A Entrevista de Nuno Crato ao Diário Económico

… que passa à história porque o sonho de concretizar os serviços mínimos desapareceu.

Da mesma forma que a decisão do Tribunal Constitucional marca uma viragem nas opções do governo a decisão do Tribunal Arbitral tem de marcar uma nova viragem.

E o que se exige no mínimo é que o Governo agende novas reuniões com os sindicatos para desbloquear este impasse.

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2013/06/a-entrevista-de-nuno-crato-ao-diario-economico/

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Maria on 11 de Junho de 2013 at 19:33
    • Responder

    A decisão já chegou: não há serviços mínimos. Afinal fazer os exames nos dias agendados não é uma questão de vida ou morte.

      • Anónimo on 11 de Junho de 2013 at 21:50
      • Responder

      E se tivesse filhos a fazer exame continuava a concordar com a greve?

        • Anónimo on 11 de Junho de 2013 at 22:55
        • Responder

        Eu tenho filhos a fazer exames de 12º ano e concordo com a greve!
        É o futuro da educação que está em causa, o resto é a conversa demagógica do Ministro que quer entupir a opinião publica com mentiras e meias verdades…

      1. Uma simples conta, um simples exemplo…

        7 turmas X (média) 28 alunos = 196 alunos
        196 testes (corrigir e lançar lotas na tabela não leva menos do que 15 minutos – cada teste, fazendo o trabalho com justiça e ponderação) X15= 2940min = 49h [pelo menos duas vezes por período]

        Preparação de materiais para as aulas? (ou é só abrir os manuais e ler o que lá está?)
        Planificação das próprias aulas?
        Correção de trabalhos e fichas dos alunos?

        Reflexão sobre respostas a dar para o ensino individualizado?

        Elaboração de relatórios e documentação de escola?
        Trabalho de Direção de turma, quem o tiver?

        Tempo para a formação profissional obrigatória?

        Isto é só a ponta do iceberg…

        Um professor também é humano!

  1. “Estou muito triste” Coitado! Parece o outro…
    Estou cheia de pena 😛

    • João on 11 de Junho de 2013 at 21:04
    • Responder

    A haver novas reuniões convinha que os sindicatos se lembrassem que há mais problemas, para além da mobilidade. Há contratados que andam em mobilidade há vinte anos.

    • Manuel on 11 de Junho de 2013 at 21:43
    • Responder

    LOL, está muito triste porque a greve prejudica os alunos? Quem é que havia de prejudicar? Os doentes do hospital, não? LOLLLL

      • Anónimo on 11 de Junho de 2013 at 21:54
      • Responder

      Por estas razões é que defendo o ensino particular. Nas próximas eleições só irei votar num partido que prometa privatizar o ensino. Quero ver depois quantas greves fazem.

      1. Nos próximas eleições vou votar no partido que nacionalizar o seu vencimento…

        • Rui Santos on 11 de Junho de 2013 at 23:49
        • Responder

        És tu, Crato?

    • Daniel on 11 de Junho de 2013 at 22:34
    • Responder

    Não se vão ficar pela porcaria que já fizeram… quase no fim da entrevista o crato anuncia que vão fundir EB23 e Secundárias.

    Era o que faltava! E a liberdade de escolha?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: