Tomada de Posição – SOBRE A REALIZAÇÃO DE EXAMES NACIONAIS NO ANO LETIVO DE 2019/20 E RETORNO ÀS AULAS PRESENCIAIS DOS 11º E 12º ANOS

 

[gview file=”https://www.arlindovsky.net/wp-content/uploads/2020/05/AE_Romeu-Correia_Feijo_-tomada-posicao-do-CG.pdf”]

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/05/tomada-de-posicao-sobre-a-realizacao-de-exames-nacionais-no-ano-letivo-de-2019-20-e-retorno-as-aulas-presenciais-dos-11o-e-12o-anos/

22 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Matilde on 9 de Maio de 2020 at 19:53
    • Responder

    Aplaude-se este Conselho Geral pela coragem e determinação demonstradas!

    Muito bem.

    • Roberto Paulo on 9 de Maio de 2020 at 19:56
    • Responder

    Então em setembro a situação estará normalizada? É óbvio que não!

    O que defenderão nesse momento alguns senhores professores e professoras? Continuar a partir de casa, num faz de conta monumental?

    O que vos incomoda tanto nos exames? O fim de uma espécie de julgamento público no qual muitos não gostam de se rever?

    Com estas posições, só estão a dar razão a todas as crises deste mundo. Patético!

      • Luluzinha on 9 de Maio de 2020 at 21:19
      • Responder

      Muito bem!

    • Zaratrusta on 9 de Maio de 2020 at 20:19
    • Responder

    Bem hajam. Excelente.

    Roberto Paulo: É professor? É pai?

      • Roberto Paulo on 9 de Maio de 2020 at 20:29
      • Responder

      Zoroastro,

      1. Não sou professor.

      2. A esposa diz que sim, que sou pai de jovens que frequentam o secundário e o superior, e confio nela plenamente.

      Vossas inxelências adotam estas posturas, dando toda a munição para as crises e catatuas carecas deste mundo vos virem perguntar se estão dispostos a receber apenas 2/3 do salário.

    • Luluzinha on 9 de Maio de 2020 at 20:24
    • Responder

    Uma tomada de posição inútil e ridícula que, felizmente, não levará a lado nenhum. Acordem: toda a Europa está a tomar medidas para o retorno à normalidade possível.

      • Roberto Paulo on 9 de Maio de 2020 at 20:34
      • Responder

      Pois é, lula. Sucede que, na Dinamarca, a cena está a tornar-se demasiado normal, pá. Na Suécia, país de gente asquerosa e que deixou à mercê a população, com os reflexos que se conhecem em Estocolmo, eles caem que nem tordos, apesar daquilo parecer o Alentejo ao contrário na questão do clima. Na Inglaterra, o Boris, depois de se ter borrado todo ao ver a morte tão perto, vai abrir mais ciclovias e não sei o quê, para desincentivar o uso de transportes públicos. Na França, um português faleceu e os tugas lá do sítio foram em procissão acompanhá-lo à derradeira morada, daí resultando um novo surto del coronita.

      Mas concordo com a tua primeira frase.

      • Maria on 10 de Maio de 2020 at 19:32
      • Responder

      Luluzinha, tontinha, no seu caso, voltar à normalidade será impossível, pois só volta ao “normal” quem já o era antes :))

    • Parabéns! on 9 de Maio de 2020 at 22:31
    • Responder

    Orgulho de já lá ter trabalhado! Parabéns a todos que não se deixam vergar!

    • Roberto Paulo on 9 de Maio de 2020 at 23:34
    • Responder

    É curioso: o agrupamento de escolas de Beja não disse nada; o de Nelas idem; o de Vila Viçosa idem; o de Figueira de Castelo Rodrigo idem; o de Cabeceiras de Basto idem; o de Melgaço idem; o de Nisa idem; o do Redondo idem; o de Barrancos idem; o de S, Marcos da Serra idem; o de Serpa idem; e por aí fora.

    Quem é que se tem pronunciado? Onde estão localizados? Qual a sua realidade social?

    • Zaratrusta on 10 de Maio de 2020 at 0:26
    • Responder

    Olha a Lulupoucochinha à falta do pardaleco arranjou outro mentecapto que detesta professores. Estão bem um para o outro, pois ela de professora deve ter muito pouco.

    1. Ela é o pardal.
      É ridícula e gasta estratégia do vigarista Sócrates e da famigerada lurdes rodrigues.
      Não se esqueçam que o Costa era o goebbels do falso engenheiro.
      Nota: só nos sentiremos vingados quando aquelas criaturas aparecerem na pág da necrologia.

    • Carlos on 10 de Maio de 2020 at 13:47
    • Responder

    Muito bonito e muita gente a aplaudir, mas esquecem-se de referir determinados problemas a acrescentar. Cancelamento dos exames, e fazem-nos quando? A triplicar no 12° ano? Cancela-se definitivamente para este ano, e quem para o ano não conseguir acesso á universidade, no ano seguinte irá com toda a certeza ter de os fazer, pois entrará num grupo que os vai fazer para ter acesso. Opta–se por outro mecanismo, qual? Os exames do 9 ano, ou apenas a nota interna!? E aqueles alunos que estiveram mais de metade do ano letivo sem docente, e aqueles alunos que por uma série de razões tiraram uma nota interna baixíssima? É muito bonito ser-se populista e ir de encontro á opinião de alguns colegas pois dá jeito para talvez ser-se eleito num próximo ano ou algo do género, mas mais uma vez não vejo soluções definitivas e completas, apenas remendos que cada escola vai metendo nos buracos que muitas vezes elas próprias criaram, ou porque o sistema on-line não funcionou pois os seus docentes estão envelhecidos demais para saber usar uma plataforma eletrónica, ou porque …porque..porque …etc, mas quem se lixa serão sempre os alunos. E já agora sou pai e professor, portanto excusado será apontarem armas aos pais.

      • Matilde on 10 de Maio de 2020 at 14:51
      • Responder

      “Cancelamento dos exames, e fazem-nos quando?”

      Este ano não deveriam fazê-los, portanto a resposta à pergunta “Quando”? deveria ser: Nunca.

      Devia, isso sim, ser encontrada uma forma de efectuar o concurso de acesso ao ensino superior que não contemplasse a ponderação actualmente atribuída aos mesmos.

      Não terá o Ministério da Educação competência técnica e científica para o fazer?

      O sistema de classificação/seriação de alunos (exames) serve a quem, nas actuais circunstâncias?

      Os alunos, pais e professores não “sobrevivem” sem os exames? Que virtudes têm os mesmos para que sejam considerados como essenciais e imprescindíveis?

      • Zaratrusta on 10 de Maio de 2020 at 15:19
      • Responder

      – ” E aqueles alunos que estiveram mais de metade do ano letivo sem docente”. O meu filho teve, durante todo o ano letivo, um mês de aulas a uma disciplina à qual vai ser obrigado a fazer exame para o próximo ano, curiosamente é uma disciplina que não vai ter aulas presenciais a partir do dia 18. Para si isto faz sentido? Esta falta de professor foi ignorada pelo ME que sempre se recusou a resolver o problema, aliás, a máquina de propagando do ministério continua a negar que haja falta de professores. Acha que o meu filho vai estar preparado para esse exame? Acha mesmo, tal como a secretária de estado Amador, que vai ser possível colocar professores em falta, em tempo útil, a partir do dia 18? Não considera que seria preferível preparar o próximo ano atempadamente, salvaguardando os interesses destes alunos?

      – Sabe-me dizer quantos alunos do ensino privado estiveram sem professor a qualquer disciplina durante todo o ano? Parece-me que com esta pergunta dou resposta à Matilde: “O sistema de classificação/seriação de alunos (exames) serve a quem, nas actuais circunstâncias?”

      – “e aqueles alunos que por uma série de razões tiraram uma nota interna baixíssima?” Sabe-me dizer qual a percentagem de alunos do ensino público que melhora a classificação interna com a classificação do exame?

      – Saberá o senhor que nos últimos anos as 50 melhores classificações nos exames pertencem a alunos do ensino privado?

      Numa coisa estamos de acordo- quem se lixa são sempre os alunos.

    • alabastro on 10 de Maio de 2020 at 14:23
    • Responder

    Parabéns e aplausos à coragem e à verdade, pois os exames são a maior idiotice da idade das cavernas que o governo insiste devido a meios economicistas de poupar dinheiro, pois fica barato colocar os professores do secundário a corrigi-los do que dar às universidades o poder de ter provas de acesso, como se faz na Europa.
    Portugal é o único país da Europa que tem este sistema de acesso à universidade, a OCDE todos os anos afirma-o como injusto , os nossos alunos/filhos não estão a ter o mesmo tratamento que os outros alunos europeus, são castrados, nem os papás que apoiam este sistema de seleção imaginam que estão a cometer suícido no acesso a oportunidades dos seus filhos.
    Informem-se mentes atrasadas e não se deixem injetar com lobies de partidos que veiculam informação constantemente na comunicação social que os exames são a melhor forma de selecionar e na igualdade de oportunidades.
    ACORDEM do SONHO !

      • Tudo dito! on 10 de Maio de 2020 at 16:06
      • Responder

      Parabéns! Isso mesmo!

        • Luluzinha on 10 de Maio de 2020 at 16:35
        • Responder

        Discordo, em absoluto, da opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: