Ao Início da Tarde

Professores não podem ser colocados a mais de 60 quilómetros da sua escola

 

 

O secretário da Administração Escolar garantiu nesta segunda-feira que nenhum professor será colocado além de 60 quilómetros da escola onde é efectivo, alterando o que estava definido até agora, que previa que alguns docentes fossem colocados a 200 quilómetros.

Nenhum professor do quadro de escola ou agrupamento será colocado para além dos 60 quilómetros”, anunciou o secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar, João Casanova de Almeida, numa curta conferência de imprensa realizada no Ministério da Educação, onde durante a manhã esteve reunido com vários sindicatos independentes e a Fenprof.

O secretário de Estado, que durante a tarde vai se reunir com a FNE e restantes sindicatos de professores, sublinhou que o ministério não pode “excepcionar qualquer professor no que toca à requalificação profissional [antiga mobilidade especial] e o horário de 40 horas de trabalho”, no entanto, está a trabalhar no sentido de “criar condições específicas de aplicação destas medidas”.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2013/06/ao-inicio-da-tarde/

41 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Rikas on 24 de Junho de 2013 at 17:06
    • Responder

    Isto é tudo muito lindo e é bom que haja cedências, mas para os contratados o que se fala ou falou?

      • Pedro Loja on 24 de Junho de 2013 at 20:09
      • Responder

      Para os contratados o habitual… Que vergonha!!! Sou do quadro de agrupamento e já estive num Conselho Executivo e acho uma profunda falta de respeito pelos professores em regime de contrato… ótimos profissionais e melhores do que algumas carcaças do quadro que já devem anos à reforma… Deus me perdoe!!! Sangue novo…
      Força professores contratados, mesmos aqueles que não quiseram fazer greve… estarei na frente por vós!!!

      • Anónimo on 24 de Junho de 2013 at 22:27
      • Responder

      Faltam alunos.

      • Joao on 25 de Junho de 2013 at 14:50
      • Responder

      Caro Rikas, para o mexilhão que está no último lugar do estrato profissional da carreira docente, nao há nada! Fomos a Lisboa por causa de uma avaliação que ainda existe e por uma divisão da carreira que não nos dizia respeito. Fizemos greve por causa da mobilidade e das tabelas salariais. Não fizemos greve por causa dos alunos por turma, pelo extermínio de EVT, por processos de vinculação (que já deviam ter sido feitos há anos) e pelo aumento de alunos por turma.

  1. Caso não acabe o 79, caso a redução da DT retorne à componente letiva, caso os professores de horário zero não sejam obrigados a concorrer para longe, caso as 22 horas letivas se mantenham, caso……mais mil coisas, os contratados também ganham, E muito. Se se resolvem todos os problemas? Claro que não, mas não podemos ver a luta apenas de uma parte.
    Vamos aguardar.

    • Atónita on 24 de Junho de 2013 at 17:15
    • Responder

    Isso pouco interessa!
    Quanto mais perto ficarem maior é a probabilidade da mobilidade especial.
    Esse tipo de negociação não tem qualquer interesse. Espero que a FNE não se subjugue por tão pouco ou mesmo quase nada.
    O que importa mesmo é não haver requalificação daí, é importante continuarmos com a greve às avaliações. Só assim o MEC sucumbirá.

      • Anicas on 25 de Junho de 2013 at 9:52
      • Responder

      Concordo plenamente! Os colegas estão a iludir-se com a questão dos 60km 🙁

    • raquel on 24 de Junho de 2013 at 17:19
    • Responder

    e os contratados? e os qzp? já fiz 300 km dia!

  2. Que grande vitória a da FNE e outros sindicatos vendem-se por uns patacos, desindicalizem-se já!

    • Maria on 24 de Junho de 2013 at 17:47
    • Responder

    Não acredito que isto venha a ser assim tão bom, bem pelo contrário. Ainda estou para ver como é que vão operacionalizar isto.

  3. Maria, mas onde vê bom? é horrível são uns vendidos

      • Maria on 24 de Junho de 2013 at 21:27
      • Responder

      Pois, não vejo… Sabe Maria, há muitos sindicatos de professores, demasiados na verdade.

  4. não compreendo os sindicatos que negoceiam! com o apoio tão grande por parte dos professores como é que cedem por uma mais cheia de nada. Eu devo ser muito ingénua,ou burra

  5. Arlindo responda-me porque é que a FNE cede por tão pouco ?

    1. Mas alguém já cedeu?

      1. A ver vamos Arlindo, sinceramente,espero estar enganada.

    • Belita on 24 de Junho de 2013 at 18:35
    • Responder

    Então andamos todos a fazer greve, professores de todos os ciclos e situação profissional diferente e com esta suposta alteração à mobilidade só os professores de QA ficam beneficiados?
    Não me levem a mal pelo que vou dizer, mas eu como prof do 1º ciclo tenho 25h + 2h e não tenho redução por ser DT. Qual o motivo pelo qual não se fala nisso??
    A haver alterações ao que nos querem fazer, penso que deveriam ser benéficas para TODOS os prof e não só para alguns.
    Uma vez mais, onde está a justiça?? Todos fazem greve e as mudanças são só para alguns?
    Mas que injustiça!!!!

    1. Vejo muitos contratados chateados. Desde quando é que apenas com o aumento da carga horária não letiva os contratados saem prejudicados?!? Não é possível criar horários onde não existem, é apenas possível salvaguardar os direitos adquiridos e esperar que surjam horários…Sou QZP e se ficar com horário zero, nenhum, mas mesmo nenhum, contratado terá lugar no mesmo QZP e num outro que lhe faça fronteira, enquanto estiver nessa situação. Por isso, garantir que fico colocado é uma mais valia para que saiam horários para contratados. Ou não é? Agora não queiram é inverter os papeis, também já fui contratado e não estamos uns contra os outros. O bem de uns é o bem de TODOS, desde que não se manipulem as regras do jogo.

        • Belita on 24 de Junho de 2013 at 20:37
        • Responder

        Colega, também sou qzp e não contratada como, por qualquer motivo, pensou …

          • Filipe on 25 de Junho de 2013 at 0:10

          É verdade, pensei 🙂 mas o bem de uns é o bem de todos agora! Estou farto de comparações. Ainda hoje um colega, mais velho, estava aborrecido porque as greves vão estragar-lhe as férias! Pois, como se não tivesse motivo para reclamar! Se avançarem as medidas, para os próximos anos, a vida desse professorzeco vai ficar um inferno. Além de ser egocêntrico, terá mais horas de trabalho, menos salário e… na altura da reforma… nicles! Como estava aborrecido, com a ânsia de colocar um comentário aqui, escrevi no local errado 🙂

  6. Sou QA. Estou a 90 km de casa. Isto quer dizer que posso ficar a 150???. E os colegas do QZP? e os contratados? NINGUÉM deveria ser obrigado a concorrer ou a ser colocado contra vontade longe dos seus? Somos pessoas com famílias, não somos números. Ser professor é uma vocação, mas não é um sacerdócio:(

      • Maria on 24 de Junho de 2013 at 21:31
      • Responder

      Natália, compreendo a sua posição, aliás, estou na mesma situação, mas se eu não quiser ir trabalhar ninguém me obriga, aliás, centenas de pessoas iriam para o meu lugar. Temos que ser honestos nisto, não podemos exigir horário ao lado de casa se não há. As razões porque não há são discutíveis, aí concordo, mas quanto ao resto… É uma opção.

    • annuskka on 24 de Junho de 2013 at 19:18
    • Responder

    Isto é para quem? Professores sem horário? Devem estar a brincar com todos…Só pode!!! Sou do quadro e estou a 360km de casa, sublinhe-se, casa… É isso que se pretende, 60km de casa e não da escola efetiva!!! Acordem sindicatos…

    1. Há pessoas que se queixam por tudo! Acha que garantir os 60 Km é mau por que? Ah, já sei… é aquele pensamento: “como eu estou mal os outros têm de estar também”! Dou-lhe uma sugestão, tente a aproximação e, não reclame de uma medida que é positiva. Só espero que se lembrem dos QZPs também (sou QZP). Mas não reclamo, é bom haver limite.

  7. 60km é o que está previsto para a generalidade da função pública.
    Não percebo onde está a cedência!

    • João on 24 de Junho de 2013 at 20:30
    • Responder

    60 km da escola onde me encontro efetiva!!!!! A minha escola está a 90 km de casa, a referência deveria ser a minha casa e não a minha escola!!! É esta a proposta interessante para os QA?

    • João Pestana on 24 de Junho de 2013 at 20:35
    • Responder

    João.
    Nesta altura… se tivermos emprego será óptimo!
    Cumps.

    • FarinhaDoMesmoSaco on 24 de Junho de 2013 at 20:52
    • Responder

    E a direção de turma?! Os sindicatos não falam disso?!?! São milhares de horários que desaparecem!!!

  8. apenas importa os quadros… qual a dúvida????

    • Miguel Castro on 24 de Junho de 2013 at 21:22
    • Responder

    Mas os que não fizeram greve deviam ser colocados a 600 kms.

      • Maria on 24 de Junho de 2013 at 21:33
      • Responder

      Ops! 600? Só se mudassem de país! Ou para as ilhas!

      • Anónimo on 24 de Junho de 2013 at 22:32
      • Responder

      Ninguém obrigou ninguém a fazer greve. Se fez greve foi porque quis.Também se aplicaria ao contrário. Os que fizeram greve “deveriam” ser os primeiros a ir para a mobilidade. Se fosse patrão o que faria? Ou é daqueles que “cospe” na mão de quem lhe dá de comer?

        • Miguel Castro on 24 de Junho de 2013 at 22:48
        • Responder

        Se fiz greve foi para lutar que tu e outros como tu não fossem parar a 600 kms, percebeste??

          • Anónimo on 24 de Junho de 2013 at 22:54

          Alguém lhe pediu algum favor? Há cada um!

          • Titular on 24 de Junho de 2013 at 22:56

          Também fez greve para evitar a promoção a professor titular?

          • Miguel Castro on 24 de Junho de 2013 at 23:12

          Favor? Qual favor? Foi um dever.
          Mas de facto para colegas (??) como tu, de facto, deveria estar era quieto.

      1. Idiotas…

    • Atónita on 24 de Junho de 2013 at 22:33
    • Responder

    Vejam lá se se acalmam!
    Vamos aguardar para ver. Se os sindicatos cederem eles sabem que vão ficar a perder.

    • prof on 24 de Junho de 2013 at 23:37
    • Responder

    E a vergonha dos falsos horários temporários de renovação mensal ninguém fala? Na maioria das escolas os contratados estão-se a ser mobilizar para fazerem greve mas os interesses que os sindicatos salvaguardam são apenas os dos quadros!!

    • Belita on 25 de Junho de 2013 at 0:25
    • Responder

    Copiado do facebook:

    “Colegas a luta nunca é em vão, como podem ver eles começam a ceder e amanhã é para continuar firmes na GREVE às avaliações!
    Até que os “boys” políticos e o Sr. ministro estejam amarrados nas suas teias!
    Talvez amanhã após as reuniões tenhamos novidades!
    Mas fresquinhas são estas:
    Mobilidade: QZP 1 Zona; QE 60 km;
    DT: nos 100 minutos (poderá ser CL se o diretor quiser), deixa de ser trabalho de escola!;
    15 horas de trabalho individual do professor;
    Requalificação em 2015!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: