Hoje a Petição n.º 199 (Mobilidade Interna) Foi à Comissão de Educação

Hoje a Petição Nº 199/XIV/2 foi à Comissão de Educação, Ciência, Desporto e Juventude e foram ouvidos os seguintes peticionários:

Gisela Luísa Vasconcelos de Almeida (Peticionária)
Lígia Violas (Peticionária)
Paulo Fazenda (Peticionário)
Sílvia Silva (Peticionária)
Esta petição, subscrita com 6304 assinaturas, pede a anulação da decisão do Ministério da Educação em entregar apenas horários completos na Mobilidade Interna.
Esta é mais uma iniciativa individual de um conjunto de professores que optou por seguir com uma petição para inverter uma decisão da Administração Central.
Também o STOP colocou uma providência cautelar sobre este assunto, e que aqui no Blog já demos conta.
Logo que tenha mais alguma informação sobre a audição de hoje dos peticionários deixarei a informação no Blog.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/04/hoje-a-peticao-n-o-199-mobilidade-interna-foi-a-comissao-de-educacao/

2 comentários

  1. Petição para não trabalhar longe de casa, quando manifestaram preferência do contrário. Horário incompleto quando ganham completo.
    Não concorram para longe. Hipocrisia.

      • Invejoso on 21 de Abril de 2021 at 18:27
      • Responder

      A hipocrisia está na mudança constante de legislação. Nem todos os docentes que pertencem a QZP vincularam em 2003 ou seguintes, há muitos que ingressaram antes. Passámos de 23 QZP´s a 10 (logo os QZP´s estão enormes). Há pessoas cujo cônjuge ou pais podem pagar-lhe as contas e concorrem perto de casa e não estão para andar por longe e outros querem ter uma situação profissional mais segura e arrisacam com as regras dessa altura ignorando o que virá a seguir. Todos sabemos que:
      – a maioria dos horários declarados em julho ou agosto incompletos pelas escolas são completos em 1 de setembro;
      – Em todos os grupos (uns mais do que noutros, pois depende do envelhecimento dos docentes) as primeiras dezenas ou centenas de professores têm redução da componente letiva;
      – Muitos professores (foi o meu caso nos 2 últimos concursos MI) são indicados para serem opositores à MI porque o ME aprova/desaprova tardiamente as turmas (cursos profissionais, ofertas de escola, enfim secundário, em geral) e as direções com receio mandam os professores concorrerem. Mesmo quando termina o prazo da ICL2 ainda não há grandes certezas.;
      – A saída das listas de colocações a meados de agosto acarreta muitas injustiças, pois muitos horários ficam na gaveta. E é isto que não se pode aceitar.
      – Muitos horários de técnicos especializados são uma forma de meter amigos e roubar horários aos verdadeiros grupos de recrutamento.
      – Na MI concorre-se a escolas (sem saber se nelas existirá horário nem o tipo de horário) e não a intervalos de horários.

      Portanto, não faz sentido que só sejam atribuídos horários completos na MI. O juíz que decidiu não sei se estava na posse de toda essa informação.

      O ME não faz o seu trabalho como deve de ser, altera constantemente a legislação e quem se lixa é o mexilhão. Depois ainda temos uma corja de invejosos que estão bem instalados e ainda torcem para que os outros se lixem. Que tristeza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: