Petição – Subsídio de deslocação e alojamento para os docentes deslocados.

Senhores Deputados Deputados da Assembleia da República

Reparamos que os senhores discutem “gretas”, que até dão gorgetas a juizes de 700€/mês, como se fossemos um País à “fartazana”.

Sabemos também que não repararam ou não quiseram ver que existem professores a viver em parques de campismo à espera de casas, a viverem em sofás (por noite), ou em situações bem mais alarmantes como toda a comunicação social mostra.

O problema é mais grave nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve, onde estão por preencher muitos dos horários ainda vagos. Há docentes que foram colocados a muitos quilómetros de casa e que têm recusado os horários que lhes foram atribuídos, por não termos meio de pagar renda altissima de uma segunda habitação, nem para pagarmos as despesas de deslocação. Os nossos salários não chegam para absolutamente mais nada.

Deixar a centenas de kms a família que construimos, os filhos que sempre sonhamos ter, eles que tanto precisavam de cada um de nós. Para quê? Para uma missão nacional, que em nada nos favorece. Mesmo assim temos que os “abandonar” a troco de quase nada, fica uma dor enorme.

A Lusa (que é só) a maior agência de notícias de língua portuguesa no mundo.questionou o ME sobre a hipótese de avançar com alguma destas propostas para minorar o problema mas não obteve qualquer resposta. Nós não podemos mais esperar, não nos alimentamos do ar.

O PS prometeu no seu programa eleitoral “criar incentivos” em áreas do país onde a oferta de profissionais é escassa assim como avançar com “condições para uma maior estabilidade e rejuvenescimento do corpo docente” e isso não está a acontecer, como também se prometera no tempo de Nuno Crato em 2013 e nada aconteceu.

Vivemos uma “situação asfixiante”, que está a provocar o abandono precoce da profissão por parte de muitos colegas desanimados com as condições de trabalho e pela incapacidade de suportarem as despesas. Será este o destino que queremos para os nossos professores? O que esperam dos nossos alunos? Como queremos convencê-los a entrar no ensino?

Já é muito tarde para o retorno de muitos professores que abandonaram a nossa educação. Não podemos deixar que os que ainda “sobrevivem” cometam o mesmo “suicidio” para o futuro das gerações vindouras.

Exigimos respeito e acima de tudo que não nos considerem escravos. Valorizem a Educação e respeitem os Professores.

Não queremos enriquecer do ensino, mas sim enriquece-lo.

Com os melhores cumprimentos,

Um(a) professor(a) sem mais forças para lutar….

Assinar Petição

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2019/12/peticao-subsidio-de-deslocacao-e-alojamento-para-os-docentes-deslocados/

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Pardaleco on 10 de Dezembro de 2019 at 19:45
    • Responder

    Tirando a gorjeta, não tarda muito e está aqui o professor Pardal a dar à língua contra os professores!

    • Luluzinha on 10 de Dezembro de 2019 at 20:26
    • Responder

    “(…) enriquece-lo”??? Como docente, jamais assinaria esta petição.
    Além disso, que introdução tão sofrível, plena de argumentação falaciosa “ad misericordiam”! Enfim…

    • Zeco on 10 de Dezembro de 2019 at 20:56
    • Responder

    Pedir esmola!?
    Queremos um salário digno e não esmolas.
    NÃO ASSINO.

    • Prof. on 11 de Dezembro de 2019 at 17:26
    • Responder

    Esta linguagem (tom e erros de língua) não nos dignifica. Assim não!

    • Mariana on 12 de Dezembro de 2019 at 11:05
    • Responder

    Petição a pedir esmola? Não, obrigada! Quero um salário digno para os professores. Basta de humilhações! Que vergonha.

    • MCP on 12 de Dezembro de 2019 at 14:54
    • Responder

    Petições com sarcasmo à mistura e uma linguagem brejeira e sem nível, não só não passam qualquer mensagem séria, como reforçam a ideia de que somos uma classe… sem classe. Faça-se uma petição séria, com sólidos argumentos não só baseados nos aspectos económicos, como sociais e familiares, e o apoio surgirá. Assim, não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: