Os medos que por aí andam…

Todos sabem qual é a minha posição sobre a vacinação. Todos saberão que já fiz a primeira toma da vacina que dava pelo nome de AstraZeneca. O que poderão não saber, é que toda esta polémica me parece muito mais do que nos é transmitido…

Ficam alguns números.

Algumas estatísticas muito interessantes:
• há apenas 0,0004% de hipóteses de alguém desenvolver um coágulo sanguíneo após receber a vacina da Astrazeneca
• sete vezes mais probabilidades de acertar nos números vencedores da Loteria Nacional do que desenvolver um coágulo sanguíneo após a vacina
• 100 vezes mais chances de encontrar um trevo de quatro folhas
• aproximadamente as mesmas hipóteses de ser atingido por um raio
• As chances de morrer de um acidente de carro são 2.899 maiores
• as mulheres têm quase 15.000 vezes mais probabilidade de dar à luz gêmeos ou 223 vezes mais probabilidade de ter trigêmeos.
• uma pessoa normal tem quase 15 vezes mais probabilidade de morrer após ser picada por uma abelha.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2021/04/os-medos-que-por-ai-andam/

33 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • NÃO GOSTAM DE MULHERES? on 11 de Abril de 2021 at 9:18
    • Responder

    Porque será que os administradores deste chat odeiam as mulheres?

    Todos os sabemos que os efeitos graves e por vezes mortais da vacina da Astrazeneca afetam essencialmente as mulheres até aos 55 anos.
    Como os administradores são homens, estão-se lixando para as mulheres, levam a vacina felizes e a cantar e se alguma mulher morrer ou ficam muito doente, dizem logo: “Não é comigo, não me interessa”.

    Se os efeitos secundários graves acontecessem só aos homens, ia ser lindo.
    Eram logo artigos indignados a gritar contra a vacina, eram petições e choramingos!!!

    Mas como não gostam de mulheres ficam calados!!

      • Fernando, el peligroso de kas verdades. on 11 de Abril de 2021 at 15:09
      • Responder

      Venham elas ao nosso reino!
      O seu comentário não é pateta?

    1. 4 casos em 1000.000? Estes números foram tirados de onde?
      Até 4 de abril, a Agência Europeia do Medicamento afirmou terem havido 169 casos de trombose venosa cerebral e 53 abdominal…é só pesquisar!

    • Cmartins on 11 de Abril de 2021 at 9:25
    • Responder

    Os Epidemiologistas estudam a distribuição dos fenómenos de saúde/doença e os fatores condicionantes e determinantes, nas populações. Quando o fazem têm regras. Esse diagrama que postou é ao jeito da revista Maria, que também tem rubricas de saúde.
    Quando se compara o efeito da pílula com o da vacina tem que ser usado o mesmo universo, mulheres em idade fértil que tomam pílula com mulheres em idade fértil vacinadas…Este é só um exemplo. Deixemos a ciência para os cientistas. Treinadores de bancada há em todas as áreas. A vacina existe apenas há alguns meses, deve ser olhada com cautela e não com estas “regras de três simples”.

    1. Parece ser uma argumentação muito lógica… mas só parece!
      É evidente que o denominador tem que ser muito bem definido, e não é numa infografia como esta, sem mais detalhe, que o poderemos saber se o foi.
      Mas como disse, e muito bem, “Deixemos a ciência para os cientistas.”. E esses, afirmam exatamente o que diz a infografia, com mais ou menos % aqui ou ali. A informação é exatamente a mesma: A vacina é MUITO menos perigosa que algumas outras opções, e reforço opções, que as pessoas tomam no dia a dia. Muito especialmente a de se manterem em risco perante o COVID-19.
      Por isso, onde está a lógica do reparo?
      Realço ainda que, o facto de estar aqui a pilula e o tabaco não indicia nenhuma posição contra qualquer deles. Releva apenas a hipocrisia de tantos que tomam a decisão de correrem os riscos inerentes ao seu consumo, conscientes de que em tudo existem riscos, mas que no caso da vacina parecem pretender que só são válidas perante um impossível risco zero. Pior, parecem preferir, de forma totalmente irracional, o risco gigantesco do COVID face ao risco ridiculamente baixo da vacina. Como bem disse, “Deixemos a ciência para os cientistas.” e ouçamos o que eles (comunidade, não meia-dúzia de frustrados com necessidade de aparecer) dizem: Por cada dia de atraso na toma de vacina, há gente que vai sofrer, e morrer, desnecessariamente.

        • farto on 11 de Abril de 2021 at 14:56
        • Responder

        Esquece-se é que a maioria dos que têm medo destas vacinas são os mesmos que têm problemas de saúde e não tomam nem a pílula e nem fumam.

          • EU on 12 de Abril de 2021 at 21:25

          Esses não poderão ser acusado de hipocrisia nestes exemplos específicos.
          Mas poderia indicar inúmeros exemplos de decisões que tomam no dia a dia, em que preferem soluções menos seguros que as alternativas.
          No entanto prefiro relembrar que, se têm problemas de saúde, é mais uma razão para não correm o risco milhares de vezes superior de contraírem COVID, ao risco da vacina.

    • Glória Antunes on 11 de Abril de 2021 at 9:26
    • Responder

    E a propaganda continua…
    Sr. Cardoso, bem sabemos a sua opinião e respeitamo-la.
    Mas por favor, deixe de se alinhar de forma tão evidente com aquilo que tão bem expressou como “toda esta polémica nos parece mais do que aquilo que é transmitido”.
    E deixe também de tapar o sol com a peneira: a verdade inquestionável é que estas vacinas andam por cá há demasiado pouco tempo para se retirar qualquer conclusão fidedigna e robusta do ponto de vista de uma análise longitudinal no tempo. Nem sobre a imunidade, nem sobre os efeitos adversos.
    Você está a ajudar os governos que nada têm feito do ponto de vista de reforço dos seus sistemas de saúde, antes pelo contrário, nem tão pouco têm reforçado o que é suposto reforçar.
    Vacinar sim, mas em SEGURANÇA!

    • Luís Martins on 11 de Abril de 2021 at 9:30
    • Responder

    E a propaganda continua…
    Sr. Cardoso, bem sabemos a sua opinião e respeitamo-la.
    Mas por favor, deixe de se alinhar de forma tão evidente com aquilo que tão bem expressou como “toda esta polémica nos parece mais do que aquilo que é transmitido”.
    E deixe também de tapar o sol com a peneira: a verdade inquestionável é que estas vacinas andam por cá há demasiado pouco tempo para se retirar qualquer conclusão fidedigna e robusta do ponto de vista de uma análise longitudinal no tempo. Nem sobre a imunidade, nem sobre os efeitos adversos.
    Você está a ajudar os governos que nada têm feito do ponto de vista de reforço dos seus sistemas de saúde, antes pelo contrário, nem tão pouco têm reforçado o que é suposto reforçar.
    Vacinar sim, mas em SEGURANÇA!

    • Maria on 11 de Abril de 2021 at 9:35
    • Responder

    Já que é tão entendido na questão, deve ter uma opinião sobre mulheres que tomam a pílula e que foram chamadas para tomar a astrazeneca.
    Os riscos somam-se, multiplicam-se?
    Se tivesse uma filha ou esposa nesta situação talvez visse a coisa de forma diferente.
    São vidas em jogo, não politiquices.

    • Maria on 11 de Abril de 2021 at 9:35
    • Responder

    Já que é tão entendido na questão, deve ter uma opinião sobre mulheres que tomam a pílula e que foram chamadas para tomar a astrazeneca.
    Os riscos somam-se, multiplicam-se?
    Se tivesse uma filha ou esposa nesta situação talvez visse a coisa de forma diferente.
    São vidas em jogo, não politiquices.

    • Maria c on 11 de Abril de 2021 at 9:40
    • Responder

    Já que é tão entendido na questão, deve ter uma opinião sobre mulheres que tomam a pílula e que foram chamadas para tomar a astrazeneca.
    Os riscos somam-se, multiplicam-se?
    Se tivesse uma filha ou esposa nesta situação talvez visse a coisa de forma diferente.
    São vidas em jogo, não politiquices.

    • Maria on 11 de Abril de 2021 at 9:41
    • Responder

    Já que é tão entendido na questão, deve ter uma opinião sobre mulheres que tomam a pílula e que foram chamadas para tomar a astrazeneca.
    Os riscos somam-se, multiplicam-se?
    Se tivesse uma filha ou esposa nesta situação talvez visse a coisa de forma diferente.
    São vidas em jogo, não politiquices.

    • Maria apenas mais uma on 11 de Abril de 2021 at 9:52
    • Responder

    Não entendo os indignados, há a liberdade de decidir levar ou não levar a vacina. Estou tão cansada do discurso do coitadinho porque é uma minoria porque só tem essa opinião porque é homem… vão dar uma volta no campo, apanhar sol, tanta coisa boa para fazer em vez de destilar as frustrações e ódios na internet. Sejam felizes!
    Já que são todas Marias, aqui fica a opinião de mais uma…

    • Luís on 11 de Abril de 2021 at 9:54
    • Responder

    E a propaganda continua…
    (e agora até com censura aos comentários, este blog está em grande!!)
    Sr. Cardoso, bem sabemos a sua opinião e respeitamo-la.
    Mas por favor, deixe de se alinhar com aquilo que tão bem expressou como “toda esta polémica me parece mito mais do que aquilo que nos é transmitido”.
    E deixe também de tapar o sol com a peneira, publicando as tabelas e os quadros que uma qualquer revista sensacionalista publicaria. Não lhe fica nada bem…
    A verdade inquestionável é que estas vacinas andam por cá há demasiado pouco tempo para se retirar qualquer conclusão fidedigna e robusta do ponto de vista de um análise longitudinal no tempo, quer sobre a imunidade (e fatores associados), quer sobre os efeitos adversos.
    O sr. está a ajudar a desresponsabilizar os governos na sua inação do ponto de vista de outras medidas fulcrais que deveriam já ter sido tomadas, como o reforço dos seus sistemas de saúde, da testagem, e das equipas de saúde pública. A mim parece-me que os governantes não estão a usar criteriosamente o nosso dinheiro… nem tão pouco a dirigi-lo para as prioridades óbvias.
    Vacinar sim, mas em SEGURANÇA!

    • Guida Lemos on 11 de Abril de 2021 at 10:15
    • Responder

    Aquilo que sei é o que o governo, a DGS, o Infarmed e … escondem ao país: os dados que enviam à Europa e que podem ser consultados por quem quiser. Já houve 3546 reações adversas à vacina da AstraZeneca e 13 pessoas morreram em Portugal, embora os nossos “experts” afirmem não existir relação entre a toma da vacina e as mortes ocorridas. Porque não divulgam esta informação como os outros países?

    • Alecrom on 11 de Abril de 2021 at 10:43
    • Responder

    Falta de inteligência?

    Só toma a pílula quem quer: dispositivos intrauterinos, “DIU”, preservativos…

    Só fuma quem quer.

    Só toma a AstraZeneca quem é (ou querem que seja) obrigado, como se não houvesse alternativa.

    Falta de inteligência?

    • Ivo Juíz de Linha on 11 de Abril de 2021 at 10:54
    • Responder

    Falacioso … os dados da pílula e do tabagismo, não se referem aos 2/3 primeiros meses após o início do seu consumo!
    Deixai passar 4/5 anos e verão quão fantástica é esta vacina … se cá estiverem =D
    Falai com os profissionais da Neurologia …
    Sem dúvida que este “dossier” está longe de ser linear …
    Abraço

    • Maria Estafada on 11 de Abril de 2021 at 11:36
    • Responder

    Que engraçado, comparar com a toma da pílula!
    Pois eu sou mulher e não tomo a pílula e nem fumo. Por isso não podem fazer essa comparação!
    Posso dizer que também já tomei a primeira toma da Astrazeneca e fiquei com alguns sintomas, ( muito cansaço, dores de cabeça, dores na minha perna esquerda, que vem de cima até ao pé e tenho o pé dormente) claro que os médicos dizem que não tem nada a haver com a vacina. O que é certo é que foi depois da vacina que fiquei assim. Coincidência?Talvez sim, talvez não!
    Quem me vai dar essa resposta? Ninguém! Sou eu que tenho que aguentar!

    O QUE EU SINTO É QUE SOMOS AS COBAIAS desta experiência!

  1. Este post parece está para a farmacêutica como o juiz Ivo para o impoluto Sócrates…
    Ou será de alguém que pretende substituir o César?

      • César on 11 de Abril de 2021 at 15:17
      • Responder

      O Çésar continua na DGAE. Tinha é de ter escola. Agora é substituído.

        • Professora Zeca on 11 de Abril de 2021 at 21:03
        • Responder

        Os diretores ao seu nível…
        Foi aqui que o dono disto afirmou o regresso à escola do César !!!! Não se aproveita um!
        São o cancro da classe docente e das escolas. Covid? Comparada são “minuins”.

    • Maria Dulce Sequeira Pires on 11 de Abril de 2021 at 15:14
    • Responder

    Estou de acordo com o facto de ser afirmado que toda esta polémica é fruto de propaganda. Se analisarmos tudo isto com objetividade, constatamos que se trata apenas de interesses económicos de um grupo de farmacêuticas cuja vacina é muito mais cara, logo não lhes interessa que a vacina da AstraZeneca seja a mais usada, por outro lado, não nos pôde esquecer da origem da vacina, ela foi desenvolvida no Reino Unido….que saiu da comunidade, aqui encontramos uma questão política.
    Todo este alarido acaba por dar força ao lobby antivacinação…o que é lamentável.
    Devo acrescentar que sendo eu mulher sei que associação entre contraceptivos, tabaco já por si pode trazer problemas graves, daí surgirem mais problemas nas mulheres até aos 50/ 55 anos. Neste caso são opções que se fazem.
    Lamento todo este pânico gerado torno desta vacina, as outras também têm efeitos secundários do mesmo tipo.

    • César on 11 de Abril de 2021 at 15:18
    • Responder

    O Çésar continua na DGAE. Tinha é de ter escola. Agora é substituído.

  2. Comparação idiota.
    Em vez de comparar a percentagem de efeitos adversos da vacina da AstraZeneca com a percentagem de efeitos adversos da pílula, do tabaco e mais não sei quê; deveria comparar a percentagem dos efeitos adversos da vacina da AstraZeneca com a percentagem de efeitos adversos das outras vacinas (Pfizer e Moderna, por exemplo).
    Até uma criança de 5 anos (com défice cognitivo grave) é capaz de compreender que – ao fim e ao cabo – é isto que está em causa.
    Como alguém já comentou neste blog: o pior inimigo de um professor é outro professor…

    • Já chega. on 11 de Abril de 2021 at 16:32
    • Responder

    O que há de comum entre a vacina, pílula e tabaco? São opções, só toma quem quer. Ninguém é obrigado.

    Qual o conhecimento sobre vírus, vacina, pílula e tabaco? resposta Vírus e vacina (algum e pouco) pílula e tabaco (muito).

    Só uma achega: A Johnson & Johnson :
    https://www.rtp.pt/noticias/mundo/covid-19-regulador-europeu-avalia-casos-de-coagulos-da-vacina-da-johnson-johnson_a1311079

    • Zulmiro on 11 de Abril de 2021 at 18:35
    • Responder

    Falta acrescentar a essa lista a probabilidade de alguém morrer por Covid 1, não tomando qualquer vacina… Deve ser semelhante.

    • PedroLopes on 11 de Abril de 2021 at 19:34
    • Responder

    É óbvio que somos as cobaias destas vacinas…
    Mesmo assim, quem perceber um bocadinho de matemática de mercearia, em princípio, por muito que lhe custe (como eu, de alguma forma não vou nada contente) vai tomar a vacina; nem sequer põe a hipótese de não a tomar.
    Quem não tem o mínimo de conhecimentos matemáticos naturalmente que poderá pensar em não tomar a vacina.
    Boa sorte para todos (eu incluido).

    • professor karamba on 11 de Abril de 2021 at 22:16
    • Responder

    Fernando (lambe pissas) el peligroso de kas verdades vou-te fazer o Teste do COVID.

    Fernando, el peligroso de kas verdades mete o dedo indicador no Olho do Cú e cheira. Se te cheirar a Merda é porque ainda estás bem porque este é o teu cheiro caracteristico, mas se não te cheirar a Nada, vai com Urgência a um Hospital porque certamente estás Infetado com o COVID.

    Cumprimentos,
    Professor KARAMBA

    • Same on 11 de Abril de 2021 at 22:32
    • Responder

    Com os conhecimentos atuais, ninguém nos pode garantir que a vacina não terá consequências maiores do que o covid no futuro. A tecnologia usada nunca foi utilizada antes, foi tudo feito sobre pressão. Há muita gente a morrer de doenças graves sem ninguém se importar, sem conseguir consulta, sem ser recebidos, conheço pessoas nessas situações… é muito triste. Sei até de casos em que os médicos colocaram que a morte foi pro covid, e morrer de problemas cardiacos sem nunca terem estado em contacto com o vírus como aconteceu com uma vizinha minha. Outra esteve mal com o Covid porque tinha problemas pulmonares sérios… ninguém nos diz que doenças associadas existem… A mesma ciência que queremos acreditar é a mesma que colocas BHT, BHA, phenoxetanho, parabenos e outras substancias cancerígenas e produtos alimentares e cosméticas… Há muito que se diga! Cada um deve decidir livremente, em consciência. Parece uma assédio!

    • Mortadela Maria on 11 de Abril de 2021 at 22:33
    • Responder

    Esse argumento de que toma quemdecidir que toma ,não é lá muito feliz, porque sabemis que há una ameaçazinha de ir para o fim da fila.Eu até não me importaria, se o ensino continuasse à distância…embora ache que falta pouco.. Estamis num.país livre(?) e como tal deveria poder escolher a vacina…Há aqui tantos crentes da astra…tomem na!!

      • GuidaLemos on 12 de Abril de 2021 at 17:26
      • Responder

      E qual é o problema de ir para o fim da fila? Não era onde nos encontrávamos até há pouco mais de um mês?
      Devíamos poder escolher? Concordo. Mas de todos os que já tomaram a vacina, quem pôde escolher, com exceção de, provavelmente, os nossos queridos governantes?
      Quando fui convocada para a vacinação, respondi NÃO e a “punição ” de ir para o fim da fila não pesou nem um pouco na minha decisão. Na minha família há casos de tromboses e de AVC e foram estas situações que me levaram a recusar a AstraZeneca.

    • Sofia on 12 de Abril de 2021 at 12:22
    • Responder

    A vacina em mulheres que tomam a pilula é perigo a dobrar. Agora, a vacina em mulheres que tomam a pílula e fumam, é a triplicar….

    As mulheres podem deixar de tomar a pílula mas esta continua a ser o metodo anticoncepcional mais eficaz…

    Conclusão? Uma mulher deve pensar pelo menos 3 vezes se toma ou na toma a dita cuja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: