adplus-dvertising

1 de Setembro de 2017 archive

Cinema Sem Conflitos: Amor e Sexualidade (parte 1/5)

A primeira curta-metragem do tema Amor e Sexualidade é da autoria de Yonni Aroussi & Ben Genislaw e chama-se “Happily Ever After”. Mantendo-nos fiéis à sinopse original dos autores, este filme relata a aventura de um jovem casal que se está a mudar pela primeira vez… (mas não fica por aí!). O melhor mesmo é assistir ao filme!

 

 

Parentalidade

Como outros acontecimentos importantes do ciclo de vida, que trazem associadas mudanças nos padrões de funcionamento habitual, os processos de gravidez e transição para a parentalidade implicam stress. As mudanças sentidas na transição para a parentalidade trazem necessariamente perdas e ganhos, intrinsecamente associadas às representações ou significados que tais processos trazem para cada mulher e para cada homem e exigem um conjunto de respostas (comportamentais, cognitivas e emocionais) que habitualmente não integram o repertório cognitivo dos pais, por isso impõem adaptações específicas. O processo de avaliação cognitiva, que os novos pais fazem da sua capacidade de controlo dos acontecimentos, as possíveis consequências e os recursos de que dispõem que podem mobilizar estarão relacionados com a qualidade na adaptação à parentalidade. Afinal, por mais positivas que sejam as mudanças familiares, trazem sempre uma avaliação do que foi e já não é, dos recursos que são necessários mobilizar para fazer face aos novos desafios.

 

Andreia Morais Ribeira | Psicóloga Clínica

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/09/cinema-sem-conflitos-amor-e-sexualidade-parte-1/

Sobre o Novo paradigma das AEC

 

E a saga do “novo paradigma das AEC” prossegue.

Reparem nesta oferta: distingue o tempo de serviço docente do tempo de serviço em AEC (isso não é um critério que tenha sido usado antes em concurso). Para além disso, o que é de facto novo é colocar a distinção bem patente entre o tempo de serviço do docente “com habilitação profissional” do tempo de serviço exercido em AEC como “profissional não docente”.

Será um sinal de que os directores estão já a preparar terreno para a DGAE separar o tempo de serviço prestado em actividades de enriquecimento curricular para não contar para efeitos da 2.ª prioridade em futuros concursos de professores?

RICARDO SANTOS

Continue a ler

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/09/sobre-o-novo-paradigma-das-aec/

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: