As Outras Contas

São apenas mais 5 mil professores desmotivados, sem perspectivas de mudança de escalão tão cedo. Um autêntico murro no estômago dado pelo Ministério das Finanças/Educação a estes professores que tem um peso miserável no Orçamento de Estado em cerca de 0,007%. Na qual me incluo, e por isso tudo o que alguma vez me pedirem para fazer mais isto ou aquilo terão resposta à altura.

 

Quase 5.000 professores impedidos de progredir na carreira, diz Fenprof

 

 

O número de docentes retidos nos 4.º e 6.º escalão vai aumentar para mais do dobro. Fenprof volta a contestar a existência de um limite de vagas para progredir na carreira.

O número de docentes retidos nos 4.º e 6.º escalão vai aumentar para mais do dobro, segundo a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), que volta a contestar a existência de um limite de vagas para progredir na carreira.

São quase cinco mil docentes que ficam “presos” naqueles dois escalões, segundo as contas feitas pela Fenprof tendo por base o número de vagas para os 5.º e 7.º escalões anunciado na sexta-feira pelo Ministério da Educação. Têm de concorrer a estas vagas os professores com avaliação inferior a Muito Bom e Excelente (notas que dão acesso automático ao escalão seguinte).

Segundo a tutela, entre as subidas automáticas e as vagas abertas, vão progredir cerca de 11.500 docentes para os dois escalões. O ministério salienta que estas progressões quase duplicaram no último ano, mas a Fenprof prefere olhar para os que ficaram para trás, criticando o facto de “aumentar para mais do dobro” os professores retidos.

A estrutura sindical recorda que no ano passado ficaram retidos pouco mais de dois mil docentes nos dois escalões e agora, com as cerca de 3.500 vagas abertas, deverão ficar retidos quase cinco mil docentes (4984): Há “um aumento de 145,3%”. Além das vagas, existe um outro travão: a definição de quotas de avaliação, uma vez que existe um limite para a atribuição dos Muito Bom e Excelente, que dão acesso direto aos escalões seguintes.

 

A Fenprof diz que alguns docentes “tiveram uma classificação que lhes deveria permitir ter obtido Muito Bom (8 a 8.9 em 10) ou Excelente (9 a 10), só que a aplicação das quotas de avaliação fê-los descer para Bom” e por isso deixaram de poder progredir sem depender de vaga. Para a estrutura sindical, esta situação cria injustiças e desigualdades.

No comunicado divulgado este sábado, lembra que “houve escolas em que docentes avaliados com Excelente desceram para Bom, enquanto em outras foi possível manter no Muito Bom quem obteve esta menção, o que significa que houve muitos casos em que foi retido quem obteve melhor classificação, provocando uma inadmissível discriminação e tornando ainda mais injusto o regime de avaliação”.

A discriminação acontece também porque o modelo aplicado aos professores que dão aulas no continente é diferente ao existente nas ilhas: Nos Açores não há progressão sujeita a vagas e na Madeira o número de vagas tem sido igual ao de docentes que reúnem todos os requisitos de progressão.

Em comunicado, a Fenprof volta a defender “o fim do regime de quotas, pois distorcem a avaliação, e de vagas, pois penalizam os docentes que já estão muito penalizados por diversas perdas de tempo de serviço, para além de criarem fortes injustiças”. Em alternativa, defendem que o ministério deveria substituir o despacho de vagas publicado na sexta-feira por outro que “preveja um número de vagas igual ao de candidatos, exigindo que tenha lugar o indispensável processo negocial”.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2021/06/as-outras-contas/

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Célia Cunha on 26 de Junho de 2021 at 21:28
    • Responder

    Boa noite colega Arlindo.
    Será que sabe quando será publicada a lista dos docentes que ficaram travados no 4 e 5 Escalões ?
    Muito obrigada.

    • professor karamba on 26 de Junho de 2021 at 22:28
    • Responder

    ……………….
    ………………………………………………..

    A carreira (in)docente tal qual a conhecemos tem os dias contados.

    As quotas de acesso a isto e aquilo tem os dias contados.

    Esta dita “carreira unica” tem os dias contados…..Parida na Abrilada, a dita “carreira unica” é um dos maiores abortos que os lobys docentes á época pariram.

    Tudo tem que ser REFORMADO……… a Carreira deve ser para quem prove Competencia e Trabalho, ou seja temos que Lutar por uma Carreira VERTICAL …. quem deve ocupar o Vertice deve ser gente com Cursos Universitários, docentes do Ensino Secundário e que ocupem cargos de gestão e de gestão intermédia.

    Não podemos continuar com BáBás (ex-Amas e agora educadoras das infancias) e com professores primários (ex-Regentes Escolares e agora professores do 1º triciclo) no Topo de Carreira …..A ABRILADA foi um Forrobodó para esta gentinha que tem usurpado aquilo que por direito é dos Professores de Ensino Secundário.

    Com esta dita Carreira Unica o que temos não é uma Classe Profissional, mas sim uma AMALGAMA de gente com formação distinta e com um conteudo Funcional completamente diferente.

    Isto do queremos todos o Topo da Carreira é a maior JAVARDICE a que eu assisti. BANDALHEIRA.

    Esta gente tem que ser colocada no sitio!………..

    …………………
    …………………………………………

      • Sardão pró Karamba Pintelko. on 26 de Junho de 2021 at 23:15
      • Responder

      Eis o manês, o Karamba, o famoso Pintelko!
      A falar de javardice! Pois claro, de que havia o manês de falar? Já é fim de semana e, pois claro, já anda todo contente a postar as suas habituais postas de pescada! Pudera, nos fins de semana anda sempre com o Sardão entalado!

    • Arcilino on 27 de Junho de 2021 at 11:26
    • Responder

    E a estória do “Ninguém Fica para Trás” é só para os outros? Temos de nos unir e fazer uma manifestação de desagrado histórica… Só há dinheiro para tap, salgados, Sócrates e amigos políticos esquerdalhas!

  1. Segundo me parece, a tutela assume que todos os MB e Excelentes são atribuídos aos professores dos 4º e 6º escalões. As escolas também assumem isso? Eu acho que de facto faz todo o sentido, a tutela até parece contar com isso, mas…
    Gostaria que quem tem mais e melhor acesso a números o possa confirmar.
    Nas minhas contas, em 140k (?) professores, um 1/4 deverão ser avaliados em cada ano (duração dos escalões). assim, serão avaliados 35k professores. As quotas de MB e Ex totalizam 25%, o que dará 8750 professores com essas avaliações. Mais dos que os 8000 estimados (talvez devido às progressões de retidos e do desvio da situação real em relação à média), mas parece que no entender da tutela TODOS (ou quase), os MB e Ex deverão ser atribuídos aos 4º e 6º escalões…

    1. É necessário passar à ação.
      Comecem por assinar a petição do colega:

      https://participacao.parlamento.pt/initiatives/2074?fbclid=IwAR3kxOv0d0lg5w64sfWIrNwZGEDmtcDe6BTq7klLV73zp8Uxod6oHaUi0Ds

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: