Outro Género de Greve

Docente em greve de fome

Uma professora da Escola EB 2+3 de Moura está em greve de fome para protestar contra as políticas educativas.

 

Há uma professora da Escola EB 2+3 de Moura em greve de fome desde 3ªfeira à noite. Susana Valente tem 41 anos é professora de Português e Inglês e decidiu avançar com este protesto para dar visibilidade à luta dos professores que, na sua opinião, vivem neste momento uma situação de desespero devido às politicas seguidas pelo ministério tutelado por Nuno Crato. Ainda segundo Susana Valente os professores têm sido “desautorizados” e “enxovalhados”, por isso, apela à luta e à união dos seus colegas de profissão.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2013/06/outro-genero-de-greve/

19 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • ana-amarela on 22 de Junho de 2013 at 8:27
    • Responder

    Alguém devia demover a colega desta forma de luta, fazendo-a crer que o esforço colectivo, quando concertado e persistente, é a única forma eficaz de combater o ataque a uma classe profissional.
    As outras formas de protesto, nomeadamente a nível individual, são o repasto de uma certa comunicação social que vive de “faits-divers” com prazo de validade extremamente curto e consequências apenas para os seus protagonistas.

  1. Penso exatamente ao contrário. Quantas mais e masi diversificadas formas de luta, melhor! É necessário dar-lhes visibilidade e, de preferência aumentar o número de colegas a fazer esta forma de luta!

      • ana-amarela on 22 de Junho de 2013 at 11:06
      • Responder

      Não diga isso, Maga! Se não ainda lhe perguntam se já começou a sua greve de fome para aumentar a visibilidade da luta dos professores, com o seu exemplo pessoal…
      Não precisamos de sacrifícios individuais, mas sim de mobilização colectiva.

    • JC Narciso on 22 de Junho de 2013 at 11:43
    • Responder

    Greve de fome não é a solução. A saúde está em primeiro. E. B. 2/3 de Moura – Gostei imenso; Moura – Linda terra, boas pessoas, bela pinga.

    • Raquel on 22 de Junho de 2013 at 13:36
    • Responder

    vamos fazer 1 vigília nacional! à porta das escolas, toda a noite, com pais e alunos que se queiram juntar a nós! greve de fome não! a saúde está primeiro, colega, por si, pelos seus filhos e pelos seus alunos! ninguém merece a sua greve de fome!

    • anónimo on 22 de Junho de 2013 at 13:57
    • Responder

    Cara colega, um forte abraço e estou muito impressionado pela sua coragem. O país precisa de homens e de mulheres corajosos. São formas de luta que dependem da capacidade de sacrifício cada um, e da sua determinação. Penso que é um sinal claro do nível insuportável que estamos a atingir. Muita força na sua luta.

    1. Por favor… está tudo doido? Acha bem que alguém faça greve de fome, para melhorar as condições de trabalho e manter o emprego? Mas em que país vivemos?

    • Jorge Costa on 22 de Junho de 2013 at 14:43
    • Responder

    Esta é uma forma de luta que os professores contratados deveriam equacionar mas na portaria do MEC. Isto sim é coragem! Força colega!!!

    1. Por favor… não digam coisas aberrantes.

  2. Colega Susana que coragem, mas pense nos seus filhos e alunos que não podem perde-la o MEC não merece o seu sacrifício, por favor pare.

    • ginbras on 22 de Junho de 2013 at 17:08
    • Responder

    Estão preocupados com a saúde fisíca da colega..e a saúde mental que se deteorou devido às consequências que estas medidas provocaram e que levam a casos de desespero como este? Não atirem pedras, porque ela ao ter esta atitude é pq se sente no direito de o fazer. É mais corajosa a fazer isto e do que a participar numa manifestação com um Nogueira a falar por todos e a dizer só asneiras. Chega ela mais depressa ao coração das pessoas com este comportamento do que com uma greve

    1. A Ana Amarela tem razão

      • tecas on 22 de Junho de 2013 at 23:14
      • Responder

      Eu estou preocupada com a saúde física e mental da colega, mas também com o facto dos meios de comunicação social não divulgarem esta notícia. Parece existir controle e omissão deliberada para abafar o caso.

        • ginbras on 23 de Junho de 2013 at 14:10
        • Responder

        acredita que vai chegar à comunicação social

    • Joao Silva on 22 de Junho de 2013 at 19:39
    • Responder

    Não será esta uma proposta negociável?

    Proposta De Lei N.º 154/XII/2.ª – A da Requalificação

    Posted by Paulo Guinote – 22, Junho, 2013

    Institui e regula o sistema de requalificação de trabalhadores em funções públicas visando a melhor afetação dos recursos humanos da Administração Pública, e procede à nona alteração à Lei n.º 12 A/2008, de 27 de fevereiro, à quinta alteração ao Decreto-Lei n.º 74/70, de 2 de março, à décima segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 139-A/90, de 28 de abril, à terceira alteração ao Decreto-Lei n.º 209/2009, de 3 de setembro, e à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho.

    Chamo a atenção para o nº4 do artigo 4º em que se faz uma salvaguarda bastante interessante que, aplicada às instituições de ensino ponto final poderia evitar muita da confusão que vivemos:

    “4 – Na aplicação da presente lei às instituições de ensino superior públicas são salvaguardadas, quando necessário, as adequadas especificidades em relação ao respetivo corpo docente e investigador, nos termos dos respetivos estatutos.”

    Equidade?

    Esta parece ser uma solução simples para resolver muito.

    • Zaratrusta on 23 de Junho de 2013 at 10:49
    • Responder

    Grande mulher!

    Todos os contratados deveriam fazer greves deste tipo. Não fazendo, irão passar fome mais tarde. Eles e os seus.

      • professora on 23 de Junho de 2013 at 16:32
      • Responder

      ATENÇÃO, esta luta não é apenas duma colega, é de toda a classe profissional. NINGUÉM, nem os anteriormente designados efetivos, ou os atuais quadros de escola ou de agrupamento, está livre de ficar sem emprego. NENHUM DE NÓS, PROFESSOR, PODE CONTAR COM O SEU EMPREGO DEFINITIVAMENTE.
      Tenho vontade de pedir à colega para parar a greve de fome, ao mesmo tempo devo respeitar a sua opção. Sou professora, mas antes disso sou pessoa. Não é fácil opinar principalmente quando a solução passa pela necessidade de pressionarmos, TODOS, aqueles que nos tutelam..

    • zebedeu on 23 de Junho de 2013 at 12:36
    • Responder

    Infelizmente a degradação da situação política e social do país está a empurrar-nos cada vez mais para formas de luta não convencionais…
    Este não é um tempo qualquer, e parece que muitas pessoas ainda não se aperceberam disso…
    Compreendo perfeitamente o desespero da colega e estou a pensar ir a Moura apoiá-la…

    • Telma on 23 de Junho de 2013 at 16:14
    • Responder

    Zaratrusta estás à espera de quê??

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: