Grau Académico dos Docentes Contratados

Neste quadro considerei a totalidade de candidaturas ao concurso de contratação 2012/2013, que foram de 69925.

O grau de licenciatura constitui 92,68% da totalidade de candidaturas ao concurso de contratação. Nesta percentagem também contabilizei os candidatos aos grupos do ensino especial que possuem a Formação Especializada.

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2012/09/grau-academico-dos-docentes-contratados/

29 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • ANA SOFIA MIRANDA on 21 de Setembro de 2012 at 10:41
    • Responder

    Acho injusto ter tirado uma licenciatura em espanhol e só poder dar aulas se fizer o mestrado enquanto que as pessoas que tem o del podem dar aulas. Estas pessoas mal sabem a língua, fizeram uma formaçao em três tempos e não sabem a língua minimamente. Falo isto pois tenho conhecimento de causa. É injusto faço um apelo para que esta lei que vigore mude rapidamente.

    • lmc on 21 de Setembro de 2012 at 10:52
    • Responder

    A lei já mudou. No concurso nacional isso já não acontece, nas ofertas de escola é outra história.

      • A. on 21 de Setembro de 2012 at 14:03
      • Responder

      a lei mudou para os concursos mas continua a haver muitas injustiças e incoerências… os professores do quadro que tenham ” habillitações ” ( não se sabem quais) podem dar aulas de espanhol…e deposi o noss ministro fala em exigência e rigor…

    • CS on 21 de Setembro de 2012 at 11:02
    • Responder

    Pressuponho que aqui não estão contabilizados os mestrados que, como no meu caso, por não serem “Bolonha”, não se podem incluir na informação dos concursos. São aqueles mestrados que levaram, no mínimo, 2 anos a concluir, com muito esforço, a trabalhar e estudar ao mesmo tempo e que agora não serve para absolutamente nada…

      • LC on 21 de Setembro de 2012 at 11:52
      • Responder

      Exatamente! Eu tenho licenciatura de 5 anos + mestrado de 2 mas para preencher as habilitações na plataforma só aparece mestrado integrado…

      • António on 21 de Setembro de 2012 at 12:22
      • Responder

      Eu também tenho um mestrado concluído em 2007 (pré Bolonha) com um prémio atribuído que não serve rigorosamente para nada pois a condição necessária e suficiente para os concursos é a licenciatura. Não me parece que esteja identificado nas listas de ordenação.

      • ramila on 21 de Setembro de 2012 at 19:42
      • Responder

      o meu Mestrado foram 4 anos, mas isso foi na década de 90

    • Miguel Castro on 21 de Setembro de 2012 at 11:13
    • Responder

    CS, não me parece que esses não estão mesmo contabilizados, pois seria impossível o Arlindo saber… esses, de facto, à luz das novas invenções Bolonhesas, não servem mesmo para nada.

      • Miguel Castro on 21 de Setembro de 2012 at 11:14
      • Responder

      CS, parece-me que esses não estão mesmo contabilizados, pois seria impossível o Arlindo saber… esses, de facto, à luz das novas invenções Bolonhesas, não servem mesmo para nada.

      Read more: http://www.arlindovsky.net/2012/09/grau-academico-dos-docentes-contratados/#ixzz2768M0PqO

    • Acho que não... on 21 de Setembro de 2012 at 12:00
    • Responder

    Eu concorro com a licenciatura, mas tb tenho mestrado em informática. Aliás tenho 2 licenciaturas de informática pré-bolonha e um mestrado pré-bolonha. Não me parece que consiga ver isso, os dados não devem ser 100% corretos.

      • Ricardo on 21 de Setembro de 2012 at 14:38
      • Responder

      Pois, e eu acabei agora Mestrado em Ensino de Inglês e Espanhol… E já tenho 10 anos de serviço… Também ainda não figuro das listas…

    • patricia on 21 de Setembro de 2012 at 12:59
    • Responder

    Aproveito este post para relembrar que não estão a contemplar os docentes com bacharelato em 1º CEB, que deviam de ser colocados quando as vagas fossem primeiramente preenchidas por quem tirou efetivamente a licenciatura em 1º CEB!!!
    Esses docentes estão colocados com bacharelato em 1º CEB!!!! Eu tenho mestrado integrado em Informática e concorro para o 1º CEB com licenciatura (porque tirei licenciatura em 1º CEB!!!).
    Agora se houver lugar a efetivação/vinculação como será: esses docentes com licenciaturas de Português/Ingês, mat e ciências e Ed física e com bacharelato em 1º CEB ficam à frente dos que tiraram a licenciatura em 1º CEB!!!!!
    Desculpem as redondâncias…mas fico fula.
    Será que não há mais ninguém que esteja de acordo comigo???
    Cumprimentos

      • PCCO on 21 de Setembro de 2012 at 21:55
      • Responder

      Realmente não posso estar em mais DESACORDO consigo! então também não sabe que “esses docentes com licenciaturas de Português/Inglês, mat e ciências e Ed física e com bacharelato em 1º CEB ficam à frente dos que tiraram a licenciatura em 1º CEB!!!!!”, também têm licenciatura em 1º ciclo??? também fizeram estágio no 1º ciclo e no 2º ciclo???também concorrem aos dois grupos porque podem e têm licenciatura para os dois???
      E quanto ao seu” mestrado integrado em Informática ” faz uso dele??, ou seja, concorre para esse grupo (seja no concurso nacional ou em OE)ou não?? só concorre ao 1º ciclo e não a outros grupos???
      É interessante quando nos fazem ver a nós próprios com os mesmos olhos com que olhamos os outros, não é??

        • jota on 22 de Setembro de 2012 at 1:16
        • Responder

        Agora já percebo porque é que os alunos são tão fracos…
        Os docentes das ESEs de educação física têm habilitações para o 1 ciclol????
        Na minha escolas nem uma ata conseguem fazer…..
        ah mas são mestres…

          • patricia on 22 de Setembro de 2012 at 18:29

          Boa tarde PCCO. Eu andei no curso de Mat e Ciências e o estágio no 1º CEB , que foi no penúltimo ano, durou pouco mais de três meses. Depois optei e mudei para licenciatura em 1º CEB e aí sim …foi um estágio capacitador para a profissão. Os colegas que continuaram em Mat e Ciências tiveram o referido ESTÁGIO no último ano do curso.

    • CCB on 21 de Setembro de 2012 at 14:59
    • Responder

    Ficam aqui algumas questões em aberto relativamente aos graus académicos e sua relação com a graduação profissional, numa altura em que se discute tanto a necessidade de uma ordenação justa dos candidatos: os mestrados pré-bolonha, ou outra formação académica pós-profissionalização, não deveriam contar para a graduação profissional dos candidatos? Não é incoerente ter tanto peso na graduação o tempo de serviço de cada um, onde por vezes apenas um dia faz toda a diferença e muitas vezes depende da sorte em arranjar um horário com muitas horas, e não ter peso nenhum na graduação a formação pós profissionalização de cada um, que depende mais do seu esforço e mérito? Não deveria a graduação de cada candidato ser formada por um maior conjunto de elementos do candidato, que possa traduzir uma maior justiça na ordenação? Afinal, este tipo de formação é contabilizada para quem já está nos quadros…

    • E já agora... on 21 de Setembro de 2012 at 15:02
    • Responder

    E já agora… devo dizer que acho muito mal que outros colegas ensinem informática só porque têm um curso qualquer de 1 ano ou isso, que os “especializa”. Eu que tenho 2 licenciaturas em informática e um mestrado na mesma área, posso ser passada para trás por esses “especialistas”.
    Eu sei ler e escrever e não concorro para o 1º CEB.
    Eu sei falar, ler e escrever muito bem inglês e não concorro para esse grupo, nem para AEC’s.
    Eu sei tudo o que os professores de moral ensinam e não me vêm a concorrer para isso.
    A expressão “CADA MACACO NO SEU GALHO” quer dizer muito aqui.
    E desculpem, mas também não concordo com mestrados de informática que agora existem (na católica por exemplo) e que essas pessoas ficam só com a nota do mestrado e mais nada… e pelos vistos, a média mínima de final de curso ronda os 17…..
    Tenho 8 anos de trabalho anual e completo e vejo estes iluminados todos a “passar à frente”…
    Vejo os colégios a contratar pessoas que nem curso têm para dar informática ao 1ºCEB…
    Muito justo! e para além de não ser justo, mostra o ensino de qualidade que temos.

    • Eva on 21 de Setembro de 2012 at 15:13
    • Responder

    Boa tarde!
    Como é possível uma colega ter ficado, no grupo 910, com um horário temp. de 20h, se na candidatura n era possível colocar horários incompletos???? É mesmo a última colocada da lista e não tem nenhum tipo de alínea!!! Alguém me consegue explicar isto?É q ela está muuiiito depois de mim e de imensa gente…

    • maria on 21 de Setembro de 2012 at 20:57
    • Responder

    Eu mais três colegas ficamos colocados no mesmo grupo de recrutamento no mesmo agrupamento em horários temporários. Os três colegas estavam mais ou menos 600 lugares abaixo em relação a mim.Eu que estava melhor posicionada fiquei com um horário temporário(1 a 2 meses) os outros colegas ficaram com horários de aposentação ,atestados que no ano anterior se prolongaram para o ano todo etc.Tudo isto aconteceu pq o 1º horário a ser pedido na plataforma foi o que me foi atribuído.Sinto-me profundamente injustiçada porque quem não estava tão bem graduado acabou por ficar com melhores horários. Há alguma coisa que possa fazer para corrigir esta situação tão injusta?

    • tecas on 21 de Setembro de 2012 at 21:03
    • Responder

    Caros colegas,
    sabem se a famosa reunião dos sindicatos com o Ministro já terminou?
    Será que podemos ser informados sobre o resultado da mesma?
    Arlindo, sabe alguma coisa?

  1. Sobre o aldrabão Nuno Crápula: http://olhequenao.wordpress.com/2012/09/11/pinocrato-aldrabao/

    • RicardoHelder on 21 de Setembro de 2012 at 22:26
    • Responder

    Completamente de acordo CCB! Em nada nos ajuda investir em formação… E ninguém fala nos doutorados, que os ha mais do que se pensa. O que vai acontecer quando começarem a proliferar os doutoramentos pós-Bolonha?! Porque vão começar aparecer como os cogumelos…tb os vão contabilizar e vão esquecer os que já o têm há tanto tempo…era tempo de olhar para o esforço e valor de quem investe em formação séria (nao falo de especializações de 3 meses…) e deixar de olhar para a graduação como um mero conjunto de dias, que como se sabe depende de tanto da sorte..os professores, contratados ou nao, que tiram os seus cursinhos e ficam com umas palas que só lhes permite ver concursos, concursos, dias e tempo de serviço…até deviam ser penalizados..

    • C3PO on 21 de Setembro de 2012 at 23:42
    • Responder

    Também seria interessante era saber a formação dos Professores de Quadro, quantos deles tinham habilitação profissional e quantos tinham habilitação própria ou suficiente ou outra.

    • anabela on 22 de Setembro de 2012 at 1:57
    • Responder

    Gostaria de esclarecer que muitos dos contratados do grupo 910 possuem mestrado, contudo nas opções de concurso só podemos colocar licenciatura mais formação especializada!

    • Ana on 22 de Setembro de 2012 at 2:03
    • Responder

    Arlindo há dados aqui que não estão contabilizados. Eu concorro com a formação inicial, ou seja bacharelato mas fiz c.f.c.p. logo sou licenciada mas não aparece essa informação na candidatura pq eu não a ponho. Como eu há mts colegas.

    • ana on 22 de Setembro de 2012 at 11:08
    • Responder

    # C3PO

    Em 1983, um professor entrava no quadro de escola, no grupo 21 (actual 320), com uma licenciatura de cinco anos e mais dois anos de Estágio do Ramo Educacional (7 anos no total. No meu caso, até tinha um Diploma Superior de Língua Estrangeira que obtivera em estabelecimento de ensino estrangeiro). Antes, já ultrapassara o numerus clausus para a entrada na Universidade Clássica de Lisboa. Surgiram as ESES e os alunos que não conseguiam concluir o 3º ano da Faculdade de Letras de Lisboa fugiram, para Santarém, Beja, Setúbal, etc., acabando por se encaixar mais facilmente do que os que queimaram as pestanas.

    Já em 1983, encontrei colegas de quadro de escola, no topo da carreira, com a formação do antigo 5º ano do liceu, obtida, em muitos situações, em colégios de padres (9.º ano do Básico).

    Todavia, actualmente há imensos colegas no quadro de escola que concluíram pós-graduações, mestrado, doutoramento, pré-Bolonha. No ensino há de tudo como na “botica”.

      • KukaMona on 22 de Setembro de 2012 at 22:32
      • Responder

      Eu sei que sim, por exemplo no meu grupo uma das pessoas mais graduadas e com mais dias de serviço tem mais ou menos 11000 (onze mil) dias de serviço o que dá mais ou menos 30 anos de serviço, o que faz com que provavelmente vá ser dos primeiros a ser colocado na tal “vinculação execional”. Parece obvio, justo e tal certo?

      Mas quer saber a piada?
      Este colega tem apenas 211 (duzentos e onze) dias de serviço após profissionalização….

      Peço desculpa se acho isto no minimo ligeiramente injusto….

    • Alexandre on 22 de Setembro de 2012 at 21:41
    • Responder

    Por causa da “bolonhesa”, este quadro não permite tirar grandes conclusões.

      • KukaMona on 22 de Setembro de 2012 at 22:36
      • Responder

      Sim porque as Licenciaturas agora são quase os antigos Bacharelatos, Os Mestrados agora são as antigas Licenciaturas e os Doturamentos agora são os antigos mestrados…

      Bah…!

  1. […] Em 2012 havia quase 70 mil candidaturas. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: