adplus-dvertising

11 de Setembro de 2017 archive

Sobre a Providência Cautelar…

 

A aceitação de uma Providência Cautelar tem efeito imediato e só a decisão do tribunal, após análise dos contra argumentos, pode alterar a sua eficácia. Assim sendo, as listas de 25 de agosto ainda estão suspensas, até nova decisão do tribunal.

Texto enviado ao blog

 

Já deu entrada uma segunda Providência Cautelar…

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/09/sobre-a-providencia-cautelar/

Apenas os Horários Anuais Podem Ser Pedidos Para a RR2

Não deixa de ser criticável que para a Reserva de Recrutamento 2 apenas possam ser pedidos os horários de duração anual e ainda não passem para a contratação de escola os horários inferiores a 8 horas.

O que quer dizer que muitos alunos vão iniciar o ano letivo 2017/2018 ainda sem professor.

Não se justifica esta opção.

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/09/apenas-os-horarios-anuais-podem-ser-pedidos-para-a-rr2/

O esperado aconteceu… Ministério diz que se mantêm listas de professores após providência

 

Ninguém arreda pé. Agora é que vai ser…

Palavra dada é palavra honrada…

 

Ministério diz que se mantêm listas de professores após providência

O Ministério da Educação afirmou hoje que não houve qualquer suspensão das listas de colocação de professores, na sequência dos protestos dos docentes.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/09/o-esperado-aconteceu-ministerio-diz-que-se-mantem-listas-de-professores-apos-providencia/

Opinião – Está na altura de a escola crescer – Catarina Pires

 

Está na altura de a escola crescer

O que quero discutir, porque é isso que me deixa os nervos em franja, é a razão pela qual a escola pública não tenha, 43 anos passados sobre o 25 de Abril, conseguido ainda garantir um ensino igual para todos. É que, na minha cabeça, a escola deve ser o principal instrumento de criação de igualdade de oportunidades e justiça social. E não tem sido. Alguém me explica porquê?

Nunca vi uma criança tão feliz por ir para a escola como a minha filha, quando entrou para o 1º ano. Eu desfeita em lágrimas e ela, concentrada, de mochila às costas, sem olhar para trás. Fui eu que cortei o cordão umbilical quando ela nasceu. E parece que, apesar de míope e sem as lentes de contacto, cortei bem, embora na minha cabeça ele tenha ficado intacto. A Rita vai agora para o 5º ano, para a escola grande, e não podia estar mais feliz. Continua a não olhar para trás.

Gosta da escola. Acha que aprende lá muita coisa. E que agora vai aprender ainda mais, porque vai ter mais disciplinas e mais professores e mais amigas e mais amigos e mais intervalos. Descansa-me que pense assim. Não delego na escola a tarefa de educar nem de ensinar tudo o que há para aprender. Como os meus pais não delegaram.

A minha escola era parecida com a da Rita. Pública. Aprendi (mais ou menos) as mesmas coisas, da mesma maneira. Na verdade, e isso é um pouco desconcertante, o ensino em Portugal não evoluiu muito em trinta e tal anos. E, no entanto, aqui estou eu, filha da escola pública, a escrever esta crónica, com o suficiente pensamento crítico para dizer que preferia uma escola diferente. Não me entendam mal. Não sou ingrata. Defendo-a com unhas e dentes. E é por isso que queria que também ela, a escola, crescesse, não olhasse para trás e fosse mais feliz.

Que se deixasse de rankings e de quadros de honra com cheiro a bafio e de turmas em que se juntam os melhores alunos e os melhores professores a trabalhar para os resultados, enquanto outras acumulam quase trinta miúdos. Talvez assim não fosse sequer cogitável para os pais engendrarem esquemas de moradas e encarregados de educação falsos.

Não sou especialista em pedagogia, por isso não vou discutir modelos de ensino, matérias dadas (e a extensão das mesmas) e competências trabalhadas, embora desconfie que já é tempo de os questionar. Quanto ao tão ansiado (e tão pouco estimulado) pensamento crítico, é óbvio que tem de ser desenvolvido na escola, mas também fora dela (isto é para os pais).

O que quero discutir, porque é isso que me deixa os nervos em franja, é a razão pela qual a escola pública não tenha, 43 anos passados sobre o 25 de Abril, conseguido ainda garantir um ensino igual para todos. É que, na minha cabeça, a escola deve ser o principal instrumento de criação de igualdade de oportunidades e justiça social. E não tem sido. Alguém me explica porquê?

P.S. – Há seis ou sete anos, fui fazer uma reportagem à Finlândia, na altura o país com melhores resultados no PISA, o programa internacional de avaliação de alunos promovido pela OCDE, e o melhor sistema de ensino do mundo. Não havia escolas privadas, nem rankings, nem avaliação de professores, nem exames. O modelo adotado garantia que todos os alunos tinham acesso à mesma educação, com mecanismos pensados para «apagar» quaisquer diferenças, sobretudo as socioeconómicas. Não sei qual é a situação agora. Mas não deve ser muito diferente. Talvez o ministro da Educação possa lá ir fazer uma visita de estudo.

Noticias Magazine

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/09/opiniao-esta-na-altura-de-a-escola-crescer-catarina-pires/

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: