Os “milagres” do Oeste

Algumas instituições conseguem produzir autênticos milagres!

Nas páginas de alguns estabelecimentos de ensino ao abrigo do contrato de associação da região Oeste lemos que integram a rede pública de estabelecimentos de ensino. Como provam as seguintes imagens.

Perante tal afirmação, quando questionada a DGAE refere que estes não fazem parte da rede pública.

Só que a questão não fica por aqui. Os docentes destas instituições encontram-se a concorrer na 2.ª prioridade sem cumprir a regra dos 365 dias de serviço nos últimos seis anos em estabelecimentos da rede pública.

Como é que os docentes destes estabelecimentos de ensino estão a concorrer na 2.ª prioridade? Que dados apresentaram aos agrupamentos de validação? Essa documentação foi analisada com rigor?

É que a DGAE afirma o seguinte:

Quem tem conhecimento desta situação e não atua?

DGAE – diz para denunciar os candidatos. Como pode alguém denunciar centenas de docentes dos mais variados grupos de recrutamento? Tendo conhecimento da situação não devia atuar junto das instituições?

Agrupamentos de escolas – como validam estas candidaturas em 2.ª prioridade? É ignorância do decreto-lei que regula os concursos? Falta de rigor? Desleixo?

Sindicatos – dizem que não se pode fazer nada a não ser denunciar os candidatos.

Pergunta que se impõe: quantos colegas usufruirão da 2.ª prioridade indevidamente neste concurso? Sabendo que há algo que subverte as regras do concurso, a DGAE não tinha obrigação de atuar?

Prejudicados serão apenas os contratados que serão ultrapassados de forma questionável e não sabemos se alguns não se depararão com o desemprego à conta desta situação.

Resta-nos sermos “polícias” uns dos outros e acartar com os respetivos aborrecimentos.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2021/06/os-milagres-do-oeste/

13 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Colega Arlindo,

    E que dizer dos professores colocados no EPE pelo MEC, sendo funcionários do Estado Português há mais de 10 anos, que foram impedidos de concorrer na 2!! prioridade? Apenas o poderam fazer na terceira, é uma vergonha! O MEC argumentou com a falta de tempo para fazer alterações na Lei, como só nessa altura soubessem dessa injustiça! Enfim, prendam-nos!

  2. As escolas com contrato de associação passam um declaração aos docentes. Conteúdo desconheço. Suponho que diga que são parte integrante da rede pública. Os agrupamentos que recebem a declaração interpretam que os devem colocar na 2.ª prioridade e que não têm de questionar uma declaração que é passada por outra instituição, assim como, não questionam os certificados de habilitações. O problema é que a declaração que os candidatos entregam contraria o Decreto-Lei que regula o concurso. Se existissem penalizações sérias para quem valida este tipo de situação…

    • professor karamba on 13 de Junho de 2021 at 14:52
    • Responder

    .
    “Prejudicados serão apenas os contratados que serão ultrapassados de forma questionável e não sabemos se alguns não se depararão com o DESEMPREGO à conta desta situação.”

    Então!… não eram Vªs Exas. que diziam Haver FALTA DE PROFESSORES ????????

    Então!… agora afirmam que muitos dos candidatos vão parar ao DESEMPREGO????

    Em que ficamos?

    —————————————————

    Eu explico e até vos faço um desenho.

    Existe sim EXCESSO DE PROFESSORES que se manifesta nos 40.000 Tapa Buracos (Digo, professores CONTRATADOS)

    Estas 40.000 ALMAS só tem emprego porque ANUALMENTE existem mais de 12.000 BAIXAS MÉDICAS PERMANENTES. Existem situações pontuais de algumas horas letivas em diferentes Agrupamentos. Existem casos de eventuais saídas para aposentação…

    Estas 40.000 ALMAS alternam entre uma Horas Letivas e o Subsidio de Desemprego (que é um subsidio que só “recentemente” existe para os professores)

    Estas 40.000 ALMAS na sua maioria Nunca terão lugar nos Quadros por vários motivos, a saber:

    1º) Diminuição da Natalidade a nível nacional;

    2º) Redução acentuada do número de alunos na Rede Pública;

    3º) Necessidade de racionalização dos Recursos Humanos ao serviço das escolas publicas;

    Escusam de vir com a cantilena de que é necessário reduzir o número de alunos por turma para CRIAR EMPREGO ARTIFICIAL NA FUNÇÃO PUBLICA.

    Agora somem a estas 40.000 ALMAS (os chamados Tapa-Buracos) as pessoas que saem de Cursos Via Ensino e vejam o Buraco em que esta gente está metida.

    Vão-me dizer que há uma grande pressão para Criar Emprego Artificial na Função Publica (principalmente nas Escolas)…. como foi o caso do Bodo aos Pobres da abertura do Grupo 910 – Educação Especial em que 6.000 ALMAS aproveitaram (com Oportunismo e uns Cursos da Treta) para Vincularem á Função Publica. Mas…Tenham cuidado porque esta malta está sugeita a voltar á primeira forma….aliás já esteve quase para ocorrer…..Sim!…esta gente não são professores de Nada Coisa Nenhuma…..isto é uma Treta….

    .

      • Brinques on 13 de Junho de 2021 at 17:46
      • Responder

      És uma alma penada que anda por aí a penar por atenção. Um solipede sem ofensa para os verdadeiros.

        • professor karamba on 13 de Junho de 2021 at 19:15
        • Responder

        .
        Foi na Muche!

        Porta Aviões ao fundo.

        Não me digas que és do Nove Um Zero (9 1 0)
        .

      • Ana Pereira on 14 de Junho de 2021 at 21:54
      • Responder

      não é apenas a redução de natalidade, é principalmente o “passar todos, quer saibam quer não saibam as matérias” e foi a criação dos cursos para quem não conseguia seguir a via normal de ensino, os profissionais, os vocavcionais, os EFA, etc, ond, nos vocacionais, simplesmente desaparece um ano lectivo! por isso o que escreveu não está completo.mais ainda, e eu não peretenço a esse grupo, mas conheço o trabalho que fazem, os colegas de Educação especial, não são Professores, e estão a desenvolver trabalho necessário nas escolas.

      • Isabel on 11 de Julho de 2021 at 10:36
      • Responder

      Sou professora do quadro com horário zero há cerca de onze anos. Tenho andado a concorrer em DACL. O agrupamento de escolas a cujo quadro pertenço tinha declarado uma vaga negativa este ano. Este ano, saíram duas pessoas do agrupamento, uma delas também sem horário, ou seja , a vaga negativa mantém-se. No entanto, colocaram uma pessoa no meu grupo. O que vai ser de mim?

    • zaratrusta on 14 de Junho de 2021 at 9:51
    • Responder

    Que grande m**** de país. Todos os dias nos dão provas da sua mediocridade.

    • Luís on 14 de Junho de 2021 at 11:19
    • Responder

    País da treta! Estes cérebros pequeninos continuam a alimentar a guerra artificial entre público e privado fomentada pelas ideologias retrógradas de alguns líderes do nosso país. E o rebanho acena continua a corresponder com uma fidelidade ímpar. Professores contra professores! Que bonito…

    • farto on 14 de Junho de 2021 at 13:56
    • Responder

    Falta de respeito por quem está na segunda prioridade, legalmente. Estes colegas, deviam ser excluídos do concurso e responder criminalmente, por estarem a tentar contornar a lei.

    1. Eles, quem lhes passou a declaração devia perder o financiamento e quem validou devia ter uma forte sanção.

        • farto on 14 de Junho de 2021 at 17:45
        • Responder

        Sim, quem passou a declaração deveria perder o financiamento, para servir de exemplo.

          • Pelintra on 15 de Junho de 2021 at 1:05

          Então… em que ficamos?

          Nao disseram que há falta de professores!… e agora até se esgadanham para entrarem no quadro?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: