesmo sítio. Em seguida chegou a diretora que disse ser impensável entrevistar toda as pessoas, mas obrigavam-na a isso. Distribuiu um papel por todos, criado pelo próprio agrupamento, com perguntas. Escrevemos à mão e no colo! Entregámos e viemos embora, ninguém foi entrevistado! Nesse mesmo dia foi selecionado o candidato, com toda a certeza o candidato já estava selecionado no dia da pseudo entrevista! Quem lá estava pela segunda vez disse-me que esta situação já tinha acontecido o ano passado. VERGONHOSO! Vi colegas a virem propositadamente de Évora e do Porto. Para quê??? Para preencher um papel.

      • Lénia on 19 de Setembro de 2013 at 14:56
      • Responder

      É totalmente vergonhosa esta Escola de Santo André no Barreiro. Eu estava lá nesta entrevista e foi exactamente o que se passou , como a Rita conta. Já tinha ido duas vezes , no ano passado à entrevista e a diretora além de chegar com uma 1h e tal de atraso fez uma entrevista em conjunto com as candidatas todas… de ano para ano esta escola tem desrespeitado cada vez mais os técnicos, nunca avaliando as suas competências sociais, mas sim as suas competências técnicas através de uma folha/papel.

    • cocas on 18 de Setembro de 2013 at 22:42
    • Responder

    Na câmara de Matosinhos já elaboram 3 listas de ordenação devido aos lapsos do júri do concurso, para as AEC`s. Dentro de mais alguns dias pode ser que deem a conhecer a 4ª lista.

    • Rita on 18 de Setembro de 2013 at 22:45
    • Responder

    E deixem-me dizer-vos mais, as escolas nem sequer ligam se a pessoa tem ou não habilitação correta, nesse dia da entrevista no Barreiro sentei-me ao lado de um colega que estava a concorrer para Serviço Social e tinha licenciatura em Educação Sócio Profissional. Diz a lei que só pode concorrer para SERVIÇO SOCIAL quem possui licenciatura em Serviço Social ou Política Social. O que estava lá a fazer o tal colega com a licenciatura errada?! Nem quero imaginar o n.º de pessoas que ocupam lugares ilegalmente e o problema é que nem sabemos quem são, porque as escolas não referem as licenciaturas, nem o n.º de anos de experiência. Cansada disto!

    • Psicologices on 18 de Setembro de 2013 at 23:08
    • Responder

    O difícil, muitas vezes, aqui, é “separar o trigo do joio”… há técnicos a concorrer com o nº de anos de tempo de serviço falso! Não há forma de a escola comprovar este tempo de serviço antes de fazer a seleção da tranche de 5, o que já impede que outros candidatos tenham hipótese de ir à entrevista! Há, por exemplo, psicólogos clínicos a concorrer a vagas nas escolas, que indicam ter x anos de serviço e depois, afinal, deram meia dúzia de consultas no privado, durante esses x anos!

    • MP on 19 de Setembro de 2013 at 11:47
    • Responder

    Mas ainda há outras tranches mais duvidosas, desta vez no Agrupamento de Escolas da Cidadela para técnicos especializados. Selecionaram 20 ou mais pessoas para entrevista para lá colocarem quem eles queriam. É só dar uma vista de olhos nas listas que constam no site:
    http://www.aecidadela.pt/
    Mais: ainda têm a lata de dizer aos colegas que não querem saber se têm profissionalização porque não valorizam nada, indo completamente contra as indicações da DGAE para seleção de externos só na impossibilidae de contratar profissionalizados.

    • Rita on 19 de Setembro de 2013 at 15:57
    • Responder

    No que me toca, porque não levo “desaforo para casa”, já procedi à elaboração de uma reclamação para o ministério, denunciando todas as ilegalidades que verifiquei. Obviamente que muitas ficaram por denunciar porque não concorri para todas as escolas do país e, a pouca credibilidade que deposito nestes concursos e seleções, faz com que evite gastar tempo e dinheiro. Por isso,na minha modesta opinião, têm responsabilidade de denunciar, todos e todas que se sentem lesados. Algum dia esta vergonha tem que acabar e temos que começar por algum lado. Cumprimentos

    • Rita on 19 de Setembro de 2013 at 16:03
    • Responder

    Aqui está o link para a apresentação de reclamações on-line:
    https://www.ige.min-edu.pt/e-atendimento/presentation/queixa.asp
    Consultem também:
    http://www.ige.min-edu.pt/content_01.asp?BtreeID=03%2F01&treeID=03%2F01%2F04
    BOA SORTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: